Trump tenta impor limitações ao Irã, sem ônus de sair do acordo

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

O presidente Donald Trump poderia simplesmente ter afirmado que o Irã havia cometido uma “violação expressiva” do acordo nuclear e anunciado sanções contra o país. Isso está calculado no tratado. No entanto, Trump se restringiu a não certificar o acordo e jogou a batata quente para o Congresso, que agora precisa decidir se vai aplicar sanções.

O republicano Bob Corker declarou em voz alta, aquilo que garante se escutam nos corredores: Donald Trump é um homem impulsivo e volúvel que pode colocar “os Estados Unidos no percurso da III Guerra Mundial.” Numa entrevista ao New York Times, o senador não poupou o Presidente norte-americanoO presidente dos EUA vai ter ferido de morte o acordo assinado com o Irão, sobre a questão nuclear. Donald Trump declara que não certificará o cumprimento do compromisso por parte do regime de Teerão. No discurso desta sexta-feira, o ocupante da Casa Branca revelou a nova estratégia do país relativamente ao Irão. O enfrentamento passa a ser a tónica dominante.O presidente de America Donald Trump declarou aos líderes do Congresso estadunidense que suas prioridades em matéria de imigração devem ser aprovadas em troca de proteção dos beneficiados pelo programa Daca, que protege cerca de 800 mil jovens que foram levados aos Estados Unidos de maneira ilegal por seus pais.

Leer Más

Para tributaristas, alta de PIS/Cofins vai prejudicar setor produtivo

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Gustavo André Muller Brigagão

e WASHINGTON – A equipe econômica deseja exibi, até o fim do mês, uma proposta de ampliação do PIS/Cofins para compensar a perda de receitas decorrente da resolução do Supremo Tribunal Federal de que o ICMS não pode mais compor a base de cálculo desses tributos. Os técnicos estimam que a arrecadação vai ficar de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões menor, em um momento de obstáculo nas contas públicas, daí ser necessário calibrar as alíquotas. Tributaristas escutados pelo GLOBO criticam a ideia e evidenciam que este não é o momento de ampliar a carga tributária dos empresários, que ainda amargam os conseqüência da recessão. O Ministério da Fazenda, por sua vez, teria de persuadi o Palácio do Planalto a adotar mais uma medida indigesta em meio à crise política que cerca o presidente Michel Temer. — Isso é um absurdo. As companhias estão com vendas diminuídas em quase todos os setores. É claro que uma ampliação do PIS/Cofins prejudica ainda mais os negócios e a performance da economia — alega o tributarista Gustavo Brigagão, que realça, ainda, que o governo tem utilizado o PIS/Cofins para reforçar a arrecadação porque não precisa dividi essas contribuições com estados e municípios, sócio do Ulhôa Canto Advogados. Ele evidencia que o STF somente corrigiu uma distorção que havia na estrutura tributária. A maioria dos ministros compreendeu que o ICMS não pode fazer parte da base de cálculo do PIS/Cofins porque não é uma receita que pertence ao contribuinte, e sim aos estados. Eduardo Levy evidenciou que as teles são absolutamente contra todo e qualquer ampliação de imposto: — cobra-se o setor de telecomunicações já em quase metade de o serviço. Eduardo Levy é o presidente do Sinditelebrasil. Hoje, uma pessoa que utiliza R$ 100 por mês paga R$ 150. Não podemos aceitar qualquer ampliação de tributo, seja qual for o motivo. ‘NÃO HÁ CLIMA PARA AUMENTO’ O tributarista Niedson Melo, sócio da Niedson Melo Advocacia, recorda que ainda há possibilidade de a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional exibi recurso, então uma ampliação de alíquotas pode se mostrar precipitado: — No Brasil, não há clima para ampliação de carga tributária. A ideia da equipe econômica seria editar uma medida provisória . Isso, porém, é pouco provável. Temer se afastar de assuntos polêmicos, decidiu — e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia , já advertiu que não vai pautar projetos que ampliem impostos. Interlocutores de Temer escutados pelo GLOBO declararam que o debate sobre o PIS/Cofins sequer chegou à Casa Civil. — Esse debate de MP não chegou para a gente analisar, mas a tendência é não mandar isso para o Congresso. É um desgaste desnecessário neste momento — alegou um auxiliar do presidente. Já Henrique Meirelles alegou, em Washington, que decidirá, no começo da próxima semana, sobre o envio de um projeto de lei ou de uma MP: — São estudos preliminares, feitos pela área técnica, para avaliar se há a necessidade de alguma medida para atingirmos um ponto de neutralidade. Henrique Meirelles é o ministro da Fazenda. Não há nenhuma intenção de ampliação de carga tributária.

