Ibovespa despenca 4,5% e passa a recuar em 2018; Petrobras desaba mais de 14%

Por: SentiLecto

– O principal índice acionário de Brasilde Brasil começou a semana caindo 4,5 por cento e revertendo os ganhos em 2018, impactado pelo 8º dia de greve dos caminhoneiros, que paralisou diversos setores da economia, ressaltando fragilidades do governo federal. O Ibovespa fechou em baixa de 4,49 por cento, a 75.355 pontos, perto da mínima da sessão e menor platô de encerramento desde 22 de dezembro de 2017. Com isso, o Ibovespa passou a acumular queda de 1,37 por cento em 2018. Em dólar, a queda chega a 12,7 por cento no ano. O volume financeiro do pregão somou 11 bilhões de reais, um pouco abaixo da média diária do mês, diante da ausência de negócios em Wall Street, onde os pregões estiveram fechados em razão de feriado nos Estados Unidos. Se Nova York estive funcionando, para alguns operadores, a queda poderia ter sido maior. Faz 4 dias, dados de fluxo em o segmento Bovespa mostraram a sexta sessão com saída líquida em o último que fez, com o que o saldo em o ano passasse a ficar em 1 bilhão de reais negativo. De acordo com profissionais da área de renda mutável escutados pela Reuters, além da apreensão com o conseqüência econômico, os desdobramentos da greve também somaram incertezas políticas, em meio ao fracasso do governo em concluir as paralisações, mesmo cedendo às dprocurasdos manifestantes. O diretor de uma importante gestora internacional alegou: “Há muita incerteza com esse vácuo de liderança em Brasília e as votações a mais ou menos quatro meses de ocorrer”. Caminhoneiros conservavam nesta segunda-feira pelo 8º dia, apesar do anúncio na véspera pelo presidente Michel Temer de uma série de medidas para atender procuras da categoria, com preço fiscal de 13,5 bilhões de reais. O chefe da mesa de renda mutável da CM Capital Markets, Fabio Carvalho realçou: “A percepção de risco piorou e continuará piorando até o governo encontrar uma solução”. Ele evidenciou que um quadro de indefinição é propício para revisão dos números de crescimento. Pesquisa Focus do Banco Central mostrou que o mercado diminuiu a projeção de crescimento da economia de Brasil neste ano, depois de uma semana de paralisação de caminhoneiros, com a mediana das estimativas caindo a 2,37 por cento na semana passada, ante 2,5 por cento antes. DESTAQUES – PETROBRAS PN caiu 14,6 por cento, para 16,91 reais, menor valor desde 10 de janeiro, enquanto PETROBRAS ON recuou 14,07 por cento, a 19,79 reais, mínima desde 23 de janeiro, com perda de cerca de 40 bilhões de reais em valor de mercado. Quando iniciaram boatinhos sobre debate de custos de combustíveis, desde o dia 18 a Petrobras acumulou perda de valor de mercado de 127,5 bilhões de reais. Da máxima do ano, em 16 de maio, a perda alcança 146 bilhões de reais, resultado de oito pregões seguidos de queda. Após anúncio de medidas pelo governo federal na véspera, a Petrobras informou nesta segunda que conservará por 60 dias a diminuição nos custos do diesel. Após esse prazo, os reajustes do combustível vão passar a ser mensais, e não mais até diários como a empresa vinha fazendo. Para o UBS a mudança na política é bastante negativa. – ELETROBRAS PNB recuou 9,52 por cento, em meio à avaliação de fragilidade política no país, além da frustração dos investidores com a dobstáculodo governo para seguir adiante com a privatização da companhia. ELETROBRAS ON caiu 7,04 por cento. – CSN caiu 10,04 por cento, liderando perdas no setor siderúrgico, diante de receios ante potenciais efeitos da greve dos caminhoneiros, que tem restringido o fluxo de bens. USIMINAS PNA cedeu 7,33 por cento e GERDAU PN recuou 6,25 por cento. A equipe de estratégia da XP Investimentos estimou que as siderúrgicas podem perder até 20 por cento do faturamento de maio, ou 7 por cento do trimestre. – GOL PN recuou 7,92 por cento, tendo como pano de fundo a alta do dólar ante o real, que afeta os preços da empresa aérea, mas também pela carência de combustível em alguns aeroportos que tem provocado o cancelamento de voos. AZUL ON caiu 3,74 por cento. – BANCO DO BRASIL cedeu 7,34 por cento, padecendo com a percepção de cenário político mais frágil. ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN caíram 4,23 por cento. – SUZANO e FIBRIA subiram 1,53 e 1,14 por cento, respectivamente. Ambos são considerados papéis defensivos, refletindo a alta correlação com o dólar – que voltou a subir – e pouca relação com a atividade doméstica. Em razão da greve, a Suzano paralisou suas operações e a Fibria declarou que decidiu diminuir ritmo de produção nas fábricas em Jacareí e Três Lagoas .

