Nissan expande inquérito de Ghosn para mais países, incluindo o Brasil, declaram fontes

Por: SentiLecto

A Nissan aumentou o inquérito sobre seu ex-presidente Carlos Ghosn para incluir negócios nos Estados Unidos, na Índia e na América Latina, declararam três pessoas com conhecimento do tema.

– O Tribunal Distrital de Tóquio recusou um pedido da defesa de Carlos Ghosn pela soltura do ex-presidente do conselho da Nissan, que está preso desde 19 de novembro acusado de anormalidades financeiras, declarou a agência Jiji Press nesta quarta-feira. Na véspera, Ghosn apareceu em público pela primeira vez desde a prisão e alegou ser inocente, em audiência judicial. A atual ordem de prisão contra o executivo expira na sexta-feira. A promotoria do Japão cancelou, nesta quinta-feira, o interrogatório programado do ex-presidente da Nissan Motor, o brasileiro Carlos Ghosn, pois o executivo estava indisposto por estar com febre alta.

Na quarta-feira 26 de dezembro novas suspeitas erguidas por promotores de Tóquio contra o presidente afastado da Nissan, o franco-brasileiro Carlos Ghosn, envolviam a utilização de recursos da companhia para pagar um empresário saudita que o havia auxiliado a superar obstáculos financeiros, segundo duas fontes da companhia com conhecimento do tema.

Parte do inquérito interno se concentra em resoluções tomadas nos EUA por José Munoz, que liderou as operações da Nissan na América do Norte de 2014 a 2018, declararam as pessoas. Munoz recentemente entrou em permissão devido àoiinquérito aadicionaram

A Nissan declarou este mês que Munoz, visto dentro da indústria como próximo de Ghosn, estava de permissão “para permitir que ele auxilie a companhia concentrando-se em tarefas especiais decorrentes de acontecimentos recentes.”

Munoz não está colaborando com os investigadores, declararam duas fontes.

Uma das fontes descreveram Munoz, que atualmente conduz as operações da Nissan na China, como uma “pessoa de interesse” dainvestigação, adicionando não estar claro se se o vai acusar de alguma transgressão. Munoz, de 53 anos, não respondeu a pedidos de observações.

As fontes conversaram com a Reuters condição de anonimato devido à sensibilidade do atema Motonari Otsuru declarou não teve conhecimento do tema. Motonari Otsuru é o advogado de Ghosn.

Algumas das questões colocadas a Munoz dizem respeito a quando ele estava no comando das operações da Nissan nos EUA, contratos com provedores de peças e prestadores de serviços aprovados declarou uma fonte.

Os negócios de Ghosn nos EUA estão sendo compartilhados com procuradores. Os promotores de Tóquio se rejeitaram a comentar.

A Nissan informou que seu inquérito interno descobriu”evidência substancial e convincente de mau comportamento” por Ghosn e que seu alcance está se expandindo.

Se acusou Ghosn, outrora um de os executivos mais famosos de o setor automotivo e âncora de a coalizão entre Nissan e Renault, de subavaliar sua renda.

Na sexta-feira, ter também acusou de violação de confiança , ele transferido perdas de investimento pessoal em o valor de 1,85 bilhão de ienes para a Nissan.

Em seu primeiro fantasmazinho público desde sua prisão em 19 de novembro, Ghosn disse inocência em tribunal na terça-feira, declarando que jamais recebeu uma compensação não divulgada e que a Nissan não padeceu nenhuma perda devido a uma transferência provisória de um contrato pessoal de cotação.

Dois guardas que acompanhavam o empresário tiraram suas algemas após sua chegada. Se o colocou em uma cadeira diante a os três advogados presentes a o tribunal, liderado por o juiz Yuichi Tada.

A transferência tinha sido uma medida provisória para impedi-lo de ter queabdicarr eutilizarr seus fundos de aposentadoria como garantia,declaroue Ghosn.

Ainda que os investigadores da Nissan estão examinando outras resoluções de revendedores em vários países onde Ghosn, fontes a par do tema declararam desempenhou um papel na tomada de resoluções para ver se houve algum desvio de comportamento.

