Ibovespa fecha no vermelho pressionado por Vale, bancos e Petrobras

Por: SentiLecto

– A Bovespa fechou no vermelho nesta segunda-feira, morrendo à pressão das ações de Vale, de bancos e da Petrobras em meio à ausência de novidades em torno da reforma da Previdência e ao sentimento de caprecauçãoue permeava as negociações no exterior. Referência da bolsa paulista, o Ibovespa concluiu em baixa de 0,98 por cento, a 94.412,91 pontos, após ter caído 1,68 por cento no pior momento. O giro financeiro da sessão adicionou 12,49 bilhões de reais. Faz 1 mês, o indicador fechou em o vermelho de os cinco pregões de a semana passada, recuando 2,57 por cento em o fase, após uma sequência de seis semanas de alta, em movimento de correção após renovar recordes em janeiro máximas repetidamente. Operadores de renda mutável avaliam que a bolsa paulista carece de gatilhos no curto prazo para engatar um movimento de alta, dado que a progressão das reformas econômicas, sobretudo a da Previdência, depende da recuperação de Jair Bolsonaro. “Não tem fato novo porque toda a expectativa de melhora está atrelada à Previdência na verdade… O mercado fica sem força com ausência de notícias novas e, nesse compasso de espera, muita gente acaba realizando um pouco de lucro”, explicou Ari Santos, da H.Commcor. Onyx Lorenzoni declarou acreditar que o presidente esteja de volta a Brasília até sexta-feira para tomar “resoluções finais” sobre a proposta de reforma da Previdência que será mandada ao Congresso. Onyx Lorenzoni é o ministro da Casa Civil. Mais tarde, o porta-voz da presidência evidenciou que ainda não há previsão de alta da clínica. Investidores dividem as atenções entre o noticiário externo e os balanços corporativos, enquanto não surgem novidades no front político ou nas articulações em torno das reformas. Para o economista-chefe da gestora Infinity, Jason Vieira, a temporada de resultados ainda não exerce grande influência sobre o mercado doméstico em função do espaçamento maior do programa de balanços, até o fim de março. No exterior, as bolsas norte-americanas perdiam alento perto do final dos negócios, conforme prevalecia em Wall Street um sentimento de precaução diante das negociações comerciais entre China e Estados Unidos e a chance de nova paralisação da governo devida ao impasse envolvendo a verba. DESTAQUES – VALE caiu 2,64 por cento, devolvendo ganhos da abertura, com as atenções voltadas aos desdobramentos sobre o ruptura da represa em Brumadinho . Faz 1 ano, conforme documento interno visto por a Reuters, a mineradora estava ciente de que a represa tinha aumentado risco de rompimento. – PETROBRAS PN cedeu 1,15 por cento, e PETROBRAS ON caiu 1,26 por cento, em linha com o recuo dos custos internacionais do petróleo e tendo no radar notícia de que a controlada BR Distribuidora começou etapa de seleção de potenciais interessados em parceria estratégica no segmento de lojas de conveniência BR Mania. – ITAÚ UNIBANCO perdeu 1,13 por cento, em sessão de queda no setor financeiro. BRADESCO PN em cedeu 0,58 por cento, BANCO DO BRASIL em baixa de 2,96 por cento e SANTANDER UNIT cedendo 1,39 por cento. – CEMIG PN recuou 2,31 por cento, tendo como pano de fundo a designação do ex-presidente da Fiat, Cledorvino Belini, para comandar a estatal mineira, em substituição a Bernardo Alvarenga, que deixou a empresa. – BRF caiu 1,62 por cento. A companhia informou que seu conselho da gestão aprovou refinanciamento de duas linhas de crédito contratadas com o banco Santander no valor de até 700 milhões de reais. – EMBRAER perdeu 1,43 por cento, após anunciar que entregou 181 jatos em 2018, sendo 90 comerciais e 91 executivos. A previsão para aviação comercial era de 85 a 95 unidades, e para a executiva era de 105 a 125. Em relatório, a Guide considerou a notícia “marginalmente negativa”, realçando que a fabricante precisa focar na melhora das vendas de jatos executivos para não enfrentar problemas de liquidez após a venda da divisão comercial para Boeing. – BRASKEM PNA subiu 3,63 por cento, entre as poucas ações que concluíram o dia no azul, beneficiada pela alta do dólar, o que aumentava a receita obtida com as exportações.

– O principal índice de ações da bolsa paulista tinha leves oscilações nos minutos iniciais do pregão desta segunda-feira, com investidores monitorando o noticiário em torno da recuperação do presidente Jair Bolsonaro, considerada fundamental para a progressão das reformas econômicas, e as negociações comerciais entre China e EUA. Às 10:17, o Ibovespa caía 0,14 por cento, a 95.207,79 pontos.

