Diretor do BC declara que não há ‘preconceitos’ sobre utilização de instrumentos cambiais

Por: SentiLecto

– Bruno Serra Fernandes alegou nesta quinta-feira que a autoridade monetária não tem “preconceitos” em relação aa utilização de qualquer instrumento cambial, no momento em que o dólar chegou na casa dos 4 reais. Bruno Serra Fernandes é o diretor de política monetária do Banco Central.Se as condições para tal estiverem presentes, ele em discurso em acontecimento em São Paulo, segundo nota divulgada pelo BC declarou: “É importante registrar que não temos qualquer preconceito em relação a uso de qualquer instrumento, quando e “. “Compreender o ambiente econômico em que estamos introduzidos e, quando necessária, buscar a maneira mais eficiente de intervenção, é obrigação do Banco Central”, completou. O dólar superou o platô psicológico de 4 reais logo na abertura no pregão desta quinta-feira. Faz 6 meses, a última vez que a moeda norte-americana fechou em a casa de os 4 reais foi de outubro de o ano passado.

O Banco do Povo da China também está inquietado com o fato de que injetar bastante dinheiro na economia possa recomeçar as bolhas ao longo do tempo, declararam as fontes, e deseja economizar parte de sua munição.O banco central chino tem que dar um intervalo para avaliar as condições econômicas do país antes de tomar medidas complementares para diminuir o obrigatório dos bancos, após dados de crescimento melhores do que o esperado diminuirem a urgência por uma atitude, declararam fontes.- O banco central do Japão determinou um programa em sua orientação futura pela primeira vez ao declarar a investidores que vai conservar a taxa de juros em níveis bastante baixos por ao menos mais um ano, em uma medida para dissipar qualquer dúvida sobre seu compromisso com políticas expansionistas. O Banco do Japão conservou a política monetária nesta quinta-feira, mas uma vez que a procura mundial mais fraca e os nervosismos comerciais entre Estados Unidos e China afetam a economia dependente de exportações, o presidente Haruhiko Kuroda declarou que os juros podem ser conservados em níveis ultrabaixos por ainda mais tempo. “Incertezas econômicas mundiais atraíram a atenção, então desejávamo elucidar que vamos conservar os juros baixos por um longo tempo”, declarou Kuroda. Em 1 ano, ele declarou : ” Os juros atuais bastante baixos serão conservados ao menos “. “Mas o programa pode ser bastante mais longo do que isso” completou, se a economia enfraquecer. A mensagem dovish do banco central japonês deixa-o em linha com o Federal Reserve e com o Banco Central Europeu, que foram forçados a dar um intervalo nos esforços para diminuir as políticas da época da crise devido aa ampliação das incertezas sobre o cenário econômico mundial. Como esperado, o Banco do Japão conservou sua meta para os juros no curto prazo em -0,1 por cento e a meta para os rendimentos de longo prazo em torno de zero por cento. Também reiterou que vai continuar adquirindo ativos como títulos do governo. Em novas projeções divulgadas nesta quinta-feira, o banco central cortou ligeiramente suas estimativas de crescimento econômico e inflação para o ano fiscal que inicia em abril de 2020. Também projetou que a inflação ao consumidor vai atingir 1,6 por cento no ano seguinte, admitindo que a ampliação dos custos vai ficar abaixo de sua meta por ao menos mais três anos.O banco central chino não tem intenção de apertar ou flexibilizar a política monetária do país, declarou o vice-presidente da autoridade monetária nesta quinta-feira, no momento em que o mercado discute quanto suporte Pequim vai dar à economia depois da divulgação de dados surpreendentemente resilientes na semana passada.

Na segunda-feira 15 de abril – O ritmo fraco da economia brasileira estendeu-se para fevereiro com a maior contração em nove meses, segundo dados do Banco Central divulgados nesta segunda-feira, aumentando as projeções de uma queda no primeiro trimestre e corroborando as preocupações com as perspectivas de crescimento do país. Faz 2 meses, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central, espécie de sinalizador de o Produto Interno Bruto, havia tido recuo de 0,73 por cento em a comparação com o mês anterior, segundo dado dessazonalizado divulgado por o BC. Faz 3 meses, o resultado mensal havia sido o segundo negativo após recuo de 0,31 por cento em dado revisado por o BC depois de divulgar contração de 0,41 por cento. E era também a pior leitura para o indicador desde a queda de 3,1 por cento vista em maio de 2018. “Indicadores de atividade econômica conhecidos até o momento seguiam propondo uma leve queda de 0,1 pro cento do PIB no primeiro trimestre deste ano”, havia alegado o Bradesco em nota. Na comparação com fevereiro de 2018, o IBC-Br havia exibido crescimento de 2,49 por cento e, no acumulado em 12 meses, havia tido alta de 1,21 por cento, segundo números observados. Faz 2 meses, a produção industrial brasileira havia mostrado alguma recuperação a o progredir 0,7 por cento sobre o mês anterior, devolvendo as perdas vistas em janeiro, em fevereiro. Entretanto, as vendas no varejo haviam ficado estáveis no mês, com as compras voltadas para o Carnaval compensando perdas em supermercados e combustíveis. Faz 2 meses, e o volume de serviços havia, em a segunda queda seguida. Ainda que a inflação e taxa de juros baixas proporcionem alguma expectativa de melhora do consumo, o cenário permanecia sendo de lentidão da economia e mercado de trabalho fraco, com cerca de 13 milhões de desempregados no país. As expectativas de crescimento para o Brasil vinham padecendo sucessivas diminuições. A mais recente pesquisa Focus realizada semanalmente pelo BC junto a uma centena de economistas mostrava que a expectativa para a atividade neste ano era de crescimento de 1,95 por cento, indo a 2,58 por cento em 2020. Npassada, o Fundo Monetário Internacional havia diminuído a estimativa de expansão da economia de Brasil em 2019 a 2,1 por cento, mencionando a necessidade de cortes de gastos com funcionalismo público e da reforma da Previdência para conter as crescentes despesas.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Diretor do BC declara que não há ‘preconceitos’ sobre utilização de instrumentos cambiais
>>>>>BC da China deve pausar corte de compulsório, mas afrouxamento monetário pode continuar, dizem fontes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>BC do Japão diz que juros muito baixos vão durar por mais um ano – April 25, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>BC da China diz que não há intenção de apertar ou afrouxar política monetária – April 25, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Mercado acionário da China cai para mínima de 3 semanas com temores sobre crescimento e estímulo – April 25, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Índices da China têm maior queda em quase 4 semanas por temores sobre política monetária – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 0 70 NONE 4 (tacit) eu: 4
2 nós 35 0 NONE 4 (tacit) nós: 4
3 BC 0 0 ORGANIZATION 4 o BC: 4
4 Kuroda 0 0 PERSON 4 ele (referent: Kuroda): 1, (tacit) ele/ela (referent: Kuroda): 1, Kuroda: 1, o (referent: Kuroda): 1
5 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
6 Bruno Serra Fernandes 0 0 PERSON 3 Bruno_Serra_Fernandes (apposition: O diretor de política monetária de o Banco_Central): 1, ele (referent: Bruno_Serra_Fernandes): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bruno_Serra_Fernandes): 1
7 juros 0 0 NONE 3 os juros baixos: 1, Os juros atuais muito baixos: 1, os juros: 1
8 por_cento 0 0 NONE 3 2,58 por_cento: 1, 2,1 por_cento: 1, 1,6 por_cento: 1
9 cenário 80 70 NONE 2 o cenário econômico global: 1, O cenário: 1
10 perdas 0 45 NONE 2 perdas: 1, as perdas vistas: 1