BC assombra e conserva Selic em 6,5%; assinala cenário externo mais desafiador

Por: SentiLecto

– O Banco Central conservou nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 6,50 por cento ao ano, contrariando extensas expectativas de corte de 0,25 ponto percentual, justificando que o cenário externo tornou-se mais desafiador e exibiu volatilidade. BC, que também diminuiu sua projeção de inflação a 3,6 por cento em 2018, ante 3,8 por cento em seu último cálculo, pelo cenário de mercado, em comunicado, em meio ao movimento que levou à forte valorização do dólar nas últimas semanas. Q firmou: “A evolução dos riscos, em grande parte associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avaprogredidasroduziu ajustes nos mercados financeiros internacionais”,.uarenta de 42 economistas consultados pela Reuters esperavam corte de 0,25 ponto na Selic, ao passo que somente dois calculavam manutenção do platô de 6,5 por cento ao ano. Em 1 ano, a conta também caiu a 3,9 por cento, contra 4,1 por cento antes, para 2019. No cenário com juros e cotação constantes, por outro lado, as projeções de inflação situam-se em torno de 4 por cento em ambos os anos.

– A economia de Brasil encolheu mais que o esperado em março, fechando o primeiro trimestre com contração de 0,13 por cento e corroborando a fraqueza da atividade neste começo de ano em meio ao mercado de trabalho debilitado e ao cenário político que afetam a confiança. Faz 3 meses, recuou 0,74 por cento em março em a comparação com fevereiro, segundo dado dessazonalizado, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central espécie de sinalizador de o Produto Interno Bruto divulgado em esta quarta-feira. O resultado foi bem pior do que a expectativa em pesquisa da Reuters com analistas, de queda de 0,10 por cento, e o cenário mostra ainda mais fraqueza após a revisão pelo BC do dado mensal de fevereiro pelo BC para recuo de 0,10 por cento, após divulgar expansão de 0,09 por cento. Com isso, o indicador que incorpora projeções para a produção nos setores de serviços, indústria e agropecuária, bem como o efeito dos impostos sobre os produtos, suspende série de quatro trimestres de expansão. Em março, a produção industrial encolheu 0,1 por cento e concluiu o primeiro trimestre estagnada, enquanto o setor de serviços exibiu nos três primeiros meses do ano contração de 0,9 por cento. Somente o varejo concluiu o fase com ganhos, de 0,7 por cento, mas ainda mencionando oscilações. Enquanto a inflação e os juros permanecem baixos, o desemprego ainda aumentado contém o consumo e impede melhora econômica mais robusta num ano de votação presidencial envolta por indefinições. Esses cenários vêm afetando a confiança de maneira generalizada no país, inclusive já neste segundo trimestre, movimento que levou analistas consultados pela Reuters a advertirem para novo possível fase de fraqueza da atividade. Economistas consultados na pesquisa Focus do BC vêm diminuindo a expectativa de crescimento do PIB este ano, agora a 2,51 por cento, sendo que no começo do ano, estava em torno de 3 por cento. Os dados oficiais do IBGE sobre a performance do PIB no trimestre passado serão divulgados em 30 de maio. – Economistas de instituições financeiras referendaram a expectativa de corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros nesta semana e diminuíram com força sua projeção para a atividade econômica neste ano na pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira. O Comitê de Política Monetária do BC se reúne na terça e na quarta-feiras para debater a Selic, e a nova diminuição de 0,25 ponto percentual, para 6,25 por cento, já era esperada após indicações da própria autoridade monetária, antes de concluir a ciclo de flexibilização para avaliar as próximas passos. Faz 11 meses, o Focus mostrou que a expectativa é de que a taxa básica de juros seja. Os experts consultados também continuam vendo a taxa básica a 6,25 e 8 por cento respectivamente em 2018 e 2019. O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também não modificou a visão de que a Selic concluirá este ano e o próximo respectivamente a 6,25 e e 7,5 por cento. Uma vez que a inflação permanece em níveis baixos, se conservou corte a expectativa de novo apesar da recente alta de o dólar. As contas para a moeda norte-americana neste ano subiram pela quarta vez seguida, a 3,40 reais de 3,37 reais antes. Diminuiu-se a expectativa entretanto, para a alta de o IPCA em 2018 em 0,04 ponto percentual, a 3,45 por cento, e em 0,03 ponto para o ano que vem, a 4 por cento. Em relação ao Produto Interno Bruto , a mediana das projeções assinala para uma expansão de 2,51 por cento este ano, forte diminuição em relação aos 2,70 por cento calculados antes, chegando a 3,0 por cento em 2019, conta inalterada.