Ações europeias ignoram preocupações sobre governo de Alemania e sobem; Dax recupera nível de referência

Por: SentiLecto

MILÃO/FRANKFURT – As ações europeias subiram nesta segunda-feira com maior confiança na atividade econômica mundial e com o recuo do euro incentivando os investidores a evitarem preocupações com o colapso das negociações do governo de aliança da Alemanha.

Leer Más

Índice europeu de ações atinge mínima em 8 semanas com queda nas commodities

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Airbus A300-600R Egyptair SU-GAR

MILÃO/LONDRES – A queda das ações de commodities e um movimento de execução de lucros levaram as ações europeias a uma mínima de oito semanas nesta quarta-feira, na sétima sessão consecutiva de perdas, mas a Airbus, que subiu 2,4 por cento, proporcionando o maior impulso aos ganhos do índice, subiu com força após receber uma encomenda recorde. O índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,49 por cento, seu menor nível desde 20 de setembro.

As ações favorecidas por investidores que buscam dividendos foram as que tiveram melhor desempenho, com a curva de dividendos, a pausa entre os rendimentos de títulos do governo dos EUA de curto e longo prazo, próximos de seu nível mais estável em uma década.

Leer Más

Ibovespa firma-se no vermelho e cai mais de 1% com pressão da Petrobras

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Petrobrasbolivia2006

– O principal índice acionário da B3 aumentava o tom negativo e caía mais de 1 por cento na tarde desta terça-feira, pressionado pelas perdas das ações da Petrobras, após balanço trimestral e também em meio à queda dos pcustosdo petróleo no mercado internacional. Às 15:36, o Ibovespa caía 1,12 por cento, a 71.664 pontos. O giro financeiro era de 6,24 bilhões de reais. A véspera de feriado no Brasil, quando os mercados internacionais operarão normalmente, também reforçava o tom de precaução e favorecia trazia volatilidade aos negócios. Mais cedo, o índice operou entre leves altas e baixas, com investidores alternando as atenções entre a expectativa pela progressão da reforma da Previdência e a divulgação dos balanços corporativos. Enquanto as ON perdiam 5,84 por cento, as ações PN da Petrobras caíam 5,17 por cento , liderando as perdas do Ibovespa, após a petroleira anunciar lucro líquido de 266 milhões de reais no terceiro trimestre, abaixo da expectativa do mercado, em meio a acontecimentos não recorrentes. No exterior, os custos do petróleo acentuaram as perdas, somando pressão aos papéis da Petrobras. Faz 2 meses, depois que a companhia de alimentos reportou seus resultados de o fase de julho, em a ponta positiva, as ações de a JBS seguiam como realce a, com números considerados fortes por analistas.

