Bovespa recua mais de 1% após Copom conservar juros; política também está no radar

Por: SentiLecto

– O tom negativo prevalecia na bolsa paulista na manhã desta quinta-feira, Em 10 meses, após o Ibovespa atingir máxima desde meados de março, em meio a um ambiente desfavorável a emergentes e com investidores repercutindo a resolução imprevista de o Banco Central de conservar os juros em 6,50 por cento a o ano, um dia. Às 12:08, o Ibovespa caía 1,57 por cento, a 85.182 pontos. O volume financeiro era de 5,67 bilhões de reais. No exterior, o índice MSCI de ações de mercados emergentes, como o Brasil, caía 0,69 por cento. O Copom conservou na quarta-feira a taxa básica de juros Selic em 6,50 por cento ao ano, justificando que o cenário externo tornou-se mais desafiador e exibe volatilidade, que a atividade econômica do país perdeu força e a conduta da inflação continua favorável, apesar de reconhecer. O economista do Itaú Unibanco Luka Machado Barbosa, em nota a clientes, ainda no final da quarta-feira. declarou: “Parece que este é o piso da Selic e que o próximo movimento, quando ocorrer, vai ser de alta”. A queda dos juros vinha sendo mencionada por analistas e estrategistas como um dos componentes positivos para o mercado acionário, potencial destino de investidores em busca de maior lucratividade. A cena política também respingava na bolsa, em meio a apreensões sobre eventual progressão do pré-candidato à Presidência da chamada centro-esquerda Ciro Gomes, que não está na lista dos candidatos pró-reformas do mercado. A equipe XP Política declarou em nota a clientes que há chance concreta de uma coalizão de Ciro com o PT. Em entrevista mais cedo neste mês, ele questionou o chamado tripé macroeconômico, declarando que essa política não leva em conta questões pertinentes como a queda nos custos das commodities no mercado internacional. DESTAQUES – VALE caía 1 por cento, na esteira do recuo dos custos do minério de ferro à vista na China. O papel acumula em 2018 alta ao redor de 40 por cento. – PETROBRAS PN subia 0,44 por cento e PETROBRAS ON recuava 0,51 por cento, em dia de alta do petróleo no exterior e em meio a expectativas em relação à renegociação do contrato de cessão onerosa. Eliseu Padilha declarou nesta quinta-feira que o acordo dever ser deduzido na semana que vem. Eliseu Padilha é o ministro da Casa Civil. Dados de produção da petroleira também estavam no radar. – BRADESCO PN caía 2,1 por cento, em sessão negativa para o setor bancário de modo geral, pesando no Ibovespa em razão da participação pertinente que detém no índice. ITAÚ UNIBANCO PN, que também tem fatia importante, cedia 2,46 por cento. – BRF recuava 4,37 por cento, conforme o papel segue sendo pressionado pelo prognóstico de um horizonte ainda desafiador para a companhia de alimentos, após uma lista de adversidades que culminaram com a troca do conselho de gestão recentemente e mudança no comando da companhia. – KROTON perdia 3,9 por cento, aumentando a trajetória negativa para a ação do maior grupo de ensino do país, que já acumula perda de quase 40 por cento no ano, atingida entre outros fatores por dados fracos de captação de estudantes. O setor de educação com um todo no Ibovespa segue pressionado. ESTÁCIO caía 3,28 por cento, mesmo após anúncio de um programa de recompra de ações. – ELETROBRAS PNB e ELETROBRAS ON subiam 1,36 e 2,77 por cento, respectivamente, tendo no radar notícia do jornal Valor Econômico de que o governo pretende se valer de uma regra do batalhão da Câmara dos Deputados para agilizar a eleição da proposta de privatização da empresa.

