Brasileiros reagem nas redes sociais contra ampliação de impostos e afirmação de Temer

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Câmara dos Deputados

Diante da notícia de que o governo vai ampliar impostos mais uma vez e a afirmação do presidente Michel Temer de que “a população vai entender” a ampliação, brasileiros dispararam críticas nas redes sociais nesta sexta-feira. Muitos mencionaram o problema da corrupção, defenderam que é preciso diminuir gastos antes de qualquer nova alta e enquanto governo gastou com emendas parlamentares, criticaram ampliação para se livrar de acusação na Comissão de Constituição e Justiça .

– O presidente Michel Temer começou a debater a ideia de fazer uma reforma tributária com parlamentares. Nesta terça-feira, foi um dos assuntos de encontro com deputados do PSDB. Mas a reforma tributária compraz bastante os parlamentares do PSDB, que estão divididos sobre a acusação da PGR contra Temer e que já teve parecer desfavorável na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. O discurso de Temer é que, depois da reforma trabalhista, é hora de modernizar o sistema tributário do país. No discurso, o presidente tem declarado que a reforma trabalhista começa a dar resultados e realçou a geração de empregos. — Conversamos das reformas e da reforma tributária, que seria essencial para o país — declarou Fabio Garcia , que participou de um café da manhã de Temer com um grupo do PSB que é favorável ao governo e que, portanto, são dissidentes no PSB, que fechou posição em defesa da acusação. Entre os tucanos, há entusiastas da reforma tributária, como o deputado Luiz Carlos Hauly . O Palácio do Planalto determinou à área econômica que faça uma minirreforma tributária, com foco no PIS e na Cofins, tributos que incidem sobre o faturamento das ecompanhias O governo deseja adotar um telhado de R$ 4,8 milhões de faturamento por ano para as companhias, independentemente do ramo. A medida faz parte de uma agenda positiva, que inclui ainda uma “limpeza” na proposta de reforma da Previdência, a fim de facilitar sua aprovação no plenário da Câmara.

Leer Más

Países produtores debatem acordo mundial sobre oferta de petróleo, declara Kuweit

Por: SentiLecto

Os principais países produtores de petróleo vão debater um acordo mundial sobre a diminuição da oferta, rever condições de mercado e examinar quaisquer propostas relacionadas ao acordo em um encontro na próxima semana, declarou o ministro do Petróleo do Kuweit nesta sexta-feira.

Leer Más

Grandes petroleiras percebem ameaça de veículos elétricos

Por: SentiLecto

Os maiores produtores de petróleo do mundo estão começando a considerar seriamente os veículos elétricos como uma ameaça no longo prazo.

Leer Más

AIE informa que membros da OPEP não cortaram produção de petróleo em junho

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Vereinte Nationen in Wien

A Agência Internacional de Energia informou que os membros da OPEP não satisfizeram em junho o acordo que tinham estabelecido para restringi a produção de petróleo. No relatório mensal sobre o mercado petrolífero, a AIE, que , que alega que desde o começo de junho o barril esteve abaixo dos 50 dólares, enfatiza que todos os meses aparecem novas dificuldades que impossibilitam o reequilíbrio do mercado, enfatiza que o grau de cumprimento do acordo foi de 78% em junho, contra 95% em maio e que, inclusivamente, os outros países que não são membros do cartel mas que participam no acordo, como a Rússia, o respeitaram numa porcentagem superior de 82%. Em 1 ano, os 14 membros de a OPEP e outros dez concorrentes, incluindo a Rússia, acordaram último um corte de 1,8 milhões de barris por dia desde janeiro de este ano que deve e estender se em princípio até março de 2018, para frear a queda de os custos de o petróleo.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Em junho, o incumprimento do compromisso de diminuição da produção e o forte acréscimo das extrações libanês e da Nigéria em mais de 700.000 barris por dia rostito ao mês anterior.Faz 1 mês, os países que não pertencem em a OPEP ofereceram 380 mil barris por dia complementares e a AIE calcula que em o conjunto de o ano a ampliação vai ser de 700 mil barris e de 1,4 milhões em 2018, mas em junho. estes fatores une-se de maneira particular as jazidas de petróleo de xisto dos Estados Unidos, onde a atividade acumula já 33 semanas consecutivas de acréscimos, provando uma grande resistência aos baixos custos do barril.