– O principal índice da B3 fechou em queda nesta quinta-feira, com o cenário mais negativo em Wall Street estimulando ajustes de custos, em dia de agenda intensa de balanços e com investidores ainda de olho na cena política, após a retomada da expectativa por alguma progressão da reforma da Previdência. O Ibovespa fechou em queda de 1,93 por cento, a 72.930 pontos, após ter caído 2,11 por cento na mínima do dia. O giro financeiro do pregão foi de 9,13 bilhões de reais. No exterior, os principais índices acionários dos Estados Unidos caíam, pressionados pela ampliação nas preocupações com o atraso nos planos de reforma tributária. O S&P 500 caía cerca de 0,5 por cento. “O atraso em si pode até ser visto como positivo para os mercados emergentes, mas o mau humor do mercado acabou pesando aqui”, declarou o analista da Um Investimentos Aldo Moniz. Localmente, após a euforia da véspera, quando o Ibovespa subiu 2,69 por cento, a precaução voltou a rondar os negócios, com investidores monitorando as articulações do governo para conseguir emplacar a eleição da reforma da Previdência ainda este ano e também na expectativa pelo texto final da proposta. “Ontem, a chance voltou à mesa e o mercado reagiu bem, mas o recado também é claro: não pode deixar falecer o tema senão devolve todo o ganho”, declarou Moniz. DESTAQUES – ELETROBRAS ON caiu 4,93 por cento e ELETROBRAS PNB teve queda de 5,36 por cento, entre as maiores perdas do Ibovespa, com os papéis pressionados após o BNDES divulgar pela manhã as normas básicas para o leilão de privatização de seis distribuidoras de eletricidade da estatal, calculando ajustes financeiros para acomodar uma dívida de quase 21 bilhões de reais. – ULTRAPAR ON perdeu 4 por cento, após o balanço do terceiro trimestre mostrar alta de 46 por cento no lucro líquido, para 556 milhões de reais. Para analistas do Credit Suisse, o impulsos no lucro já era esperados, como ampliação nos volumes de combustível e margens de distribuição, impulsionadas por ganhos extraordinários de estoque. Embora o resultado traga os primeiros sinais de uma recuperação, ainda na visão do banco tem que levar a revisões para baixo das metas de crescimento da companhia para o ano. – BANCO DO BRASIL ON teve baixa de 2,57 por cento, após reportar seus resultados do terceiro trimestre que, segundo analistas do Morgan Stanley, mostraram resultado operacional fraco, apesar do lucro líquido adaptado de 2,708 bilhões de reais ter ficado 8 por cento acima da estimativa da equipe do Morgan. – ITAÚ UNIBANCO PN caiu 2,7 por cento e BRADESCO PN perdeu 3,62 por cento, auxiliando a pressionar o índice devido ao peso em sua composição. – BRASKEM PNA recuou 1,81 por cento, após seu balanço do terceiro trimestre assinalar queda de 7 por cento no lucro líquido consolidado ante igual fase do ano passado, para 764 milhões de reais. – PETROBRAS PN caiu 1,36 por cento e PETROBRAS ON recuou 1,35 por cento, na contramão do movimento dos custos do petróleo no mercado internacional. – VALE ON caiu 3,36 por cento, em sessão de perdas para os contratos futuros do minério de ferro na China. – FIBRIA ON subiu 5,25 por cento, SUZANO PAPEL E CELULOSE PNA teve alta de 5,18 por cento e KLABIN UNIT progrediu 2,26 por cento, entre os destaques positivos do índice. A BB Investimentos comentou em relatório que as pressões esperadas sobre os custos de celulose para o final deste ano se dissiparam. – CARREFOUR BRASIL ON caiu 4,81 por cento, após os resultados do terceiro trimestre que, segundo analistas do JP Morgan mostraram números mistos, enquanto a surpresa negativa ficou, com destaque positivo para os números do Atacadão foi a performance das operações de varejo com o Ebitda recorrente caindo 30 por cento ano a ano.- O principal índice da bolsa paulista recuava pelo segundo pregão seguido nesta sexta-feira, com o tom de precaução predominando diante de receios em relação ao trâmite da reforma da Previdência e ainda de olho na divulgação de balanços. Às 11:56, o Ibovespa caía 1,16 por cento, a 72.085 pontos, após recuar 1,93 por cento na véspera. O giro financeiro era de 1,71 bilhão de reais. Ainda há receios sobre o talento do governo em articular a maioria necessária para aprovar a medida e sobre o teor da versão que conseguiria passar no Congresso, embora a chance de votar um texto da reforma da Previdência ainda este ano tenha voltado à tona.”A reforma da Previdência agora pode ser votada ainda em 2017, mas não se tem muita ideia do que pode ser debatido e aprovado”, declarou Alvaro Bandeira em nota a clientes. Alvaro Bandeira é o economista-chefe da corretora Modalmais. Ainda auxiliando o tom de precaução com a cena política, o presidente licenciado do PSDB, senador Aécio Neves , retirou na véspera o senador Tasso Jereissati do comando interino do partido, em movimento que ocorre num momento de racha interno do PSDB. Enquanto outra parcela, incluindo Aécio, defende a continuidade, parte dos tucanos, entre eles Tasso, é favorável ao desembarque do partido do governo federal. Além das incertezas com o cenário interno, também o exterior é adicionado em a precaução,conforme ampliam os receios em relação ao andamento da reforma tributária nos Estados Unidos, o que pressionou o mercado acionário em Wall Street na véspera e segue no radar. DESTAQUES – BRF ON recuava 3,74 por cento, invalidando os ganhos iniciais, quando chegou a subir 1,74 por cento na máxima, tendo como pano de fundo o resultado do terceiro trimestre que mostrou lucro abaixo do esperado. A companhia de alimentos reportou lucro líquido de 138 milhões de reais no terceiro trimestre, abaixo da estimativa de consenso da Thomson Reuters de 178 milhões de reais. – CEMIG PN tinha queda de 3,43 por cento. Como pano de fundo estava o anúncio da elétrica de programa para quitação de 588 milhões de reais em ICMS, que vai impactar negativamente o Ebitda e o lucro do terceiro trimestre em aproximadamente 588 milhões e 388 milhões de reais, respectivamente. – CYRELA ON perdia 0,42 por cento. Como pano de fundo estava o resultado do terceiro trimestre que mostrou perda de 6,8 milhões de reais, afetado por uma queda forte nas receitas, apesar de ampliação nas vendas contratadas. – ELETROBRAS ON caía 3,33 por cento e ELETROBRAS PNB recuava 5,53 por cento, aumentando as perdas da véspera após o BNDES divulgar as normas básicas para o leilão de privatização de seis distribuidoras de eletricidade da estatal, calculando ajustes financeiros para acomodar uma dívida de quase 21 bilhões de reais. – ECORODVIAS ON subia 0,43 por cento, após reportar resultado do terceiro trimestre que mostrou crescimento de 86 por cento no lucro líquido, para 125 milhões de reais. O destaque do resultado, segundo analistas da Coinvalores, foi a melhora da margem, em decorrência de evolução na receita, aliada a um controle de despesas. – PETROBRAS PN tinha baixa de 0,36 por cento e PETROBRAS ON recuava 0,69 por cento, em sessão de leves variações para os custos do petróleo no mercado internacional. – VALE ON caía 0,46 por cento, em linha com o movimento dos contratos futuros do minério de ferro na China. – O principal índice da bolsa paulista fechou em queda pelo segundo dia seguido nesta sexta-feira, acumulando perda de superior a 2 por cento na semana, com a precaução predominando diante de receios em relação ao trâmite da reforma da Previdência. Com base em dados preliminares, o Ibovespa fechou em queda de 1,01 por cento, a 72.194 pontos, acumulando perda de 2,3 por cento na semana. O giro financeiro do pregão era de 8,37 bilhões de reais.

