FMI “monitora” situação brasileiro e descarta “contágio” na região

Por: SentiLecto

O Fundo Monetário Internacional “monitora” a situação brasileirobrasileiro depois do escândalo de corrupção que atinge diretamente o presidente Michel Temer e descarta um “contágio” na região, segundo explicaram nesta sexta-feira diretores do organismo.

O diretor do setor do Hemisfério Ocidental do FMI, Alejandro Werner, considerou em São Paulo que ainda é “cedo” para realizar um diagnóstico sobre as consequências que a nova crise política no Brasil vai ter no campo econômico.

Enquanto conservará seus prognósticos, werner declarou que nas próximas semanas o organismo vai seguir de perto os eventos brasileiros com o fim de avaliar futuras projeções econômicas, embora por. Segundo o FMI, que acredita que as probabilidades de contágio a outros países da América latina são mínimas, já que, a seu julgamento, as economias da região “têm espaço suficiente de manobra, reservas internacionais” e “saúde nas folhas de balanço dos bancos e das principais corporações”, o Produto Interno Bruto do Brasil vai subir tímido 0,2% este ano e vai chegar a 1,7% em 2018, depois de dois exercícios consecutivos em números vermelhos pela primeira vez desde a década de 1930. Faz 2 anos, a economia de o país caiu %3,8, seu maior tropeço em 25 anos, e Faz 1 ano, perdeu %3,6, entrando em uma profunda recessão.

“Deve-se ter precaução. Veremos como as coisas se vão desenvolver e com as coisas mais claras vamo avaliar as projeções econômicas”, assegurou Werner em um encontro com jornalistas em São Paulo, antes da apresentação do relatório “As Américas. História de dois ajustes”.

O diretor do FMI declarou: “restringiu-se o efeito regional quando houve a crise política brasileira há dois anos, ou a volatilidade de o México para a incerteza sobre a possível renegociação de o tratado de livre comércio,”.

Por outro lado, o órgão emissor, em comunicado, assegurou que está vigiando a conduta dos mercados para determinar o efeito das acusações, e que comportar-se caso seja necessário para conservar seu pleno funcionamento.”Esta vigilância e atuação têm por objetivo o bom funcionamento dos mercados. Não há relação direta e mecânica com a política monetária, que vai continuar concentrada em seus objetivos tradicionais”, declara a nota.- A equipe econômica avalia que as turbulências que afetaram o mercado financeiro nesta quinta-feira tendem a se dissipar nos próximos dias. Integrantes do governo escutados pelo GLOBO alegaram que a disparada do dólar e a ampliação das taxas de juros por causa dos boatinhos de que o presidente Michel Temer poderia abdicar em função da delação premiada dos proprietários da JBS provocam efeito de curto prazo na economia, mas tudo tende a voltar ao normal. Um integrante do domo econômica declarou que o Brasil já passou do período em que a uma crise política tem a habilidade de derrubar a economia: — Passamos do período em que a economia entra em crise por causa de crise política. A crise econômica que provocou uma recessão no Brasil não foi resultado somente de uma crise política. Ela foi resultado de uma política econômica equivocada. A ordem para a equipe econômica é continuar trabalhando para aprovação da proposta, embora o Palácio do Planalto avalie que a reforma da Previdência perdeu força por causa da fragilização do presidente Temer. Também foi pedido aos ministros da área que reforcem o discurso de que a reforma é uma necessidade para o Brasil: — O ponto concreto é que o Congresso já compreendeu que o problema da Previdência não é do governo e sim uma questão de solvência. Continuaremos trabalhando para aprova a reforma — declarou o representante da equipe econômica. Ao longo desta quinta-feira, Henrique Meirelles conservou a agenda de reuniões. Henrique Meirelles é o ministro da Fazenda. Uma das primeiras do dia foi com representantes do Fundo Monetário Internacional . O ministro também conversou com investidores que ficaram inquietados com o agravamento da crise política. Meirelles relatou a assessores que os investidores mostraram preocupação com o programa da agenda de reformas. O ministro, no entanto, avaliou que conseguiu tranquilizar os interlocutores falando que ela vai sair do papel, mesmo que haja um atraso na aprovação da Previdência.Para a agência de classificação de risco Moody’s, as acusações de Joesley Batista contra o presidente Michel Temer prejudicam a perspectiva de crédito brasileira e ameaçam “paralisar ou reverter o positivo momento político e econômico observado recentemente.”, alegou em comunicado divulgado nesta sexta-feira. Já a agência de classificação de risco Fitch alegou que a crise política aumenta a incerteza sobre a aprovação das reformas da Previdência e trabalhista e também podem abalar a recuperação econômica. A agência conservou inalterada, porém, a nota de crédito soberana brasileira, em “BB” , com perspectiva negativa.

Na sexta-feira 21 de abril Alejandro Werner, diretor do Departamento de Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional havia alegado em entrevista coletiva na tarde dque os inquéritos sobre a corrupção e a crise política haviam afetado algumas das economias dos passados, como o Brasil, durante os dois anos de recessão, e o Peru. Werner havia declarado, contudo, que não estavam calculando, para este ano, grandes efeitos na economia brasileiro decorrentes da Operação Lava-Jato.

“Os mercados comportar-se com volatilidade, mas com normalidade. Os esquemas do Governo e a ação do Banco Central para que se conserve a liquidez foi o adaptado para que o mercado comportar-se de forma correta, embora com incerteza”, concluiu Werner.

Fonte: EfeGeneric

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil, Mexico

Cities: Mexico, Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>FMI “monitora” situação brasileiro e descarta “contágio” na região
>>>>>BC está atento ao mercado, após repercussões de escândalo político – (EfeGeneric)
>>>>>Equipe econômica avalia que turbulências na economia tendem a se dissipar – May 19, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Notícia sobre JBS e Temer aumentam incertezas na economia, dizem analistas – May 18, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Equipe econômica já descarta aprovação da reforma da Previdência no primeiro semestre – May 18, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Governo acredita já ter votos para a reforma da Previdência, diz Meirelles – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Empresários marcam reunião de emergência para discutir crise política e econômica – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Moody’s: denúncia contra Temer prejudica perspectiva de crédito do Brasil; Fitch vê maior incerteza – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 crise 0 0 NONE 9 crise política: 1, a nova crise política: 1, a crise política: 2, crise: 1, a uma crise política: 1, A crise econômica: 2, uma crise política: 1
2 Werner 0 0 PERSON 6 (tacit) ele/ela (referent: Werner): 2, Werner: 4
3 Michel Temer 80 3 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: o presidente Michel_Temer): 2, o presidente Michel_Temer: 3
4 o Brasil 0 0 PLACE 5 o Brasil: 5
5 fase 0 0 NONE 4 a fase: 4
6 nós 0 0 NONE 4 (tacit) nós: 4
7 investidores 0 240 NONE 3 os investidores: 1, investidores: 2
8 incerteza 0 210 NONE 3 a incerteza: 2, incerteza: 1
9 recessão 20 0 NONE 3 uma profunda recessão: 1, uma recessão: 1, recessão: 1
10 Henrique Meirelles 0 0 PERSON 3 Henrique_Meirelles (apposition: o ministro de a Fazenda): 1, (tacit) ele/ela (referent: Henrique_Meirelles): 1, Meirelles: 1