Movimento atual da cotação é ‘bem diferente’ do passado, declara Campos Neto

Por: SentiLecto

– Roberto Campos Neto avaliou nesta sexta-feira que o movimento atual da cotação “desta vez é bem diferente” do visto no passado, em referência na desvalorização do real concomitante a uma queda no prêmio de risco. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central.Segundo ele, o que se via antes era uma depreciação do real acompanhada de ampliação na percepção de risco-país, com queda também no mercado de ações. Campos Neto comentou ainda sobre a aparente divergência entre a alta do Ibovespa, a aplicação por institucionais e a saída de estrangeiros do mercado local de ações. Ele explicou que isso é resultado de conseqüência migratório gerado pelo juro local mais baixo. O juro baixo assistência a impulsionar o mercado de ações. Com os custos mais altos, o investidor internacional começa a comparar o Brasil com outros mercados externos. O presidente do BC em acontecimento na XP Investimentos alegou: “Se continuarmos fazendo a obrigação de casa os estrangeiros voltarão e me parece que não vai haver reversão do fluxo institucional no sentido de saída”.

– Roberto Campos Neto declarou nesta sexta-feira que a instituição está “confortável” com a inflação com base nos cenários do banco, adicionando que o choque da proteína do fim do ano passado vai se dissipar mais rápido depois deRoberto Campos Neto declarou nesta sexta-feira que a instituição está “confortável” com a inflação com base nos cenários do banco, adicionando que o choque da proteína do fim do ano passado vai se dissipar mais rápido depois de ter vindo também mais rápido. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. Ainda que o BC tem conservado coerência sobre os fatores analisados para definir os juros, campos Neto recordou e recordou o “gap”, ou defasagem, da política monetária. O presidente do BC falou ainda sobre o protagonismo da agenda de reformas estruturais da economia para a política monetária. “Sempre indicamo as reformas, mas não só a da Previdência, a tributária, a administrativa… também”, alegou em acontecimento promovido pela XP Investimentos. – O dólar fechou em queda nesta quinta-feira, com o real registrando a melhor performance mundial na sessão numa tarde de recuperação para ativos de Brasil geralmente. As operações domésticas desafiaram o viés de alta do dólar no exterior, onde a moeda se fortalecia ainda por preocupações sobre o surto de um vírus na China. Operadores comentaram que a melhora do real esteve correlacionada, sobretudo na parte da tarde, à recuperação do Ibovespa. O índice de referência das ações brasileiras abandonou quedas de mais cedo e bateu novos recordes históricos, puxado pelo setor bancário –classe de ativo que, por ter ampla liquidez, costuma ser um ponto de entrada inicial de estrangeiros no mercado brasileiro. Nem mesmo declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, interpretadas pelo mercado como inclinadas a afrouxamento monetário, minaram a recuperação do real. Mais cedo, o IPCA-15 de janeiro mais alto que o esperado desestimulou novas apostas em cortes de juros pelo Banco Central. Um enfraquecimento dessas posições auxiliaria, em teoria, a conter a perda de atratividade do real como ativo de investimento. O dólar à vista caiu 0,22%, a 4,1668 reais na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro mais líquido tinha queda de 0,44%, a 4,1655 reais. O índice do dólar frente a uma cesta de seis adversários subia 0,17% no fim da tarde, com várias divisas emergentes em desvalorização. Apesar do mau começo de ano para o real –a divisa brasileira tem o pior desempenho global no acumulado de janeiro–, o Citi vê o dólar cair para 3,98 reais ao fim de 2020. “Mais evidência de aceleração do crescimento econômico doméstico combinada com materialização de outras reformas estruturais amparam um real mais forte” até o fim do ano, junto com acomodação do conflito EUA-Irã e a aparente ‘Período 1″ do acordo comercial EUA-China, declarou o Citi em nota a clientes.- O desempenho mais fraco do real neste início de ano está chegando ao limite, e esperam-se uma virada e alguma recuperação para os próximos meses, declarou em esta quarta-feira Italo Lombardi, estrategista sênior para mercados emergentes de o Crédit Agricole em Nova York que passou a apostar em defesa da divisa brasileira, via alternativas contra euro. A escolha por posição contra a moeda se deu porque, na avaliação do estrategista, a taxa de cotação euro/real está mais “esticada” do que a de dólar/real. Lombardi recomendou compra de alternativas de venda de três meses de euro/real com custo de exercício em 4,620 reais por euro e obstáculo em 4,400 reais por euro. O euro subiu 3,73% ante o real neste ano até o encerramento da véspera. Nesta quarta, a moeda europeia cedia 0,64%, a 4,6380 reais. Lombardi declara que compreende os motivos pelos quais o real tem ficado atrás de seus pares –a moeda não é mais atraente em termos de “carry trade”, a economia do Brasil ainda não mostrou sinais de recuperação, o “hedge” corporativo está mais barato e as empresas brasileiras têm feito mais emissões locais, o que enfraquece típicas entradas de recursos deste fase. Mas ele se conserva “construtivo” com a história brasileira. “Acreditamos que a maioria desses fatores deve se reverter, pois o BC possivelmente vai deduzi seu ciclo de corte de juros, os números econômicos estão inclinados a melhora e os fatores sazonais associados a emissão e ‘hedge’ têm que estar perto do fim.”

Na quarta-feira 15 de janeiro – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reiterou que o atual estágio do ciclo econômico recomenda precaução na condução da política monetária, conforme apresentação divulgada pelo BC por ocasião de sua participação em conferência do Santander em Cancun. Na apresentação, Campos Neto também repetiu que os próximos passos do Comitê de Política Monetária continuariam dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação. A primeira reunião do ano do Copom seria nos dias 4 e 5 de fevereiro.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Movimento atual da cotação é ‘bem diferente’ do passado, declara Campos Neto
>>>>>BC está ‘confortável’ com cenários para inflação, diz Campos Neto – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Dólar fecha em queda e volta à casa de R$4,16 em dia positivo para ativos brasileiros – January 23, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Dólar salta e fecha acima de R$4,20 pela 1ª vez desde dezembro com exterior negativo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>CÂMBIO-Crédit Agricole passa a apostar a favor do real contra o euro por estar construtivo com Brasil – January 22, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Roberto Campos 0 0 PERSON 9 Ele (referent: Campos_Neto): 1, Roberto_Campos_Neto (apposition: O presidente de o Banco_Central): 3, (tacit) ele/ela (referent: Roberto_Campos_Neto): 2, Campos_Neto: 3
2 Italo Lombardi 80 0 PERSON 6 Italo_Lombardi: 1, (tacit) ele/ela (referent: Lombardi): 3, Lombardi: 2
3 reais 400 0 NONE 5 4,620 reais: 1, 4,1655 reais: 1, 4,400 reais: 1, 4,6380 reais: 1, 4,1668 reais: 1
4 eu 30 0 NONE 5 (tacit) eu: 4, me: 1
5 moeda 25 25 NONE 4 a moeda: 3, a moeda europeia: 1
6 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
7 euro 0 0 NONE 4 O euro: 1, euro: 3
8 nós 0 0 NONE 4 (tacit) nós: 4
9 queda 0 0 NONE 4 queda de %0,44: 1, uma queda: 1, queda: 2
10 real 320 0 NONE 3 um real mais forte: 1, o real: 2