Bovespa cai abaixo de 80 mil pts com tombo das ações da Petrobras

Por: SentiLecto

– O tom negativo prevalecia na bolsa de Brasil na manhã desta quinta-feira, com as ações da Petrobras despencando mais de 10 por cento, em meio a preocupações sobre a influência política na companhia, após a estatal diminuir o custo do diesel em razão dos protestos dos caminhoneiros. Às 12:16, o Ibovespa caía 1,64 por cento, a 79.542 pontos. Na mínima da sessão até o momento, o índice recuou 2,28 por cento. O volume financeiro era de 7 bilhões de reais. Na visão do chefe da mesa de renda mutável da CM Capital Markets, Fabio Carvalho, a percepção de risco com emergentes vem ampliando e, em o Brasil , o quadro eleitoral indefinido potencializa isso , o que abre espaço para incertezas sobre questões regulatórias que necessitam convergência política. Declarou: “Se havia dúvida de como o governo reagiria em algum momento de instabilidade, o que ocorreu com a Petrobras e também a Eletrobras nos últimos dias foi uma sinalização não acertada”. Dados sobre o fluxo para o segmento Bovespa também continuam mostrando saída líquida de capital externo. Até o dia 21, o saldo estava negativo em 2,785 bilhões de reais em maio. Wall Street endossava o viés negativo no pregão de Brasil, com o S&P 500 em baixa de 0,7 por cento, tendo no radar resolução do presidente de Noruega Donald Trump de cancelar um encontro planejado com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un e com o recuo das ações de bancos e queda de custo do petróleo também pesando nos negócios. DESTAQUES – PETROBRAS PN e PETROBRAS ON desabavam 12,4 e 11,8 por cento, respectivamente, em meio à reação negativa dos investidores à deresoluçãoa coempresae rediminuirrcustosm razão dos protestos dos caminhoneiros. Analistas cortaram a recomendação dos papéis da empresa, mencionando preocupação com ampliação dos riscos de interferência política na estatal, entre eles os do Credit Suisse, Morgan Stanley e Itaú BBA. André Hachem, do Itaú BBA realçou: “As normas do jogo mudaram”. – ELETROBRAS PNB e ELETROBRAS ON recuavam 7,3 e 4,7 por cento, respectivamente, ainda pressionadas pela frustração dos investidores com a obstáculo do governo para seguir adiante com a privatização da companhia. – BANCO DO BRASIL recuava 2,6 por cento, liderando as perdas do setor bancário no Ibovespa. A ação do banco estatal tende a padecer mais em momentos de preocupação com riscos políticos no país. BRADESCO PN perdia 0,6 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,25 por cento. SANTANDER UNIT cedia 1,1 por cento. – GOL PN recuava 2,8 por cento, conforme o dólar voltava a se valorizar ante o real, uma vez que a empresa aérea tem a maior parte de suas despesas operacionais atreladas à moeda norte-americana. A empresa também divulgou que está aplicando medidas de contingência em toda operação em razão dos efeitos dos protestos, “conservando as ações necessárias para diminuir os efeitos aos seus clientes”. – BRASKEM tinha alta de 5,84 por cento, apoiada em expectativas relacionadas a aquisição do controle da petroquímica, após o jornal Valor Econômico noticiar que a holandesa LyondellBasell preparou uma nova proposta à Odebrecht para cadquirio controle da Braskem, avaliando a petroquímica brasileira em 41,5 bilhões de reais. A Braskem, que – VALE tinha acréscimo de 0,58 por cento, depois de ter subido 2 por cento mais cedo, tendo como pano de fundo a alta dos custos do minério de ferro na China, declarou que a Odebrecht negou ter recebido proposta da LyondellBasell. – SUZANO valorizava-se 5,5 por cento, encontrando na valorização do dólar ante o real apoio para a recuperação após queda nos três pregões anteriores.

