Norfound y Sunshine firman acuerdo para financiar energía solar en CA

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – GruposFMI

El Fondo Noruego para Países en Desarrollo y Sunshine empresa subsidiaria de Losko, han firmado alianza para el financiamiento de proyectos de energía solar fotovoltaica en varias naciones de Centroamérica.

Simplemente, la agencia público- privada Invest in Bogotá atrajo casi 2,000 mdd de inversiones correspondientes a 250 proyectos, los cuales generaron más de 23,000 empleos directos en compañías como Cisco, Amazon Web Servicies, B-Braun, HBO, AIG y Endeva.

Leer Más

Ditaduras não perdem votações, fazem fraude como em Caracas

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Assinatura de Laura Chinchilla

Os resultados das votações regionais deste domingo , segundo os números oficiais, só podem ser explicados por uma frase curta e grossa da ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla: “As ditaduras não perdem”, declarou ela, conforme recolhe o jornal “El País”.

Laura Chinchilla Miranda é uma política e cientista política da Costa Rica, tendo sido a 47ª presidente de seu país, entre maio de 2010 e maio de 2014.

Leer Más

Países têm que aproveitar crescimento para fazer reformas, declara Lagarde

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Lagarde, Christine (official portrait 2011)

Ao encerChristine Lagarde declarou, neste sábado que é hora de os países aproveitarem o bom momento da economia mundial para fazer as “reformas estruturais que são complicadas de fazer em tempos difíceis”. Christine Lagarde é a diretora-gerente do fundo. Christine Lagarde é a diretora-gerente do fundo.

Christine Lagarde é uma advogada e política francesa filiada ao partido Os Republicanos, atual Diretora-Gerente do FMI o qual ela é a primeira mulher a ocupar. Atual Diretora-Gerente do FMI é a posição mais alta do organismo multilateral.

Leer Más

FMI adverte para risco de retrocesso da política econômica na América Latina

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Barack Obama and Enrique Peña Nieto

– O Fundo Monetário Internacional advertiu na sexta-feira sobre a incerteza em torno da política na América Latina depois das votações calculadas para a reigão, já que México, Brasil, Chile e Paraguai se preparam para realizar votações nacionais nos próximos meses. Se incluiu o aviso em o relatório ” América Latina e Caribe : Em movimento, mas em baixa velocidade”, no qual o Fundo reiterou as projeções econômicas que já havia divulgado na terça-feira. O relatório também aborda com mais detalhes os desafios para a região. “Em particular, o risco de que se adotem agendas populistas e que se retroceda nos esforços de reformas e ajustes que estão em curso – que essas economias dificilmente poderiam custear-, poderia diminuir o otimismo e a incipiente recuperação econômica”, declarou o FMI. No México, várias pesquisas mostram que o líder de esquerda André Manuel López Obrador lidera a corrida para a votação presidencial de julho de 2018. O Partido revolucionário Institucional , do presidente Enrique Peña Nieto, ainda não elegeu um candidato. No mês passado, López Obrador discordou de uma observação em que Peña Nieto o comparou com os líderes de Venezuela, Hugo Chávez e Nicolás Maduro. Contudo, empresários ainda desconfiam de AMLO, como o candidato é popularmente conhecido, que já sugeriu revisar os contratos de petróleo do país caso seja eleito. A perspectiva de reformas também está em questão no Brasil, já que o ex-presidente Luiz inácio Lula da silva, do Partido dos Tabalhadores , lidera as pesquisas para a votação presidencial de outubro de 2018, em contraste com o governo atual, bastante impopular.

O documento, a “uma colheita abundante e um impulso para o consumo, inclusive com a licença dos trabalhadores aproveitarem os recursos do FGTS”. informou: “No Brasil, a forte performance das exportações e um menor ritmo de contração na procura doméstica permitiram que a economia voltasse a aumentar positivamente no primeiro trimestre de 2017, após oito trimestres de declínio”.“Uma reforma gradual da confiança – como reformas fundamentais para garantir a sustentabilidade fiscal serão implementadas ao longo do tempo – deverá ampliar o crescimento para 2% no médio prazo”, informou o documento. “No Brasil, abordar a questão das despesas insustentáveis, inclusive com a reforma do sistema de aposentadoria, é prioridade para restaurar a confiança e promover o crescimento sustentado do investimento privado”.- A economia de Brasil vai aumentar mais do que o esperado em 2017 e em 2018, mas ainda assim ficará bem aquém da média dos países da América Latina e do Caribe, segundo relatório do Fundo Monetário Internacional divulgado nesta terça-feira. O FMI projetou que o Produto Interno Bruto do país este ano deve progredir 0,7 por cento, bem menos do que o 1,2 por cento esperado para a América Latina toda, segundo o documento “Perspectiva Econômica Global”. Para 2018, a estimativa é de que o Brasil tenha expansão de 1,5 por cento e a região, de 1,9 por cento. Faz 3 meses, em a comparação com as contas feitas o FMI ampliou a expectativa para o PIB brasileiro em 0,4 e 0,2 ponto percentual para 2017 e 2018, respectivamente. Neste ano, a melhora veio pela boa performance da colheita agrícola recorde e pela melhora do consumo. Faz 6 meses, quando a projeção de agora de o FMI para a expansão de o PIB em 2017 foi 0,5 ponto percentual maior e, para 2018, 0,2 ponto menor. O FMI em relatório informou: “A gradual restauração da confiança, assim que as principais reformas que garantem a sustentabilidade fiscal forem implementadas ao longo do tempo, vão aumentar o crescimento econômico a 2 por cento a médio prazo”. A previsão do FMI para a performance do PIB neste ano está muito próxima da leitura feita por bancos e consultorias, mas a expectativa para o ano que vem é mais pessimista. No relatório Focus do Banco Central, que escuta uma centena de analistas todas as semanas, a projeção é de crescimento de 0,7 por cento para este ano e de 2,43 por cento em 2018. Na comparação com a performance dos países emergentes, o resultado brasileiro vai ser ainda mais pífio. O FMI projeta crescimento de 4,6 por cento em 2017 para esse grupo e de 4,9 por cento em 2018. Já a economia mundial como um todo, ainda segundo as contas do FMI, deve aumentar 3,6 e 3,7 por cento em 2017 e 2018, respectivamente. Faz 3 meses, em ambos os casos, as contas vieram 0,1 ponto percentual maiores do que o levantamento de julho passado. Faz 3 meses, o Fundo Monetário Internacional melhorou em esta seus prognósticos de crescimento brasileiros para %0,7 este ano e %1,5 para 2018, 0,4 e 0,2 acima do estimado em julho, graças a o impulso de a despesa de os consumidores.

Leer Más

Com reformas, PIB pode chegar a 4% em três ou quatro anos, declara Meirelles

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Luiz Inácio Lula da Silva, 35.º Presidente do Brasil

Em um seminário a investidores em Washington, Henrique Meirelles declarou nesta quinta que o PIB do Brasil pode chegar a %4 “em três, quatro anos” se reformas macroeconômicas, como a da Previdência e a tributária, forem aprovadas. Henrique Meirelles é o ministro da Fazenda.

Nesta quarta, Meirelles declarou que o governo espera conseguir um texto “aceitável para o país” na negociação com o Congresso. Ele, no entanto, evitou declarar qual é o platô mínimo que deve ser conservado em relação ao projeto inicial do governo.

Leer Más