Resolução de privatizar a Eletrobras é ‘histórica’, declara Rodrigo Maia

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Densidade pop Maia 2011

– O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia , elogiou nesta terça-feira a resolução do governo de privatizar a Eletrobras. Maia classificou a resolução de “histórica” e argumentou que a companhia teve perdas sobretudo nos governos do PT e da ex-presidente Dilma Rousseff, que me dá bastante conforto na resolução de privatizar, que fez críticas à venda da estatal. Para ele, é preciso privatizar várias companhias públicas que são somente “cabides de emprego com má administração”. — Para mim, essa é uma notícia histórica. O Brasil precisa, o governo precisa existir para atender às pessoas que precisam do governo. A resolução de privatizar a Eletrobras vai nesta linha. Não tem nenhuma necessidade de o governo ter o controle, a administração da Eletrobras, porque a gente viu que os últimos anos, principalmente no governo do PT e da presidente Dilma, foram desastrosos. Eu declaro o oposto — declarou Maia, adicionando: — Privatizar a Eletrobras, privatizar mais de 100 companhias públicas que não servem para nada, se ela declara que há um risco para o setor de energia no Brasil. São meros, na sua maioria, cabides de emprego e bastante más na sua administração. Maia recordou que a MP do setor energético, editada no governo petista, provocou perdas ao setor e aos consumidores. — A MP do setor energético quebrou o setor de energia, gerou uma perda de R$ 200 bilhões, mais do que todo o valor necessário para a gente universalizar o saneamento no Brasil. É um bom exemplo do catálogo que estamos coordenando de resoluções catastróficas. Então, ao privatizar a Eletrobras, ao garantir uma melhor administração e garantindo assim a tarifa de energia possa cair, vamo estar atingindo o nosso objetivo. O mais importante não é saber se a administração é pública ou privada, é saber se o cidadão na ponta está sendo atendido — declarou ele. E recordou os problemas enfrentados pela Petrobras, outra grande estatal, na administração do PT. — O caso próprio da Lava-Jato da Petrobras, é um exemplo disso. A Petrobras serviu a poucos e não serviu aos brasileiros — declarou ele.

– A ex-presidente Dilma Rousseff fez duras críticas à proposta do Ministério de Minas e Energia de privatizar a Eletrobras e ddeclarouque a medida pode ameaçar o suprimento de energia elétrica do país e rredundarem “uma conta de luz estratosférica” para os brasileiros. “Vender a Eletrobras é abrir mão da segurança energética. Como aconteceu em 2001, no governo FHC , significa deixar o país sujeito a apagões”, escreveu a ex-presidente em seu perfil no Twitter. “O resultado é um só: o consumidor pagará uma conta de luz estratosférica por uma energia que não vai ter abastecimento garantido”, agrediu. A quando comandou uma reformulação nas normas do setor elétrico que fortaleceu a Eletrobras e o poder do Estado sobre o segmento, ex-presidente, que foi afastada após um processo de impeachment no ano passado, foi ministra de Minas e Energia no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2012, quando já era presidente, Dilma governou uma nova mudança nas normas do setor, com o objetivo de diminuir as tarifas de eletricidade para impulsionar a indústria e o consumo. Mas as medidas redundaram em perdas bilionárias para a Eletrobras, que só voltou a ter lucro no ano passado, além de terem gerado fortes ampliações nas contas de luz nos últimos anos. Os problemas financeiros enfrentados pela Eletrobras após a diminuição tarifária anunciada em 2012 são agora um dos principais argumentos usados pelo governo do presidente Michel Temer para sugeri a diminuição da fatia da União na empresa.

Leer Más

Ex-presidente Dilma declara que privatização da Eletrobras ameaça segurança energética