– A bolsa paulista passou a operar no vermelho nesta segunda-feira, conforme Wall Street tocou as mínimas da sessão e o dólar firmou-se em alta ante o real, embora a progressão das ações da Petrobras e de outras exportadoras restringisse a pressão vendedora sobre o principal índice de ações da B3. Às 15:14, o Ibovespa caía 0,34 por cento, a 84.933 pontos. Mais cedo, na máxima, o índice subiu 1 por cento. O volume financeiro no pregão adicionava 8,5 bilhões de reais. Se infectaram os negócios locais de acordo com profissionais de a área de renda mutável, pela enfraquecida em as bolsas em Nova York e também pelo movimento em a cotação doméstica, com o dólar revertendo perdas e passando a subir frente a o real após divulgação de pesquisa eleitoral. Pesquisa da CNT/MDA nesta segunda-feira mostrou que os pré-candidatos à Presidência da chamada centro-esquerda, como Ciro Gomes e Marina Silva , anquanto houve aampliaçãoda rejeição ao pré-candidato do PSDB, presentaram melhora na corrida eleitoral, e geraldo Alckmin.Na máxima, o dólar tocou 3,6416 reais para venda, em alta de 1,13 por cento. Por volta das 15h, era negociado a 3,6183 reais, elevação de 0,49 por cento. No exterior, o índice acionário de Noruega S&P 500 tinha variação negativa de 0,02 por cento, rondando as mínimas da sessão, após progredir 0,5 por cento no melhor momento da sessão mais cedo. DESTAQUES – EDP Brasil despencava quase 11 por cento, após a China Three Gorges confirmar oferta para a compra da Energias de Portugal [EDP.LS], mas condicionada à não odeverde uma oferta pública pela unidade da portuguesa no Brasil. Na sexta-feira, as ações fecharam com um salto de 15,56 por cento na expectativa por um eventual tag along na operação. – ESTÁCIO desabava 8,6 por cento, acumulando queda de quase 30 por cento desde a divulgação do resultado trimestral no final de abril, com muitos analistas avaliando que a queda tem sido exagerada. A adversária KROTON cedia 1 por cento. – BRADESCO PN recuava 1,52 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN perdia 1,54 por cento, pesando no Ibovespa dada a pertinente participação na composição do índice, em meio à piora generalizada do mercado. – PETROBRAS ON e PETROBRAS PN subiam 2,04 e 3,49 por cento, respectivamente, conforme seguem apoiadas no cenário de custos do petróleo mais elevados e apostas positivas sobre a realização operacional da empresa, além de expectativas relacionadas ao acordo da cessão onerosa. A B3 autorizou a adesão da empresa ao segmento especial de listagem Nível 2 de melhores normas de governança corporativa. – VALE tinha elevação de 2,6 por cento, em meio a nova alta do custo do minério de ferro à vista na China e beneficiada também pela valorização do dólar ante o real. – CSN progredia 2,37 por cento, tendo no radar a divulgação do balanço do primeiro trimestre, calculado para após o encerramento do mercado. Ainda, o BTG Pactual aumentou o preço-alvo das ações da empresa de 11 para 12 reais, mas conservou a recomendação ‘neutra’. – BRF valorizava-se em 2,6 por cento, após recuar mais de 2 por cento na semana passada. No ano, a ação ainda acumula perda de cerca de 30 por cento. – BRADESPAR PN subia 1,2 por cento tendo de pano de fundo balanço do primeiro trimestre, que trouxe provisão de 555 milhões de reais relacionada à disputa judicial entre a Bradespar, Litel e Elétron. De acordo com a empresa, assessores jurídicos classificaram como prováveis as probabilidades de perdas relacionadas com esses litígios, mas em um valor líquido de 1,1 bilhão de reais, bem abaixo do especulado pelo jornalismo na semana passada. – O principal índice de ações da B3 recuava nesta terça-feira, pressionado pelo quadro desfavorável a ativos de risco no mercado