Presidente do BC tenta aliviar mercado após dólar progredir 8%

Por: SentiLecto

Ilan Goldfajn alegou nesta quinta-feira que, neste momento de crise política, o trabalho do BC deve ser “ininterrupto, calmo e firme”. Ilan Goldfajn é o presidente do Banco Central.

Leer Más

Dólar cai 17,7% ante o real em 2016, maior recuo em 7 anos, mas incertezas rondam 2017

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

– O impeachment da presidente Dilma Rousseff, que gerou otimismo de mudança na política econômica, e a expectativa de que a democrata Hillary Clinton ganharia a presidência dos Estados Unidos sustentaram a trajetória de queda do dólar ante o real ao longo de 2016, e levaram a moeda norte-americana a registrar a maior recuo anual ante o real em sete anos. Mas a cena política brasileira ainda conturbada, com importantes figuras do governo –inclusive o presidente Michel Temer– mencionadas em delações premiadas da operação Lava Jato, e Em 1 ano, a admirável triunfo de Donald Trump em a corrida presidencial norte-americana acenderam o sinal de alerta em os mercados, com expectativa de turbulências em a frente.O dólar fechou o último pregão do ano em queda de 0,94 por cento, a 3,2497 reais na venda, acumulando no ano desvalorização de 17,69 por cento, na primeira queda anual desde 2010 e a maior desde 2009 . Entre 2011 e 2015, durante o governo da ex-presidente Dilma, a moeda norte-americana saltou 137 por cento ante o real. Faz 6 meses, só a moeda norte-americana perdeu 4,06 por cento ante o real, a maior queda desde o recuo de 11,05 por cento de junho. “É difícil saber o que predominará. Há vários elementos que podem escapar das expectativas”, sintetizou o economista-sênior do Banco Haitong, Flávio Serrano. Recente pesquisa da Reuters já havia tomado esse pulso, ao mostrar estimativas para o dólar em 2017 com grande pausa, de 2,98 a 3,88 reais. O futuro governo Trump é um fator de pressão de alta para o dólar ao redor do globo, inclusive no Brasil, devido a promessas de maiores gastos e diminuição de impostos que podem obrigar o Federal Reserve, o banco central norte-americano, a aumentar mais do que o esperado os juros nos Estados Unidos. O Fed subiu recentemente os juros, como amplamente esperado diante da recuperação da maior economia do mundo, e calculou que em 2017 deverão acontecer outras três altas. Juros maiores nos EUA têm potencial para atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro. E com o Banco Central brasileiro em processo de diminuição dos juros básicos, hoje a 13,75 por cento, o mercado de cotação no país pode padecer com a saída de investidores. “Pelo livro texto, menos juros significa dólar mais alto. Mas o conseqüência não está claro”, alegou o economista da consultoria Tendências Silvio Campos Neto. “Assim, o mais condizente seria um dólar mais apreciado do que está, fechando 2017 em 3,60 reais”, deduziu. Mas há quem acredite em um cenário mais suave. “Trump não tem que colocar em prática tudo o que prometeu na campanha, o qTelêmaco Genovesi Jr para quem o dólar tem que rondar o atual platô ou mesmo recuar ante o real em 2017. Telêmaco Genovesi Jr é o sócio-gestor da Gestora GGR Investimentos. Telêmaco Genovesi Jr é o sócio-gestor da Gestora GGR Investimentos. Ele referia-se às promessas radicais do republicano, como revisão de acordos comerciais e protecionismo. Sem tirá-las no papel, o atual status comercial de países como o Brasil seriaconservadoo pelos Estados Unidos. E, mesmo com as projeções de que a Selic no Brasil caia a cerca de 10 por cento em 2017, a taxa continuará sendo uma das mais altas do mundo, com potencial para atrair investidores. Ainda mais se a economia mostrar recuperação no próximo ano. O estrategista-chefe do BNP Paribas para Câmbio e Renda Fixa na América Latina, Gabriel Gersztein comentou: “Os custos dos ativos estão depreciados e, com a melhora do país, em meio ao ajuste , tem que haver maior demanda por parte dos investidores estrangeiros”. Avaliou: “O dólar, se o cenário favorável se confirmar, pode cair até os 3 reais”. TURBULÊNCIAS AQUI Se no exterior o governo Trump é a principal questão para a conduta do dólar, internamente o andamento da economia doméstica é um outro fator que vai ter ascendência sobre a moeda norte-americana, da mesma maneira que o cenário político. O ano de 2016 pode ser considerado um dos mais turbulentos na cena política e econômica nos últimos anos, com o país passando por um impeachment, forte recessão e sérias acusações de corrupção –sobretudo no âmbito da operação Lava Jato– envolvendo importantes figuras políticas. Com a economia sem dar sinais consistentes de recuperação em breve, os agentes econômicos se voltam agora para as reformas prometidas pelo governo de Michel Temer, sobretudo a da Previdência, e que dependem do Congresso Nacional. “No fundo, a preocupação do mercado é com o andamento das reformas. Não importa quem esteja lá “, alegou o economista-chefe da corretora Infinity Asset, Jason Vieira, se elas forem aprovadas. Neste ano, o Produto Interno Bruto brasileiro terá que recuar cerca de 3,5 por cento, segundo a pesquisa Focus do BC, realizada semanalmente com uma centena de economistas. Em 1 ano, e a expectativa é de elevação de somente 0,50 por cento. INTERVENÇÃO Em meio ao cenário muito conturbado, o Banco Central atuou pesadamente no mercado de cotação ao longo de 2016, sobretudo por meio dos leilões de swaps. Com a virada do ano e as incertezas que ainda rondam, a expectativa é de que o BC não deixe a cena, mesmo que seja para rolar os swaps tradicionais –equivalentes à venda futura de dólares. “Acho provável uma rolagem , pelo menos parcialmente. Não é do interesse do BC que esse vencimento faleça para não gerar pressão de alta diante do que vem pela frente em 2017″, comentou o operador da corretora H.Commcor, Cleber Alessie Machado. A última intervenção da autoridade foi em 13 de dezembro, por meio de leilão de linha –venda de dólares com compromisso de recompra. O estoque total de swaps está o equivalente a 26,6 bilhões de dólares, segundo dados do BC.

