Ibovespa fecha em queda de 2,5% e fica abaixo de 86 mil pontos com exterior adverso

Por: SentiLecto

– A bolsa paulista fechou com o Ibovespa, que caiu 2,5 por cento, a 85.914,71 pontos, na mínima da sessão, em queda de 2,5 por cento nesta segunda-feira, em meio a um noticiário externo desfavorável, com apreensões principalmente sobre o crescimento econômico mundial minando o sentimento de investidores e endossando diminuição de exibição a risco em mercados emergentes. O giro financeiro adicionou 12,4 bilhões de reais. A sessão iniciou com a repercussão de dados mais fracos do comércio exterior de China e teve ainda renúncia do titular da autoridade monetária na Índia, deferimento da eleição do acordo do Brexit no Parlamento britânico e o presidente de Francia decretando estado de urgência econômica e social no país. No Twitter Mohamed A. El-Erian, conselheiro econômico chefe na Allianz alegou: “Não se trata somente do Brexit, do conflito sobre verba Itália-UE e do nervosismo comercial China-EUA”. Alegou: “A renúncia do presidente do banco central da Índia e a reviravolta política do presidente da França, Macron, são mais indicações de até que ponto a política está impactando os mercados e a economia”. Em Wall Street, o índice acionário S&P 500 cedia 0,11 por cento no final do pregão, apoiado na recuperação de alguns papéis de tecnologia, após recuar 1,9 por cento no pior momento. O ETF iShares MSCI de mercados emergentes, por sua vez, caía mais de 1 por cento. O gestor de portfólio de uma gestora de recursos em São Paulo declarou: “O mercado parece bem frágil nesse fim de ano”. Após um ano de fortes ganhos na bolsa paulista, principalmente no fase próximo das votações e com forte participação de investidores locais, profissionais do mercado também consideram ser razoável que fundos diminuam posições mais otimistas diante de uma piora nos mercados externos. Mesmo com a queda nesta sessão, o Ibovespa ainda acumula alta de 12,45 por cento em moeda local. Em dólar, contudo, alcança declínio de quase 5 por cento. Papéis como as preferenciais da Petrobras, por sua vez, sobem mais de 45 por cento no ano em real e mais de 20 por cento em dólar. DESTAQUES – PETROBRAS PN caiu 5,37 por cento, com o declínio de cerca de 3 por cento nos custos do petróleo ditando execução de lucros nos papéis. O noticiário envolvendo a empresa incluiu começo de período não vinculante para venda de 3 campos terrestres no Espírito Santo e um vazamento de petróleo na Baía de Guanabara no sábado, após uma tentativa de roubo em oleoduto da subsidiária Transpetro. – ITAÚ UNIBANCO PN recuou 2,67 por cento, em meio à piora do apetite a risco generalizada, com BRADESCO PN fechando em baixa de 1,93 por cento. – VALE concluiu em baixa de 2,13 por cento, alinhada aa performance de suas pares na Europa, além da queda dos custos do minério de ferro na China. – GOL PN desabou 7,12 por cento, com a alta do dólar ante o real endossando embolso de lucro dos papéis, que ainda contabilizam ganho ao redor de 25 por cento em 2018. – EMBRAER progrediu 2 por cento, tendo no radar resolução judicial revogando liminar que impedia a empresa de vender o controle de sua divisão de aviação comercial para a norte-americana Boeing, sediando recurso da Advocacia-Geral da União . – CYRELA subiu 1,69 por cento, entre as poucas altas da sessão e engatando o quarto pregão seguido de ganhos, em meio a perspectivas mais positivas para o setor de construtoras voltadas para a média e alta renda, com analistas realçando a empresa como uma das com melhor prognóstico.