– O principal índice de ações da B3 fechou em em queda na tarde desta segunda-feira, conforme as ações da Petrobras passaram a recuar e os papéis de bancos privados e da Vale aumentaram as perdas, apesar do cenário ainda positivo em Wall Street. O Ibovespa caiu 1,5 por cento, 81.836 pontos. Na primeira etapa da sessão, no melhor momento, subiu quase 1 por cento. O volume financeiro adicionou 20,778 bilhões de reais, inflado pelo vencimento de alternativas sobre ações, que totalizou 8,137 bilhões de reais. – O principal índice da bolsa paulista fechou em alta nesta terça-feira, apoiado na recuperação de ações atreladas à economia doméstica, particularmente bancos, enquanto papéis ligados a commodities fecharam na ponta negativa, incluindo as ações da Petrobras em meio a ruídos sobre os pcustosde combustíveis. O índice de referência do mercado acionário doméstico subiu 1,13 por cento, a 82.738 pontos. O volume financeiro do pregão adicionou 14 bilhões de reais. De acordo com profissionais da área de renda mutável escutados pela Reuters, o arrefecimento do nervosismo comercial entre Estados Unidos e China no front externo e a atuação mais assertiva do Banco Central brasileiro na cotação trouxeram algum ânimo aos negócios, mas o cenário ainda não inspira otimismo. “É um dia de alívio, mas não significa que marca uma retomada da trajetória de alta, declarou o estrategista para pessoa física da Santander Corretora, Ricardo Peretti. Para ele, o Ibovespa deve continuar negociando entre 81 mil e 85 mil pontos em razão de incertezas presentes no horizonte, como a velocidade da alta de juros nos EUA, o quadro eleitoral no Brasil e o ritmo de recuperação da economia doméstica, após dados um pouco aquém do esperado no primeiro trimestre. A queda recente de vários papéis também trouxe estimulou compras, dado os ambientes externo e doméstico mais tranquilos. “Hoje basicamente subiram os papéis mais ligados à atividade doméstica que spadecerameimensoeste mês. Vários papeis voltaram para platô do começo de 2017, ou seja, com custos bastante interessantes”, alegou o sócio da gestora Galt Capital, Igor Lima. No exterior, o índice MSCI com ações de mercados emergentes subiu 0,68 por cento e o dólar caiu ante uma cesta de divisas. No Brasil, o dólar recuou 1,2 por cento, a 3,6447 reais na venda, acumulando desvalorização de 2,5 por cento desde a atuação mais forte do BC na véspera. DESTAQUES – ITAÚ UNIBANCO PN subiu 2,42 por cento, após fortes perdas recentes, que levaram a desvalorização no mês de 12,7 por cento até a véspera. BRADESCO PN valorizou-se 2,87 por cento, também reagindo após quedas em maio, que alcançavam 10,2 por cento até segunda-feira. – PETROBRAS ON e PETROBRAS PN caíram 2,47 e 1,36 por cento, em dia de queda em papéis ligados a commodities e com agentes financeiros ainda receosos sobre desdobramentos da greve dos caminhoneiros contra a ampliação do diesel que possam afetar a empresa. O declínio, contudo, arrefeceu após observações do presidente da Petrobras de que não vai haver interferência do governo da política de custos da companhia. E o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia declarou que a Cide será zerada para diminuir os custos dos combustíveis. A petroleira anunciou mais cedo que diminuirá tanto os valores do diesel quanto os da gasolina nas refinarias a partir de quarta-feira. – RUMO progrediu 7,04 por cento, maior alta do Ibovespa. Em nota, o BTG Pactual realçou que a operadora de logística se beneficia da alta do diesel porque sua operação ferroviárias fica mais competitiva ante o transporte rodoviário. O diesel encarna 40 a 50 por cento dos preços dos caminhões e responde por cerca de 25 a 30 por cento em despesas operacionais da Rumo. O BTG também mencionou que a Rumo tem repasse contratual de 30 por cento da variação dos preços do diesel para os custos. – Cvc Brasil subiu 5,62 por cento, com o setor sensível na economia doméstica como um todo recuperando-se após perdas recentes significativas. Cvc Brasil é operadora de turismo.CYRELA ganhou 6,02 por cento e LOCALIZA progrediu 5,65 por cento. – VALE caiu 1,25 por cento, na esteira do recuo dos custos do minério de ferro na China. – SUZANO concluiu em queda de 5,99 por cento, na esteira do declínio do dólar ante o real, que abriu percurso para algum ajuste no papel, que acumula em 2018 elevação de mais de 130 por cento. O setor de papel e celulose como um todo recuou, com FIBRIA em queda de 2 por cento e KLABIN UNIT cedendo 1,5 por cento. – O tom negativo prevalecia na bolsa de Brasil nesta quarta-feira, em meio a um cenário externo desfavorável a ativos de risco e também repercutindo o noticiário corporativo doméstico, com Eletrobras como realce negativo e Marfrig na ponta positiva. Às 11:45, o Ibovespa caía 1,74 por cento, a 81.299 pontos. O volume financeiro adicionava 2,8 bilhões de reais. No exterior, o índice MSCI para ações de mercados emergentes recuava 0,8 por cento, com a Turquia sob os holofotes, em