- O principal índice de ações da B3 recuava nesta terça-feira, pressionado pelo quadro desfavorável a ativos de risco no mercado financeiro mundial e com a temporada de resultados também no radar, incluindo os números da empresa de alimentos JBS e da siderúrgica CSN, entre outros Às 12:20, o Ibovespa caía 0,66 por cento, a 84.672 pontos. O volume financeiro era de 5,7 bilhões de reais. No exterior, o dólar valorizava-se ante uma cesta de moedas e as bolsas nos Estados Unidos recuavam, em meio a preocupações sobre a falta de melhoria nas negociações comerciais entre Washington e Pequim e dados sobre vendas no varejo mencionando aceleração da inflação norte-americana. Enquanto excluiu, também no radar do pregão estava a revisão semestral do índice de ações MSCI Brazil, que incluiu BR Distribuidora, o IRB Brasil e a Magazine Luiza -se Qualicorp e Taesa. As mudanças entram em forcita no encerramento do dia 31 de maio. DESTAQUES – VALE recuava 0,7 por cento, acompanhando o declínio dos custos do minério de ferro à vista na China, embora os futuros da commodity tenham subido. – BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN caíam 0,2 e 0,82 por cento, respectivamente, também pressionando o Ibovespa, o mau humor generalizado conforme afetava eles. BANCO DO BRASIL caía 2,78 por cento. – PETROBRAS ON subia 1,36 por cento e PETROBRAS PN progredia 0,95 por cento, em sessão sem tendência clara para o petróleo no exterior e em meio a notícias na mídia envolvendo a cessão onerosa. A empresa informou que, até o momento, não há definição entre a empresa e a União sobre o resultado final da revisão do contrato de cessão onerosa e os possíveis meios de pagamento à petroleira, e que as tratativas ainda estão em curso. – QUALICORP caía 5,4 por cento, tendo no radar a revisão do MSCI, conforme muitos fundos usam o índice como referência para suas carteiras. Se excluiu Taesa Unit que taesa Unit, que também de o índice, recuava 3,6 por cento. – Uando a gerente de shopping centers teve lucro adaptado de 150,4 milhões de reais, bRMALLS subia 2,68 por cento, em meio à repercussão do balanço no primeiro trimestre, q alta de 36 por cento em relação ao mesmo perfase ano passado.- JBS tinha alta de 1,88 por cento, após resultado no primeiro trimestre, com lucro líquido de 506,5 milhões de reais, e anúncio da empresa de alimentos sobre acordo de normalização de dívida com bancos no Brasil. – CSN subia 0,42 por cento, após a siderúrgica divulgar lucro líquido de 1,486 bilhão de reais no primeiro trimestre, bem como que a aprovação pelo conselho da venda da participação na Companhia Siderúrgica Nacional LLC, nos EUA, para a Steel Dynamics. – Faz 1 ano, MARFRIG tinha acréscimo de 0,89 por cento, revertendo perdas registradas mais cedo, tendo de pano de fundo balanço de o primeiro trimestre com perda líquida de 206 milhões de reais, ante resultado negativo de 233 milhões de reais em o mesmo.

Na quinta-feira 26 de abril – A inadimplência no Brasil caiu a 4,8 por cento em março, ante 5,0 por cento em fevereiro, com os empréstimos ficando mais baratos em meio ao ciclo de afrouxamento nos juros governado pelo Banco Central. Os dados, divulgados pelo BC, eram referentes ao segmento de recursos livres, em que os bancos eram livremente definidas as taxas de juros. Faz 3 meses, em este recorte, os juros médios haviam sido a 41,4 por cento em março, diminuição de 0,8 ponto percentual sobre fevereiro, suspendendo dois meses de alta consecutiva. Segundo o chefe do setor de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, as concessões das modalidades mais caras haviam voltado a afliçãozinha menos nas estatísticas após o final de ano, explicando a queda nos juros médios agora. Faz 2 meses, em um quadro de fraca inflação e crescimento irregular de a economia, o BC havia, levando a taxa a o platô histórico de 6,50 por cento a o ano. Diante da continuidade do mesmo cenário econômico, a expectativa era de novo corte em maio. O BC informou ainda que o spread bancário –diferença entre o preço de captação e a taxa cobrada pelos bancos ao consumidor final– cedeu 0,4 ponto sobre o mês anterior, passando a 33,7 pontos percentuais. No acumulado do primeiro trimestre, contudo, o quadro ainda era de crédito mais caro a despeito da inadimplência menor e do ciclo de afrouxamento monetário do BC. Faz 2 meses, a inadimplência em o segmento de recursos livres havia caído 0,1 ponto, de janeiro a março. Ao mesmo tempo, os juros médios haviam subido 1,1 ponto e o spread bancário havia progredido 1,9 ponto percentual. Faz 2 meses, estoque o estoque de crédito total brasileiro havia, a 3,082 trilhões reais, número que considerava também o saldo de crédito direcionado. Com isso, havia alcançado 46,6 por cento do Produto Interno Bruto . No primeiro trimestre, o estoque havia tido retração de 0,3 por cento, apresentando alta de 0,1 por cento no acumulado em 12 meses. Para o ano, a expectativa do BC era de que haja progressão de 3,5 por cento em 2018, puxado pela progressão no crédito livre.