Raul Castro delata “perseguição política” contra Lula da Silva no Brasil

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Raúl Castro, July 2012

O Presidente de Cuba, Raul Castro, delatou na sexta-feira uma “perseguição política” ao antigo líder brasileiro Lula da Silva, que se candidatará às presidenciais de 2018, apesar de ter sido condenado a nove anos e meio de prisão.Ul Castro n final de uma sessão no parlamento de Cuba.”L clarou R: “Ao camarada Luiz Inácio Lula da Silva, vítima de perseguição política e de manobras golpistas, exprimimos a nossa solidariedade rostito à tentativa de impedir a sua candidatura às elvotaçõesor desqualificação”,.ula, Dilma Rousseff , o Partido dos Trabalhadores e o povo brasileiro vão ter sempre Cuba ao seu lado”, adicionou.Lula da Silva, de 71 anos, fundador do Partido dos Trabalhadores , de esquerda, nos anos 1980 e Presidente do Brasil de 2003 a 2010, foi na quarta-feira condenado em primeira instância a nove anos e meio de prisão por corrupção e branqueamento de capitais. O ex-chefe de Estado aguarda o julgamento do recurso em liberdade.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Símbolo da esquerda brasileira, Lula, que é também alvo de outros quatro processos judiciais, nega todas as acusações contra si e diz ser alvo de uma conspiração para impedir a sua candidatura às presidenciais de 2018.