financeiro mundial e com a temporada de resultados também no radar, incluindo os números da empresa de alimentos JBS e da siderúrgica CSN, entre outros Às 12:20, o Ibovespa caía 0,66 por cento, a 84.672 pontos. O volume financeiro era de 5,7 bilhões de reais. No exterior, o dólar valorizava-se ante uma cesta de moedas e as bolsas nos Estados Unidos recuavam, em meio a preocupações sobre a falta de melhoria nas negociações comerciais entre Washington e Pequim e dados sobre vendas no varejo mencionando aceleração da inflação norte-americana. Enquanto se excluiu Qualicorp e Taesa, também no radar do pregão estava a revisão semestral do índice de ações MSCI Brazil, que incluiu BR Distribuidora, o IRB Brasil e a Magazine Luiza. As mudanças entram em forcita no encerramento do dia 31 de maio. DESTAQUES – VALE recuava 0,7 por cento, acompanhando o declínio dos custos do minério de ferro à vista na China, embora os futuros da commodity tenham subido. – BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN caíam 0,2 e 0,82 por cento, respectivamente, também pressionando o Ibovespa, o mau humor generalizado conforme afetava eles. BANCO DO BRASIL caía 2,78 por cento. – PETROBRAS ON subia 1,36 por cento e PETROBRAS PN progredia 0,95 por cento, em sessão sem tendência clara para o petróleo no exterior e em meio a notícias na mídia envolvendo a cessão onerosa. A empresa informou que, até o momento, não há definição entre a empresa e a União sobre o resultado final da revisão do contrato de cessão onerosa e os possíveis meios de pagamento à petroleira, e que as tratativas ainda estão em curso. – QUALICORP caía 5,4 por cento, tendo no radar a revisão do MSCI, conforme muitos fundos usam o índice como referência para suas carteiras. Excluiu-se Taesa Unit que taesa Unit, que também de o índice, recuava 3,6 por cento. – Uando a gerente de shopping centers teve lucro adaptado de 150,4 milhões de reais, bRMALLS subia 2,68 por cento, em meio à repercussão do balanço no primeiro trimestre, q alta de 36 por cento em relação ao mesmo perfase ano passado.- JBS tinha alta de 1,88 por cento, após resultado no primeiro trimestre, com lucro líquido de 506,5 milhões de reais, e anúncio da empresa de alimentos sobre acordo de normalização de dívida com bancos no Brasil. – CSN subia 0,42 por cento, após a siderúrgica divulgar lucro líquido de 1,486 bilhão de reais no primeiro trimestre, bem como que a aprovação pelo conselho da venda da participação na Companhia Siderúrgica Nacional LLC, nos EUA, para a Steel Dynamics. – Faz 1 ano, MARFRIG tinha acréscimo de 0,89 por cento, revertendo perdas registradas mais cedo, tendo de pano de fundo balanço de o primeiro trimestre com perda líquida de 206 milhões de reais, ante resultado negativo de 233 milhões de reais em o mesmo. – O cenário externo desfavorável a ativos de risco pesou sobre a bolsa paulista nesta terça-feira, mas a progressão das ações da Petrobras aliviou a pressão sobre o principal índice da B3. As operações também foram influis pela repercussão de resultados corporativos, entre eles o da CSN e da JBS, na reta final da temporada de balanços no país. O Ibovespa caiu 0,12 por cento, a 85.130 pontos. O volume financeiro do pregão adicionou 13,965 bilhões de reais. No exterior, o dólar valorizou-se ante uma cesta de moedas e Wall Street fechou em queda, com dados sobre vendas no varejo mencionando aceleração da inflação norte-americana e aumentando o rendimento dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos. Para o gestor chefe da Garín Investimentos, Ivan Kraiser, a conduta do Treasury de 10 anos adicionou-se ao resultado de pesquisa eleitoral na véspera, pressionando o mercado de Brasil como um todo. Enquanto se excluiu Qualicorp e