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Eletrobras

– A ex-presidente Dilma Rousseff fez duras críticas à proposta do Ministério de Minas e Energia de privatizar a Eletrobras e ddeclarouque a medida pode ameaçar o suprimento de energia elétrica do país e rredundarem “uma conta de luz estratosférica” para os brasileiros. “Vender a Eletrobras é abrir mão da segurança energética. Como aconteceu em 2001, no governo FHC , significa deixar o país sujeito a apagões”, escreveu a ex-presidente em seu perfil no Twitter. “O resultado é um só: o consumidor pagará uma conta de luz estratosférica por uma energia que não vai ter abastecimento garantido”, agrediu. A quando comandou uma reformulação nas normas do setor elétrico que fortaleceu a Eletrobras e o poder do Estado sobre o segmento, ex-presidente, que foi afastada após um processo de impeachment no ano passado, foi ministra de Minas e Energia no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2012, quando já era presidente, Dilma governou uma nova mudança nas normas do setor, com o objetivo de diminuir as tarifas de eletricidade para impulsionar a indústria e o consumo. Mas as medidas redundaram em perdas bilionárias para a Eletrobras, que só voltou a ter lucro no ano passado, além de terem gerado fortes ampliações nas contas de luz nos últimos anos. Os problemas financeiros enfrentados pela Eletrobras após a diminuição tarifária anunciada em 2012 são agora um dos principais argumentos usados pelo governo do presidente Michel Temer para sugeri a diminuição da fatia da União na empresa.

A proposta é que sejam colocadas obstáculos para impedir a concentração dessa compra nas mãos de um único investidor ou grupo.Deduziu: “Algo bastante semelhante com o que se fez com Vale e Embraer no passado”.— O Ministério de Minas e Energia informou nesta segunda-feira que vai sugeri ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos — culpada pelo programa de privatizações do governo federal — “a diminuição da participação da União no capital” da Eletrobras. Ou seja, o governo venderá parte das ações da companhia na bolsa de valores e tem que perder o controle da empresa. Os detalhes da operação serão definidos pelo PPI. O ministério argumenta que medida vai trazer maior competitividade e agilidade à ecompanhiapara gdirigisuas operações, “sem as amarras impostas às estatais”. “Esse movimento vai permitir à Eletrobrás implementar oasrexigênciasde governança corporativa exigidos no Novo Mercado, eigualandotodos os acionistas – públicos e privados – com total tclarezaem sua gadministração Se adotou a resolução de o ministério após profundo diagnóstico sobre o processo em curso de recuperação de a companhia “, declarou o MME, em nota. O ministério recordou que a Eletrobras está endividada e que, mesmo com as mudanças sugeridas pela atual administração, é preciso uma “uma mudança de rota para não comprometer o futuro da companhia”. O texto declara: “Os problemas decorrem de ineficiências acumuladas nos últimos 15 anos, que impactaram a sociedade em cerca de um quarto de trilhão de reais, concorrendo pela utilização de recursos públicos que poderiam ser investidos em segurança, educação e saúde”. O comunicado informa que “não há espaço para elevação de tarifas nem para ampliação de encargos setoriais” . A medida é uma saída para buscar recursos no mercado e atrair novos investidores. A proposta é que o governo permaneça como acionista “recebendo dividendos ao longo do tempo”. O governo também justifica que a medida beneficiará estados e municípios com ampliação de arrecadação de impostos. “A União conservará poder de veto na gestão da empresa, garantindo que conservem-se resoluções estratégicas em o setor , tais como os encargos setoriais de a CDE e o financiamento de projetos de revitalização de o Rio São Francisco. A nova Eletrobrás segue um modelo de Sucesso adotado em diversos países, como Portugal, França e Itália, que modificaram suas estatais de energia elétrica em grandes corporações que atuam no mundo completo e conservam sua identidade nacional”. DESESTATIZAÇÃO Em comunicado ao mercado, a Eletrobras informou que o ministro comunicou ela de Minas e Energia sobre a resolução sugeri a desestatização de a Eletrobras a o PPI e que a finalização da operação depende ainda de outras autorizações. Energia é fernando Coelho Filho. “A empresa elucida ao mercado que a efetivação da operação em referência depende de autorizações governamentais, avaliação das autorizações legais e egulatórias que serão necessárias, avaliação do modelo a ser adotado e observância dos procedimentos específicos, por ser tratar de sociedade de economia mista, de capital aberto, com ações listadas na Bolsa de São Paulo,e Nova York e Madri”, declara texto da estatal.- O governo espera arrecadar R$ 20 bilhões com a privatização da Eletrobras e a expectativa é de que o processo esteja deduzido em seis meses. O Ministério de Minas e Energia anunciou oficialmente nesta segunda-feira vai sugeri ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos — culpada pelo programa de privatizações do governo federal — “a diminuição da participação da União no capital” da Eletrobras. Ou seja, o governo venderá parte das ações da companhia na bolsa de valores e tem que perder o controle da empresa. Os detalhes da operação serão definidos pelo PPI.