– O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira, mas longe das mínimas da sessão, acompanhando a melhora de ativos de mercados emergentes e antes da divulgação de dados de emprego nos EUA, que podem determinar próximos movimentos de política monetária. O principal índice do mercado acionário brasileiro caiu 0,22 por cento, a 88.846,48 pontos, após recuar 2,26 por cento no pior momento, afetado pelo cenário externo com notícias desfavoráveis para a relação sino-americana e queda do petróleo. O volume financeiro no pregão adicionou 13,9 bilhões de reais. Faz 1 mês, a criação de vagas em os EUA de a ADP, veio menor do que o esperado. Além disso, declarações do presidente do Federal Reserve de Atlanta, Raphael Bostic, de que os EUA estão a pequena distância do juro neutro corroboraram ajustes antes do relatório de emprego do governo. Pesquisa Reuters com economistas mostra expectativa de que a folha de pagamentos não agrícola dos EUA registre a criação de 200 mil postos de trabalho em novembro, contra 250 mil em outubro. A taxa de desemprego tem que ficar em 3,7 por cento. “Os dados podem referendar o tom mais ‘dovish’ adotado recentemente por membros do Fed, entre eles o chairman Jerome Powell, e corroborar um rearranjo de apostas para a normalização da taxa de juros nos EUA antes da última reunião do Fed este ano”, avalia o operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez. O Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed reúne-se em 17 e 18 de dezembro, quando uma nova alta de a taxa de juro norte-americana é esperada, para a pausa de 2,25 a 2,50 por cento. Nos EUA, o ETF iShares MSCI de mercados emergentes caía 1,5 por cento no final da tarde, após ter recuado mais de 3 por cento no pior momento. A melhora também teve como pano de fundo desdobramentos imediatos menos graves da prisão da filha do fundador da gigante chinesa de tecnologia Huawei, no Canadá, a pedido dos EUA, que minou os mercados mundiais mais cedo, e que infectou a Bovespa. O episódio, na visão da equipe de análise e estratégia da XP Investimentos, “evidencia quão frágil está a relação dos EUA e da China”. No último sábado, EUA e China consentiram em uma trégua de 90 dias na disputa tarifária que vem inquietando agentes de mercado pelo conseqüência potencialmente negativo na economia mundial. A queda de mais de 2 por cento nos custos do petróleo endossou o viés negativo no pregão de Brasil, com os câmbios da commodity pressionadas também pela sinalização da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de que pode consenti com um corte de produção menor do que o esperado. Dados da B3 mostraram entrada líquida de estrangeiros no segmento Bovespa nos dois primeiros pregões de dezembro, adicionando 1,9 bilhão de reais. O saldo no ano está negativo em 7,6 bilhões de reais. DESTAQUES – PETROBRAS PN caiu 3,79 por cento, afetada pelo declínio do petróleo, além de novas sinalizações de Brasília de que um desfecho sobre a questão da cessão onerosa deve ficar para 2019. O Morgan Stanley também cortou o preço-alvo dos ADRs da empresa. PETROBRAS ON recuou 4,16 por cento. – EMBRAER cedeu 2,33 por cento, após a Justiça Federal de São Paulo conceder liminar impedindo o conselho de gestão da fabricante de aeronaves de tomar qualquer resolução que permita a separação da área comercial da companhia para formar uma joint venture com a Boeing. – ITAÚ UNIBANCO PN ganhou 0,9 por cento, com o setor de bancos como todo melhorando e auxiliando na diminuição de perdas do Ibovespa. BRADESCO PN subiu 1,09 por cento. – VALE caiu 0,95 por cento, pressionada pelas preocupações com os rumos da disputa comercial entre Washington e Pequim, que derrubou ações de mineradoras na Europa. A Vale também adquiriu 77 por cento na companhia de mineração Ferrous Resources, por cerca de 550 milhões de dólares. – GOL PN recuou 2,11 por cento, com a alta do dólar frente ao real – que chegou a quase 2 por cento no pior momento – levando a execução de lucros no papel, que ainda acumula alta de cerca de 40 por cento em 2018. A empresa aérea também divulgou na véspera que a procura total aumentou acima da oferta em novembro. – Faz 1 mês, CIELO subiu 3,88 por cento afetada por preocupações com a ampliação de a competição em o setor de meios de pagamentos. No ano, as ações perdem cerca de 55 por cento. – BB SEGURIDADE fechou em alta de 2,52 por cento, tendo no radar anúncio de distribuição de 2,7 bilhões de reais em dividendos extraordinários, a serem pagos em 2 de janeiro, valor superior aos 2,1 bilhões de reais sinalizados pela companhia antes.- A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em queda nesta quinta-feira, mas longe das mínimas da sessão, acompanhando a melhora de ativos de mercados emergentes e antes da divulgação de dados de empregos nos EUA, que podem determinar os próximos movimentos de política monetária do banco central de Noruega. Índice de referência do mercado acionário de Brasil, o Ibovespa .BVSP> caiu 0,42 por cento, a 88.663,22 pontos, segundo dados preliminares, após recuar mais de 2 por cento no pior momento, afetado pelo cenário externo adverso com notícias desfavoráveis para a relação sino-americana e queda do petróleo. O volume financeiro no pregão adicionava 12,9 bilhões de reais. – O Ibovespa fechou em queda nesta sexta-feira, com as ações domésticas acompanhando à ddanificaçãoem Wall Street por receios com a saúde da economia norte-americana após dados mais fracos do que o esperado do mercado de trabalho em novembro Índice de referência do mercado acionário bde Brasil o Ibovespa caiu 0,87 por cento, a 88.077,64 pontos, segundo dados preliminares. O volume financeiro do pregão adicionava 12,388 bilhões de reais. Na semana, o Ibovespa acumulou queda de 1,6 por cento, também conforme dados pré-ajuste de encerramento.