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>BC assombra e conserva Selic em 6,5%; assinala cenário externo mais desafiador
>>>>>Economia do Brasil encolhe mais que o esperado em março e contrai 0,13% no 1º tri, aponta BC – May 16, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Itaú reduz previsão de crescimento do PIB para 2018 e 2019; vê dólar mais caro – May 11, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Projeção de expansão da indústria cai e reduz crescimento do PIB em 2018; mercado vê dólar a R$3,37, mostra Focus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>IPCA sobe 0,22% em abril, menos que o esperado, e mantém espaço para corte de juros – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Com queda nos preços de aluguel e refeição fora de casa, inflação de serviços fica estagnada – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Remédios e planos de saúde pressionam inflação e índice sobe 0,22% em abril – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Aumento abusivo nos planos de saúde é alvo de campanha da Proteste – May 07, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IPC-S avança 0,32% na 1ª quadrissemana de maio, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IGP-DI acelera alta a 0,93% em abril com pressão maior no atacado e varejo, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Subida do dólar é normal; é preciso olhar expectativa de inflação para decisão sobre juros, diz Ilan à GloboNews – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>IPCA sobe em 0,22% em abril, diz IBGE – May 10, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Gol tem alta de 1,9% na demanda em abril enquanto oferta sobe 0,8% – May 07, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>IGP-DI tem alta de 0,93% em abril, diz FGV – May 08, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Kroton tem lucro de R$539 mi no 1º tri; prevê queda em resultados em 2018 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Notre Dame Intermédica tem lucro de R$137,6 mi no 1º tri – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Mercado referenda expectativa de corte da Selic esta semana e reduz alta do PIB a 2,51% este ano, mostra Focus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bovespa recua com cenário externo negativo; balanços seguem no radar – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com balanços, Kroton desaba e Natura salta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Índice reverte ganhos e recua com fraqueza em NY e alta do dólar; Petrobras limita perdas – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em Petrobras, em dia de avanço do petróleo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em ações da Petrobras – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta novamente guiado por Petrobras, em sessão positiva para emergentes – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 30 7,5 por_cento: 1, 0,66 por_cento: 1, 36 por_cento: 1, os 2,70 por_cento calculados: 1, 0,1 por_cento: 1, 0,74 por_cento: 1, 0,42 por_cento: 1, 4,8 por_cento: 1, 4,1 por_cento: 1, 4 por_cento: 2, 8 por_cento: 1, 41,4 por_cento: 1, 6,50 por_cento: 1, 2,68 por_cento: 1, 5,4 por_cento: 1, 3,0 por_cento: 1, 5,0 por_cento: 1, 0,95 por_cento: 1, 3,45 por_cento: 1, 0,82 por_cento: 1, 3 por_cento: 1, 3,9 por_cento: 1, 2,78 por_cento: 1, 0,7 por_cento: 1, 3,6 por_cento: 2, 3,8 por_cento: 1, 2,51 por_cento: 2
2 BC 0 0 ORGANIZATION 8 o BC: 6, o BC de o dado mensal: 1, O BC: 1
3 expectativa 250 0 NONE 5 a expectativa era: 1, A expectativa: 1, a expectativa: 3
4 ponto 25 0 NONE 5 0,03 ponto: 1, 1,9 ponto percentual: 1, 0,1 ponto: 1, 0,04 ponto percentual: 1, 0,4 ponto: 1
5 juros 0 0 NONE 5 os juros médios: 3, juros: 1, os juros: 1
6 eu 560 240 NONE 4 (tacit) eu: 4
7 cenário 80 15 NONE 4 o cenário externo: 1, cenário econômico: 1, o cenário: 2
8 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
9 meio 0 0 NONE 4 meio: 4
10 movimento 0 0 NONE 4 o movimento: 2, movimento: 2