Executivo da Nissan deixa posição por conta do caso “Ghosn”

Por: SentiLecto

O espanhol José Muñoz, que , anunciou esta resolução através do seu perfil na rede social profissional LinkedIn, após as informações publicadas por veículos de jornalismo japoneses e estadunidense que poderiam ser afetadas pelo inquérito interno aberta pela Nissan e pelas autoridades de Japon sobre o “caso Ghosn”, anunciou neste sábado sua renúncia como alto executivo da Nissan Motor, por causa da inquérito aberto contra o ex-presidente da companhia de Japon, o brasileiro Carlos Ghosn.

Faz 4 anos, o espanhol, considerado uma figura de confiança de Ghosn, ocupava a posição de diretor-executivo de rendimento era responsável por as operações em a China, após comandar os mercados de a América Latina e América do Norte.

“tomou-se minha resolução de deixar a Nissan após muita observação e consideração cautelosa. Infelizmente, a Nissan está atualmente envolvida em temas que têm tomado sua atenção e vão continuar a desviar seu foco”, declarou Muñoz na sua mensagem.

A defesa do empresário tinha exibido essa solicitação ao tribunal por considerar que uma das denúncias contra ele, o de suposta violação da confiança da companhia, não procedia pois as ações vinculadas com esses fatos contavam com a aprovação da Nissan.A promotoria vem interrogando o executivo desde sua prisão para tentar reunir mais provas sobre as supostas anormalidades financeiras que enquanto estava comandando a Nissan, cometeu.A defesa do empresário tinha exibido essa solicitação ao tribunal por considerar que uma das denúncias contra ele, o de suposta violação da confiança da companhia, não procedia pois as ações vinculadas com esses fatos contavam com a aprovação da Nissan.A promotoria também acusa Ghosn, Nissan e Gregg Kelly, outro alto executivo da companhia, de não disserem parte das compensações recebidas pelo principal culpado da montadora entre março de 2015 e março de 2018, fase que abrange os últimos três anos fiscais japoneses.

Na quinta-feira 13 de dezembro – A Nissan abriu processo contra irmã do ex-presidente do conselho de gestão da montadora Carlos Ghosn em um tribunal do Rio de Janeiro por “enriquecimento sem causa”, de acordo com um registro judicial visto pela Reuters. O processo era a mais recente reviravolta para uma briga judicial entre Ghosn e a Nissan sobre o conteúdo de um apartamento à beira-mar que o ex-executivo u havia usadodurante suas viagens ao Brasil. Nascido no Brasil, Ghosn estava preso no Japão, acusado de dizer renda menor que a real enquanto liderava a montadora de Japon e de desviar fundos da empresa para utilização pessoal. A empresa alegava que podia haver evidências de seus supostos crimes no apartamento no Rio de Janeiro. Detalhes complementares sobre o processo de enriquecimento sem causa não estavam disponíveis imediatamente e não havia ficado claro quanto tempo levaria para resolver o caso. O jornalismo de Japon já havia informado que Claudine Bichara de Oliveira poderia estar envolvida no escândalo. Claudine Bichara de Oliveira é irmã de Ghosn. Faz 2 meses, o Yomuri havia mencionando fontes não identificadas que o inquérito interno de a Nissan havia descoberto que Ghosn havia instruído a empresa desde 2002 a pagar por ano para sua irmã cerca de 100 mil dólares mais velha. O Yomuri é o maior diário do Japão em circulação. A compensação teria que ser para um papel como conselheira. O jornal havia adicionado que ela estava, de fato, morando e gerenciando o apartamento no Rio que a Nissan havia adquirido para a utilização de Ghosn e que não havia feito nenhum trabalho de consultoria para a montadora. Um representante da família Ghosn não tinha observação imediata.

A renúncia de Muñoz ocorre depois que a promotoria do Japão ter exibido ontem novas denúncias formais contra Ghosn, que permanece preso Há quase dois meses, em Tóquio, por supostamente ter ocultos compensações multimilionárias às autoridades e outras ianormalidades

Fonte: EfeGeneric

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: China

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Executivo da Nissan deixa posição por conta do caso “Ghosn”
>>>>>Interrogatório de Carlos Ghosn por conta do estado de saúde do empresário – (EfeGeneric)
>>>>>Promotoria cancela interrogatório de Carlos Ghosn por conta do estado de saúde do empresário – (EfeGeneric)
>>>>>Promotoria japonesa apresenta novas acusações formais contra Carlos Ghosn – (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Carlos Ghosn 0 210 PERSON 7 o brasileiro Carlos_Ghosn: 1, Ghosn: 4, (tacit) ele/ela (referent: Ghosn): 1, o caso Ghosn: 1
2 Nissan 0 0 ORGANIZATION 4 A Nissan: 1, a Nissan: 3
3 eu 0 7 NONE 3 (tacit) eu: 3
4 o de suposta violação de a confiança de a empresa 90 160 NONE 2 o de suposta violação de a confiança de a empresa: 2
5 acusações 0 100 NONE 2 as acusações: 2
6 José Muñoz 0 90 PERSON 2 Muñoz: 1, O espanhol José_Muñoz que: 1
7 Ghosn Nissan e Gregg_Kelly 0 50 PERSON 2 Ghosn Nissan e Gregg_Kelly: 1, (tacit) eles/elas (referent: Ghosn Nissan e Gregg_Kelly): 1
8 investigação 80 0 NONE 2 a investigação interna: 1, investigação aberta: 1
9 a defesa de o empresário 0 0 NONE 2 A defesa de o empresário: 2
10 a aprovação de a nissan 0 0 NONE 2 a aprovação de a Nissan: 2