– O dólar operava em baixa ante o real nesta quinta-feira, em sintonia com o conduta da moeda ante divisas emergentes no exterior e em dia de formação da Ptax de dezembro. Às 10:12, o dólar recuava 0,66 por cento, a 3,2589 reais na venda. Na véspera, a moeda subiu 0,21 por cento, a 3,2805 reais. Na mínima, a moeda marcou 3,2550 reais e, na máxima, 3,2740 reais. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,80 por cento nesta manhã. A definição da Ptax, taxa referencial do Banco Central para ajustes de contratos cambiais e para balanços corporativos, pode trazer volatilidade aos negócios. “Acabou o dia, quando acabar a Ptax. Não tem que ter muita movimentação nesta tarde. O ano acabou. O dado norte-americano que o mercado vai monitorar sai ainda pela manhã”, comentou o operador da Advanced Corretora Alessandro Faganello. Se vai conhecer o número semanal de pedidos de auxílio-desemprego em os Estados Unidos em as 11:30.Na véspera, o indicador de vendas pendentes de moradias nos EUA caiu 2,5 por cento, ante previsão de alta de 0,5 por cento. Os dados norte-americanos estão sob o foco do mercado para avaliar a condução da política monetária no país. No exterior, o dólar cedia nesta manhã ante divisas de países emergentes e ligados a commodities, como o peso mexicano e o rand sul-africano. Faz 16 dias, o Banco Central não anunciou nenhuma intervenção em o mercado de cotação por enquanto, estando de fora de o mercado desde o último. – O dólar rondava a estabilidade sobre o real nesta segunda-feira, em dia de liquidez ainda mais diminuída diante do feriado nos Estados Unidos e na Europa após o Natal, que conservava os mercados fechados. Às 10:01, o dólar recuava 0,07 por cento, a 3,2678 reais na venda. Faz 5 meses, a moeda norte-americana acumulou perda 3,56 por cento, a maior queda semanal desde o fase concluído em 1º de julho, em a semana passada. O dólar futuro cedia 0,03 por cento nesta manhã. O operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello comentou: “Liquidez ainda menor é o que se espera nesta última semana do ano e, com o baixo volume de negócios, o mercado será direcionado por operações pontuais”. No exterior, o dólar recuava ante algumas divisas de países emergentes e ligados a commodities, como o rand sul-africano. Um operador de cotação de uma corretora local comentou: “O mercado tem que ter facilidade de movimentação com a baixa liquidez, indo para cima e para baixo ao sabor das operações”. O Banco Central, por enquanto, não havia anunciado intervenção no mercado de cotação para esta sessão. Faz 16 dias, a última atuação ocorreu.- O custo nominal da soja brasileira registrou sua maior média anual em 10 anos em 2016, alegou nesta quinta-feira o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada , em ano marcado pela quebra de colheita, fortes exportações e dólar mais alto. [nIGB3A2EE4] O Indicador da soja Paranaguá ESALQ/BM&FBovespa, referente ao grão depositado no corredor de exportação e negociado na modalidade spot , no porto de Paranaguá , alcançou média de 81,52 reais/saca de 60 kg em 2016, o valor mais alto em termos nominais registrado na série histórica do Cepea, começada em 2006.[ESQ/SOY/ANALYSP] Ao deflacionar , a média é a mais alta dos últimos três anos, adicionou o Cepea. A força no mercado nacional, de acordo com o Cepea, deve-se principalmente às negociações antecipadas da scolheita2015/16 por produtores, além da forte dprocurapelo grão, tanto doméstica quanto internacional, iinfluídapela força do dólar ante o real –o Brasil é o maior exportador gmundialde soja. O Cepea declarou: “O impulso veio principalmente da postura retraída de produtores, que negociaram grande parte da colheita 2015/16 antecipadamente, ainda em meados de 2015″. Segundo o Cepea, a alta nos custos da soja no Brasil já vinha sendo observada desde que parte das lavouras foram prejudicadas por más condições climáticas em meados de 2015. Já em 2016, a procura por exportações, notada principalmente no primeiro semestre, contribuiu para alta. Faz 6 meses, favorecido por a quebra em a produção de a Argentina, o Brasil totalizou 38,56 milhões de toneladas de soja a junho, volume lembre para o fase, informou o Cepea. No segundo semestre, a procura externa pela soja e seus derivados reduziu, principalmente em razão da colheita recorde nos Estados Unidos, o que pressionou os câmbios domésticas da soja. No entanto, os produtores permaneceram retraídos, o que tornou lenta a comercialização da colheita 2016/17.