Na segunda-feira 26 de novembro SÃO PAULO – A bolsa paulista fechou a segunda-feira em queda, descolada do tom positivo de praças acionárias no exterior, tendo as ações de bancos e da mineradora Vale entre as principais pressões negativas, em sessão com significativo volume financeiro.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: India, Brazil, China

Cities: Sao Paulo, Franca

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ibovespa fecha em queda de 2,5% e fica abaixo de 86 mil pontos com exterior adverso
>>>>>Ibovespa fecha em queda de 0,2% antes de dados de emprego dos EUA – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa fecha em queda, mas se afasta de mínimas à espera de dados de emprego dos EUA – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa fecha em queda com piora em NY por preocupações com economia dos EUA – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 26 7,12 por_cento: 1, 2,5 por_cento: 1, 0,87 por_cento: 1, 2,11 por_cento: 1, 2,67 por_cento: 1, 40 por_cento: 1, 1,69 por_cento: 1, 2,33 por_cento: 1, 3,7 por_cento: 1, 2,50 por_cento: 1, por_cento: 3, 77 por_cento: 1, 0,95 por_cento: 1, 1,5 por_cento: 1, 0,11 por_cento: 1, 55 por_cento: 1, 4,16 por_cento: 1, 3,88 por_cento: 1, 0,9 por_cento: 1, 0,42 por_cento: 1, 2 por_cento: 2, 1,09 por_cento: 1, 0,22 por_cento: 1
2 Ibovespa 80 70 ORGANIZATION 9 O Ibovespa: 2, Índice de referência de o mercado acionário brasileiro o Ibovespa: 1, o Ibovespa: 6
3 dados 80 50 NONE 7 dados preliminares: 2, dados: 3, Dados de a B3: 1, Os dados: 1
4 Bradesco Pn 0 30 PERSON 7 (tacit) ele/ela (referent: Bradesco_Pn): 5, Bradesco_Pn: 2
5 queda 0 30 NONE 6 a queda: 1, A queda: 1, queda: 4
6 sessão 0 90 NONE 5 sessão: 1, A sessão: 1, esta sessão: 1, a sessão: 2
7 os EUA 0 50 PLACE 5 os EUA: 5
8 companhia 50 80 NONE 4 A companhia aérea: 1, a companhia: 3
9 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
10 pontos 0 0 NONE 4 85.914,71 pontos: 1, 88.846,48 pontos: 1, 88.077,64 pontos: 1, 88.663,22 pontos: 1