– O principal índice de ações da B3 fechou em queda de mais de 2 por cento nesta quarta-feira, na mínima da sessão, pressionado pela queda de blue microchip diante de um cenário externo negativo para mercados emergentes. O Ibovespa caiu 2,26 por cento, a 80.867 pontos, na mínima da sessão e menor encerramento desde 23 de janeiro. O giro financeiro da sessão adicionou 11,1 bilhões de reais. Segundo o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, o mercado segue pressionado pelas vendas de estrangeiros. Somente em maio, o segmento Bovespa registra saldo negativo de capital externo de 2,785 bilhões de reais. Chinchila também mencionou conseqüência negativo do exterior, com reavaliações sobre risco político, além de dados frustrantes da zona do euro e crise na Turquia, que inquietam. O índice MSCI para ações de mercados emergentes caiu 0,52 por cento. “O mercado de Brasil prova uma série de incertezas e ainda é ‘hedge’ em matéria de liquidez para muitos mercados”, adicionou operador da BGC Liquidez Alexandre Soares. Também no radar esteve a greve dos caminhoneiros contra a ampliação do custo do diesel. Setores da economia já têm problemas decorrentes da paralisação no transporte de cargas. DESTAQUES – ELETROBRAS ON desabou 11,47 por cento e ELETROBRAS PNB despencou 9,42 por cento, após o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , alegar na véspera que a Medida Provisória 814, que trata da privatização da elétrica estatal, não será votada pelo Congresso Nacional e perderá a validade. – PETROBRAS PN e PETROBRAS ON caíram 5,83 e 4,47 por cento, respectivamente, diante de dúvidas sobre autonomia da companhia diante do imbróglio em torno dos custos dos combustíveis, abrindo espaço para execução de lucros após fortes ganhos em 2018. O petróleo fechou sem direção única no exterior. A Petrobras também anunciou nova diminuição para os custos da gasolina e do diesel nas suas refinarias. – VALE recuou 0,76 por cento, conforme os custos do minério de ferro voltaram a recuar na China. – BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN caíram 2,63 e 1,89 por cento, respectivamente, após o respiro na véspera, recomeçando a trajetória negativa deste mês, com ambos os bancos acumulando queda ao redor de 10 por cento em maio. – BRF cedeu 3,2 por cento. A companhia de alimentos interrompeu as atividades em quatro unidades de abate de frangos e porcos nesta manhã e a paralisou parcial ou totalmente operações de outras nove fábricas, em razão da greve dos caminhoneiros. – MARFRIG disparou 7,59 por cento, após a companhia anunciar que o processo de venda da unidade Keystone Foods progrediu para o segundo período e que foram escolhidas cinco companhias para essa etapa, que calcula apresentação de proposta vinculante em junho, informou a companhia. [L2N1SU0PL] – COSAN progrediu 1,46 por cento, revertendo perdas do início da sessão, em meio a avaliação de que o acordo que envolve a diminuição da Cide sobre custos de combustíveis deve ter conseqüência negativo pequeno para a produtora de açúcar e etano. – O tom negativo prevalecia na bolsa de Brasil na manhã desta quinta-feira, com as ações da Petrobras despencando mais de 10 por cento, em meio a preocupações sobre a influência política na companhia, após a estatal diminuir o custo do diesel em razão dos protestos dos caminhoneiros. Às 12:16, o Ibovespa caía 1,64 por cento, a 79.542 pontos. Na mínima da sessão até o momento, o índice recuou 2,28 por cento. O volume financeiro era de 7 bilhões de reais. Na visão do chefe da mesa de renda mutável da CM Capital Markets, Fabio Carvalho, a percepção de risco com emergentes vem ampliando e, em o Brasil , o quadro eleitoral indefinido potencializa isso , o que abre espaço para incertezas sobre questões regulatórias que necessitam convergência política. Declarou: “Se havia dúvida de como o governo reagiria em algum momento de instabilidade, o que ocorreu com a Petrobras e também a Eletrobras nos últimos dias foi uma sinalização não acertada”. Dados sobre o fluxo para o segmento Bovespa também continuam mostrando saída líquida de capital externo. Até o dia 21, o saldo estava negativo em 2,785 bilhões de reais em maio. Wall Street endossava o viés negativo no pregão de Brasil, com o S&P 500 em baixa de 0,7 por cento, tendo no radar resolução do