O Partido dos Trabalhadores de São Paulo convidou para hoje à tarde uma manifestação de asuporteao ex-Presidente bde BrasilLula da Silva, horas depois de ele ter sido condenado a nove anos e meio de prisão.”O Diretório Municipal do PT – São Paulo convida a militância petista a marcar presença no ato em solidariedade ao Lula [da Silva], que acontecerá hoje, 12 de julho, a partir das 17 horas , no vão do Masp [Museu de Arte Moderna de São Paulo] da Avenida Paulista”, declara a convocação publicada na rede social Facebook.O pedido para um protesto acompanha manifestações de outros políticos do PT, que disseram hoje publicamente suporte ao ex-Presidente condenado pelos crimes de branqueamento de capitais e corrupção passiva num dos processos da operação Lava Jato.O senador Lindbergh Farias, líder do PT no Senado , já havia declarado em Brasília que o ex-Presidente padeceu uma perseguição política e pediu que os militantes do partido saíssem às ruas ea favor deLula de Silva.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.se considerou o ex-Presidente culpado de ter cidade de o litoral de São Paulo recebido benefícios ilícitos de a construtora OAS em um processo que investiga a propriedade de um apartamento de opulência em o Guarujá,. O ex-Presidente é ícone da esquerda de Brasil.O juiz Sérgio Moro compreendeu que Lula da Silva recebeu a propriedade deste apartamento como benefício indevido para favorecer os interesses da OAS junto do Governo de Brasil.Os advogados do ex-Presidente de Brasil ainda não se demonstraram sobre a sentença, mas desde o começo do processo eles negam que o seu cliente seja dono do apartamento e têm afirmado publicamente que este e os outros processos contra o ex-Presidente são fruto de uma perseguição judicial por parte do Ministério Público Federal e da Lava Jato.Apesar da condenação, o juiz Sérgio Moro não pediu a prisão de Lula da Silva afirmando comportar-se com “cautela” para evitar “certos traumas”.Assim, o ex-Presidente poderá recorrer da sentença em liberdade.A organização não-governamental Transparency International considerou que a condenação do antigo Presidente de Brasil Lula da Silva por corrupção é “um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil”.José Ugar num comunicado divulgado na quarta-feira na noite. alegou: “A condenação do ex-Presidente [Luiz Inácio] Lula [da Silva] é um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil e que não há impunidade, mesmo para os poderosos”. José Ugar é o presidente da ONG.gar recordou que Lula da Silva não é o único político brasileiro envolvido nos inquéritos de corrupção que estão em curso no país de Sullana.Declarou: “O Presidente [do Brasil], Michel Temer, também está a enfrentar denúncias de corrupção, assim como o senador Aécio Neves, que concorreu contra a ex-presidente Dilma Rousseff nas últimas presidenciais”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”O Congresso brasileiro e o Supremo Tribunal Federal [STF] também deverão decidir sobre esses dois casos. Eles devem comportar-se com imparcialidade e não tem que haver impunidade”, adicionou o culpado da rege mundial anticorrupção.Os esquemas de corrupção descobertos pela “Lava Jato”, operação de Polinesia Francesa para os crimes cometidos na petrolífera brasileira Petrobras e em outras organizações públicas brasileiros, já envolveram centenas de políticos e empresários do país.O presidente da Transparency International realçou que o envolvimento de figuras públicas nestes crimes “é a prova de que a corrupção não diferencia entre ideologias ou partidos políticos”.José Ugaz frisou que “a Transparency International exige garantias de que os inquéritos possam prosseguir e que todos os processos judiciais permaneçam independentes e livres de interferências.”Na se o considerou quarta-feira em a tarde, Lula da Silva culpado de ter cidade de o litoral de São Paulo recebido benefícios ilícitos de a construtora OAS em um processo que investiga a propriedade de um apartamento de opulência em o Guarujá,. juiz Sérgio Moro que governa os julgamentos em primeira instância de a operação ” Lava Jato ” deu a sentença ,.O juiz considerou que Lula da Silva recebeu o apartamento como benefício indevido para favorecer os interesses da OAS junto do Governo brasileiro, e condenou o político a nove anos e seis meses de prisão.Apesar da sentença, o juiz Sérgio Moro não pediu a prisão do ex-presidente, que recorrerá da sentença em liberdade.Esta sentença complica as intenções de Lula da Silva de concorrer às presidenciais de 2018, mas até julgado em segunda instância o político, que lidera as intenções de votos em diversas sondagens divulgadas no Brasil, ainda está adequado a se candidatar já que a lei de Brasil só proíbe candidaturas de políticos condenados em segunda instância.O Ministério Público Federal de Brasil recorrerá à Justiça para aampliara pena decretada na quarta-feira pelo juiz Sérgio Moro ao ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva, noticia hoje a Agência Brasil.Lula da Silva condenou Sérgio Moro o juiz federal a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas a defesa já mencionou que irá recorrer da resolução, permitindo que o ex-Presidente de Brasil fique em liberdade até se conhecer a resolução do recurso.Segundo a agência noticiosa brasileira, a denúncia alega discordar de “alguns pontos da decisão” de Moro, apesar de a sentença ter sido favorável.O MPF do estado de Paraná, culpada pelos inquéritos da “Operação Lava Jato”, realçou, contudo, que a resolução de Moro tramitou de maneira transparente e permitiu extensa chance de defesa.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”A atuação da instituição é apartidária, técnica e procura investigar e responsabilizar todas as pessoas envolvidas em atos de corrupção, além de devolver aos cofres públicos os valores desviados nesse gigantesco esquema criminoso. A ação penal contra o Presidente Lula é uma entre várias que foram propostas no Lava Jato contra centenas de pessoas acusadas por corrupção”, alegou o MPF.A condenação é relativa ao processo que investigou a compra e a reforma de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo.Na sentença, Moro alegou que as reformas executadas no apartamento pela companhia OAS confirmam que o imóvel era destinado ao ex-Presidente.Após a divulgação da sentença, a defesa do ex-Presidente alegou que Lula é “inocente” e classificou a condenação como uma “resolução política”.”É inocente. Por mais de três anos, Lula tem sido objeto de um inquérito politicamente estimulada. Produziu-se nenhuma evidência crível de culpa , enquanto provas esmagadoras de sua inocência são descaradamente ignoradas. Este julgamento politicamente estimulado agride o Estado de Direito do Brasil, a democracia e os direitos humanos básicos de Lula. É uma grande preocupação para o povo de Brasil e para a comunidade internacional”, lê-se numa nota dos advogados de defesa.