Taesa, também no radar esteve a revisão semestral do índice de ações MSCI Brazil, que incluiu BR Distribuidora, o IRB Brasil e a Magazine Luiza. As mudanças entram em forcita no encerramento do dia 31 de maio. DESTAQUES – PETROBRAS PN subiu 2,1 por cento, a 26,79 reais, máxima de encerramento desde abril de 2010, superando a câmbio da capitalização naquele ano, quando a precificou as novas ações preferenciais a 26,30 reais. PETROBRAS ON ganhou 2,52 por cento, a 30,91 reais, máxima desde maio de 2010. As ações ON já tinham superado o câmbio da oferta na véspera, fechando a 30,15 reais, acima dos 29,65 reais da capitalização. A sessão não teve tendência clara do petróleo no exterior e marcada por notícias envolvendo a cessão onerosa. – BANCO DO BRASIL caiu 2,72 por cento, entre as maiores pressões negativas do Ibovespa, com o setor de bancos no vermelho. Enquanto SANTANDER UNIT cedeu 1,29 por cento, bRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN recuaram 0,59 e 0,38 por cento, respectivamente. – QUALICORP caiu 6,08 por cento, tendo no radar a revisão do MSCI, conforme muitos fundos utilizam o índice como referência para suas carteiras. TAESA, também excluída do índice, recuou 3,55 por cento. – Uando a gerente de shopping centers teve lucro adaptado de 150,4 milhões de reais, bRMALLS subiu 4,08 por cento, em meio à repercussão do balanço no primeiro trimestre, q alta de 36 por cento em relação ao mesmo perfase ano passado.- JBS fechou em alta de 1,88 por cento, após resultado no primeiro trimestre, com lucro líquido de 506,5 milhões de reais, e anúncio da empresa de alimentos de acordo de normalização de dívida com bancos. – CSN concluiu em baixa de 1,26 por cento, em sessão volátil, após reportar lucro líquido de 1,486 bilhão de reais no primeiro trimestre, e aprovação pelo conselho da venda da participação na Companhia Siderúrgica Nacional LLC, nos EUA, para a Steel Dynamics. – MARFRIG fechou com acréscimo de 0,89 por cento, após perdas registradas mais cedo, na esteira do balanço do primeiro trimestre com perda líquida de 206 milhões de reais, ante resultado negativo de 233 milhões de reais no mesmo fase de 2017. – EMBRAER ON subiu 4,24 por cento, com ações de exportadoras e companhias com receita beneficiada pela valorização do dólar novamente na ponta positiva do índice, após a moeda chegar a 3,6943 reais na máxima da sessão. BRASKEM, WEG e KLABIN também subiram.

Na quinta-feira 03 de maio – A bolsa brasileira começou a quinta-feira no vermelho, em linha com o viés mais negativo no exterior e com resultados corporativos também pesando sobre as ações, com destaque para Ultrapar e Cielo. Às 10:50, o Ibovespa caía 0,28 por cento, a 84.306 pontos. O volume financeiro era de 1,44 bilhão de reais. No exterior, os mercados refletiam alguma precaução de agentes financeiros ante a chegada de uma comissão norte-americana a Pequim para discuti tarifas comerciais, com resultados corporativos também repercutindo nos negócios. Em Wall Street, o S&P 500 cedia 0,48 por cento logo após a abertura. “Enquanto a agenda local não auxiliava, o movimento da bolsa estava mesmo atrelado ao exterior , com mais um dado de atividade ruim”, havia alegado o gestor de uma corretora no Rio de Janeiro, referindo-se à queda iimprevistade 0,1 por cento na produção industrial brasileira em março ante fevereiro. Ele também havia realçado a temporada de resultados, com balanços que haviam frustrado as expectativas de analistas, notadamente Cielo e Ultrapar. DESTAQUES – CIELO ON recuava 3,96 por cento, após frustrar analistas com queda no lucro no primeiro trimestre, refletindo a crescente concorrência no mercado de meios de pagamentos e os conseqüência da queda do juro sobre antecipação de