Calculei não calcula saída desenfreada de acionistas da Vale após ‘lock-up’

Por: SentiLecto

– Nenhum integrante do acordo de acionistas da mineradora Vale terá que fazer movimento de saída “desenfreada” da empresa após vencer o fase de “lock-up” de ações em fevereiro, opinou nesta sexta-feira o presidente da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, um dos principais acionistas da mineradora. No fase de “lock-up” há limitações para a venda de ações por parte de controladores da extinta Valepar, integrada por BNDESpar, Litel Participações –composta por alguns fundos de pensão como a Previ– e por Bradespar e Mitsui & Co. “A partir de fevereiro, vence o ‘lock-up’ de uma grande quantidade de ações que estavam presas no acordo… Todo o movimento a partir de fevereiro será bastante organizado, ninguém fará nenhum movimento de saída desenfreada da Vale”, comentou Gueitiro Genso, da Previ, que também é presidente do Conselho de Administração da Vale. Genso fez a afirmação durante acontecimento que marcou a entrada da Vale no Novo Mercado da B3, o segmento de mais alta governança cooperativa da bolsa. A companhia considera a migração como marco em o processo para se modificar em uma corporação , sem grupo de controle definido e com uma base de acionistas até novembro de 2020 . diversificada , até novembro de 2020. Ainda que a mineradora está totalmente alinhada com a espécie de ativo em que a instituição deseja ter em seu portfólio, ele alegou. “Falando como Previ, não tem necessidade nenhuma de vender ativos a qualquer custo…”, disse ele a jornalistas. O presidente da Previ declarou que a política de investimentos do fundo não busca bloco de controle, mas ativos que tenham liquidez, que entreguem bons dividendos e tenham boa governança. “Quando olho para tudo isso, a Vale está totalmente alinhada agora.” O executivo realçou que os integrantes do atual acordo de acionistas da Vale têm uma relação bastante harmônica. Gueitiro realçou ainda que, com a entrada no Novo Mercado, a Vale melhorará a sua percepção frente aos investidores, diminuindo a atual diferença que tem em relação aos seus pares da mineração, como a BHP Billiton e a Rio Tinto.

Leer Más

Crédito para companhias no Brasil vai recuar em 2017 e 2018, projeta BC

Por: SentiLecto

– O mercado de crédito para as companhias no Brasil continuará encolhendo em 2018, mostrou o Banco Central nesta sexta-feira, movimento que se vai dar pela falta de sinais de recuperação do crédito direcionado ligado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social . Para o próximo ano, o BC calculou contração de 2 do crédito total voltado para pessoas jurídicas em 2018 e de 8 por cento neste ano. No geral, o estoque de crédito no país deve aumentar 3 por cento no próximo ano e cair 1 por cento em 2017, adicionou o BC.

Leer Más

Governo libera R$5 bi do Orçamento de 2017, maior parte dos recursos vai para custeio

