BNDES calcula empréstimos de R$15 bi para energia em 2018, declara diretor

Por: SentiLecto

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico estima empréstimos de 15 bilhões de reais para o setor de energia elétrica neste ano, dos quais 4,5 bilhões para geração eólica e 3,2 bilhões para transmissão, declarou nesta sexta-feira o diretor da área de infraestrutura e governos do banco, Marcos Ferrari, que à Reuters. No ano passado, os desembolsos do banco para energia elétrica adicionaram cerca de 13,5 bilhões de reais com destaque para o segmento eólico, que recebeu quase 7 bilhões em financiamentos.

– Faz 2 meses, a liquidação financeira de operações em o mercado de curto prazo de eletricidade arrecadou 1,62 bilhão de reais, de um total de 9,17 bilhões de reais contabilizados e cobrados junto às ecompanhiasdo setor, ddeclarounesta quarta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica . Dos cerca de 7,55 bilhões de reais em aberto na liquidação, que promove pagamentos e recebimentos entre as companhias do mercado de energia, se os quitaram cerca de 6,43 bilhões não devido a liminares judiciais que impedem a cobrança. Nessas ações judiciais, uma série de elétricas conseguiu proteção contra preços com o chamado “risco hidrológico” na operação de usinas –quando hidrelétricas precisam adquiri energia no mercado para satisfazer seus contratos devido a uma menor produção por fatores como o baixo nível dos reservatórios. A CCEE declarou que, fora os valores relacionados às liminares, cerca de 1,12 bilhão de reais ficaram em aberto na liquidação por outros motivos. A ausência de pagamentos nas liquidações da CCEE tem prejudicado companhias que em geral têm créditos a receber nessas operações. Segundo a CCEE, um grupo de companhias que obteve liminares para não ter descontos em seus créditos devido à inadimplência recebeu créditos referentes a 55 por cento do que teriam direito. Enquanto agentes que não estão protegidos por nenhuma ação judicial não receberam seus pagamentos devido à falta de recursos, um outro grupo de agentes com liminares recebeu 11 por cento dos créditos segundo a CCEE.- Economistas passaram a ver um rombo primário maior para o governo central no ano que vem, ao mesmo tempo em que melhoraram as contas para este ano, segundo o relatório Prisma Fiscal divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério da Fazenda. Conforme mediana dos dados coletados até o quinto dia útil deste mês, a expectativa agora é de déficit primário de 123,288 bilhões de reais em 2019, contra 117,875 bilhões de reais no levantamento anterior, mas dentro da meta de saldo negativo em 139 bilhões de reais. Na véspera, o Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019 que fixa o alvo de déficit primário para o próximo ano, mas afrouxou o texto em relação à versão do relator, que vedava, por exemplo, a concessão de reajustes salariais ao funcionalismo público para aauxiliaro governo a reequilibrar as contas públicas. Para este ano, economistas consultados no Prisma passaram a ver déficit um pouco menor, de 149,642 bilhões de reais, ante 151,192 bilhões de reais no levantamento de junho. A meta estabelecida pelo governo é de rombo primário de 159 bilhões de reais. Membros da equipe econômica vêm reiterando a viabilidade do cumprimento do alvo fiscal mesmo em meio a obstáculos recentes, como a greve dos caminhoneiros, que paralisou o país em maio, afetando o fornecimento de produtos de vários cadeias. Para acabar com os protestos, o governo aceitou subvencionar a redução do custo do diesel, a um preço fiscal total de 13,5 bilhões de reais no ano. Em relação à dívida bruta, os cálculos dos economistas pioraram tanto para este ano quanto para o ano que vem, ficando em 76 por cento do Produto Interno Bruto e 78,10 por cento do PIB, respectivamente. Antes, as contas eram de 75,8 por cento para 2018 e 77,8 por cento para 2019. – O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social anunciou que vai disponibilizar 20,4 bilhões de reais em investimentos para o ano colheita 2018/19, o equivalente a 50 por cento do crédito direcionado ao setor. Também serão disponibilizados 100 milhões de reais para financiamento de custeio, declarou o BNDES em nota. Se os enquadram como investimentos financiáveis a construção de armazéns com habilidade de até 6 mil toneladas em as propriedades de os pequenos e médios produtores rurais, o banco de fomento informou: ” a recuperação de reserva legal e de áreas de conservação permanente em o âmbito de o Programa ABC, a aquisição de matrizes e reprodutores com registro genealógico e ampliação de o limite de renda para enquadramento de os produtores em o Programa Nacional de Apoio a o Médio Produtor Rural”.

“A carteira de energia é a maior parte dos projetos do banco;

No primeiro trimestre, os desembolsos do BNDES para infraestrutura adicionaram 4 bilhões de reais de um total de liberações de 11 bilhões. A área de energia recebeu recursos de 1,6 bilhão, rodovia ficou com 1,1 bilhão e outros 568 milhões foram para transportes auxiliares.

A expectativa do diretor é que ao final desse ano os empréstimos do BNDES para infraestrutura encarnem cerca de 35 por cento do total. A expectativa para os desembolsos totais em 2018 é de cerca de 70 bilhões de reais.

Ferrari estima que atualmente o prazo para análise do banco de um projeto de infraestrutura gira em torno de 400 dias e a instituição tenta diminuir esse fase pela metade. “Estamos implantando projetos no banco para auxiliar nessa análise e isso vai permitir ampliar a rapidez”, declarou ele.

Para conseguir isso, o banco instituiu uma espécie de força-tarefa para acelerar a análise e aprovação de pedidos de financiamento, batizado de “Sala de Situação”.

Ao menos 10 projetos de infraestrutura, já foram incluídos nesse modelo de sala de situação. Um dos projetos a ser admirado pela força-tarefa é o do metrô de Fortaleza, uma promessa do governo local que está hibernando há anos, desde a época do PAC Mobilidade, dos governos petistas. Se diminuiu o novo projeto de 12 para 7 quilômetros, mas a parcela a ser financiada pelo BNDES deve ampliar para incluir material rodante, dormentes, trilhos e outros itens.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Fortaleza

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>BNDES calcula empréstimos de R$15 bi para energia em 2018, declara diretor
>>>>>Liquidação de operações do mercado de energia arrecada R$1,6 bi em maio, diz CCEE – July 11, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Mercado vê rombo primário maior em 2019, mas melhora conta para 2018, mostra Prisma Fiscal – July 12, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>BNDES anuncia R$ 20,4 bi para investimentos agrícolas no ano safra 2018/2019 – July 12, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>BNDES prevê redução na demanda por recursos por proximidade das eleições e PIB mais fraco – July 10, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 reais 480 0 NONE 6 reais contabilizados e cobrados: 1, reais: 5
2 liminares 80 0 NONE 4 liminares: 2, liminares judiciais: 2
3 CCEE 0 0 ORGANIZATION 3 A CCEE: 1, a CCEE: 2
4 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
5 por_cento 0 0 NONE 3 55 por_cento: 1, 77,8 por_cento: 1, 75,8 por_cento: 1
6 expectativa 330 0 NONE 2 A expectativa: 1, a expectativa: 1
7 aberto 160 0 NONE 2 aberto: 2
8 contas 100 0 NONE 2 as contas: 2
9 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico 80 0 ORGANIZATION 2 O Banco_Nacional_de_Desenvolvimento_Econômico: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Banco_Nacional_de_Desenvolvimento_Econômico): 1
10 meta 80 0 NONE 2 A meta estabelecida: 1, meta: 1