presidente de Noruega Donald Trump de cancelar um encontro planejado com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un e com o recuo das ações de bancos e queda de custo do petróleo também pesando nos negócios. DESTAQUES – PETROBRAS PN e PETROBRAS ON desabavam 12,4 e 11,8 por cento, respectivamente, em meio à reação negativa dos investidores à deresoluçãoa coempresae rediminuirrcustosm razão dos protestos dos caminhoneiros. Analistas cortaram a recomendação dos papéis da empresa, mencionando preocupação com ampliação dos riscos de interferência política na estatal, entre eles os do Credit Suisse, Morgan Stanley e Itaú BBA. André Hachem, do Itaú BBA realçou: “As normas do jogo mudaram”. – ELETROBRAS PNB e ELETROBRAS ON recuavam 7,3 e 4,7 por cento, respectivamente, ainda pressionadas pela frustração dos investidores com a obstáculo do governo para seguir adiante com a privatização da companhia. – BANCO DO BRASIL recuava 2,6 por cento, liderando as perdas do setor bancário no Ibovespa. A ação do banco estatal tende a padecer mais em momentos de preocupação com riscos políticos no país. BRADESCO PN perdia 0,6 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,25 por cento. SANTANDER UNIT cedia 1,1 por cento. – GOL PN recuava 2,8 por cento, conforme o dólar voltava a se valorizar ante o real, uma vez que a empresa aérea tem a maior parte de suas despesas operacionais atreladas à moeda norte-americana. A empresa também divulgou que está aplicando medidas de contingência em toda operação em razão dos efeitos dos protestos, “conservando as ações necessárias para diminuir os efeitos aos seus clientes”. – BRASKEM tinha alta de 5,84 por cento, apoiada em expectativas relacionadas a aquisição do controle da petroquímica, após o jornal Valor Econômico noticiar que a holandesa LyondellBasell preparou uma nova proposta à Odebrecht para cadquirio controle da Braskem, avaliando a petroquímica brasileira em 41,5 bilhões de reais. A Braskem declarou que a Odebrecht negou ter recebido proposta da LyondellBasell. – VALE tinha acréscimo de 0,58 por cento, depois de ter subido 2 por cento mais cedo, tendo como pano de fundo a alta dos custos do minério de ferro na China. – SUZANO valorizava-se 5,5 por cento, encontrando na valorização do dólar ante o real apoio para a recuperação após queda nos três pregões anteriores.- As ações da Petrobras desabavam mais de 10 por cento na bolsa de Brasil nesta quinta-feira, com a perda de valor de mercado alcançando cerca de 47 bilhões de reais, em meio à reação negativa de investidores após a cempresardiminuiro pcustodo diesel em razão dos protestos dos caminhoneiros. Às 13:25, as preferenciais da petrolífera de controle estatal caíam 14,5 por cento, a 19,90 reais; e os papéis ordinários perdiam 14 por cento, a 23,34 reais. No mesmo horário, o Ibovespa recuava 1,7 por cento. Considerando esses câmbios, a perda de valor de mercado da empresa adicionava 47,2 bilhões de reais, para 285,2 bilhões. A Petrobras deixa de liderar o ranking de valor de mercado da bolsa, com a Ambev recuperando o posto, com valor de 317 bilhões de reais, se os papéis fecharem nesse platô. Na véspera, a Petrobras anunciou diminuição em 10 por cento no valor do diesel nas refinarias a partir desta quinta-feira, em uma resolução “excepcional” devido aos protestos dos caminhoneiros, que deve redundar em perda de 350 milhões de reais em receita para a empresa. Analistas cortaram a recomendação dos papéis da empresa, mencionando preocupação com ampliação dos riscos de ingerência política na estatal. O analista Regis Cardosos, do Credit Suisse, que diminuiu a recomendação para os ADRs da empresa para ‘neutra’, conservando o preço-alvo em 15 dólares alegou: “Os recentes acontecimentos trouxeram a política técnica de custos da Petrobras para a discussão política e tememos que ampliem os riscos de interferência”. “As normas do jogo mudaram”, realçou o analista André Hachem, do Itaú BBA, que cortou a recomendação para ‘market perform” e também diminuiu o preço-alvo das ações preferenciais para 27 reais ante 32 anteriormente. “Tudo que precisa é uma pequena percepção de intervenção negativa”, alegou o analista Bruno Montanari, do Morgan Stanley, que diminuiu a recomendação do ADRs da companhia de ‘overweight’ e cortou o preço-alvo de 15 para 13 dólares.