Leer Más

Ministro de Minas e Energia convida iniciativa privada a auxiliar o país a voltar a aumentar

Foto: Wikipedia – CoelhoDomestico

CARAJÁS, PARÁ – O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho, fez um chamado à iniciativa privada para voltar a investir no país e aauxiliaro governo a enfrentar a atual crise econômica. Ele participou na manhã deste sábado da inauguração do projeto bilionário da Vale S11D Eliezer Batista, em Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará. Coelho estava encarnando o presidente Michel Temer, que cancelou sua ida ao acontecimento em cima da hora por causa da chuva. A data da inauguração, calculada inicialmente para quinta-feira passada, havia sido remarcada a pedido do presidente, porque coincidia com o dia do anúncio das medidas econômicas. Temer desejava fazer do projeto uma agenda positiva, num momento de forte crise econômica e política. O S11D é investimento de US$ 14,3 bilhões. — Trago uma mensagem de otimismo. O Brasil vive um momento de muita dificuldade. Precisamos comportar-se, o governo e a iniciativa privada e todos aqueles que desejam inaugurar um novo momento no Brasil. Esse projeto é uma aposta e reafirmação da confiança de que o Brasil vai voltar a aumentar. Precisamos de pessoas e companhias como a Vale, o Bradesco e Mitsui para continuar nos liderando em momentos de obstáculo e assinalar o rumo. Vamo ter muitas dificuldades, mas Em 1 ano, vai ser, sim, melhor que o de 2016 — alegou Coelho, o ano de 2017. Bradesco e Mitsui são sócias privadas da Vale. Os presidentes de ambas as companhias, Luiz Carlos Trabuco e Tatsuo Yasunaga , estiveram no acontecimento, numa Murilo Ferreira, que está sob fogo atravessado de políticos especialmente da bancada mineira do PMDB, para ser trocado. Murilo Ferreira, que está sob fogo atravessado de políticos é o presidente da mineradora. Murilo Ferreira, que está sob fogo atravessado de políticos é o presidente da mineradora. Também esteve presente o presidente do Conselho de Administração da companhia, Gueitiro Genso, que encarna a Previ , igualmente sócia da Vale. O ministro também demonstrou suporte a Ferreira, que evidenciou a magnitude do investimento num momento de crise não somente no Brasil mas no setor mineral, com a queda nos custos do minério de ferro, carro-chefe da Vale, nos últimos anos, : — É o dever de qualquer um que esteja investido na posição de ministro de Estado de Minas e Energia estar ao lado da Vale, principalmente depois de ela ter deixado de ser estatal. tocou a pauta da mineração do Brasil, muitas vezes sozinha, não tendo do governo federal o suporte necessário para que essa indústria pudesse funcionar — alegou Coelho, evidenciando que Temer havia pedido para protelar o acontecimento, de modo que pudesse participar mas que, devido ao mau tempo, não pôde comparecer. — Apesar da perda admirável de receita no fase de implementação do projeto, levamos à frente o S11D. Faz 5 anos, quando tomamos a resolução de levá-o em a frente, a tonelada de minério chegou a US $ 191, em 2011. Faz 11 meses, de este ano, chegou a US $ 37, em janeiro. Uma perda de 80% de nossa receita — alegou o executivo, que não falou com o jornalismo. — Sabemos que o Brasil passa por obstáculo bastante grande, mas nem por isso demos as costas ao passado grandioso da Vale. PROJETO INCLUI RAMAL FERROVIÁRIO O S11D foi gestado na gestão de Roger Agnelli, ex-presidente da Vale morto em acidente de helicóptero este ano. Faz 5 anos, Ferreira assumiu a companhia. Os investimentos de US$ 14,3 bilhões abrangem US$ 6,4 bilhões aplicados na mina e na usina de beneficiamento e US$ 7,9 bilhões em logística. Além da construção de um ramal ferroviário de 101 quilômetros, a Estrada de Ferro Carajás , que liga Pará ao Maranhão, teve de ser expandida, vai exportar-se o minério assim como o terminal marítimo de Ponta da Madeira, em São Luís, de onde . Uando a companhia estima produzir entre 400 milhões e 450 milhões de toneladas, considerando todas as minas, o projeto vai somar 90 milhões de toneladas de minério de ferro à chabilidadede produção da Vale, a partir de 2020, q.Este ano, a produção total da Vale tem que ficar entre 340 milhões e 350 milhões de toneladas. O empreendimento recebeu o nome a partir da sua localização: trata-se do bloco D do corpo S11, que fica na Serra Sul da grande região de Carajás, no Pará. Na Serra Norte, está a mina de Carajás, em operação desde 1985, situada em Parauapebas, município vizinho a Canaã, sede do projeto S11D. A vida útil do S11 é de 30 anos. Nas projeções do geólogo Breno Augusto dos Santos, ex-funcionário da Vale e culpada pelo descobrimento de Carajás, se considerados os quatro blocos do S11 , o potencial de exploração de minério de ferro é para cerca de um século: — A Vale vai iniciar na Serra Sul, no corpo D, o que significa que tem o A, o B e o C. A maior reserva de Carajás é Serra Sul. A Vale está iniciando na pontinha dela. Então, só na Serra Sul, a Vale tem produção por mais um século – alegou Santos, que esteve no acontecimento de inauguração. A cerimônia de inauguração foi rápida. Iniciou por volta de 12h e durou menos de 50 minutos. Além de Temer, teve outras baixas importantes. Simão Jatene não foi na inauguração Simão Jatene é o governador do Pará. pois Alberto Jatene foi preso nesta sexta-feira em operação da Polícia Federal. Alberto Jatene é seu filho. Se o investiga de ter recebido R 750 mil em um esquema de corrupção a chamada Cfem, em o estado . $ envolvendo royalties de a mineração, a chamada Cfem, no estado. O ex-presidente da Vale Eliezer Batista não foi por problemas de saúde. O projeto foi batizado em sua homenagem. Também não houve representante do BNDES no palco. Representante do BNDES é sócio da Vale. *A repórter viajou a convite da Vale