O investimento global no setor da energia voltou a cair pelo segundo ano consecutivo em 2016, designadamente 12%, devido à ausência de novos projetos petrolíferos e de gás provocada pelos baixos pcustosdo barril de petróleo, foi hoje anunciado.No relatório anual sobre o investimento exibido hoje, a Agência Internacional de Energia enfatiza que o volume total de investimento foi de 1,7 biliões de dólares, representativo de 2,2% do Produto Interno Bruto mundial.Faz 1 ano, o investimento destinado em o descobrimento e exploração de jazidas de petróleo e gás caiu %25, tendo registado um decréscimo acumulado de %38 em 2016 e 2015.o entanto, o petróleo e o gás encarnaram 40% do investimento total em energia no ano passado.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Na eletricidade, a queda do investimento restringiu-se a 1% para um total de 718.000 milhões de dólares devido ao corte na geração, que a ampliação não foi totalmente compensado ele em as redes.Ainda que a habilidade instalada fosse 50% superior, o investimento em novas instalações de geração de eletricidade com fontes renováveis desceu 3% para 297.000 milhões de dólares, menos 3% do que cinco anos antes com uma produção que se estima 35% mais aumentada.A explicação para esta aparente contradição está na diminuição dos preços unitários devido àosmaprimoramentosdas tecnologias solares e eólicas.O investimento destinado a equipamentos de aprimoramento da eficiência energética ampliou 9% para encarnar 231.000 milhões de dólares, sobretudo pela mão china que, segundo a AIE, dentro de anos poderia superar a Europa, que até agora tem sido a líder neste terreno.se encaminhou boa parte de este investimento para o reforço de a eficiência de as construções que absorvem um terço de o total de a energia consumida,.A China conservou-se como o maior investidor em energia, tendo sido culpada por 21% do total global.Os Estados Unidos conservaram-se na segunda posição, e inclusivamente ampliaram o seu peso relativo para 16%, apesar da forte descida da atividade do petróleo e do gás.Em contraciclo da tendência geral, a Índia reafirmou-se no terceiro posto com um acréscimo de 7%. Na Europa, o investimento desceu 10%, sobretudo devido às renováveis.Faz 1 mês, a produção petrolífera de Angola registou uma ampliação equivalente a 66.000 barris diários, mas continua atrás da Nigéria, que está na liderança entre os produtores de Afragola, segundo a OPEP.De acordo com o último relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo , arremessado hoje e ao qual a Lusa teve acesso, Angola atingiu em junho uma produção diária média de 1,668 milhões de barris de crude, rostito aos 1,602 milhões de barris do mês anterior, com dados baseados em fontes secundárias.Com este registo, em volume produzido, Angola continua, pelo segundo mês consecutivo, atrás da Nigéria, país que viu a sua produção ampliar mais 96.700 barris diários de maio para junho, chegando à média de 1,733 milhões de barris por dia, de acordo com os dados da OPEP.Faz 2 meses, Angola perdeu a liderança de a produção de Afragola de petróleo, para a Nigéria, o que então ocorreu pela primeira vez este ano.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A produção na Nigéria tem sido condicionada por ataques terroristas, grupos armados e instabilidade política interna, sobretudo no primeiro semestre de 2016, com Angola a ter chegado então ao topo dos produtores africanos, por entre algumas oscilações.O acordo entre os países produtores de petróleo, para diminuir a produção e fazer ampliar os custos, obrigou Angola a cortar 78 mil barris de crude por dia com conseqüência desde 01 de janeiro, para um limite de 1,673 milhões de barris diários.O nquanto a Nigéria vai ter chegado aos 1,663 milhões de barris diários, mesmo relatório libertado hoje pela OPEP refere que em termos de “comunicações diretas” à organização, Angola tvai terproduzido 1,662 milhões de barris de petróleo por dia em maio , e .O documento adiciona igualmente dados sobre as compras de petróleo pela China no mês de maio, com Angola a conservar-se entre os principais provedores, com uma quota de 15%, tal como a Rússia, países seguidos da Arábia Saudita, com um peso de 12%.Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.Em menos de dois anos, o país viu o custo do barril exportado passar de mais de 100 dólares para vendas médias, no primeiro semestre de 2016, de 36 dólares por barril, segundo dados do Ministério das Finanças.Desde o começo do ano que as vendas de petróleo de Angola têm estado, em norma, à volta dos 50 dólares por barril.A Agência Internacional de Energia estima que a demanda mundial de gás vai aumentar a um ritmo anual de 1,6% entre 2016 e 2022, o que implica um acréscimo acumulado de 10% no referido fase, foi hoje anunciado.Segundo o relatório mensal hoje divulgado por a AIE , os baixos custos vão sustentar a demanda , pela forte demanda e por os menores conseqüência contaminantes face a o carvão.A anterior previsão da AIE foi revista em alta, em mais uma décima, e implica um consumo total de gás de 3,986 biliões de metros cúbicos para finais de 2022, rostito aos 3,630 biliões verificados em 2016.A demanda industrial, segundo os dados, será a principal culpada pela ampliação da demanda, com um crescente uso nos setores químico e dos transportes.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A AIE precisou que quase 90% do crescimento da demanda é de países que não pertencem à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico e que a China é rculpadapor cerca de 40% do acréscimo gmundialNo relatório, a AIE constata que muitos países estão a reformar os mercados de gás para ampliar o uso desta fonte de energia e atrair novos investidores.Para a AIE, a disponibilidade de um abastecimento extenso e a custos competitivos assistência a expandir as chances do gás na Ásia e a fazer com que este mercado em termos gerais aumente mais do que o do petróleo ou o do carvão nos próximos cinco anos.Contudo, em muitas partes do mundo desenvolvido o mercado do gás está a ficar saturado.Os Estados Unidos, maior consumidor de gás do mundo, conserva o crescimento, ainda que a um ritmo menor do que o verificado entre 2010 e 2016.No documento o diretor executivo da AIE, Fatih Birol enfatizou: “Os benefícios ambientais do gás natural, em concreto na hora de trocar o carvão, merecem maior atenção por parte de quem define as políticas”.