Na sexta-feira 18 de maio – A bolsa brasileira fechou em baixa nesta sexta-feira, tendo como pano de fundo um quadro desfavorável a mercados emergentes, mas o Ibovespa havia concluído longe das mínimas em meio à busca por barganhas após quedas mais fortes na primeira etapa do pregão. O índice de referência do mercado acionário brasileiro havia caído 0,65 por cento, a 83.081 pontos. No pior momento, contudo, havia tocado 2,67 pontos, em queda de 81.390 por cento. O volume financeiro no pregão havia sido novamente forte e havia adicionado 17,7 bilhões de reais, contra uma média diária de 13 bilhões de reais em maio e 11 bilhões de reais em 2018. Na semana, o Ibovespa havia acumulado queda de 2,5 por cento, aumentando as perdas no mês para 3,5 por cento e diminuindo a alta no ano para 8,7 por cento. ” haviam feito uma pescaria nessa bolsa agora à tarde”, a havia afirmadoum gestor, drealçandoque vários papéis r haviam reduzidoas perdas e vários p haviam passadopara o território positivo. ” havia sido um dia bem volátil”, havia adicionado. As operações domésticas também haviam sido influídas pelo movimento na cotação, com o dólar chegando a disparar 2 por cento para 3,7774 reais, auxiliando empresas como Suzano, que havia liderado as altas do Ibovespa. No exterior, o índice MSCI para ações de mercados emergentes havia cedido 0,62 por cento. Estrategistas do UBS avaliavam que o recente clima negativo nas ações de mercados emergentes decorria de uma rodada de alta de rendimentos de títulos e do dólar, que estava tirando dinheiro de ativos arriscados, não uma crise, segundo nota a clientes. DESTAQUES – ITAÚ UNIBANCO PN caiu 0,7 por cento infectado pelo viés negativo com emergentes geralmente, enquanto BRADESCO PN subiu 0,45 por cento, recuperando-se no final após cair mais de 4 por cento na mínima da sessão. Itaú havia caído 3,4 por cento no pior momento. No ano, Itaú ainda subia 10,95 por cento e Bradesco progredia 2,6 por cento. – PETROBRAS PN havia caído 1,16 por cento e PETROBRAS ON mbora o contrato Brent siga perto de 80 dólares o barril, havia concluído com variação negativa de 0,2 por cento, com noticiário relacionado a negociações da cessão onerosa no radar, bem como à queda do petróleo, e.- GOL havia fechado em alta de 0,42 por cento, após cair mais de 6 por cento no início da sessão, pressionada pelo fortalecimento do dólar e pelava manutenção do brent ao redor de 80 dólares, variáveis que afetavam os preços das companhias aéreas. – MAGAZINE LUIZA havia caído 3,9 por cento, com o setor de varejo e consumo padecendo ainda em razão da resolução do Banco Central de suspender o ciclo de corte na taxa básica de juros, instrumento que vinha sendo visto como apoio para o segmento, dada a retomada ainda lenta da atividade econômica. No ano, a negociante ainda contabilizava alta de mais de 30 por cento. – SUZANO havia subido 3,98 por cento, liderando os ganhos do Ibovespa, uma vez que a receita da fabricante de papel e celulose era favorecida pela alta do dólar ante o real. – JBS havia ganhado 1,72 por cento, também beneficiada pelo movimento na cotação e pelava resolução da Fitch de conservar o rating da empresa em ‘BB-‘ e retirar o comentário negativo para a nota de crédito, com perspectiva estável.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil, Cameroon

Cities: Jacarei, Brasilia

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ibovespa despenca 4,5% e passa a recuar em 2018; Petrobras desaba mais de 14%