Quando selecionou a Hover Automotive Índia como parceira da Nissan para marketing, vendas, pós-venda e desenvolvimento de revendedores na Índia, em particular, a montadora analisa o papel da Ghosn no que descreve como resolução surpresa em 2008.

Selecionou-se Quando Ghosn interveio pessoalmente em o último minuto para pressionar a HAI, a TVS depois de muita pesquisa de a gerência de a Nissan em a Índia declararam quatro membros de a Nissan. A TVS é uma companhia diferente.

Eles adicionam que, em 2012, a HAI tornou-se a firma nacional de vendas exclusiva da Nissan na Índia, apesar de ser relativamente inexperiente na distribuição de veículos aos revendedores.

Faz 1 ano, se a dissolveu segundo o registro de companhias indiano, a Reuters não conseguiu encontrar um representante de a HAI, que A TVS não respondeu a um pedido de observação.

O inquérito também avalia o que parecem ser pagamentos excessivos para os serviços de guarda-costas de Ghosn no Brasil, declarou uma das fontes.

O advogado de Ghosn, Otsuru, não respondeu aos pedidos de observações sobre a expansão do inquérito da Nissan em negócios na Índia e no Brasil. Um representante dos EUA para Ghosn se rejeitou a comentar.

Espera-se que nas próximas horas os advogados de Ghosn deem uma entrevista coletiva para avaliar a audiência de hoje e mencionar as suas próximas atuações legais, incluindo a chance de pedir formalmente a liberdade provisória.

Uma fonte também declarou que a Nissan está governando auditorias de alguns parceiros de distribuição no Oriente Médio, incluindo a Al-Dahana, da Arábia Saudita, que tem metade de uma joint venture chamada Nissan Gulf, com a outra metade ocupada por uma unidade integral da Nissan.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: United States, India, Saudi Arabia, China, Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Nissan expande inquérito de Ghosn para mais países, incluindo o Brasil, declaram fontes
>>>>>Ex-presidente da Nissan comparece a tribunal em Tóquio e rejeita acusações – (EfeGeneric)
>>>>>Tribunal de Tóquio rejeita pedido para libertar Ghosn, diz agência Jiji Press – January 09, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Promotores japoneses querem que Carlos Ghosn assine confissão, diz filho a jornal francês – January 06, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ghosn fará primeira aparição pública em tribunal após 7 semanas preso – January 04, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Corte de Tóquio prorroga até 11 de janeiro prisão de Carlos Ghosn, ex-Nissan – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Ghosn comparecerá diante do juiz para responder a acusações – January 04, 2019 (EfeGeneric)
>>>>>Interrogatório de Carlos Ghosn por conta do estado de saúde do empresário – (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Carlos Ghosn 0 100 PERSON 12 o brasileiro Carlos_Ghosn: 1, Ghosn: 8, o franco-brasileiro Carlos_Ghosn: 1, seu ex-presidente Carlos_Ghosn: 1, ele (referent: Ghosn): 1
2 Nissan 37 130 ORGANIZATION 8 a Nissan: 5, A Nissan: 3
3 Munoz 60 0 PERSON 8 Munoz: 5, Munoz de 53 anos: 1, ele (referent: Munoz): 1, (tacit) ele/ela (referent: Munoz): 1
4 a Índia 0 0 PLACE 5 a Índia: 5
5 fontes 0 0 NONE 5 as fontes: 2, As fontes: 1, Fontes: 1, duas fontes: 1
6 investigação 0 0 NONE 4 A investigação: 1, a investigação: 2, sua investigação interna: 1
7 Reuters 0 0 ORGANIZATION 3 A Reuters: 1, (tacit) ela (referent: A Reuters): 1, a Reuters: 1
8 TVS 0 0 ORGANIZATION 3 A TVS: 1, a TVS (apposition: Uma empresa diferente): 1, (tacit) ele/ela (referent: A TVS): 1
9 eu 0 0 NONE 3 (tacit) eu: 3
10 os EUA_por_José_Munoz 0 0 OTHER 3 os EUA_por_José_Munoz: 2, (tacit) eles/elas (referent: os EUA_por_José_Munoz): 1