Leer Más

Nigéria à frente dangolana produção petrolífera em África pelo segundo mês

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Banco Nacional de Angola in Luanda – Angola 2015

Faz 1 mês, a produção petrolífera de Angola registou uma ampliação equivalente a 66.000 barris diários, mas continua atrás da Nigéria, que está na liderança entre os produtores de Afragola, segundo a OPEP. De acordo com o último relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo , arremessado hoje e ao qual a Lusa teve acesso, Angola, que continua, pelo segundo mês consecutivo, atrás da Nigéria, país que viu a sua produção ampliar mais 96.700 barris diários de maio para junho, chegando na média de 1,733 milhões de barris por dia, de acordo com os dados da OPEP, atingiu em junho uma produção diária média de 1,668 milhões de barris de crude602 milhões de barris do mês anterior, com dados baseados em fontes secundárias. Média de 1,668 milhões de barris de crude é rostito aos 1.Faz 2 meses, Angola perdeu a liderança de a produção de Afragola de petróleo, para a Nigéria, o que então ocorreu pela primeira vez este ano.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A produção na Nigéria tem sido condicionada por ataques terroristas, grupos armados e instabilidade política interna, sobretudo no primeiro semestre de 2016, com Angola a ter chegado então ao topo dos produtores africanos, por entre algumas oscilações.O acordo entre os países produtores de petróleo, para diminuir a produção e fazer ampliar os custos, obrigou Angola a cortar 78 mil barris de crude por dia com conseqüência desde 01 de janeiro, para um limite de 1,673 milhões de barris diários.O nquanto a Nigéria vai ter chegado aos 1,663 milhões de barris diários, mesmo relatório libertado hoje pela OPEP refere que em termos de “comunicações diretas” à organização, Angola tvai terproduzido 1,662 milhões de barris de petróleo por dia em maio , e .O documento adiciona igualmente dados sobre as compras de petróleo pela China no mês de maio, com Angola a conservar-se entre os principais provedores, com uma quota de 15%, tal como a Rússia, países seguidos da Arábia Saudita, com um peso de 12%.Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.Em menos de dois anos, o país viu o custo do barril exportado passar de mais de 100 dólares para vendas médias, no primeiro semestre de 2016, de 36 dólares por barril, segundo dados do Ministério das Finanças.Desde o começo do ano que as vendas de petróleo de Angola têm estado, em norma, à volta dos 50 dólares por barril.