>>>>>Ibovespa recua para mínima desde janeiro com cenário negativo para emergentes – May 23, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa tem sessão volátil com Vale contrabalançando exterior favorável – May 21, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta seguindo bolsas no exterior e com alta de blue chips – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Ibovespa recua, mas busca por barganhas sustenta patamar de 83 mil pontos – May 18, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Bovespa recua com cenário externo negativo; balanços seguem no radar – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com balanços, Kroton desaba e Natura salta – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Índice reverte ganhos e recua com fraqueza em NY e alta do dólar; Petrobras limita perdas – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta novamente guiado por Petrobras, em sessão positiva para emergentes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda com exterior, mas Petrobras limita perdas – May 15, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Índice fecha quase estável ajudado por Vale e Petrobras; bancos pesam – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa recua com exterior, mas Petrobras renova máximas desde 2010 e atenua perda – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Commodities sustentam Ibovespa no azul em 2018 – May 16, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha quase estável com ajuda de Petrobras – May 14, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ibovespa fecha em alta liderada por salto em Petrobras, em dia de avanço do petróleo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa fecha em queda pressionado por blue chips; Vale cai 3% – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ibovespa sobe com recuperação de ações atreladas a economia doméstica; Petrobras recua – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bovespa cai abaixo de 80 mil pts com tombo das ações da Petrobras – May 24, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Índice fecha em queda pressionado por blue chips; Vale cai 3% – May 21, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Índice tem sessão volátil com Vale contrabalançando exterior favorável – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Bovespa recua com exterior negativo; Eletrobras despenca 10% – May 23, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Bovespa opera em leve alta acompanhando exterior, mas Petrobras pressiona – May 22, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Índice tem leve alta com exterior – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ação da Petrobras desaba 14% e empresa perde R$47 bi em valor de mercado após reduzir preço do diesel – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 80 NONE 40 3,74 por_cento: 1, 7,04 por_cento: 1, 2,5 por_cento: 1, 7,34 por_cento: 1, 0,52 por_cento: 1, 1,46 por_cento: 1, 30 por_cento: 1, 0,65 por_cento: 1, 3,5 por_cento: 1, 7,92 por_cento: 1, 6,25 por_cento: 1, 1,72 por_cento: 1, 0,76 por_cento: 1, 2,26 por_cento: 1, 4,23 por_cento: 1, 10 por_cento: 1, 1,14 por_cento: 1, 10,04 por_cento: 1, 14 por_cento: 1, 0,62 por_cento: 1, 1,1 por_cento: 1, 4,47 por_cento: 1, 12,7 por_cento: 1, 5,5 por_cento: 1, 3,2 por_cento: 1, 1,7 por_cento: 1, 2,8 por_cento: 1, 2,28 por_cento: 1, 8,7 por_cento: 1, 2,6 por_cento: 2, 3,9 por_cento: 1, 7,59 por_cento: 1, 2 por_cento: 2, 4,5 por_cento: 1, 0,25 por_cento: 1, 3,98 por_cento: 1, 2,37 por_cento: 1, 1,89 por_cento: 1
2 companhia 0 80 NONE 9 a companhia aérea: 1, A companhia: 1, a companhia: 3, a empresa: 3, cinco empresas: 1
3 Petrobras 80 0 ORGANIZATION 9 A Petrobras: 1, (tacit) ele/ela (referent: a Petrobras): 1, a Petrobras: 5, (tacit) ele/ela (referent: A Petrobras): 2
4 SUZANO 0 60 ORGANIZATION 8 SUZANO: 2, (tacit) ele/ela (referent: a Suzano): 3, a Suzano: 1, Suzano: 2
5 Ibovespa 0 70 ORGANIZATION 7 o Ibovespa: 5, O Ibovespa: 2
6 eu 80 0 NONE 7 (tacit) eu: 7
7 dólar 0 0 NONE 6 o dólar: 5, dólar: 1
8 esta 0 0 NONE 5 esta: 5
9 meio 0 0 NONE 5 meio: 5
10 queda 0 0 NONE 5 a queda: 2, queda: 3