Delator da JBS declara ter pago propina a 1.829 políticos eleitos

Por: SentiLecto

O ex-diretor de Relações Institucionais da JBS Ricardo Saud contou aos procuradores da Lava Jato ter pago propina a 1.829 candidatos eleitos.

Se o distribuiu de acordo com o lobista, que firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, uma soma de quase R $ 600 milhões como pagamento injustificado a 28 partidos de a República.

O número encarna quase a totalidade de siglas existentes no país. De acordo com o TSE , o Brasil tem hoje 35 agremiações políticas registradas.

Saud declarou aos investigadores que o dinheiro auxiliou a eleger 179 deputados estaduais em 23 unidades da federação. Os repasses contribuíram ainda para o triunfo de 167 deputados federais provenientes de 19 partidos, 28 senadores da República e outros 16 governadores.

Ele menciona entre os beneficiários estão quatro governadores eleitos pelo PMDB, quatro pelo PSDB, três pelo PT, dois do PSB, um do PP e um do PSD. No grupo de senadores estão alguns que não estavam no mandato, outros que disputaram a reeleição e ainda aqueles que se candidataram ao governo de Estados e saíram derrotados das urnas, reassumindo um posto no Senado.

Por outro lado, – O PMDB tentará um encerramento de questão mundial, envolvendo as bancadas da Câmara e do Senado e do próprio partido nesta semana, em defesa da reforma da Previdência. Como estratégia, o líder da bancada na Câmara, Baleia Rossi , irá exibi à Executiva da legenda as cerca de 50 assinaturas que já recolheu de deputados aem defesa damedida, para que sirva de incentivo aos senadores e ao próprio PMDB no fencerramentode questão. Apesar de já ter 50 dos 64 deputados defendendo o encerramento de questão, o PMDB já conta com quase 60 votos em defesa da reforma da Previdência, o líder declara que. Para que a bancada possa exibi pedido de encerramento de questão à Executiva do partido, seriam necessárias 33 assinaturas. Para o líder, é importante ter uma margem mais extensa para mostrar força e dar o exemplo a outras legendas. Segundo Baleia, alguns deputados justificaram que preferem não apoiar o encerramento de questão, mas assumiram o compromisso de votar em defesa da reforma. – Já tenho mais de 50 assinaturas dos 64 deputados para fechar questão no partido. É importante fechar questão e dar exemplo para outros partidos fecharem. Desejo mostrar um resultado bastante maior para mostrar que o partido do presidente está comprometido com a reforma. É mostrar força – declara. Ainda que haja penalização para aqueles que não seguirem a orientação do PMDB, baleia defende , uma vez que haja encerramento de questão. Segundo o líder, senador Romero Jucá irá aguardar o movimento da bancada na Câmara para organizar uma ação semelhante mais extensa no partido. Senador Romero Jucá é o presidente do PMDB. – Tem que ter penalização. Existem penalidades para quem não seguir, se for uma resolução de bancadas. Vão da suspensão, até a expulsão. Além disto, é simbólico para outros partidos – alega. Para o DEM, outro partido da base aliada, o fato de o PMDB fechar questão deve influir as demais legendas a tomarem a mesma medida. – Aguardaremos a tramitação da reforma trabalhista no Senado e ver como outros partidos na Câmara se posicionam sobre a reforma da Previdência, especialmente o PMDB, para avaliarmos como vamos fazer – pontua o líder da bancada, Efraim Filho . Ricardo Trípoli declara que o assunto ainda não foi debatido e nega que a resolução da bancada possa ser orientada pelo PMDB. Ricardo Trípoli é o líder do PSDB. Mas, caso sejam feitos ajustes pontuais no texto, para o deputado a maioria dos tucanos tem que apoiar a reforma. – Não teve debate de encerramento de questão ainda. Depende de resolução da bancada, por maioria. Há um processo de maturação, para ver se conseguimos mudanças no projeto. Será um fase de três semanas de muita conversa. O encerramento de questão é uma medida dolorosa, mas levarei, se a maioria da bancada me requerer. O PMDB não influi. Se o baseia, o PSDB toma resolução por conta própria não em outros partidos. Com algumas mudanças sobre o Benefício de Prestação Continuada para deficientes, fica mais fácil – assinala.

Na terça-feira 09 de maio – O senador Romero Jucá , líder do governo no Senado e presidente nacional do PMDB, disse que seu partido ainda não decidiu se fechará ou não posição sobre a reforma da previdência. O nervosismo interno no PMDB vinha aumentando nas últimas semanas com a progressão da tramitação da matéria na Câmara, mas, de acordo com Jucá, o partido ainda não havia sido provocado por sua bancada de deputados. — Primeiro a gente desejava escutar o que a bancada tem a declarar, para levar para a executiva. O encerramento de questão não era um posição do presidente do partido, era um posição do executiva, então cada coisa a seu tempo. O partido ainda não havia sido provocado pela Câmara. Portanto nós só vamos debater qualquer questão de encerramento de partido se houver uma provocação da bancada, como isso não havia acontecido, nós estávamo aguardando — havia alegado o senador e presidente do PMDB. O líder peemedebista havia dito que reforma da previdência, atualmente em debate na Câmara, era umas das mais suaves em comparação a outros países. Mas havia reconhecido que a matéria precisava ser muito debatida: — A reforma da previdência que o Brasil estava fazendo era uma das reformas mais suaves, em comparação a que muitos países do mundo estavam fazendo. Mas achava que a matéria precisava ser muito debatida e explicada — havia defendido Jucá. Mais cedo o senador havia estado reunido com líderes de centrais sindicais como interlocutor do governo para a reforma trabalhista, que já se encontrava em tramitação no Senado. *Estagiária, sob a supervisão de Eliane Oliveira

O delator não dá o valor total das propinas de maneira precisa, mas estima que “de quase R$ 600 milhões, somente R$ 10 milhões ou R$ 15 milhões não eram propina”.

Declarou: “É bastante difícil não saber que o PT adquiriu o partido X ou Y, que o Aécio adquiriu ou deixou de adquiri tal partido”. “Se ele [o político] recebeu esse dinheiro, ele sabe que de um jeito ou de outo foi de propina”.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Delator da JBS declara ter pago propina a 1.829 políticos eleitos
>>>>>Previdência: líder do PMDB diz que já tem 50 assinaturas para fechar questão a favor da reforma – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 17 0 NONE 13 (tacit) eu: 12, me: 1
2 PSDB 35 80 ORGANIZATION 8 (tacit) ele (referent: O PSDB): 1, O PSDB: 1, o PSDB: 1, (tacit) ele/ela (referent: O PSDB): 5
3 PMDB 90 0 ORGANIZATION 8 o PMDB: 5, O PMDB: 2, o próprio PMDB: 1
4 nós 30 0 NONE 7 nós: 2, (tacit) nós: 5
5 Baleia Rossi 0 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: Baleia_Rossi): 2, Baleia_Rossi: 1, Baleia: 2
6 Câmara 0 0 ORGANIZATION 5 a Câmara: 5
7 Senado 0 0 ORGANIZATION 5 o Senado: 5
8 partido 0 0 NONE 5 seu partido: 1, o próprio partido: 1, tal partido: 1, O partido: 1, o partido: 1
9 reforma 0 0 NONE 5 a reforma: 3, a reforma trabalhista: 2
10 PT 0 0 ORGANIZATION 4 (tacit) ele/ela (referent: o PT): 2, o PT: 2