Leer Más

Privatização da Eletrobras faz Ibovespa chegar nos 70 mil pontos

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Eletrobras

– O anúncio de que o governo privatizará a Eletrobras impulsiona o Ibovespa nesta terça-feira. As ações da companhia sobem mais de 20% e outras estatais também sobem forte na esteira desse movimento. O índice tem alta de 0,44%, aos 69.911 pontos -na máxima já chegou a 70.041 pontos, maior platô do ano. Já o dólar comercial recua 0,44% ante o real, cotado a R$ 3,155. Na noite de segunda-feira, o Ministério de Minas e Energia anunciou que irá sugeri ao Programa de Parcerias de Investimentos a diminuição da participação da União na Eletrobras. As ações preferenciais da estatal sobem 20,52%, cotadas a R$ 21,49, e as ordinárias disparam 31,47%, a R$ 18,67. A alta significativa está relacionada ao fato de que a venda de ações da Eletrobras estavam fora do radar dos investidores, segundo explicaram analistas da corretora Coinvalores. “A notícia de privatização da Eletrobras traz a percepção de que o governo está muito engajado no ajuste fiscal, o que tende a trazer certo ânimo para o mercado bursátil no curto prazo”, avaliaram, em relatório a clientes. A notícia também impulsionou outras estatais. As ações do Banco do Brasil sobem 3,52%. O mesmo acontece com a Petrobras, as preferenciais têm alta de 3,07%, cotadas a R$ 13,75, e as ordinárias progridem 2,89%, a R$ 14,20, em um ritmo bem superior à valorização do petróleo no mercado exterior – o do tespécieBrent sobe 0,64%, a US$ 51,99 o barril. Também registra alta significativa as ações da Cemig, com valorização de 5,17%, que teve seu leilão de suas usinas suspenso ontem por uma liminar da Justiça. Já no mercado de cotação, a moeda opera na contramão do mercado externo. O “dollar index“ registra valorização de 0,38%. Esse índice mede a conduta da divisa frente a uma cesta de dez moedas. Os investidores aguardam o encontro do Jackson Hole, onde estão calculados discursos dos presidentes do Federal Reserve , Janet Yelen, e do Banco Central Europeu , Mario Draghi. Apesar da moeda no Brasil estar em queda, Jefferson Luiz Rugik recorda que uma nova acusação geresana contra o presidente Michel Temer pode gerar um movimento de proteção e maior procura por dólar, o que pressionaria a moeda. Jefferson Luiz Rugik é analista da Correparti Corretora de Câmbio. Internamente, do dólar positivo, pesa o anúncio da privatização da Eletrobras e a possibilidade de aprovação da medida provisória que cria a TLP .

