BB corta juro após BC conservar Selic

Por: SentiLecto

– O Banco do Brasil está cortando taxas cobradas nas novas concessões de algumas linhas de crédito, como o cheque especial e o capital de giro, declarou nesta quinta-feira o presidente-executivo, Paulo Caffarelli, que o Banco Central decidiu na quarta-feira conservar a taxa básica de juros em 6,50 por cento ao ano, justificando que o cenário externo tornou-se mais desafiador e exibiu volatilidade, que a atividade econômica do país perdeu força e o conduta da inflação continua favorável, apesar de reconhecer. Caffarelli a jornalistas após acontecimento em São Paulo. alegou: “A procura está aumentando e a concorrência entre os bancos, também”. Segundo Caffarelli, o ritmo de recuperação da economia de Brasil está sendo menor do que o que se esperava, mas ele conservou expectativa de alta de cerca de 2,5 por cento do PIB em 2018, o que vai ter reflexos na expansão do crédito. Na véspera, o Itaú Unibanco também anunciou corte nas taxas do cheque especial e no crédito pessoal. A movimentação dos bancos acontece após o BC, horas antes do anúncio da Selic, ter informado que seu Índice de Atividade Econômica , uma espécie de indicador antecedente do PIB, recuou 0,74 por cento em março ante fevereiro, resultado bem pior do que a expectativa em pesquisa da Reuters com analistas, de queda de 0,10 por cento. Com isso, o indicador mostrou contração de 0,13 por cento no primeiro trimestre. O BB havia anunciado na semana passada que, diferente do que planeja para 2018, sua carteira de crédito no fim de março, tinha caído 1,9 por cento em 12 meses. A carteira orgânica interna caiu 1,3 por cento, ante previsão de alta de 1 a 4 por cento em 2018. A carteira orgânica interna é base da previsão do BB. Mas o banco conservou a previsão de alta para o ano.

– Economistas de instituições financeiras referendaram a expectativa de corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros nesta semana e diminuíram com força sua projeção para a atividade econômica neste ano na pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira. O Comitê de Política Monetária do BC se reúne na terça e na quarta-feiras para debater a Selic, e a nova diminuição de 0,25 ponto percentual, para 6,25 por cento, já era esperada após indicações da própria autoridade monetária, antes de concluir a ciclo de flexibilização para avaliar as próximas passos. Faz 11 meses, o Focus mostrou que a expectativa é de que a taxa básica de juros seja. Os experts consultados também continuam vendo a taxa básica a 6,25 e 8 por cento respectivamente em 2018 e 2019. O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também não modificou a visão de que a Selic concluirá este ano e o próximo respectivamente a 6,25 e e 7,5 por cento. Uma vez que a inflação permanece em níveis baixos, se conservou corte a expectativa de novo apesar da recente alta de o dólar. As contas para a moeda norte-americana neste ano subiram pela quarta vez seguida, a 3,40 reais de 3,37 reais antes. Se diminuiu a expectativa entretanto, para a alta de o IPCA em 2018 em 0,04 ponto percentual, a 3,45 por cento, e em 0,03 ponto para o ano que vem, a 4 por cento. Em relação ao Produto Interno Bruto , a mediana das projeções assinala para uma expansão de 2,51 por cento este ano, forte diminuição em relação aos 2,70 por cento calculados antes, chegando a 3,0 por cento em 2019, conta inalterada.- A economia de Brasil encolheu mais que o esperado em março, fechando o primeiro trimestre com contração de 0,13 por cento e corroborando a fraqueza da atividade neste começo de ano em meio ao mercado de trabalho debilitado e ao cenário político que afetam a confiança. Faz 3 meses, recuou 0,74 por cento em março em a comparação com fevereiro, segundo dado dessazonalizado, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central espécie de sinalizador de o Produto Interno Bruto divulgado em esta quarta-feira. O resultado foi bem pior do que a expectativa em pesquisa da Reuters com analistas, de queda de 0,10 por cento, e o cenário mostra ainda mais fraqueza após a revisão pelo BC do dado mensal de fevereiro pelo BC para recuo de 0,10 por cento, após divulgar expansão de 0,09 por cento. Com isso, o indicador que incorpora projeções para a produção nos setores de serviços, indústria e agropecuária, bem