Petrobras vai se pautar por meritocracia; equívocos podem levar a demissões, declara CEO

Por: SentiLecto

Em momento em que busca implantar um programa mais agressivo de diminuição de preços, a Petrobras premiará funcionários dependendo de sua performance, além de considerar a demissão de empregados responsabilizados por acidentes, alegou o presidente da estatal Roberto Castello Branco.

A ideia, evidenciou o executivo durante seminário na Fundação Getulio Vargas , é trabalhar mais a meritocracia. A criação de um programa de sugestões para a diminuição de preços e ganho de competência está em curso, explicou ele.

O governo federal tem preparado uma reforma regulatória no setor de gás natural para ampliar a competição e diminuir preços, conforme publicado mais cedo nesta semana pela Reuters com informação de uma fonte.

Na quarta-feira 27 de fevereiro – O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, declarou que a empresa está em processo de encerramento de escritórios em Nova York, África, Irã e Japão, já que a diminuição de preços continua como um dos focos da estatal. Faz 9 meses, a declaração acontecia após a petroleira que desocuparia, visando economizar em o horizonte de o plano de negócios 2019-2023 mais de 100 milhões de reais. “Uma das coisas que estávamo fazendo era a diminuição de preços. Nesse sentido, tomávamo algumas medidas, entre elas o encerramento de escritórios do Petrobras fora do Brasil… era claro que conservávamo aqueles que julgávamo indispensáveis, como em Houston, Londres, na Holanda, em Cingapura e na China, mas fechávamo outros, como Nova York. estávamo no processo de encerramento de escritórios na África, no Irã e no Japão”, havia declarado o CEO em vídeo a funcionários. Com relação ao edifício da Avenida Paulista, Castello Branco havia alegado se tratar do “mais caro” ocupado pela Petrobras. “As pessoas que trabalhavam nesse edifício… temos a estimativa de 605 pessoas, serão direcionadas para outros lugares de preços mais baixos. Não temos a priori a intenção de demitir ninguém… estávamo estudando um programa incentivado de demissão voluntária”, havia alegado ele, realçando que não há nenhuma aprovação nesse sentido por ora. Castello Branco realçou ainda que três veículos à disposição da diretoria em São Paulo serão desmobilizados e que foi aprovado reajuste salarial zero para o presidente e diretores executivos da estatal.

“Premiaremos as melhores ideias. Nosso objetivo é instituir uma cultura de preço baixo para a empresa, esboçando um programa de remuneração mutável”, alegou.

A empresa também já anunciou neste ano a venda da refinaria de Pasadena, para a Chevron, do campo de Maromba, para a BW Offshore, e a finalização da negociação de ativos de distribuição na Paraguai.

Segundo o executivo, os funcionários vão precisar saber que, “se tiverem um bom desempenho, vão ser premiados, mas vão ser castigados”, se não tiverem.

Como exemplo, o presidente da Petrobras exibiu um relato de um mecânico que faleceu durante o trabalho, por um erro que teria sido cometido por ele mesmo. No entanto, Castello Branco evidenciou que outras pessoas também falharam no caso e que a demissão delas seria algo a ser considerado.

Por outro lado, – O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, declarou nesta sexta-feira ser possível desinvestimentos de 10 bilhões de dólares por parte da empresa nos primeiros quatro meses do ano. Faz 2 meses, em acontecimento em o Rio ele também declarou que a companhia trabalha por a revitalização de a Bacia de Campos. A reforma regulatória que o governo pretende realizar no setor de gás natural no Brasil deveria ser resolvida fora do Congresso, pois assim seria possível dar maior rapidez ao tema, declarou nesta sexta-feira Luiz Ildefonso Lopes, chairman da Brookfield no Brasil, durante acontecimento no Rio de Janeiro.

“O mecânico errou, pagou com a vida, coitado. Mas os supervisores do trabalho também erraram”, alegou.