Na segunda-feira 04 de fevereiro – A bolsa paulista passava por um ajuste negativo nesta segunda-feira, após alta pertinente acumulada desde o início de ano, em movimento puxado pelos papéis de bancos e da Vale, tendo como pano de fundo um cenário externo marginalmente desfavorável e a repercussão da votação no Congresso no país. Às 11:57, o Ibovespa caía 0,69 por cento, a 97.187,27 pontos. O volume financeiro adicionava 2,9 bilhões de reais. Índice de referência do mercado acionário de Brasil, o Ibovespa havia atingido na última sexta-feira nova máxima histórica para encerramento, a 97.861,27 pontos, acumulando em 2019 alta de 11,35 por cento. No exterior, Wall Street andava para uma abertura fraca, enquanto petróleo recuava e o dólar, antes de resultados como o da Alphabet valorizava-se ante uma cesta de moedas. Entre sexta-feira e sábado, o parlamentares de Brasil haviam elegido os presidentes da Câmara dos Deputados e Senado , acontecimento amplamente aguardado por ser considerado no mercado imprescindível para a progressão de fato do andamento das reformas. “Do ponto de vista da aprovação de uma reforma da Previdência pertinente, o risco reduziu na Câmara – embora a tramitação possa tardar um tanto a mais – e ampliou moderadamente no Senado”, avalia a equipe da consultoria Rosenberg Associados, conforme nota a clientes. “De toda maneira, será preciso avaliar ainda como se dará, efetivamente, a presidência de Alcolumbre. Adicionando todos os vetores, pareciam ainda aumentadas as possibilidades de aprovação da reforma da Previdência, mesmo que mais demorada”, havia declarado. DESTAQUES – VALE perdia 1,54 por cento, em meio ao horizonte ainda complicado para a mineradora após o calamidade em Minas Gerais com o ruptura de uma represa da empresa. – BRADESCO PN cedia 0,87 por cento, em queda após fortes ganhos nna esteirava do balanço trimestral e das metas divulgadas para 2019. – ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,36 por cento, antes da divulgação do resultado do quarto trimestre nesta segunda-feira, após o encerramento do mercado. – BB SEGURIDADE recuava 2,01 por cento, em sessão com dados do setor de seguros, que, conforme nota do Itaú BBA, haviam mostrado lucro fraco para dezembro. – GOL PN subia 3,69 por cento, engatando a quarta alta seguida, dada a fraqueza recente do dólar frente ao real e tendo no radar a recuperação judicial da adversária Avianca Brasil. – PETROBRAS PN cedia 0,35 por cento, afetado pelo declínio do petróleo. PETROBRAS ON era negociada em baixa de 0,43 por cento. – MARFRIG mostrava elevação de 3,59 por cento com o ganho em fevereiro já alcançando cerca de 9 por cento. Elevação de 3,59 por cento é segunda alta seguida.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil, United States, Spain, China

Cities: Santander, Brasilia

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ibovespa fecha no vermelho pressionado por Vale, bancos e Petrobras
>>>>>Ibovespa oscila pouco com foco em noticiário político e negociação China-EUA – February 11, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Vale puxa queda do Ibovespa com alerta sobre barragem e fechamento de terminal – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 0 0 NONE 16 3,69 por_cento: 1, 9 por_cento: 1, 1,26 por_cento: 1, 0,58 por_cento: 1, 1,15 por_cento: 1, 1,13 por_cento: 1, 0,87 por_cento: 1, 1,39 por_cento: 1, 2,57 por_cento: 1, 1,62 por_cento: 1, 2,01 por_cento: 1, 3,63 por_cento: 1, 2,31 por_cento: 1, 0,35 por_cento: 1, 0,36 por_cento: 1, 1,43 por_cento: 1
2 eu 0 28 NONE 6 (tacit) eu: 6
3 On Petrobras 75 25 PERSON 4 Petrobras_On era negociada em baixa de 0,43 por_cento: 1, Petrobras_On: 1, Petrobras_Pn: 2
4 Previdência 50 0 ORGANIZATION 4 a Previdência: 3, a Previdência relevante: 1
5 Wall Street 0 0 ORGANIZATION 3 Wall_Street: 2, (tacit) ele/ela (referent: Wall_Street): 1
6 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
7 exterior 0 0 NONE 3 o exterior: 3
8 radar 0 0 NONE 3 o radar notícia: 2, o radar: 1
9 Ibovespa 0 150 ORGANIZATION 2 o Ibovespa: 2
10 bolsa 0 70 NONE 2 a bolsa paulista: 1, A bolsa paulista: 1