como o efeito dos impostos sobre os produtos, suspende série de quatro trimestres de expansão. Em março, a produção industrial encolheu 0,1 por cento e concluiu o primeiro trimestre estagnada, enquanto o setor de serviços exibiu nos três primeiros meses do ano contração de 0,9 por cento. Somente o varejo concluiu o fase com ganhos, de 0,7 por cento, mas ainda mencionando oscilações. Enquanto a inflação e os juros permanecem baixos, o desemprego ainda aumentado contém o consumo e impede melhora econômica mais robusta num ano de votação presidencial envolta por indefinições. Esses cenários vêm afetando a confiança de maneira generalizada no país, inclusive já neste segundo trimestre, movimento que levou analistas consultados pela Reuters a advertirem para novo possível fase de fraqueza da atividade. Economistas consultados na pesquisa Focus do BC vêm diminuindo a expectativa de crescimento do PIB este ano, agora a 2,51 por cento, sendo que no começo do ano, estava em torno de 3 por cento. Os dados oficiais do IBGE sobre a performance do PIB no trimestre passado serão divulgados em 30 de maio. – O Banco Central conservou nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 6,50 por cento ao ano, contrariando extensas expectativas de corte de 0,25 ponto percentual, justificando que o cenário externo tornou-se mais desafiador e exibiu volatilidade. BC em comunicado, em meio ao movimento que levou à forte valorização do dólar nas últimas semanas. Q firmou: “A evolução dos riscos, em grande parte associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avaprogredidasroduziu ajustes nos mercados financeiros internacionais”,.uarenta de 42 economistas consultados pela Reuters esperavam corte de 0,25 ponto na Selic, ao passo que somente dois calculavam manutenção do platô de 6,5 por cento ao ano. O BC também diminuiu sua projeção de inflação a 3,6 por cento em 2018, ante 3,8 por cento em seu último cálculo, pelo cenário de mercado. Em 1 ano, a conta também caiu a 3,9 por cento, contra 4,1 por cento antes, para 2019. No cenário com juros e cotação constantes, por outro lado, as projeções de inflação situam-se em torno de 4 por cento em ambos os anos.

Na quinta-feira 10 de maio – A sinalização de ampliação dos dividendos do Banco do Brasil foi insuficiente para comprazer investidores nesta quinta-feira, uma vez que o resultado do primeiro trimestre trouxe preocupações sobre itens como a característica da carteira. Em entrevista coletiva, Paulo Caffarelli havia atribuído a resolução de aumentar, de 25 para 40 por cento neste ano, o percentual do lucro que seria distribuído aos acionistas na maneira de dividendos ao entendimento de que o esforço para reforçar o capital já havia sido alcançado. Paulo Caffarelli é o presidente-executivo do BB. ” estava na hora de recompensar nossos acionistas”, havia alegado. No entanto, analistas do setor haviam dado mais atenção a pontos do balanço que viravam com preocupação. Um deles tem a ver com uma possível interrupção na queda da inadimplência. No balanço, o BB havia reportado a quarta queda sequencial consecutiva do índice de atrasos acima de 90 dias. O volume de provisões para perdas esperadas com inadimplência também havia caído. No entanto, o New NPL, uma espécie de indicador antecedente da inadimplência futura, havia subido pelo segundo trimestre na base sequencial. “A característica da carteira havia mostrado tendências mistas”, havia sintetizado o analista do Itaú BBA Thiago Batista, em relatório a clientes. Embora o lucro tenham aumentado 20 por cento contra um ano antes, também em relatório, Henara Matache, do Brasil Plural, havia pontuado que com impulso das provisões e das despesas administrativas, a queda da margem líquida de juros havia sido maior do que a esperada. “Esse esforço para gerar receitas a partir de ativos que rendiam juros a menos que o banco continue diminuindo o preço do crédito, devia afliçãozinha sobre a habilidade do BB de impulsionar o crescimento dos lucros e das despesas nos próximos trimestres”, havia alegado Matache. Às 13:57, a ação do BB na bolsa paulista tinha queda de 3,27 por cento, enquanto o Ibovespa subia 1,85 por cento. IMPASSE Caffarelli havia declarado na coletiva que o BB vai se conservar próximo de grandes devedores, mas sem fazer concessões exageradas. “Não abriremos mão da boa prática bancária nas negociações com grandes clientes”, havia declarado Caffarelli a jornalistas após ser perguntado sobre a postura do BB em relação às corporações inadimplentes. Faz 1 mês, a declaração vinha em meio a negociações de bancos com a Odebrecht, após a Odebrecht Engenharia e Construção e agora estava no fase de escassez.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>BB corta juro após BC conservar Selic
