Produção de açúcar no CS desaba mais de 50% na 1ª quinzena de abril, declara Unica

Por: SentiLecto

– A produção de açúcar no centro-sul brasileiro na primeira quinzena de abril desabou 52,3 por cento na comparação anual, para 340 mil toneladas, informou nesta quinta-feira a União da Indústria de Cana-de-açúcar . A retração ocorre devido a uma maior alocação de cana para a produção de etanol e queda de 38 por cento na moagem da matéria-prima, para 13,86 milhões de toneladas. Segundo o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, “a programação de começo de moagem na colheita 2019/20 teria que seguir a norma tradicional observada todos os anos, mas as chuvas registradas no começo de abril dificultaram tanto a safra nas usinas que estavam em operação quanto o começo de moagem em outras unidades, atrapalhando o cumprimento do programa calculado”.

– O custo do etanol nas usinas de Brasil tende a ceder a partir desta semana, diante de um progressão na moagem de cana no centro-sul do país, mas os câmbios da gasolina ainda em platô firmes devem aliviar qualquer recuo do biocombustível, segundo experts. Os valores do renovável em geral caem na virada de março para abril, conforme usinas dão começo a uma nova colheita de cana e impulsionam a fabricação do produto, inclusive para gerarem caixa com maior velocidade. Na atual temporada 2019/20, contudo, esse movimento ficou longe de acontecer. Enquanto o anidro exibe incremento de 14,4 por cento, no acumulado de abril, o custo do hidratado nas usinas de São Paulo, Estado de referência nacional, acumula alta de 21,5 por cento , conforme monitoramento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada , da Esalq/USP. Os custos médios do etanol hidratado, concorrente da gasolina, estão próximos de 2 reais por litro nas usinas paulistas, nos maiores níveis já registrados em termos nominais , segundo dados do Cepea. No ano passado, os câmbios do álcool começaram a cair em meados de março e estavam, nesta mesma época, abaixo de 1,50 real por litro, no caso do hidratado, e na faixa do 1,60 real, em relação ao anidro. “É totalmente atípico o que está ocorrendo, com uma conjunção de atraso de colheita e uma chuva que veio justamente na hora em que estava iniciando … Mas acho que agora não sobe mais… A tendência agora nas usinas é cair, e na bomba também”, avaliou o diretor da comercializadora Bioagência, Tarcilo Rodrigues. O analista Matheus Costa, da INTL FCStone, comentou que o movimento de diminuição nos custos do etanol já teve começo e tende a se acentuar. Segundo ele, a moagem de cana deve ampliar nesta e nas próximas semanas, até porque mais unidades entrariam em operação. “A colheita tende a engatar. As indicações são de que os custos já começaram a ceder”, alegou. A primeira metade de abril foi substancialmente chuvosa no centro-sul brasileiro, restringindo as operações das usinas. Analistas escutados pela S&P Global Platts calculam uma perda de 4,2 dias de moagem por causa das precipitações, redundando em produção de 823 milhões de litros de etanol no fase, versus quase 1 bilhão um ano antes. Mas recentemente a situação melhorou para que as colhedoras possam acessar os canaviais. O Agriculture Weather Dashboard , do Refinitiv Eikon, assinala que nos últimos sete dias as precipitações ficaram aquém do normal em praticamente todo o centro-sul. Nas próximas duas semanas, contudo, a tendência é de chuvas dentro ou acima da média em boa parte das áreas produtoras, ainda segundo o AWD. Os dados oficiais da União da Indústria de Cana-de-açúcar sobre a moagem de cana e produção de açúcar e etanol no centro-sul na primeira metade do mês ainda não foram divulgados. SUSTENTO DA GASOLINA A perspectiva de recuo nos custos do etanol a partir de agora não significa, porém, que a queda vai ser grande, mesmo com as usinas alocando boa parcela de cana para o biocombustível. Isso porque a gasolina, concorrente direto do renovável, segue firme nas refinarias da Petrobras, com viés de alta, em meio a custos do petróleo em máximas de cerca de seis meses. “A gasolina está na contramão, tem o reajuste que se o repassou ainda não totalmente em a bomba e a defasagem com o mercado internacional, realçou Rodrigues, da comercializadora Bioagência, estimando custos do etanol 5 por cento mais altos nesta colheita, em média, ante a passada. Nesta terça-feira, a petroleira estatal anunciou um reajuste de cerca de 2 por cento no valor da gasolina nas refinarias, após alta de 5,6 por cento no início do mês. O valor médio praticado pela empresa é o maior desde o fim de outubro. Com o concorrente em níveis mais altos, a expectativa é de que o custo do etanol recue menos no ciclo 2019/20, alegou Costa, da INTL FCStone. “As indicações são de que se tem realmente uma sustentação . Então, talvez, o piso na colheita não seja tão baixo quanto em anos anteriores. Há espaço para que o etanol caia menos”, explicou.