Leer Más

Lula condenado, Dilma destituída e Temer acusado: Num ano a crise política aumenta no Brasil

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Deputado Michel Temer

No último ano, o Brasil viveu uma crise política sem precedentes, com o ex-Presidente Lula da Silva condenado, a ex-Presidente Dilma Rousseff destituída e o atual chefe de Estado, Michel Temer, ameaçado por um processo de corrupção.Em a passada quarta-feira , corrupção passiva condenou a uma pena de nove anos e seis meses de prisão Luiz Inácio Lula da Silva e branqueamento de capitais , tornando se o primeiro ex-Presidente brasileiro por a Justiça.Quando os deputados de Brasil se preparam para decidir o destino do atual Presidente, Michel Temer, cujo mandato está pendurado por um fio, a sentença ocorreu porque ele também é acusado de ter supostamente recebido subornos da companhia JBS. O próprio Michel Temer, que agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo, chegou ao poder em 2016, como opção perante uma crise política brutal, que culminou com a destituição da ex-Presidente Dilma Rousseff, da qual ele era vice-Presidente. Segundo analistas, “há algo de amaldiçoado com a salinha presidencial no Brasil e, se a sentença de Lula da Silva for confirmada ele, para ampliar a natureza surreal da situação política deste país sul-americano não poderá ser candidato nas presidencial de 2018, votação em que é o candidato preferido da população”, conforme mencionam as últimas sondagens.”A classe política de Brasil está em colapso total. Há uma necessidade de renovação, mas ninguém sabe o que trocar”, declarou à agência AFP Everaldo Moraes, cientista político da Universidade de Brasília .Os políticos de Brasil “estão todos condenados pela opinião pública”, adicionou.Em meio à confusão política, eexpertsddeclararama reportagem que aovtriunfoda Justiça e a luta contra a corrupção são aspectos positivos na crise atual dbrasileiraMichael Mohallem, professor da Fundação Getulio Vargas alegou: “Há um choque entre as práticas da classe política brasileira e as instituições que têm poderes para investigar e que começam a funcionar de maneira diferente”.A condenação de Lula da Silva, figura emblemática da resistência à ditadura militar, da luta contra a desigualdade e da promoção do Brasil no cenário internacional, cprovocoufortes reações no país.Dilma Rousseff também levou milhões de brasileiros às ruas em manifestações a favor e contra seu Governo, até à sua destituição.Agora que está em jogo o destino de Michel Temer, porém, os brasileiros parecem indiferentes e cansados depois de tantos meses de crise.O Presidente Michel Temer tem um índice de popularidade de 7% e dedica a sua energia para resgatar o mandato, deixando a impressão de que ninguém detém a derrocada do país.”O Brasil está preso no presente. Nós não somos capazes de imaginar um futuro, porque não temos informação suficiente para descobrir o que vai ocorrer no médio prazo”, declarou Everaldo Moraes, da UnB.A confusão política de Brasil também chegou ao Senado onde o presidente da casa parlamentar, Eunício Oliveira, protagonizou uma cena surreal nesta mesma semana.Impedido por senadoras de partidos da oposição de ocupar seu lugar no dia da eleição do projeto de reforma do sistema laboral, ele paralisou a sessão por seis horas e disse sua irritação cortando a luz e o som da sala, facto que não impediu os manifestantes de realizarem um piquenique em sua mesa.