>>>>>Mercado referenda expectativa de corte da Selic esta semana e reduz alta do PIB a 2,51% este ano, mostra Focus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Economia do Brasil encolhe mais que o esperado em março e contrai 0,13% no 1º tri, aponta BC – May 16, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Itaú reduz previsão de crescimento do PIB para 2018 e 2019; vê dólar mais caro – May 11, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Projeção de expansão da indústria cai e reduz crescimento do PIB em 2018; mercado vê dólar a R$3,37, mostra Focus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>IPCA sobe 0,22% em abril, menos que o esperado, e mantém espaço para corte de juros – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Com queda nos preços de aluguel e refeição fora de casa, inflação de serviços fica estagnada – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Remédios e planos de saúde pressionam inflação e índice sobe 0,22% em abril – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Aumento abusivo nos planos de saúde é alvo de campanha da Proteste – May 07, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IPC-S avança 0,32% na 1ª quadrissemana de maio, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IGP-DI acelera alta a 0,93% em abril com pressão maior no atacado e varejo, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Subida do dólar é normal; é preciso olhar expectativa de inflação para decisão sobre juros, diz Ilan à GloboNews – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>IPCA sobe em 0,22% em abril, diz IBGE – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Gol tem alta de 1,9% na demanda em abril enquanto oferta sobe 0,8% – May 07, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IGP-DI tem alta de 0,93% em abril, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Kroton tem lucro de R$539 mi no 1º tri; prevê queda em resultados em 2018 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Notre Dame Intermédica tem lucro de R$137,6 mi no 1º tri – (Extraoglobo-pt)
>>>>>BC surpreende e mantém Selic em 6,5%; aponta cenário externo mais desafiador – May 16, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Bovespa recua com cenário externo negativo; balanços seguem no radar – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com balanços, Kroton desaba e Natura salta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Índice reverte ganhos e recua com fraqueza em NY e alta do dólar; Petrobras limita perdas – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em Petrobras, em dia de avanço do petróleo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em ações da Petrobras – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta novamente guiado por Petrobras, em sessão positiva para emergentes – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 20 8 por_cento: 1, 3,9 por_cento: 1, 3 por_cento: 1, 1,3 por_cento: 1, 0,74 por_cento: 1, 0,1 por_cento: 1, 6,50 por_cento: 1, 2,51 por_cento: 2, 3,0 por_cento: 1, 3,6 por_cento: 1, os 2,70 por_cento calculados: 1, 3,45 por_cento: 1, 7,5 por_cento: 1, 4,1 por_cento: 1, 4 por_cento: 3, 0,7 por_cento: 1, 3,8 por_cento: 1
2 eu 80 120 NONE 9 (tacit) eu: 9
3 Paulo Caffarelli 60 0 PERSON 6 dito Caffarelli: 1, (tacit) ele/ela (referent: Paulo_Caffarelli): 1, Caffarelli: 2, Paulo_Caffarelli (apposition: o presidente-executivo de o BB): 1, Paulo_Caffarelli: 1
4 expectativa 200 0 NONE 4 A expectativa: 1, a expectativa: 3
5 BB 0 0 ORGANIZATION 4 O BB: 1, (tacit) ele/ela (referent: O BB): 1, o BB: 2
6 BC 0 0 ORGANIZATION 4 o BC: 2, o BC de o dado mensal: 1, O BC: 1
7 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
8 movimento 0 0 NONE 4 o movimento: 2, movimento: 2
9 a taxa básica de juros 0 240 NONE 3 a taxa básica de juros: 3
10 cenário 0 15 NONE 3 o cenário externo: 1, o cenário: 2