Na terça-feira 09 de abril – A safra de cana-de-açúcar 2018/19 no centro-sul do Brasil, principal polo canavieiro do mundo, terminou em março com tombo de 26,5 por cento na produção do adoçante, salto de quase 20 por cento na de etanol e sinalizações de atividades prejudicadas pela chuva neste início de novo ciclo. De acordo com o balanço final divulgado pela União da Indústria de Cana-de-açúcar , as usinas e destilarias do centro-sul haviam produzido 26,5 milhões de toneladas de açúcar em 2018/19, versus 36 milhões na temporada anterior. Já a de etanol havia aumentado 18,6 por cento, para um recorde de 30,9 bilhões de litros, sendo 9,1 bilhões de anidro e 21,8 bilhões de hidratado. Os volumes levavam em contava uma alocação de 64,80 por cento da oferta de cana para a produção de etanol, bem acima dos 53,5 por cento de 2017/19. Isso refletia o interesse do setor sucroenergético pelo biocombustível em um ano marcado por forte procura por álcool e custos enfraquecidos do açúcar no mercado internacional. Com conseqüência, as usinas da região haviam comercializado um total de cerca de 31 bilhões de litros de etanol em 2018/19, entre anidro e hidratado e mercados externo e interno, alta de 17,5 por cento na comparação anual. Dessa maneira, a balança comercial de etanol na colheita 2018/19 havia exibido exportação líquida de 287 milhões de litros, com um saldo positivo na geração de divisas de 304 milhões de dólares, havia declarado a Unica, mencionando dados da Secretaria de Comércio Exterior . Antonio de Padua Rodrigues havia alegado que em geral as vendas de hidratado reduziam na entressafra , com uma demora de várias semanas até a retomada da procura após o começo da moagem em abril. Antonio de Padua Rodrigues é o diretor técnico da associação. Mas ele havia evidenciado que as vendas esquentadas nos últimos meses mostravam uma tendência diferente na próxima temporada. ” havíamo devido trabalhar com um mercado esquentado desde a primeirda colheita 2019/20″, havia declarado, em nota. Ainda que a produção de etanol de milho em 2018/19 havia ampliado 50 por cento, a Unica havia realçado para 791,4 milhões de litros. No total, 267 plantas produtoras haviam operado na temporada passada, com moagem de 573,1 milhões de toneladas de cana, queda de 3,9 por cento. CHUVAS As precipitações no mês passado haviam atrapalhado as atividades das usinas no centro-sul. Faz 1 mês, até o fim 81 unidades estavam em operação, ante 82 há um ano. Apesar de enquanto a produção de açúcar e etanol havia, a quantidade ser semelhante, a moagem havia recuado quase 10 por cento na segunda quinzena de março, para 7 milhões de toneladas caído respectivamente 17,4 por cento e 10,8 por cento, para 137 mil toneladas e 380 milhões de litros. Embora os dados da quinzena sejam computados dentro da colheita 2018/19, já dão uma importante sinalização sobre o ritmo das atividades do novo ciclo 2019/20. “As chuvas observadas nas últimas semanas haviam comprometido a operacionalização da safra, mas tinham que permitir um melhor desenvolvimento do canavial que seria colhido nos dois terços finais de colheita”, havia alegado Rodrigues. A expectativa da Unica era de que até o final da primeira quinzena de abril 176 usinas estejam em operação no centro-sul.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Produção de açúcar no CS desaba mais de 50% na 1ª quinzena de abril, declara Unica
>>>>>Safra de cana no CS engata e preço do etanol deve começar a ceder após disparada – April 23, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Brasil produz recorde de etanol em 2018/19; safra tem redução em área e moagem – April 23, 2019 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 por_cento 50 0 NONE 9 17,5 por_cento: 1, 5 por_cento mais altos: 1, 18,6 por_cento: 1, cento_e_10,8 por_cento: 1, 50 por_cento: 1, 52,3 por_cento: 1, 2 por_cento: 1, por_cento: 1, 53,5 por_cento de 2017-19: 1
2 usinas 0 0 NONE 8 as usinas paulistas: 1, usinas: 1, as usinas: 4, as usinas brasileiras: 1, 176 usinas: 1
3 safra 0 0 NONE 6 a colheita: 1, esta safra: 1, A safra: 1, a safra: 3
4 início 0 0 NONE 4 este início: 1, início: 2, o início: 1
5 o centro-sul 0 0 PLACE 4 o centro-sul: 4
6 operação 0 0 NONE 4 operação: 4
7 toneladas 0 0 NONE 4 toneladas: 2, 137_mil toneladas: 1, 340_mil toneladas: 1
8 precipitações 80 150 NONE 3 precipitações: 2, as precipitações: 1
9 tendência 0 60 NONE 3 A tendência: 1, a tendência: 1, uma tendência diferente: 1
10 chuvas 0 45 NONE 3 as chuvas registradas: 1, As chuvas observadas: 1, chuvas: 1