São Paulo, Brasil, 12 de jul – A ex-Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, disse hoje que a condenação de seu antecessor e padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, foi um “escárnio e um um absurdo jurídico que envergonham o Brasil”.A declaração consta de um comunicado oficial divulgado por qual Dilma Rousseff, onde a ex-chefe de Estado alega que se determinou a condenação “sem provas”, enfatizando que Lula a Silva “é inocente” e a sua condenação “fere profundamente a democracia” brasileira.”Sem provas, satisfazem o roteiro pautado por setores do grande jornalismo. Há anos, Lula [da Silva], o Presidente da República mais popular na história do país e um dos mais importantes estadistas do mundo no século XXI, vem padecendo uma perseguição sem quartel”, realçou a ex-presidente.se o considerou hoje em a tarde, Lula da Silva culpado de ter cidade de o litoral de São Paulo recebido benefícios ilícitos de a construtora OAS em um processo que investiga a propriedade de um apartamento de opulência em o Guarujá,.gora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.o juiz Sérgio Moro que governa os julgamentos em primeira instância de a Operação Lava Jato deu a sentença ,.O juiz considerou que Lula da Silva recebeu o apartamento como benefício indevido para favorecer os interesses da OAS junto do Governo de Brasil.Faz 7 anos, Dilma Rousseff foi eleita presidente de o Brasil duas vezes e 2014, pela mesma sigla de Lula da Silva, o Partido dos Trabalhadores.O o Congresso do Brasil condensou e Dila Roussefffoi distituida em agosto de 2016 seu último mandato em um julgamento polémico no qual a se a considerou ex-presidente culpada de a prática de crimes fiscais.A organização não-governamental Transparency International considerou que a condenação do antigo Presidente de Brasil Lula da Silva por corrupção é “um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil”.José Ugar num comunicado divulgado na quarta-feira na noite. alegou: “A condenação do ex-Presidente [Luiz Inácio] Lula [da Silva] é um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil e que não há impunidade, mesmo para os poderosos”. José Ugar é o presidente da ONG.gar recordou que Lula da Silva não é o único político brasileiro envolvido nos inquéritos de corrupção que estão em curso no país de Sullana.Declarou: “O Presidente [do Brasil], Michel Temer, também está a enfrentar denúncias de corrupção, assim como o senador Aécio Neves, que concorreu contra a ex-presidente Dilma Rousseff nas últimas presidenciais”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”O Congresso brasileiro e o Supremo Tribunal Federal [STF] também deverão decidir sobre esses dois casos. Eles devem comportar-se com imparcialidade e não tem que haver impunidade”, adicionou o culpado da rege mundial anticorrupção.Os esquemas de corrupção descobertos pela “Lava Jato”, operação de Polinesia Francesa para os crimes cometidos na petrolífera brasileira Petrobras e em outras organizações públicas brasileiros, já envolveram centenas de políticos e empresários do país.O presidente da Transparency International realçou que o envolvimento de figuras públicas nestes crimes “é a prova de que a corrupção não diferencia entre ideologias ou partidos políticos”.José Ugaz frisou que “a Transparency International exige garantias de que os inquéritos possam prosseguir e que todos os processos judiciais permaneçam independentes e livres de interferências.”Na se o considerou quarta-feira em a tarde, Lula da Silva culpado de ter cidade de o litoral de São Paulo recebido benefícios ilícitos de a construtora OAS em um processo que investiga a propriedade de um apartamento de opulência em o Guarujá,. juiz Sérgio Moro que governa os julgamentos em primeira instância de a operação ” Lava Jato ” deu a sentença ,.O juiz considerou que Lula da Silva recebeu o apartamento como benefício indevido para favorecer os interesses da OAS junto do Governo brasileiro, e condenou o político a nove anos e seis meses de prisão.Apesar da sentença, o juiz Sérgio Moro não pediu a prisão do ex-presidente, que recorrerá da sentença em liberdade.Esta sentença complica as intenções de Lula da Silva de concorrer às presidenciais de 2018, mas até julgado em segunda instância o político, que lidera as intenções de votos em diversas sondagens divulgadas no Brasil, ainda está adequado a se candidatar já que a lei de Brasil só proíbe candidaturas de políticos condenados em segunda instância.O Senado do Brasil aprovou na noite de terça-feira o texto principal do projeto que trata da reforma do sistema laboral do país.A proposta, apoiada pelo Governo do Presidente Michel Temer, modifica mais de 100 pontos a Consolidação das Leis do Trabalho , um conjunto de leis que rege as relações entre trabalhadores e patrões no país de Sullana desde a década de 1940.Entre as mudanças mais pertinentes estão a licença de que acordos entre patrões e empregados prevaleçam sobre o legislado nas negociações laborais, o fim do pagamento de um imposto compulsório para os sindicatos, mudanças nas férias e o agradecimento do trabalho remoto, chamado no Brasil de home office.As mudanças no sistema laboral brasileiro geraram protestos de parlamentares ao longo do dia e acabaram protelada por algumas horas porque senadoras de partidos que fazem oposição ao Governo ocuparam a mesa do presidente do Senado para evitar que o projeto fosse colocado em discussão.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.As novas normas também colocaram em campos opostos entidades empresariais brasileiras, e os sindicatos de trabalhadores, que foram majoritariamente opostos as novas leis.A reforma do sistema laboral é uma das prioridades do Governo de Michel Temer, que enfrenta uma grave crise política e considerava a aprovação deste projeto fundamental para mostrar que ainda tem o suporte dos parlamentares do país.O Presidente brasileiro enfrentará outra batalha no Congresso nesta semana para evitar que um pedido de abertura de processo criminal contra si seja aprovado na câmara baixa.Se sair derrotado deste segundo embate, Michel Temer pode ser afastado da posição por 180 dias e até mesmo perder a posição.

