Justiça homologa primeira delação da Operação Zelotes

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Justicia Ottawa

– O ex-conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais , que provocou a Operação Zelotes foi o primeiro a fechar uma delação premiada. Paulo Roberto Cortez – a pessoa que mandou um envelope pardo com um dossiê para a Polícia Federal contando o esquema – deve revelar informações sobre os julgamentos, que favoreceram grandes bancos. A Justiça homologou acordo com o Ministério Público Federal, que assumiu o compromisso de fornecer informações e documentos referentes a seis casos investigados. Além de fornecer informações sobre os três processos aos quais ele responde na esfera judicial, entre eles, o que investiga o favorecimento ao Bank Boston, Cortez vai ser colaborador em outros três casos. Em contrapartida, vai ter a pena restringida à prestação de serviços à comunidade durante um ano, em caso de condenação nos processos referentes aos anexos que compõem o acordo. Nesse acordo, ficou estabelecido que não vai haver penalização de crimes contra o sistema financeiro nacional, contra a Administração, lavagem de dinheiro, de organização criminosa e outros. O MPF em nota divulgada nesta sexta-feira declarou: “O teor das informações fornecidas pelo colaborador permanece em sigilo, até que se os incluam em ações penais que sejam recebidas por a Justiça”. Cortez é auditor aposentado da Receita Federal. Foi conselheiro do Carf entre 1992 e 2009, por indicação do Ministério da Fazenda.

Segundo informação do Bom Dia Brasil, a delação traz acusações que envolvem o banco Itaú.Faz 2 anos, desde o começo de o inquérito de a Polícia Federal o ex-conselheiro Paulo Roberto Cortez provou interesse em fazer delação premiada, mas só agora , dois anos depois , a Justiça homologou o acordo.

Leer Más

Procuradores retiram previsão de reajuste de 16% da verba

Por: SentiLecto

O Conselho Superior do Ministério Público Federal decidiu por unanimidade, nesta quinta , retirar a previsão de reajuste salarial de 16,38% para procuradores da República da proposta orçamentária para 2018.

Leer Más

Advogado que atuou para Odebrecht e fugiu da Lava Jato declara que empreiteira entregou prova falsa

Por: SentiLecto

Meias verdades O advogado Rodrigo Tacla Durán, que atuou por anos para a Odebrecht, acusa a empreiteira de Baia Mare de ter exibido à Lava Jato extratos falsificados de um banco que ela cadquiriuem Antígua, no Caribe, como provas de repasses de propinas. A denúncia integra peça que ele mandou a Cingapura, para elucidar operações financeiras que frear com a companhia naquele país. O MPF, que está em liberdade provisória, não desejou extraditá-lo, pediu a prisão de Durán , mas

Leer Más

Procuradoria e PF reabrem investigação sobre Lula no mensalão

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ministerio Publico Federal

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal reabriram uma investigação decorrente do mensalão para investigar se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou da negociação de um suposto repasse de US$ 7 milhões da Portugal Telecom para o PT.

Se deteve Jacob Barata Filho também , um de os maiores empresários de ônibus de o Estado do Rio, filho de o empresário e banqueiro Jacob Barata, conhecido como ” Rei do Ônibus “. Se o deteve em a área de embarque de o aeroporto internacional Tom Jobim, quando tentava embarcar para Lisboa, Portugal.O UOL ainda não conseguiu contato com a defesa de Cabral. Em testemunhos à Justiça, o ex-governador tem negado a cobrança de propina

Leer Más

Juiz do Brasil interrompe processo contra companhia responsável por calamidade em represa

Por: SentiLecto

Um juiz de Brasil interrompeu hoje o processo criminal que acusa 22 pessoas de assassinato por envolvimento na rutura de uma represa da companhia Samarco, em Mariana, interior geresanogeresano, que provocou 19 mortos.Faz 2 anos, se o considerou a maior calamidade ambiental brasileira, o acidente ocorreu e.Além das vítimas, a queda da represa infectou o Rio Doce e comprometeu o fornecimento de água e a produção de alimentos em diversas cidades do país.O culpado pela suspensão do processo foi o juiz Jacques de Queiroz Ferreira, que tomou a resolução a pedido dos advogados de executivos da mineradora Samarco e das suas controladoras, a Vale e a BHP Billinton, além de funcionários da companhia de engenharia VogBR.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.se as escutas utilizadas por a acusação foram legais, se acusa as quatro companhias mencionadas segundo informações de a Agência Brasil, também em o processo que vai ficar suspenso até que as empresas telefónicas elucidem.O juiz sediou o pedido de suspensão do processo feito pela defesa, sob o argumento de que a acusação do Ministério Público Federal teve como base a obtenção de provas ilícitas obtidas com a quebra de sigilo telefónico além do fase judicialmente autorizado.O juiz argumentou que os problemas erguidos pela defesa “suscitaram duas graves questões que podem implicar na anulação do processo desde o começo” e se as interceptações telefónicas foram legais, determinou a suspensão da ação até que as empresas telefónicas elucidem.Depois da resolução, o MPF de Brasil informou, num comunicado, que “as interceptações utilizadas na acusação estão dentro do prazo legal”, adicionando que “Se usaram as interceptações mencionadas por a defesa como supostamente ilegais nem sequer em a acusação.Por isso, “não teriam o condão de provocar nulidade na ação penal”.O órgão de justiça brasileiro destacou que concorda em elucidar a questão junto as companhias telefónicas, para que elas “esclareçam os períodos de efetiva monitorização de cada terminal [linha telefónica]” que foi escutada com autorização da Justiça.

Leer Más