Forte crescimento dos EUA e inflação fraca dão conforto para Fed conservar juro

Por: SentiLecto

O Federal Reserve deverá conservar as taxas de juros nesta semana, com os formuladores de política monetária colocando na balança o crescimento econômico mais forte do que o esperado nos Estados Unidos e a inflação tépida.

As autoridades não deram nenhum sinal nas últimas semanas de qualquer mudança na taxa básica de juros do banco central dos EUA, atualmente entre 2,25 por cento e 2,50 por cento. Os mercados têm apostado fortemente que a abordagem “paciente” do Fed significa somente isso –taxas estáveis até que uma série de boas ou más notícias sobre a economia forneça uma razão convincente para agitar-las.

Dados compilados pelo CME Group colocam as possibilidades de o Fed conservar as taxas inalteradas esta semana em 97 por cento.

Michael Feroli, economista do JP Morgan declarou: “Não esperamos uma grande mudança de tom”.

O Comitê Federal de Mercado Aberto tem que divulgar seu comunicado nas 15h de quarta-feira, após o término de uma reunião de dois dias. O Comitê Federal de Mercado Aberto é culpada pela definição da política monetária.O chairman do Fed vai fazer uma coletiva de jornalismo pouco depois. O chairman do Fed é jerome Powell.

Nas semanas que se seguiram à reunião do Fed em março, a maioria dos dados dos EUA sassombroupositivamente, dreduzindoa probabilidade de que as autoridades fossem obrigadas a rdiminuiras taxas, como tem exigido o presidente Donald Trump.

A inflação, em particular, continua a ficar aquém da meta de 2 por cento do Fed e foi de somente 1,5 por cento em uma base anual, no relatório mais recente. Algumas autoridades, mais eminentemente o vice-chair do Fed, Richard Clarida, declararam que também sentem que as expectativas de inflação estão se aproximando de níveis desconfortavelmente baixos.

Autoridades do Fed observam diferentes métricas de expectativas de inflação quase tão de perto quanto os números reais da inflação e as veem como centrais para os próximos passos da política monetária.

Enquanto navega no cabo de combate, diante da “dicotomia” entre o ininterrupto crescimento econômico e a inflação abaixo da meta, “o Fed deve conservar a política suspensa em sua reunião de maio do Fomc “, escreveram analistas do Deutsche Bank.

– Os índices acionários europeus fecharam em alta nesta sexta-feira, com fortes resultados corporativos e dados mostrando que o crescimento econômico dos Estados Unidos superou as expectativas no primeiro trimestre auxiliando a diminuir as perdas registrada no começo da sessão. Enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,22 por cento, o índice FTSEurofirst 300 subiu 0,13 por cento, a 1.536 pontos , a 391 pontos, com o laboratório farmacêutico Sanofi e a fabricante de motores aeronáuticos Safran liderando os ganhos após resultados favoráveis, enquanto uma reviravolta das ações bancárias para o azul também auxiliou a superar as perdas de até 0,9 por cento atingidas no dia. Depois que dados econômicos fracos da Coreia do Sul e da Alemanha divulgados nesta semana reacenderam preocupações sobre o crescimento mundial, o crescimento econômico positivo dos EUA veio como um alívio, auxiliando o STOXX 600 a registrar ganhos na semana. Em abril, o índice ganhou mais de 3 por cento, andando para estender seus ganhos mensais para o quarto mês consecutivo. O britânico FTSE, que tem muitas companhias de energia em sua composição, concluiu em baixa, com a queda nos custos do petróleo prejudicando as principais empresas de petróleo, enquanto a maioria dos índices dos países subiu. Beneficiaram-se os bancos com ganhos de o HSBC, Standard Chartered e Commerzbank auxiliando o índice setorial a superar as perdas anteriores com resultados decepcionantes de o RBS e de o Deutsche Bank. Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,08 por cento, a 7.428 pontos. Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,27 por cento, a 12.315 pontos. Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,21 por cento, a 5.569 pontos. Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,08 por cento, a 21.737 pontos. Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,05 por cento, a 9.506 pontos. Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 1,28 por cento, a 5.420 pontos.

Na quinta-feira 11 de abril a economia dos EUA estava numa situação saudável considerando “uma perspectiva puramente de política monetária”, mas há mais trabalho que os formuladores de política monetária podiam fazer para garantir que o crescimento seja amplamente compartilhado, havia declarado o presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: United States

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Forte crescimento dos EUA e inflação fraca dão conforto para Fed conservar juro
>>>>>Índices europeus fecham em alta com impulso de balanços e PIB dos EUA – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 pontos 0 0 NONE 8 391 pontos: 1, 9.506 pontos: 1, 12.315 pontos: 1, 7.428 pontos: 1, 5.420 pontos: 1, 1.536 pontos: 1, 5.569 pontos: 1, 21.737 pontos: 1
2 por_cento 0 0 NONE 8 cento_e_2,50 por_cento: 1, 0,13 por_cento: 1, 0,27 por_cento: 1, 1,5 por_cento: 1, 0,08 por_cento: 1, 0,22 por_cento: 1, 0,21 por_cento: 1, 1,28 por_cento: 1
3 índice 0 0 NONE 6 o índice pan-europeu: 1, o índice: 4, o índice setorial: 1
4 autoridades 0 15 NONE 4 as autoridades: 2, Algumas autoridades: 1, As autoridades: 1
5 crescimento 240 0 NONE 4 o crescimento econômico mais forte: 1, o crescimento: 1, o contínuo crescimento econômico: 1, o crescimento global: 1
6 Fed 0 0 ORGANIZATION 3 (tacit) ele/ela (referent: o Fed): 1, o Fed: 2
7 FTSE 80 140 ORGANIZATION 2 o britânico FTSE: 2
8 resultados 160 0 NONE 2 fortes resultados corporativos: 1, resultados favoráveis: 1
9 taxas 120 0 NONE 2 taxas estáveis: 2
10 política 80 0 NONE 2 a política suspensa: 1, política monetária: 1