meio à forte queda da sua moeda, mas também apreensão sobre observações do presidente Donald Trump, de que não estaria cumprido com as negociações comerciais entre EUA e Pequim. Em Wall Street, o S&P 500 perdia 0,4 por cento. A Guide Investimentos, em nota distribuída a clientes declarou: “O viés para os mercados locais é mais negativo hoje, diante de uma precaução crescente no exterior”. Do noticiário doméstico, também estava no radar promessa do governo de zerar a cobrança da Cide sobre o óleo diesel se o Congresso aprovar reoneração da folha de pagamentos. DESTAQUES – ELETROBRAS PNB caía 9 por cento e ELETROBRAS ON desabava 10,3 por cento, após o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , alegar na véspera que a Medida Provisória 814, que trata da privatização da elétrica estatal, não será votada pelo Congresso Nacional e perderá a validade. – RUMO recuava 3 por cento, após forte alta na véspera. Quando o diesel sobe, em nota recente, o BTG Pactual realçou que uma potencial queda no custo do diesel seria negativa para a operadora ferroviária, que ganha competitividade em relação ao transporte de caminhões , uma vez que o combustível encarna um percentual menor em suas despesas operacionais do que no caso dos caminhões. – Apesar de analistas avaliarem, pETROBRAS PN e PETROBRAS ON caíam 2,7 e 2 por cento, respectivamente que o acordo envolvendo corte da Cide sobre o diesel é positivo para a empresa. De pano de fundo nesta sessão, o petróleo recuava no exterior. A Petrobras também anunciou nova diminuição para os custos da gasolina e do diesel nas suas refinarias. – VALE perdia 1,5 por cento, também pesando no Ibovespa dada a pertinente participação que detém no índice, conforme os custos do minério de ferro voltaram a recuar na China. – BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN caíam 2,3 e 1,6 por cento, respectivamente, após o ‘respiro’ na véspera, recomeçando a trajetória negativa registrada neste mês, com ambos os bancos acumulando queda de cerca de 11 por cento em maio. – MARFRIG disparava 7,5 por cento, após a empresa anunciar que o processo de venda da unidade Keystone Foods progrediu para o segundo período e que foram escolhidas cinco companhias para participar dessa etapa. O segundo período do processo de venda da Keystone calcula apresentação de proposta vinculante em junho, informou a companhia. – COSAN progredia 1 por cento, revertendo perdas do início da sessão, em meio a avaliação de que o acordo que envolve a diminuição da Cide sobre custos de combustíveis tem que ter conseqüência negativo pequeno para a produtora de açúcar e etano. No setor, SÃO MARTINHO, que não está no Ibovespa, também melhorou em relação à abertura e subia 0,8 por cento.

Na terça-feira 15 de maio – O cenário externo desfavorável a ativos de risco pesou sobre a bolsa paulista nesta terça-feira, mas a progressão das ações da Petrobras havia aliviado a pressão sobre o principal índice da B3. As operações também haviam sido influía pela repercussão de resultados corporativos, entre eles o da CSN e da JBS, na reta final da temporada de balanços no país. O Ibovespa havia caído 0,12 por cento, a 85.130 pontos. O volume financeiro do pregão havia adicionado 13,965 bilhões de reais. No exterior, o dólar havia valorizado-se ante uma cesta de moedas e Wall Street havia fechado em queda, com dados sobre vendas no varejo mencionando aceleração da inflação norte-americana e aumentando o rendimento dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos. Para o gestor chefe da Garín Investimentos, Ivan Kraiser, a conduta do Treasury de 10 anos havia somado-se ao resultado de pesquisa eleitoral na véspera, pressionando o mercado de Brasil como um todo. Enquanto Qualicorp e Taesa haviam, também no radar havia estado a revisão semestral do índice de ações MSCI Brazil, que havia incluído BR Distribuidora, o IRB Brasil e a Magazine Luiza sido excluídas. Faz 7 dias, as mudanças entravam em forcita em o encerramento. DESTAQUES – PETROBRAS PN subiu 2,1 por cento, a 26,79 reais, máxima de encerramento desde abril de 2010, superando a câmbio da capitalização naquele ano, quando a precificou as novas ações preferenciais a 26,30 reais. PETROBRAS ON havia ganhado 2,52 por cento, a 30,91 reais, máxima desde maio de 2010. As ações ON já tinham superado o câmbio da oferta na véspera, fechando a 30,15 reais, acima dos 29,65 reais da capitalização. A sessão não havia tido tendência clara do petróleo no exterior e marcada por notícias envolvendo a cessão onerosa. – BANCO DO BRASIL havia caído 2,72 por cento, entre as maiores pressões negativas do Ibovespa, com o setor de bancos no vermelho. Enquanto SANTANDER UNIT havia cedido 1,29 por cento, bRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN haviam recuado 0,59 e 0,38 por cento, respectivamente. – QUALICORP havia caído 6,08 por cento, tendo no radar a revisão do MSCI, conforme muitos fundos utilizavam o índice como referência para suas carteiras. TAESA, também excluída do índice, havia recuado 3,55 por cento. – Uando a gerente de shopping centers t havia tidolucro adaptado de 150,4 milhões de reais, bRMALLS havia subido 4,08 por cento, em meio à repercussão do balanço no primeiro trimestre, q alta de 36 por cento em relação ao mesmo perfase ano passado.