– Os principais indicadores do mercado acionário mundial operam em queda nessa sexta-feira. Nos Estados Unidos pesa o mal-estar em relação ao suporte ao governo de Donald Trump. Na Europa, o atentado terrorista em Barcelona somou volatilidade aos negócios. Apesar da cena externa, o Ibovespa, principal índice da B3, consegue operar em alta de 0,46%, aos 68.291 pontos. Já o dólar comercial recua 0,28% ante o real, cotado a R$ 3,17. No mercado de America, o Dow Jones cai 0,25% e o S&P, 0,17%. Desde os conflitos na Virgínia, no sábado, alguns membros do partido republicano e outras lideranças desaprovaram as declarações de Trump e começou a aumentar o boatinho de saída de alguns de seus conselheiros. O mercado interpretou isso como um sinal de que o presidente de America vai ter mais obstáculo em aprovar a sua agenda política no Congresso. Na Europa, desvalorização de 0,98% no FTSE, londrino, e de 0,87% no Ibex, índice da Bolsa de Madri. , em relatório, os analistas da Correparti Corretora de Câmbio alegaram: “Os mercados acionários ao redor do globo apresentam de maneira majoritária um viés negativo, na esteira das preocupações com a nova crise política nos EUA e pelo hediondo atentado ocorrido ontem na cidade de Espanha de Barcelona”. Em meio a esse cenário de maior aversão ao risco mundial, o dólar perde força em escala mundial. O “dolar index” tem recuo de 0,18%. Os investidores buscam refúgio em outras moedas, como iene, e no ouro. A Vale de o Ibovespa sustenta a performance e siderúrgicas , após o minério de ferro subir em a China . mais de %6 na China. A tonelada subiu 6,81% no porto de Qingdao, para US$ 77,94. As preferenciais da mineradora operam em alta de 1,50% e os ordinários registram valorização de 1,57%. No caso da Usiminas, a alta é de 3,01%, também beneficiada pela expectativa de reajuste de seus custos a partir do mês que vem. Os papéis da Petrobras também operam em alta. Os preferenciais sobem 2,2%, cotados a R$ 13,34, e os ordinários progridem 1,17%, a R$ 13,76. Entre as quedas, destaque para a Kroton, que registra queda de 2,41%, e para a Suzano, que cai 2,45%. Internamente, os investidores ainda repercutem os duas novos períodos da Operação Lava Jato, que dessa vez prendeu o ex-deputado federal Cândido Vaccarezza .- Impulsionado pela Vale, o Ibovespa , opera em alta nesse começo de semana. A valorização é de 0,37%, aos 68.973 pontos, principalmente devido aa conduta da mineradora, beneficiada pela trajetória de alta dos câmbios do minério de ferro na China. Já o dólar comercial é descolado de o movimento externo de a divisa e opera em leve queda de 0,15% ante o real, cotado a R$ 3,142. O minério de ferro registrou alta de 2,55% no porto de Qingdao, na China, indo a US$ 79,93 a tonelada. Isso faz com que os papéis preferenciais da Vale operem em alta de 1,70%. Já as ordinárias sobem 1,74%. A maior alta entre os papéis do Ibovespa, no entanto, é registrada pela Bradespar, uma das controladoras da Vale, que opera com ganhos de 2,04%. Os bancos, que têm o maior peso na composição do índice, também operam em terreno positivo. As preferenciais do Itaú Unibanco e do Bradesco sobem, respectivamente, 0,03% e 0,39%. No campo oposto, as ações da Petrobras registram leve queda. As PNs caem 0,29%, cotadas a R$ 13,56, e as ONs recuam 0,64%, a R$ 13,95. No mercado de cotação, o “dollar index” registra pequena desvalorização de 0,16%. Esse índice mede a conduta da divisa de America frente a uma cesta de dez moedas. Em a avaliação de Guilherme França Esquelbek , analista de a Correparti Corretora de Câmbio , apesar do cenário externo ainda incerto , com a situação de a política estadunidense e o temor de novos atentados em a Europa , o fluxo beneficia o real de recursos para o país fruto de a compra de a Vigor para a de Mexico Lala. Avaliou: “A possível entrada de recursos que iniciou na sexta-feira, provenientes da venda da companhia Vigor para a de Mexico Lala, pode deixar o dólar descolado do cenário externo”.- Impulsionado pela Vale, o Ibovespa , opera em alta nesse começo de semana. A valorização é de 0,41%, aos 69.002 pontos, principalmente devido aa conduta da mineradora, beneficiada pela trajetória de alta dos câmbios do minério de ferro na China. O índice bate nos 69 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro. Já o dólar comercial é descolado de o movimento externo de a divisa e opera em leve queda de 0,12% ante o real, cotado a R$ 3,143. O minério de ferro registrou alta de 2,55% no porto de Qingdao, na China, indo a US$ 79,93 a tonelada. Isso faz com que os papéis preferenciais da Vale operem em alta de 1,90%. Já as ordinárias sobem 1,61%. As maiores altas entre os papéis do Ibovespa, no entanto, pertencem às fabricantes de papel e celulose Suzano e Fibria, que sobem, respectivamente, 4,46% e 3,49%. Os bancos, que têm o maior peso na composição do índice, também operam em terreno positivo. As preferenciais do Itaú Unibanco e do Bradesco sobem, respectivamente, 0,10% e 0,57%. No campo oposto, as ações da Petrobras registram leve queda. As PNs caem 0,73%, cotadas a R$ 13,50, e as ONs recuam 1,21%, a R$ 13,87. No mercado de cotação, o “dollar index” registra pequena desvalorização de 0,16%. Esse índice mede a conduta da divisa de America frente a uma cesta de dez moedas. Em a avaliação de Guilherme França Esquelbek , analista de a Correparti Corretora de Câmbio , apesar do cenário externo ainda incerto , com a situação de a política estadunidense e o temor de novos atentados em a Europa , o fluxo beneficia o real de recursos para o país fruto de a compra de a Vigor para a de Mexico Lala. Avaliou: “A possível entrada de recursos que iniciou na sexta-feira, provenientes da venda da companhia Vigor para a de Mexico Lala, pode deixar o dólar descolado do cenário externo”.

