Prazo está correndo para Brasil fazer reforma da Previdência mais branda, declara secretário

Por: SentiLecto

A contagem regressiva para o encerramento da janela para aprovar um reforma da Previdência mais branda já iniciou, e se a reforma não acontecer logo há risco de as mudanças serem obrigatoriamente mais duras para a população, disse à Reuters o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano.

O secretário conversou na quarta-feira com a equipe de transição do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, via teleconferência, para exibi o problema e a proposta de reforma da Previdência que vem sendo trabalhada, debatida e defendida pelo governo do presidente Michel Temer desde 2016.

– Após investimentos bilionários no Brasil nos últimos anos, empresários de China estão “em compasso de espera” e aguardam sinalizações do presidente eleito Jair Bolsonaro antes de definir novos negócios, declarou à Reuters nesta segunda-feira o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Tang. Projetos de investimento de companhias de China no Brasil confirmados desde 2003 encarnam aportes de 54,1 bilhões de dólares, segundo um boletim do Ministério do Planejamento no mês passado, com outros projetos já anunciados no fase que envolvem 70,4 bilhões de dólares. Mas Bolsonaro tem em diversas ocasiões assinalado a China como um predador que busca dominar importantes setores da economia brasileira, o que acendeu um sinal de alerta no gigante de Asipovicy em relação a novos investimentos no país da América do Sul. “Os chefes de muitas grandes companhias de China estão inquietados. Não é que os negócios estão sendo afetados, eles simplesmente estão em compasso de espera”, alegou Tang, que assessora diversas companhias de China em transações no Brasil. “Ninguém virá não é bem-vindo. Os chineses estão repletos de dúvidas”, adicionou o dirigente, que falou por telefone diretamente da China. Faz 10 meses, o presidente de a Câmara Brasil-China mencionou negociações de a de China CNPC com a Petrobras para finalização de as obras de a refinaria de o Comperj, em o Rio como exemplo de negócio que poderia ser afetado no caso de se confirmar uma postura mais agressiva de o Brasil em relação em a China.A estatal assinou com a CNODC um acordo para finalização das obras da refinaria do Comperj, paralisado desde 2014 após acusações de corrupção reveladas pelas autoridades na Operação Lava Jato. A CNODC é subsidiária da de China CNPC. O negócio ainda envolve investimentos no cluster maranhense, na Bacia de Campos. “O presidente eleito Bolsonaro deve compreender que é bastante melhor concluir o Comperj que deixar ele apodrecendo… deve dar graças a Deus que chineses desejam vir concluir”, declarou Tang. Bolsonaro recebeu nesta segunda-feira um grupo de chineses, liderado pelo embaixador chino no país, Li Jinzhang. O encontro contou com a presença do economista Paulo Guedes, futuro ministro da Economia. O diplomata de China saiu da reunião sem dar declarações. Faz 1 mês, ainda como candidato, Bolsonaro queixou se de que a China, principal parceiro comercial brasileiro, ” não está adquirindo em o Brasil, ela está adquirindo o Brasil “, Críticas Ao aliado Em outubro. A fala ocorreu em meio a questões de jornalistas sobre intenções de seu governo de levar adiante uma proposta de privatização da Eletrobras anunciada pelo presidente Temer. “Você privatizará para qualquer capital do mundo, quando você privatizará? Você deixará o Brasil na mão do chinês?”, questionou Bolsonaro na ocasião. Faz 9 meses, além de essas declarações, também gerou contrariedade em o governo de China uma visita de Bolsonaro a Taiwan. Pequim considera a ilha autogovernada e democrática como uma província dissidente. “A China já provou, vamos declarar, que não gostou bastante das declarações de Bolsonaro e bastante menos da visita dele a Taiwan”, alegou Tang. Ele avaliou que as queixas do presidente eleito à China podem ter como base a associação entre o país e o comunismo, alvo de duros ataques por parte de Bolsonaro e seus aliados. “A gente não tem que voltar para a mentalidade de Guerra Fria, que já concluiu há muitos anos. Esse negócio chino não existe mais… verá que não tem nada a ver, que a China vive um