Leer Más

Las ocasiones que Barcelona pierde: La Agencia del Medicamento… ¿y el Mobile World Congress?

Por: SentiLecto

La Agencia Europea del Medicamento -la EMA en sus siglas en británico- que cuando ha presentado su candidatura, pese a que la capital catalana partía como cabeza de cartel hace ya varios meses, ahora las ciudades favoritas para hacerse con este codiciado premio son Bratislava, según anticipó ayer el Financial Times, capital de Eslovaquia, se aparta de Barcelona por la crisis política derivada del procedimiento independentista, que mermó las posibilidades de la capital de Cataluña de transformarse en su nueva sede en favor de otras ciudades que partían inicialmente con menos favoritismo como Bratislava y Milán. , y Milán . Esta última se habría observado favorecida por la inestabilidad política y la crisis que se vive en Cataluña, según fuentes diplomáticas citadas por el Financial Times.

Leer Más

Índices acionários europeus recuam pressionados por resultados corporativos

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Siemens AG in Neuperlach-Süd

Os principais índices acionários europeus fecharam em queda nesta quinta-feira, pressionados por uma série de resultados corporativos do terceiro trimestre, inclusive da gigante industrial Siemens, que levou os investidores a realizarem lucros de um mercado ainda negociando perto das máximos de dois anos.

A Siemens Aktiengesellschaft, ou simplesmente Siemens Ag, é um conglomerado industrial de Alemania, sendo o maior da Europa3 e um dos maiores do mundo.

Leer Más