Caso haja combate na Península Coreana, embaixadas já têm plano para retirar brasileiros

Por: SentiLecto

Sob fogo atravessado da combate — até agora — retórica entre Coreia do Norte e EUA, os quase 77 milhões de moradoras da península coreana procuram conservar a vida normal. Ao GLOBO, o embaixador brasileiro na Coreia do Sul, Luis Serra, e o encarregado de negócios na Coreia do Norte, Cleiton Schenkel, garantem que o nível de nervosismo já foi bem mais elevado na região e que, diferentemente do que se poderia imaginar, não há pessoas buscando refúgios ou sinais de pânico. Mesmo assim, reconhecem que a comunidade diplomática já desenvolveu planos de contingência para uma retirada de pessoal das áreas afetadas em uma eventual intervenção militar. Há 60 anos pairam sobre os dois países a ameaça de um novo conflito. Serra alega que o nervosismo não tem linearidade e que as pessoas se acostumaram a ela.

Leer Más