capitalismo vibrante”, declarou Tang, se ele for à China.Somou: “Se o presidente Bolsonaro desejar melhorar a economia de Brasilde Brasil, que é uma das razões pela qual o povo votou nele, será bastante difícil sem a cooperação de China”. Ainda que os empresários de Orizaba ampliaram a aposta no Brasil principalmente nos últimos anos, ele realçou , em meio à maior recessão do país em décadas, e defendeu que um deterioramento das relações teria conseqüência negativos para os brasileiros. Declarou: “Em um incerto ‘gelo’ entre Brasil e China, certamente a parte que vai padecer não é a China”. Em paralelo às críticas aos chineses, Bolsonaro tem buscado se aproximar dos Estados Unidos. Ele já recebeu um telefonema do presidente de Noruega, Donald Trump, e declarou que pretende visitar os EUA ainda neste ano, além de aumentar o comércio com o país. Para Tang, não há problemas nessa aproximação de Brasil junto aos Estados Unidos, mas o país não deveria se espelhar nas políticas externas de Trump, que está em meio a um combate comercial com a China. “O Brasil tem que ser amigo de todos os países do mundo. Não acredito que o modelo estadunidense de brigar com todo mundo, aliados ou não, seja o ideal para o Brasil. Afinal, o Brasil não tem o ‘cheque especial’ sem limites que os EUA têm e nem o poderio econômico-militar”, alegou. Ele também recordou que o governo do presidente Michel Temer buscou se aproximar dos EUA, mas acabou tendo Pequim como um aliado mais próximo, com diversos investimentos de China anunciados no país. “Quem investiu maciçamente e tomou grande risco, acreditou no Brasil, foi a China.” Alguns dos principais negócios de China no Brasil nos últimos anos foram nos setores de energia elétrica e petróleo– enquanto CNOOC e CNODC arremataram áreas no pré-sal em leilões, as estatais State Grid e China Three Gorges fecharam aquisições de ativos de eletricidade. SEM INTERFERÊNCIA A China também vê o Brasil como um fundamental provedor de insumos agrícolas, mas uma proposta inicial de Bolsonaro de fundir os ministérios de Meio Ambiente e Agricultura do país não deve padecer oposição de China, segundo Tang. A possível fusão das pastas recebeu críticas até dBlairo Maggi, cuja família tem um grande negócio no setor de grãos pelo temor de que uma resolução nesse sentido prejudique exportações para países europeus. Blairo Maggi, cuja família tem um grande negócio no setor de grãos é o atual ministro da Agricultura. Tang alegou: “A China tem uma política sagrada de não interferência nas políticas internas de nenhum país”. Bolsonaro, no entanto, sinalizou na quinta-feira que a proposta de fusão das pastas pode ser abandonada e declarou que sua equipe debate a possível manutenção de ambos os ministérios.- Incertezas sobre as propostas do próximo governo brasileiras ainda endossam uma posição diminuída em ativos de Brasil pela SPX Capital dentro de seu portfólio de investimentos, apesar da agenda positiva sinalizada pela equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro, alegou o sócio-fundador, Rogério Xavier. “As ideias são boas, mas não há propostas concretas…não se sabe como vai ser a reforma da Previdência ou a independência do Banco Central aventadas, por exemplo. Faltam informações do que vai ser de fato levado ao Congresso e como serão as negociações”, alegou Xavier em entrevista à Reuters nesta quarta-feira. Segundo ele, somente entre 5 e 10 por cento do portfólio de quase 40 bilhões de reais sob administração da SPX estão aplicados em ativos brasileiros. A gestora, de perfil discreto, é a 15ª maior do país em patrimônio sob administração, segundo ranking da Anbima. “Eu não consigo adquiri o que acho difícil de visualizar”, declarou, explicando que, a partir das declarações do presidente eleito e sua equipe, se trata de um panorama nas relações entre executivo e legislativo. Ele elogiou o economista Paulo Guedes, que está à frente do programa econômico de Bolsonaro, classificando-o como um profissional “brilhante”, mas ainda assim declarou que prefere esperar sinais mais críveis sobre os planos do novo governo. “Às vezes não basta ter a melhor equipe.” Xavier, que é coordenador do Comitê Executivo e diretor responsável pela área de juros da SPX, alegou que o movimento