Por: SentiLecto

– O governo liberou 5,003 bilhões de reais do Orçamento de 2017, percurso aberto pelas menores despesas calculadas para o ano e por uma melhora na arrecadação, sendo que quase 75 por cento dos recursos serão destinados a despesas de custeio e funcionamento dos órgãos. Segundo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, 3,693 bilhões de reais do total descontingenciado vão ter este fim. Somente 850 milhões de reais vão ir para investimentos, no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento . No relatório extemporâneo de receitas e despesas, assinado pelo ministros da Fazenda e do Planejamento e divulgado nesta quarta-feira, houve diminuição das despesas primárias totais em 4,566 bilhões de reais, a 1,304 trilhão de reais em 2017. Só com subvenções, subsidiozitos e Proagro, a queda foi de 2,944 bilhões de reais, principalmente pela baixa adesão à renegociação de dívidas rurais. Oliveira avaliou que houve desmobilização nesse sentido porque prorrogou-se o prazo de adesão para o ano que vem. Aumentou-se a receita líquida de a União já em o documento em 436,9 milhões de reais, a 1,150 trilhão de reais, mesmo após o governo ter excluído de a conta 2,287 bilhões de reais em venda de ações e transferência de esses recursos de o Fundo Soberano a o Tesouro, como inicialmente calculado para o ano. O ministro do Planejamento pontuou em coletiva de jornalismo que esse ingresso acontecerá em 2018, o que vai dever “auxiliar um pouquinho” a administração das contas públicas num ano que já iniciará com fortes desafios fiscais. A chance de novo descongelamento de recursos já vinha sendo assinalada por integrantes da equipe econômica diante do melhor cenário para arrecadação de tributos com a recuperação gradual da economia. Além disso, os gastos menores abriram a porta para a liberação de mais recursos agora. Além de subvenções mais modestos, o governo também reduziu em 1,292 bilhão de reais a conta com créditos extraordinários e em 678,2 milhões de reais os desembolsos com abono e seguro desemprego. Com a resolução desta quarta-feira, o congelamento total de despesas no ano caiu a cerca de 19,6 bilhões de reais, sobre 24,6 bilhões de reais antes, para garantir o cumprimento da meta de déficit primário de 159 bilhões de reais para o governo central . Faz 1 mês, em o relatório, o governo melhorou a projeção de progressão de o Produto Interno Bruto a 1,1 por cento, contra 0,5 por cento em o último relatório, publicado em novembro. Com isso, ficou alinhado com número já divulgado pela Fazenda mais cedo neste mês. Por outro lado, o governo passou a ver alta do IPCA de 2,88 por cento, sobre 3,2 por cento anteriormente. Apesar da liberação de recursos na reta final de 2017, o Orçamento do próximo ano, para o qual a meta também é de déficit primário de 159 bilhões de reais, já está em xeque. Isso porque o governo mandou uma série de medidas ao Congresso para garantir o cumprimento do alvo fiscal, como a mudança na tributação de fundos exclusivos e a reoneração da folha de pagamento das companhias, ainda não apreciadas pelos parlamentares. Por sua vez, a Medida Provisória que postergava o reajuste salarial dos servidores e aumentava a contribuição previdenciária do funcionalismo público teve seus conseqüência suspensos pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal . Em 1 ano, sem essas fontes de receita, o governo deverá bloquear 21,4 bilhões de reais de o Orçamento, o que terá que ter efeito expressivo sobre investimentos e em o funcionamento de a máquina pública. Oliveira declarou: “O efeito dessas medidas que se as aprovaram não é direto e imediato sobre o Orçamento”. “Vai compensar-se isso de que forma? Tirando recursos de outras áreas, saúde segurança, transporte etc. Verba é jogo de adicionar e reduzi”, adicionou. Saúde é educação. Ele voltou a declarar que o governo deve começar 2018 fazendo um contingenciamento nas despesas para fazer frente a essas frustrações, mas alegou que ainda não há um cálculo preliminar do quanto vai ser necessário congelar. Isso porque também influirão essa conta recursos esperados com leilões de petróleo, que ainda não entraram no Orçamento, e receitas maiores advindas de uma atividade econômica mais forte. Neste mês, o governo revisou a alta esperada para o Produto Interno Bruto em 2018 a 3 por cento, contra 2,5 por cento na peça orçamentária.

Leer Más

Centrais sindicais cancelam greve contra reforma da Previdência

Por: SentiLecto

As centrais sindicais decidiram interromper a greve nacional convidada para terça-feira , “após o cancelamento da eleição da reforma da Previdência no dia 6″, declararam seis entidades —CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB— em nota nesta sexta-feira .

Leer Más

Maia declara que recorrer a medida provisória é pensar como ditador

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Densidade pop Maia 2011

Rodrigo Maia criticou a utilização de medidas provisórias pelo presidente Michel Temer. Rodrigo Maia é o presidente da Câmara dos Deputados. Para ele, recorrer às MPs não aauxiliaa democracia e se assemelha à fomaneiraomo agcomportar-sem ditador.

Quando tiver 330 votos comprometidos com a aprovação da matéria, no entanto, mesmo os mais otimistas acreditam que essa data é fictícia, visto que Temer deseja ir para voto exclusivamente.A proposta vai estabelecer uma idade mínima de 65 anos para homens e 62 para as mulheres, norma de transição, 15 anos de contribuição e unificação das normas de aposentadoria dos setores público e privado. As mudanças no BPC e na aposentadoria dos trabalhadores rurais ficaram de fora após reclamações de deputados, que julgam as medidas bastante impopulares.

Leer Más