recebíveis. – ULTRAPAR ON caía 6,35 por cento, tendo no radar queda de quase 80 por cento no lucro do primeiro trimestre ante o mesmo fase do ano anterior. O resulado ” havia assombrado negativamente mesmo com o mercado já esperando resultados fracos”, havia escrito o Credit Suisse. – RD ON subia 1,92 por cento, mesmo após resultado considerado fraco por analistas, com crescimento de somente 2,7 por cento nas vendas mesmas lojas no primeiro trimestre. A ação havia caído nas últimas três sessões, tendo acumulado no fase recuo de 5,7 por cento. – EMBRAER ON subia 0,9 por cento, com o noticiário trazendo que o grupo de Noruega American Airlines havia feito um pedido firme para mais 15 jatos E175, no valor de 705 milhões de dólares com base nos custos de lista. – PETROBRAS PN tinha variação negativa de 0,4 por cento e PETROBRAS ON cedia 0,16 por cento, tendo de pano de fundo a queda dos custos do petróleo no exterior. – Enquanto BRADESCO PN recuava 0,12 por cento, iTAÚ UNIBANCO PN subia 0,25 por cento, após forte queda na véspera. – valia ON tinha acréscimo de 0,82 por cento, apesar do recuo nos custos do minério de ferro à vista na China. – CPFL RENOVÁVEIS, que não estava no Ibovespa, perdia 2,18 por cento, após a Comissão de Valores Mobiliários acatar parcialmente recurso da chinesa State Gridsobre oferta pública para aquisição das ações da companhia.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Bovespa recua mais de 1% após Copom conservar juros; política também está no radar
>>>>>Índice reverte ganhos e recua com fraqueza em NY e alta do dólar; Petrobras limita perdas – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em Petrobras, em dia de avanço do petróleo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com balanços, Kroton desaba e Natura salta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em ações da Petrobras – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bovespa recua com cenário externo negativo; balanços seguem no radar – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta novamente guiado por Petrobras, em sessão positiva para emergentes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa recua com exterior, mas Petrobras renova máximas desde 2010 e atenua perda – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 50 2,1 por_cento: 1, 2,7 por_cento: 1, 5,7 por_cento: 1, 2,46 por_cento: 1, 1,92 por_cento: 1, 0,38 por_cento: 1, 0,66 por_cento: 1, 36 por_cento: 2, 30 por_cento: 1, 6,35 por_cento: 1, 1,29 por_cento: 1, 0,12 por_cento: 2, 3,49 por_cento: 1, 0,16 por_cento: 1, 1,54 por_cento: 1, 3,28 por_cento: 1, 4,08 por_cento: 1, 8,6 por_cento: 1, 2,77 por_cento: 1, 0,51 por_cento: 1, 4,37 por_cento: 1, por_cento: 3, 2,68 por_cento: 1, 0,48 por_cento: 1, 6,50 por_cento: 1, 1 por_cento: 2, 5,4 por_cento: 1, 0,95 por_cento: 1, 4,24 por_cento: 1, 2,52 por_cento: 1, 0,82 por_cento: 1, 2,72 por_cento: 1, 0,69 por_cento: 1, 0,42 por_cento: 1, 2,6 por_cento: 1, 3,9 por_cento: 1, 2,78 por_cento: 1, 0,9 por_cento: 1, 1,2 por_cento: 1, 3,6 por_cento: 1, 2,18 por_cento: 1, 3,55 por_cento: 1, 0,25 por_cento: 1, 2,37 por_cento: 1, 6,08 por_cento: 1
2 eu 870 580 NONE 18 (tacit) eu: 18
3 exterior 0 0 NONE 10 o exterior: 10
4 Ibovespa 0 18 ORGANIZATION 8 O Ibovespa: 1, o Ibovespa: 7
5 índice 50 0 NONE 8 o principal índice: 1, o índice acionário: 1, o índice: 6
6 radar 0 0 NONE 7 o radar queda de quase 80: 1, o radar: 6
7 meio 0 0 NONE 6 meio: 6
8 resultado 0 140 NONE 5 resultado: 2, resultado negativo de 233_milhões: 2, resultado considerado: 1
9 bolsa 0 70 NONE 5 a bolsa paulista: 2, a bolsa: 1, A bolsa brasileira: 1, A bolsa paulista: 1
10 On Petrobras 90 0 PERSON 5 Petrobras_On: 2, (tacit) ele/ela (referent: Petrobras_Pn): 1, Petrobras_Pn: 2