- JBS havia fechado em alta de 1,88 por cento, após resultado no primeiro trimestre, com lucro líquido de 506,5 milhões de reais, e anúncio da empresa de alimentos de acordo de normalização de dívida com bancos. – CSN havia concluído em baixa de 1,26 por cento, em sessão volátil, após reportar lucro líquido de 1,486 bilhão de reais no primeiro trimestre, e aprovação pelo conselho da venda da participação na Companhia Siderúrgica Nacional LLC, nos EUA, para a Steel Dynamics. – MARFRIG havia fechado com acréscimo de 0,89 por cento, após perdas registradas mais cedo, na esteira do balanço do primeiro trimestre com perda líquida de 206 milhões de reais, ante resultado negativo de 233 milhões de reais no mesmo fase de 2017. – EMBRAER ON havia subido 4,24 por cento, com ações de exportadoras e companhias com receita beneficiada pela valorização do dólar novamente na ponta positiva do índice, após a moeda chegar a 3,6943 reais na máxima da sessão. BRASKEM, WEG e KLABIN também haviam subido.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: China, Cameroon, Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Bovespa cai abaixo de 80 mil pts com tombo das ações da Petrobras
>>>>>Índice fecha em queda pressionado por blue chips; Vale cai 3% – May 21, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa tem sessão volátil com Vale contrabalançando exterior favorável – May 21, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta seguindo bolsas no exterior e com alta de blue chips – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa recua, mas busca por barganhas sustenta patamar de 83 mil pontos – May 18, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Bovespa recua com cenário externo negativo; balanços seguem no radar – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com balanços, Kroton desaba e Natura salta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Índice reverte ganhos e recua com fraqueza em NY e alta do dólar; Petrobras limita perdas – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta novamente guiado por Petrobras, em sessão positiva para emergentes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com exterior, mas Petrobras limita perdas – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Índice fecha quase estável ajudado por Vale e Petrobras; bancos pesam – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa recua com exterior, mas Petrobras renova máximas desde 2010 e atenua perda – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Commodities sustentam Ibovespa no azul em 2018 – May 16, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha quase estável com ajuda de Petrobras – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em Petrobras, em dia de avanço do petróleo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Índice tem sessão volátil com Vale contrabalançando exterior favorável – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa sobe com recuperação de ações atreladas a economia doméstica; Petrobras recua – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bovespa recua com exterior negativo; Eletrobras despenca 10% – May 23, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Bovespa opera em leve alta acompanhando exterior, mas Petrobras pressiona – May 22, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Índice tem leve alta com exterior – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 40 2,87 por_cento: 1, 5,65 por_cento: 1, 0,38 por_cento: 1, 1,1 por_cento: 1, 36 por_cento: 1, 30 por_cento: 1, 1,29 por_cento: 1, 7,04 por_cento: 1, 0,12 por_cento: 1, 0,4 por_cento: 1, 11 por_cento: 1, 5,5 por_cento: 1, 1,25 por_cento: 1, 2,8 por_cento: 1, 130 por_cento: 1, 1,6 por_cento: 1, por_cento: 1, 0,8 por_cento: 2, 3,55 por_cento: 1, 5,62 por_cento: 1, 7,5 por_cento: 1, 1 por_cento: 1, 1,36 por_cento: 1, 4,24 por_cento: 1, 1,5 por_cento: 3, 10,2 por_cento: 1, 2,52 por_cento: 1, 4,08 por_cento: 1, 2,72 por_cento: 1, 2,28 por_cento: 1, 2,6 por_cento: 1, 1,13 por_cento: 1, 3 por_cento: 1, 1,2 por_cento: 1, 2 por_cento: 1, 0,25 por_cento: 1, 6,08 por_cento: 1
2 empresa 0 80 NONE 7 a companhia aérea: 1, a companhia: 3, A companhia: 1, a empresa: 2
3 queda 150 0 NONE 7 uma potencial queda: 1, a forte queda: 1, queda: 5
4 Petrobras 0 0 ORGANIZATION 7 A Petrobras: 1, a Petrobras: 3, (tacit) ele/ela (referent: A Petrobras): 3
5 Ibovespa 100 0 ORGANIZATION 6 O Ibovespa: 2, o Ibovespa: 3, (tacit) ele/ela (referent: O Ibovespa): 1
6 exterior 0 0 NONE 6 o exterior: 6
7 meio 0 0 NONE 6 meio: 6
8 eu 57 137 NONE 5 (tacit) eu: 5
9 ações 150 0 NONE 5 ações: 3, as ações necessárias: 1, As ações: 1
10 esta 50 0 NONE 5 esta: 5