– Henrique Meirelles alegou nesta quarta-feira que a Receita Federal está efetuando estudos para avaliar se há necessidade de alguma medida para ampliar tributação para compensar perdas de arrecadação com resolução do Supremo Tribunal Federal de excluir o ICMS da base de cálculo do PIS-Cofins Henrique Meirelles é o ministro da Fazenda., e que tem que tomar uma resolução sobre o assunto até a próxima semana. “Nesse caso, não há nenhuma ampliação de carga tributária. Estaria havendo uma recomposição de base visando termos uma neutralidade tributária em relação a essa resolução “, declarou ele a jornalistas na embaixada brasileira em Washington, nos Estados Unidos. Segundo Meirelles, que está nos EUA em função de reuniões do Fundo Monetário Internacional , a mudança de alíquotas de PIS/Cofins ainda é objeto de estudos técnicos preliminares que se os submeteram ainda não à sua análise direta. “Quando tivermos os estudos prontos, em termos de percentuais e alíquotas e etc, e qual é o instrumento legal que será sugerido ao Congresso nós anunciaremos”, declarou Meirelles. “Esperamos que até o começo da próxima semana nós possamos já ter essa resolução”, completou. Após o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , ter ameaçado na véspera devolver as medidas provisórias mandadas pelo governo nas quais não estivessem caracterizadas urgência e pertinência, Meirelles declarou também esperar já ter até a próxima semana “estratégia bem definida” em relação ao tema. Declarou: “Vamos obviamente levar em conta essa manifestação do presidente da Câmara, é bastante pertinente”. “E evidentemente que todas as medidas que são tomadas por medidas provisórias podem ser tomadas por projeto de lei.” PREVIDÊNCIA Questionado sobre as flexibilizações possíveis na reforma da Previdência, Meirelles alegou que o estabelecimento de uma idade mínima e de um regime de transição são pontos inegociáveis, reconhecendo ser normal um processo de debate e mudanças no Congresso em relação ao texto já aprovado por delegação especial na Câmara. “Faremos o melhor possível. Estamos fazendo cálculos exatamente em função de cada mudança”, afirmou o ministro, apontando que já teve uma reunião com o relator da proposta na Câmara, Arthur Oliveira Maia , sobre a possibilidade de alterações. De acordo com o ministro, a expectativa segue sendo de uma aprovação da reforma ainda neste ano.

Leer Más

Conta de escândalo de emissão de poluentes da VW atinge US$ 30 bilhões

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Volkswagen polo 1990

A Volkswagen está desembolsando mais US$ 3 bilhões para consertar motores a diesel nos Estados Unidos, aumentando o total gasto com seu escândalo de trapaça nos testes de emissão de poluentes para cerca de US$ 30 bilhões .

As despesas com pessoal ampliaram 6,7% no segundo trimestre, para R$ 5,38 bilhões. Se o deveu segundo a Caixa, a evolução a o programa de desligamento voluntário de o banco, realizado em o primeiro trimestre. Ante os primeiros três meses do ano, as despesas caíram 8,6%.

Leer Más

Montadoras e governo tentam definir novo plano para indústria de carros

Por: SentiLecto

Em meio à retomada de produção e vendas no setor automotivo, montadoras e governo definem os detalhes do Rota 2030, plano que define o futuro da fabricação de veículos no Brasil e svai sucedero programa Inovar-Auto, condenado pela OMC por desrespeitar rnormasinternacionais de comércio.

Leer Más

Greve paralisa produção na Autoeuropa

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Volkswagen polo 1990

Produção paralisada. 41% de adesão à greve dos trabalhadores da fábrica pde Portugalde automóveis da Volkswagen em Palmela. O número foi progredido pela gestão da Autoeuropa em comunicado.

Os funcionários estão contra a proposta da gestão de tornar compulsório trabalhar ao sábado. Uma medida calculada a partir do começo de 2018 e que tem por objetivo ampliar a produção devido ao novo modelo, o SUV T-Roc.Os funcionários estão contra a proposta da gestão de tornar compulsório trabalhar ao sábado. Uma medida calculada a partir do começo de 2018 e que tem por objetivo ampliar a produção devido ao novo modelo, o SUV T-Roc.A fábrica de automóveis da Volkswagens em Palmela está paralisada devido à greve dos trabalhadores que ciniciouàs 23:30, horas locais, de terça-feira e que se vai prestenderté à meia-noite de quinta.

Leer Más