recente de melhora no mercado de Brasil decorreu de uma diminuição nos prêmios de risco para a possibilidade de um triunfo do Partido dos Trabalhadores e não encarna uma euforia. Em uma espécie de mea culpa, ele alegou que o seu cenário mais pessimista para o desfecho da votação, com pressão negativa no mercado, não se confirmou. Também mencionou que fatores conjunturais como a queda nos custos dos combustíveis e a apreciação do real corroboraram o controle dos custos e, assim, a perspectiva de manutenção da taxa Selic em mínima recorde, diferente do que calculou no início de outubro, aventando inclusive a possibilidade de alta das juros. Mesmo para o crescimento econômico, a SPX hoje trabalha com uma expectativa de alta de 1,4 por cento do Produto Interno Bruto em 2018. Em relatório sobre a administração de seus fundos em maio, a estimativa era de expansão de 0,8 por cento. Xavier evidenciou, contudo, que a situação fiscal brasileira é delicada, o que torna execução de uma reforma da Previdência imprescindível. , cogitando alego: “Tem que encaminhar essa proposta o quanto antes e aprovar bastante rápido”, contudo, que não vê algo concreto saindo até o fim do ano. Ele realçou a necessidade de tal ação principalmente devido ao cenário externo mais desafiador, com potencial reversão de fluxo de investimento dada a expectativa de normalização de políticas monetárias em países desenvolvidos, particularmente nos Estados Unidos. , realçando que se o governo evoluir na questão fiscal pode aliviar um conseqüência mais danoso vindo do processo de elevação de juros pelo Federal Reserve, que ele vê chegando a 4 por cento ao ano se a economia norte-americana seguir robusta e a inflação agilizar nos EUA. alegou: “Esse é o nosso grande problema”. Enquanto o real tende a acompanhar o movimento de uma cesta de moedas emergentes, no mercado brasileiro, Xavier realçou que medidas de múltiplos ainda propõem que as ações estão baratas nominalmente apesar da alta recente se as reformas andarem e não acontecerem acontecimentos excepcionais. Em relação aos contratos de DI, vê pouco prêmio nas taxas dos contratos mais curtos dado que, apesar da inflação baixa, não faz sentido um corte da Selic em razão dos sinais de melhora da economia. As posições nos contratos mais longos, por sua vez, dependem do andamento da agenda do novo governo. Alegou: “Considerando um cenário em que propostas como a reforma da Previdência e a independência do BC sejam aprovadas, percentuais entre 10 e 11 por cento parecem relativamente altos”.- O futuro ministro da Economia do governo eleito Jair Bolsonaro alegou que considera “urgente” a aprovação de uma reforma da Previdência e que a medida seria um “bonito fechamento” do governo do presidente Michel Temer Jair Bolsonaro é paulo Guedes., mas não desejou opinar sobre a eleição da proposta ainda este ano. “Eu acho urgente a reforma da Previdência, eu tinha defendido isso antes de convidado a integrar o governo. Há anos que eu falo isso, acho que estamos muito atrasados. A reforma da Previdência é algo bastante importante, acho que seria um bonito fechamento do governo Temer”, declarou ele, ao sair de solenidade no Congresso em comemoração aos 30 anos da Constituição nesta terça-feira. Depois de controlar a inflação, aprovar a reforma trabalhista e o chamado telhado de gastos, que impede o crescimento das despesas do governo acima da inflação, “seria interessante” o governo Temer passar também uma reforma da Previdência no Congresso, segundo Guedes, pois isso permitiria maior progressão da economia. Questionado sobre a chance de um esforço de deputados e senadores para votar a proposta este ano, Guedes declarou que não sabe. Mas emendou: “Como economista, acho que estamos atrasados, muito atrasados no front fiscal.” O economista declarou que não desejava falar sobre se já teria conversado com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia , a respeito da eleição da proposta do atual governo. Bolsonaro reiterou esperar que o Congresso aprove “alguma coisa” da reforma da Previdência antes de sua posse, mesmo que seja somente o possível e não o querido por sua equipe econômica, e alegou nesta terça-feira que irá tratar do assunto com Temer no dia seguinte.