Leer Más

Vendas da Black Friday no varejo online têm que subir até 20%, declara Google Brasil

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Googlelogoi

– As vendas do varejo online na Black Friday devem aumentar entre 15 e 20 por cento este ano no Brasil, em comparação ao mesmo fase do ano passado, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo Google Brasil. Em 2017, a previsão de receita para o e-commerce na data é de 2,2 bilhões de reais, correspondendo a 4 por cento de toda a arrecadação do comércio eletrônico calculada para o país no ano, informou o Google, da Alphabet, em acontecimento em São Paulo. Se a considera a data, que este ano ocorrerá em o dia 24 de novembro, a mais importante para o varejo online em o país, superando até mesmo o Dia das Mães, tradicionalmente a segunda melhor ocasião para o comércio eletrônico, de acordo com o Google. O levantamento realizado pelo Google mostrou também uma ampliação na intenção de compra na data em 2017, para 68 por cento dos consumidores, em relação a 61 por cento no ano anterior, o que o Google atribuiu principalmente a uma melhora na fama do acontecimento, que vem se consolidando como uma boa chance para descontos, depois de casos de fraudes observados em anos anteriores. “As pessoas hoje confiam na data. Elas veem além do custo”, alegou a administradora de Insights do Google, Carolina Rocha. A Black Friday também tem que atrair este ano 370 mil consumidores que jamais fizeram compras pela Internet, o equivalente a 10 por cento dos novos clientes calculados para o varejo online em todo o ano. Entre os dados revelados pelo Google em acontecimento em São Paulo está também o aumento da data para além da sexta-feira, com muitas companhias se antecipando e promovendo ofertas a partir da segunda-feira e também as que continuam a maratona de promoções até a chamada Cyber Monday. De acordo com os dados, 21 por cento das compras da data acontecem nos dias que precedem e sucedem a Black Friday e exibem gastos médios maiores que os vistos na própria sexta-feira.

– Faz 1 ano, enquanto os lançamentos recuaram 3,5 por cento, as vendas de imóveis residenciais novos em o primeiro semestre aumentaram 0,9 por cento ante mesmo, informou nesta segunda-feira a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias em levantamento em parceria com a Fipe. No total, foram vendidas 50.250 unidades no semestre, sendo 30.887 no segmento Minha Casa Minha Vida, número 26,5 por cento maior do que um ano antes. O MCMV também respondeu por 26.364 das 30.530 unidades arremessadas no fase, alta de 9,7 por cento. Por outro lado, as vendas e os lançamentos de imóveis de média e alta norma recuaram 19,2 por cento e 36,3 por cento, respectivamente, no primeiro semestre, mostrou a pesquisa, com base em dados de 20 companhias associadas à Abrainc. Considerando os dois segmentos, a média mensal de unidades ofertadas, incluindo imóveis em estoque e arremessados, subiu 4,8 por cento no acumulado de 2017, para 119.823. Faz 2 meses, mas a relação de vendas sobre oferta se conservou estável em 19,7 por cento sobre um ano antes, de acordo com a Abrainc-Fipe. Um indicador que exibiu melhora foi o de distratos, com queda de 20 por cento no primeiro semestre ano a ano. Faz 2 meses, segundo o levantamento, foram cancelados 2.822 contratos, aumentando o total de unidades distratadas desde janeiro a 17.785. Faz 2 meses, com isso, a relação de distratos sobre vendas caiu a 27,4 por cento, queda de 9,6 por cento em a comparação anual. No semestre, o indicador recuou 9,2 por cento, a 35,4 por cento.

Leer Más

Para ‘ocupar lacuna’ do PSDB, DEM deseja filiar aliados de Aécio

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Foto oficial de Ronaldo Caiado

Com o PSDB em crise, membros do partido ligados ao senador Aécio Neves passaram a ser sondados pelo DEM, principal aliado no plano nacional, que tem tentado se expandir com insatisfeitos de outras legendas.

A iniciativa do Democratas é estratégica e visa preencher o espaço eleitoral dos tucanos, atualmente divididos, entre outras questões, sobre a continuidade no governo Temer.

Leer Más