O executivo realçou que a penalização proposta na companhia para outro funcionário era de 29 dias de suspensão, porque se fossem 30 o funcionário seria demitido.

“Bom, você acha que uma vida humana custa 29 dias de salário? Tem que ser demitido, senão vamos ter que rasgar essas normas de ouro “, alegou.

Segundo o executivo, a companhia tem respeito com a vida humana, ao meio ambiente, e tem como meta zero fatalidades.

“Nosso foco é gerar valor para os nossos acionistas, mas condicionado a segurança das nossas operações. Não podemos menosprezar riscos”, alegou.

Na mesma mesa de debates do acontecimento, o chairman da Brookfield no Brasil, Luiz Ildefonso Lopes, declarou no seu discurso que, assim como Castello Branco, também gostaria de falar sobre o assunto de segurança do trabalho.

Segundo Lopes, a responsabilidade pela segurança nas companhias da Brookfield sempre é do presidente.

“Nas nossas companhias nós não temos gerentes de segurança. Não existe isso. O culpado pela segurança em qualquer companhia nossa é o CEO. Qualquer acidente de maior gravidade, não precisa ser fatalidade, quem deve explicar e se submeter aa investigação que ocorre e que é liderado por um grupo de pessoas… é o CEO”, alegou.

“Demitir CEO por não dar atenção suficiente na área de segurança, na nossa vida, é mais habitual do que demitir CEO por baixo desempenho financeiro.”

Enquanto o Brasil tem erguido de maneira importante questões relacionadas à segurança de atividades em grandes empreendimentos, aoddebateoaconteceapós nnovadcalamidadeenvolvendo uma brepresade mineração.Em 25 de janeiro, uma represa de rejeitos de beneficiamento minério de ferro da mineradora Vale se rompeu em Brumadinho , liberando uma onda de lama que deixou mais de 300 mortos ou sumidos, além de atingir flora, comunidades, e rios, dentre eles o importante Paraopeba.

Na calamidade, a maior parte dos mortos foram funcionários da própria Vale, que estavam no percurso dos rejeitos.

Se afastou O CEO da Vale e outros diretores de as posições, após recomendação de autoridades que investigam o caso em Brumadinho.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Petrobras vai se pautar por meritocracia; equívocos podem levar a demissões, declara CEO
>>>>>Petrobras pode somar US$10 bi em desinvestimentos até final de abril, diz CEO – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Petrobras pode desinvestir US$10 bi nos primeiros 4 meses do ano, diz CEO – March 15, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Reforma do setor de gás fora do Congresso traria mais celeridade, diz executivo da Brookfield – March 15, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Governo discute plano para reduzir custo do gás natural, diz fonte – March 12, 2019 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 105 20 NONE 15 nós: 1, (tacit) nós: 14
2 Roberto Castello Branco 8 0 PERSON 8 ele (referent: Roberto_Castello_Branco): 1, Roberto_Castello_Branco (apposition: O presidente de a Petrobras): 2, Castello_Branco: 4, (tacit) ele/ela (referent: Roberto_Castello_Branco): 1
3 companhia 80 0 NONE 7 A companhia: 1, nossas empresas: 1, a companhia: 1, a empresa: 3, qualquer empresa nossa: 1
4 eu 4 5 NONE 6 (tacit) eu: 6
5 CEO 0 50 ORGANIZATION 5 CEO: 1, o CEO: 3, (tacit) ele/ela (referent: o CEO): 1
6 pessoas 0 70 NONE 4 pessoas: 1, As pessoas: 2, outras pessoas: 1
7 segurança 160 0 NONE 4 segurança: 1, a segurança: 3
8 executivo 0 0 NONE 4 O executivo: 1, o executivo: 3
9 o Brasil 0 0 PLACE 4 o Brasil: 4
10 vida 0 0 NONE 4 nossa vida: 1, uma vida humana: 1, a vida humana: 1, a vida: 1