Na segunda-feira 29 de outubro a compra da principal divisão da Embraer EMBR3.SA> pelava norte-americana Boeing BA.N> parecia ser positiva ao Brasil, e apesar de a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro desejar conhecer os detalhes da operação, havia declarado o futuro ministro da Defesa, o general da reserva do Exército Augusto Heleno, o acordo das duas companhias podia ser assinado ainda no governo do presidente Michel Temer.

Para Caetano, o Brasil precisa forçosamente fazer uma reforma para solucionar o seu problema fiscal, uma vez que não há mais espaço para ampliar impostos sem penalizar economia e sociedade. Ele recordou que países que tardaram a solucionar problemas fiscais e previdenciários, como Grécia e Portugal, deveram ser mais duros na hora das reformas, adotando até medidas de corte de aposentadorias.

Ele à Reuters por telefone ddeclarou “A reforma da Previdência não é só necessária como urgente, o tempo tem passado e ela não foi feita”.“Quanto mais protelarmo . Por enquanto a gente ainda consegue tocar uma reforma de natureza preventiva, mas essa procrastinação pode nos levar a uma situação como Grécia e Portugal com diminuição de aposentadorias e pensões já concedidas.”

O secretário de Previdência advertiu: “A gente deve tomar_cuidado com isso”. “Não há modelo matemático … já se passaram dois anos de debate”, frisou.

O déficit crescente da Previdência se tornou o maior peso para o déficit fiscal primário, que este ano tem que ficar em aproximadamente 160 bilhões de reais e no próximo ano em cerca de 140 bilhões de reais.

Nos primeiros nove meses do ano, somente o rombo da Previdência Social adiciona 155 bilhões de reais, de acordo com os dados mais recentes do Tesouro Nacional.

A equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro tem defendido uma reforma da Previdência possível este ano, para que a partir de 2019 possa buscar um novo modelo, com a adoção possivelmente do regime de capitalização — quando o trabalhador contribui para a sua conta previdenciária individual, como se fosse uma poupança.

Caetano declarou não ter preconceito com o regime de capitalização, mas realça que o desafio está na transição do atual regime de repartição –no qual os trabalhadores da ativa financiam o pagamento da aposentadoria dos mais velhos– para o novo sistema.

Declarou: “A transição de um regime para outro tem que ser feita com muito cuidado”. Quando se esboça, realçou: ” uma plano previdenciário tem que se levar em consideração a sustentabilidade e eficiência de aposentadorias e pensões, pois caso contrario isso pode vir a levar a uma reforma maior”.

Ao ser questionado sobre a viabilidade da aprovação uma reforma até o fim do ano, Caetano alegou que “há prazo regimental, mas o êxito vai depender a articulação e dinâmica política” dos governos atual e eleito.

“Vivemos num regime democrático, mas temo que buscar a reforma mais extensa possível“, frisou. “A gente defende a reforma da Previdência nos moldes da norma atual… acho que se tem que atuar o projeto atual, que já passou por um longo debate no Congresso e isso dependerá da dinâmica política”, concluiu Caetano.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Portugal, Greece, Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Prazo está correndo para Brasil fazer reforma da Previdência mais branda, declara secretário
>>>>>Chineses aguardam sinais de Bolsonaro para definir investimentos, diz Câmara Brasil-China – November 05, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Xi promete medidas para apoiar desenvolvimento do setor privado na China – November 02, 2018 (EfeGeneric)
>>>>>>>>>Governo Bolsonaro quer focar no controle dos gastos para atrair investimento, diz fonte – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Exportação de gás da Bolívia ao Brasil continuará mesmo com Bolsonaro, diz ministro – November 02, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>SPX segue cautelosa com ativos brasileiros sem propostas concretas do novo governo, diz sócio – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Aprovação da reforma da Previdência seria ‘belo encerramento’ do governo Temer, diz Guedes – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 60 50 PERSON 34 (tacit) ele/ela (referent: Jair_Bolsonaro): 7, ela (referent: Bolsonaro): 1, Bolsonaro: 9, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 9, o presidente Bolsonaro: 1, Ele (referent: Bolsonaro): 1, Jair_Bolsonaro (apposition: Paulo_Guedes): 1, Jair_Bolsonaro: 5
2 eu 21 50 NONE 20 (tacit) eu: 16, Eu: 2, eu: 2
3 o Brasil 30 45 PLACE 19 O Brasil: 1, o Brasil: 12, (tacit) ele/ela (referent: o Brasil): 3, Ele (referent: o Brasil): 2, Brasil: 1
4 a China 0 75 PLACE 13 (tacit) ele/ela (referent: a China): 1, (tacit) ele/ela (referent: China): 1, a China: 8, China: 2, A China: 1
5 Rogério Xavier 100 120 PERSON 12 Xavier: 5, ele (referent: Xavier): 2, (tacit) ele/ela (referent: Xavier): 4, Rogério_Xavier: 1
6 Charles Tang 0 0 PERSON 7 Tang: 5, (tacit) ele/ela (referent: Tang): 1, Charles_Tang: 1
7 Caetano 0 0 PERSON 6 Caetano: 4, (tacit) ele/ela (referent: Caetano): 2
8 Paulo Guedes 140 35 PERSON 5 Guedes: 1, o economista Paulo_Guedes: 2, (tacit) ele/ela (referent: Guedes): 2
9 a reforma de a previdência 25 30 NONE 5 a reforma de a Previdência: 3, A reforma de a Previdência: 2
10 esta 0 0 NONE 5 esta: 5