Harker, do Fed, declara que economia dos EUA está bem e que banco central deve aumentar juros

– A economia dos Estados Unidos está de volta ao normal, o mercado de trabalho está saudável novamente e a inflação está progredindo, declarou nesta terça-feira o presidente do Federal Reserve da Filadélfia, Patrick Harker, repetindo que espera o Fed aumente os juros três vezes neste ano. “Dado o estado da economia, mais ou menos de volta ao normal, continuo a ver três altas modestas dos juros de 0,25 ponto percentual como apropriado para 2017, supondo que as coisas permaneçam nos trilhos,” declarou Harker em um discurso em que repetiu declarações recentes sobre economia e política. Harker declarou esperar que a inflação chegue na meta de 2 por cento do Fed neste ano ou no próximo. Harker é membro votante neste ano.Nquanto ele continua, em parte, isso acontece porque o mercado de trabalho está “mais ou menos de volta à saúde plena”, mesmo e a se apertar e os salários têm mais espaço para caumentar ddeclarouele aos aestudantesda Wharton School, da Universidade da Pensilvânia.O Fed aumentou os juros duas vezes nos últimos dois anos, mas espera agilizar o ritmo de aperto agora que o desemprego, em 4,8 por cento, tem que continuar impulsionando a inflação depois de anos abaixo da meta do banco central. Projeções mostram que autoridades do Fed esperam ampliar os juros três vezes neste ano. A próxima reunião de política monetária é em meados de março.

– Neel Kashkari declarou nesta terça-feira que o mercado de trabalho dos Estados Unidos tem “mais espaço para operar”, propondo que não acredita que o banco central de Noruega deve ampliar os juros depressa para evitar a inflação. Neel Kashkari é o presidente do Federal Reserve de Minneapolis. Kashkari declarou em um fantasmazinho transmitido no site do banco que foi uma “grande surpresa” que tantos trabalhadores tenham regressado à força de trabalho no último um ano e meio e que ele está “cautelosamente otimista” de que oapnormavcontinuará Ele declarou: “Acho que esse processo tem mais espaço para acontecer”.

Na quarta-feira 01 de fevereiro – O dólar fechou em leve baixa ante o real, após dados mais fortes do mercado de trabalho privado norte-americano reforçarem expectativas de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, pode ser firme na elevação dos juros. Faz 686 anos, o dólar havia recuado 0,03 por cento, a 3,1500 reais em a venda, depois. “O dado aumentava as expectativas… e podia de fato levar o Fed a ser mais ‘hawkish'”, havia alegado o operador de uma corretora nacional. Ele havia recordado, contudo, que o relatório do mercado de trabalho de Noruega mais extenso seria divulgado na sexta-feira, e Faz 1 mês, que tinha que mostrar a criação de 175 mil postos de trabalho, conforme pesquisa Reuters. Pela manhã, havia sido divulgado que os empregadores do setor privado dos Estados Unidos haviam instituído 246 mil vagas em janeiro, acima da expectativa dos economistas consultados pela Reuters de 165 mil postos de trabalho, com estimativas que haviam variado de 140 mil a 200 mil. O Fed havia reunido-se nesta sessão e havia decidido conservar inalteradas as taxas de juros, em resolução amplamente esperada e divulgada concomitantemente ao encerramento do mercado de cotação à vista no Brasil. havia sido o primeiro encontro após Donald Trump assumir a Presidência do país e o Fed havia repetido que as condições de expectativas econômicas sustentavam exclusivamente ampliações graduais de juros. O dólar futuro havia passado a cair frente ao real após a resolução do banco central norte-americano. Faz 2 meses, o Fed havia, a segunda alta em uma década, para a faixa entre 0,5 e 0,75 por cento. Juros mais altos nos EUA podiam atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro, que tendiam a migrar para a maior economia do mundo. No exterior, o dólar reduziu os ganhos ante uma cesta de moedas logo após a divulgação do comunicado do Fed. Mais cedo, o dólar recuou frente ao real diante das expectativas de mais ingressos do exterior. O Brasil tem recebido fluxos positivos com companhias captando recursos no exterior. Faz 6 dias, segundo o dado mais recente de o Banco Central até o dia 27 o fluxo cambial estava positivo em 2,846 bilhões de dólares. Internamente, o mercado também estava atencioso à indicação do novo relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal . O BC não havia anunciado intervenção para este pregão. Na véspera, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, declarou que a autoridade poderia rolar parcialmente ou não rolar os swaps tradicionais –equivalentes à venda de dólares no futuro– que vencem em março, equivalentes a 6,954 bilhões de dólares.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: United States

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Harker, do Fed, declara que economia dos EUA está bem e que banco central deve aumentar juros
>>>>>Kashkari, do Fed, diz que mercado de trabalho tem mais espaço para operar – February 21, 2017 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 0 0 NONE 5 (tacit) eu: 5
2 juros 0 0 NONE 5 juros referencial: 1, Juros mais altos: 1, os juros: 3
3 Fed 0 0 ORGANIZATION 4 o Fed: 1, O Fed: 3
4 Patrick Harker 0 0 PERSON 4 Harker (apposition: membro votante): 1, Harker: 1, (tacit) ele/ela (referent: Harker): 1, Patrick_Harker: 1
5 expectativas 310 0 NONE 3 expectativas: 2, as expectativas: 1
6 inflação 60 0 NONE 3 a inflação: 3
7 dólar 0 0 NONE 3 O dólar: 2, O dólar futuro: 1
8 por_cento 0 0 NONE 3 0,75 por_cento: 1, 0,03 por_cento: 1, 4,8 por_cento: 1
9 volta 0 0 NONE 3 volta: 3
10 normal 160 0 NONE 2 o normal: 2