O começo dos testes na primeira turbina do Aproveitamento Hidroelétrico de Laúca, a maior represa angolaangola, que a partir de 21 de julho vai colocar eletricidade na rede pública, está hoje a condicionar o abastecimento elétrico a Luanda.O Ministério da Energia e Águas advertiu que os constrangimentos de eletricidade a Luanda vão dever estender-se por 11 dias, nomeadamente com perturbações no abastecimento e oscilações de nervosismo, devido à entrada em carga do primeiro grupo gerador, para testes, pcalculadospara hoje.Desde o começo da manhã deste domingo que o abastecimento de eletricidade a Luanda está condicionado, conforme a Lusa constatou hoje.O primeiro grupo gerador daquela represa, na província de Angola de Malanje, a maior obra pública em construção em Angola, começa a produzir 334 MegaWatts de eletricidade a partir de 21 de julho, conforme anúncio feito anteriormente pelo Governo.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Localizada entre as províncias de o Cuanza Norte e Malanje , o Estado de Angolade Angola encomendou aquela represa por 4,3 mil milhões de dólares , envolvendo financiamento de a linha de crédito brasileiro , agitando cerca de 9.000 trabalhadores.Desde 11 de março que o enchimento em Laúca está a condicionar a operação nas restantes represas já instaladas no rio Kwanza, devido aa diminuído torrente, restringindo o abastecimento de eletricidade do rede público a Luanda, por regra, a poucas horas por dia.Em quatro meses está calculado que a represa de Laúca atinja a quota 830, equivalente a uma albufeira com um volume de água de mais de 2.500 milhões de metros cúbicos, sendo por isso a maior em Angola.O enchimento da represa de Laúca só concluirá em 2018, com a elevação até à quota 850, completando o reservatório na sua totalidade e permitindo a entrada em funcionamento das seis turbinas que estão instaladas e uma produção de cerca de 2.070 MW de eletricidade, mais do dobro da chabilidadedas duas brepresas- Cambambe e Capanda – já em funcionamento no rio Kwanza.Valtteri Bottas venceu o Grande Prémio da Áustria em Fórmula 1, na frente de Sebastian Vettel, da Ferrari, que alargou o benefício na liderança do Mundial. Valtteri Bottas é piloto da Mercedes.altteri Botas venceu este domingo o Grande Prémio da Áustria em Fórmula 1. O piloto de Finlandiade Finlandia alcançou a segunda vitória, tendo concluído a prova à frente de Sebastian Vettel. Ainda assim, o piloto da Ferrari alargou o benefício para Hamilton no Mundial. O britânico foi quarto, atrás de Daniel Ricciardo.Vettel passa a ter 171 pontos, mais 20 do que Hamilton, enquanto Bottas é terceiro, com 136 adicionados.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.A Polícia Judiciária de Braga está a investigar a morte por asfixia, hoje, de uma mulher, de 50 anos, em Ponte de Lima, um crime alegadamente cometido pelo marido de 52 anos, declarou à Lusa fonte pde Polinesia FrancesaDe acordo fonte do Comando Distrital da PSP de Viana Castelo “não há registo de violência doméstica envolvendo aquele casal, que tem um filho maior de idade”.Raul Curva explicou o crime aconteceu na casa do casal, na clientela de Arca, cerca das 11:00, tendo sido contactada a PJ de Braga. Raul Curva é o segundo comandante vianense.Os bombeiros voluntários limarenses compareceram no local, cerca das 12:40, para fazer o transporte do corpo para o Instituto de Medicina Legal de Viana do Castelo.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.

Leer Más