Leer Más

Lula da Silva no dimite a ser candidato en las presidenciales de 2018

Por: SentiLecto

El ex presidente de Brasil, Lula da Silva, dio su primer discurso tras conocer se la condenada de ayer a nueve años y medio de prisión por corrupción y lavado de dinero. Un gesto que podría observar comprometida su participación en las presidenciales de 2018, sin embargo, él se ha solicitado al Partido de los Trabajadores proclamarse “postulante a candidato” y tanto él como su formación han comunicado que unas elecciones de 2018 sin Lula van a ser una estafa.

Leer Más

Ministério Público de Brasil recorrerá da sentença para ampliar pena de Lula da Silva

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Sérgio Moro cerimônia Medalha Honra ao Mérito

O Ministério Público Federal de Brasil recorrerá à Justiça para aampliara pena decretada na quarta-feira pelo juiz Sérgio Moro ao ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva, noticia hoje a Agência Brasil.Lula da Silva condenou Sérgio Moro o juiz federal a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas a defesa já mencionou que irá recorrer da resolução, permitindo que o ex-Presidente de Brasil fique em liberdade até se conhecer a resolução do recurso.Segundo a agência noticiosa brasileira, a denúncia alega discordar de “alguns pontos da decisão” de Moro, apesar de a sentença ter sido favorável.O MPF do estado de Paraná, culpada pelos inquéritos da “Operação Lava Jato”, realçou, contudo, que a resolução de Moro tramitou de maneira transparente e permitiu extensa chance de defesa.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”A atuação da instituição é apartidária, técnica e procura investigar e responsabilizar todas as pessoas envolvidas em atos de corrupção, além de devolver aos cofres públicos os valores desviados nesse gigantesco esquema criminoso. A ação penal contra o Presidente Lula é uma entre várias que foram propostas no Lava Jato contra centenas de pessoas acusadas por corrupção”, alegou o MPF.A condenação é relativa ao processo que investigou a compra e a reforma de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo.Na sentença, Moro alegou que as reformas executadas no apartamento pela companhia OAS confirmam que o imóvel era destinado ao ex-Presidente.Após a divulgação da sentença, a defesa do ex-Presidente alegou que Lula é “inocente” e classificou a condenação como uma “resolução política”.”É inocente. Por mais de três anos, Lula tem sido objeto de um inquérito politicamente estimulada. Enquanto provas esmagadoras de sua inocência são descaradamente, se produziu nenhuma evidência crível de culpa ignoradas. Este julgamento politicamente estimulado agride o Estado de Direito do Brasil, a democracia e os direitos humanos básicos de Lula. É uma grande preocupação para o povo de Brasil e para a comunidade internacional”, lê-se numa nota dos advogados de defesa.