O investimento de companhias, porém, desapontou o mercado com a divulgação dos resultados do PIB do terceiro trimestre.O discurso do ministro foi um pedido ao empresariado para que volte a investir. Em meio a uma crise fiscal, o governo conta com a iniciativa privada para a retomada do crescimento econômico.

Leer Más

Glencore vende unidade agrícola por US$2,5 bi para fundo de pensão canadense

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

LONDRES – A mineradora e trader Glencore acertou a venda de 40 por cento de sua unidade agrícola para um fundo de pensão do Canadá por 2,5 bilhões de dólares, em mais um passo para diminuir a dívida e aliviar investidores, inquietados com o efeito dos baixos custos das commodities sobre a empresa. A operação avaliou a unidade de agricultura em um total de 10 bilhões de dólares, incluindo 0,6 bilhão de dólares em dívidas e 2,5 bilhões em estoques, após a Glencore, que o grupo declarou que pretende diminuir a dívida para entre 17 e 18 bilhões de dólares ao final de 2016, ante um pico de 30 bilhões de dólares no ano passado, declarar no último mês que calculava continuar com seu plano de diminuição de dívidas por meio de vendas de ativos.

O CPPIB assumiria uma parcela de até 40 por cento, avaliando o negócio em cerca de 6 bilhões de dólares, declarou o jornal nesta terça-feira, mencionando uma fonte.

Leer Más

Empregador pode pagar Simples Doméstico sem multa até amanhã

BRASÍLIA – Os empregadores domésticos têm até esta quinta-feira para realizar o pagamento do Documento de Arrecadação do eSocial de março. Ele reúne em uma única guia as contribuições fiscais, trabalhistas e previdenciárias que precisam ser recolhidas pelos empregadores domésticos.

Leer Más