Venda do Estádio do Pacaembu já vira caso de Justiça

Por: SentiLecto

Anunciou-se a venda de o estádio de o Pacaembu para a iniciativa privada por a prefeitura de São Paulo em a manhã de a última sexta-feira. Em menos de dois dias, porém, contestou-se a transação já em a Justiça.

Segundo o jornal “O Estado de S. Paulo”, a juíza Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi, da 13ª Vara da Fazenda Pública, pediu esclarecimentos sobre o caso e determinou “a imediata suspensão da licitação”, que na sexta-feira havia determinado o consórcio Patrimônio SP como ganhador. O grupo formado pela companhia de engenharia Progen e pelo fundo de investimentos Savona havia oferecido para a prefeitura R$ 111 milhões pela concessão por 35 anos do estádio.

Fotografia: Reprodução

O problema está no limite para a construção de novas facilidades dentro do estádio. Segundo a juíza, em terrenos tombados pelo patrimônio público, como é o caso do Pacaembu, os proprietários do espaço podem transferir para outros lugares da cidade o potencial de construção, mas isso não aconteceria no estádio, pelo fato de o terreno não ser do consórcio ganhador da licitação, mas da prefeitura.

Na sua vez, a escolha frustra os planos do Santos. O time do litoral era um dos interessados na gestão do estádio e fez proposta em conjunto com a Universidade Brasil. O valor, no entanto, não foi suficiente para bater o grupo ganhador; foram oferecidos R$ 88 milhões.

Essa discussão já havia ocorrido na quinta-feira , durante a reunião do Tribunal de Contas do Município , que permitiu a execução da licitação depois de mais de seis meses embargada por diferentes resoluções judiciais. Os conselheiros do TCM, porém, votaram a questão e, por 3 votos a 1, optaram por realizar a licitação.

Com a resolução da juíza, a prefeitura vai ter até 48 horas para se demonstrar sobre a abertura dos envelopes. Essa resolução conserva a validade do triunfo do grupo liderado pela Progen, que interrompe o prazo para contestação do resultado da licitação pelos derrotados e, também, a análise da documentos ganhadora, , mas A ida à Justiça foi um ato da associação de mhabitantesdo bairro, a Viva Pacaembu.

O projeto do Patrimônio SP calcula, além do pagamento de R$ 111 milhões à prefeitura, o investimento de R$ 400 milhões em maprimoramentosno Pacaembu. O consórcio poderá colocar abaixo a área do Tobogã, que não faz parte do projeto original do estádio. Segundo o edital de licitação, não vai ser possível mudar o frontispício do estádio nem a arquibancada, apesar de ser permitida a colocação de uma cobertura.

Vale recordar que, segundo a prefeitura, o gasto mensal com o Pacaembu é de R$ 9 milhões.

Agora, com Bruno Covas na Prefeitura, o Pacaembu se torna o primeiro a sair do chamado Plano Municipal de Desestatização.

Fonte: maquinadoesporte-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Italy, Brazil

Cities: Savona, Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Venda do Estádio do Pacaembu já vira caso de Justiça
>>>>>Prefeitura de SP acerta concessão do Pacaembu – February 08, 2019 (maquinadoesporte-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 a prefeitura 0 0 ORGANIZATION 5 a prefeitura: 5
2 Pacaembu 0 0 ORGANIZATION 4 o Pacaembu: 4
3 estádio 0 0 NONE 4 estádio: 1, o estádio: 3
4 R 0 0 ORGANIZATION 3 R: 2, a prefeitura R: 1
5 a Justiça 0 0 OTHER 3 (tacit) ele/ela (referent: a Justiça): 1, a Justiça: 2
6 Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi 0 0 PERSON 2 a juíza Maria_Gabriella_Pavlópoulos_Spaolonzi de a 13ª Vara_da_Fazenda_Pública: 1, (tacit) ele/ela (referent: a juíza Maria_Gabriella_Pavlópoulos_Spaolonzi de a 13ª Vara_da_Fazenda_Pública): 1
7 o problema 35 80 NONE 1 O problema: 1
8 a escolha 0 80 NONE 1 a escolha: 1
9 o valor 0 50 NONE 1 (tacit) ele/ela (referent: O valor): 1
10 Tobogã 0 40 ORGANIZATION 1 o Tobogã: 1