A organização não-governamental Transparency International considerou que a condenação do antigo Presidente de Brasil Lula da Silva por corrupção é “um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil”.José Ugar num comunicado divulgado na quarta-feira na noite. alegou: “A condenação do ex-Presidente [Luiz Inácio] Lula [da Silva] é um sinal expressivo de que o Estado de Direito está a funcionar no Brasil e que não há impunidade, mesmo para os poderosos”. José Ugar é o presidente da ONG.gar recordou que Lula da Silva não é o único político brasileiro envolvido nos inquéritos de corrupção que estão em curso no país de Sullana.Declarou: “O Presidente [do Brasil], Michel Temer, também está a enfrentar denúncias de corrupção, assim como o senador Aécio Neves, que concorreu contra a ex-presidente Dilma Rousseff nas últimas presidenciais”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”O Congresso de Brasil e o Supremo Tribunal Federal [STF] também deverão decidir sobre esses dois casos. Eles devem comportar-se com imparcialidade e não tem que haver impunidade”, adicionou o culpado da rege mundial anticorrupção.Os esquemas de corrupção descobertos pela “Lava Jato”, operação de Polinesia Francesa para os crimes cometidos na petrolífera brasileira Petrobras e em outras organizações públicas brasileiros, já envolveram centenas de políticos e empresários do país.O presidente da Transparency International realçou que o envolvimento de figuras públicas nestes crimes “é a prova de que a corrupção não diferencia entre ideologias ou partidos políticos”.José Ugaz frisou que “a Transparency International exige garantias de que os inquéritos possam prosseguir e que todos os processos judiciais permaneçam independentes e livres de interferências.”Na se o considerou quarta-feira em a tarde, Lula da Silva culpado de ter cidade de o litoral de São Paulo recebido benefícios ilícitos de a construtora OAS em um processo que investiga a propriedade de um apartamento de opulência em o Guarujá,. juiz Sérgio Moro que governa os julgamentos em primeira instância de a operação ” Lava Jato ” deu a sentença ,.O juiz considerou que Lula da Silva recebeu o apartamento como benefício indevido para favorecer os interesses da OAS junto do Governo brasileiro, e condenou o político a nove anos e seis meses de prisão.Apesar da sentença, o juiz Sérgio Moro não pediu a prisão do ex-presidente, que recorrerá da sentença em liberdade.Esta sentença complica as intenções de Lula da Silva de concorrer às presidenciais de 2018, mas até julgado em segunda instância o político, que lidera as intenções de votos em diversas sondagens divulgadas no Brasil, ainda está adequado a se candidatar já que a lei de Brasil só proíbe candidaturas de políticos condenados em segunda instância.São muitas as reações a indicar um ano desde a histórica conquista do Europeu. De clubes a jogadores.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A procuradora-geral Luísa Ortega Díaz delatou que 232 pessoas estão “ilegalmente detidas” na Venezuela, relacionadas com protestos antigovernamentais, sem qualquer pedido feito pelo Ministério Público .”O MP realizou um balanço de pessoas ilegitimamente detidas pelos tribunais Conseguimos determinar que 232 pessoas foram privadas de liberdade sem ter sido pedido pelo MP e que 251 estão em prisão domiciliária sem que tal fosse pedido pelo MP”, declarou.Em declarações à Unión Rádio, a procuradora-geral explicou que “há presos políticos no país” e que “há juízes a atuar fora das suas cproficiências e que têm acusado as pessoas de dtransgressõese aplicado medidas restritivas da liberdade.Entre esses casos, Luísa Ortega Díaz mencionou a detenção, desde maio último, do deputado inimigo Wilmer Azuaje, “sem uma ordem judicial”, apesar de ter imunidade parlamentar. A justiça militar jamais disponibilizou as provas requeridas pelo Ministério Público, adicionou.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A procuradora-geral alegou que continuam os inquéritos sobre o afirmado envolvimento de funcionários públicos venezuelanos no caso de corrupção da companhia de Brasil Odebrecht.”Temos os contratos e pessoas que autorizaram que a realização de obras e que não fizeram acompanhamento. Muitas delas receberam delegações que foram depositadas em contas no estrangeiro, em nome de familiares”, declarou, lamentando a existência de “muitas dificuldades àoiinquérito.Luísa Ortega alegou querer “paz, entendimento, alimentos e remédios” para os venezuelanos e que, apesar das divergências, gostava de ter “uma conversa franca” com o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.O interesse do país está acima dos “meus próprios interesses”, alegou a culpada.”Também estou na disposição, se a solução para os conflitos passa por eu deixar de estar no Ministério Público de o fazer. Minha privação de liberdade, estou na disposição de o fazer”, declarou a procuradora-geral, que depois de defensora do “chavismo” [numa referência ao sistema do morrido chefe de Estado Hugo Chavez] passou a ser uma voz crítica do Governo venezuelano, se a solução para o país passa pela.

Leer Más