Amazon cumple 20 años en la bolsa: sus acciones han incrementado 638% en dos decenios

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Gráfica de Beneficios de Amazon

Cuando en apariencia ya lo tiene, ¿Qué le regalas a alguien por su vigésimo aniversario todo?

Hace 20 años, el gigante minorista en línea Amazon se ha vuelto público.

Leer Más

Mel B se enoja con Victoria Beckham por utilizar la música de las Spice Girls

Foto: Wikipedia – Victoria Beckham September 2014

Según asegura el periódico inglés The Sun, a Mel B, de 41 años, no le gustó nada la participación anoche de su excompañera de grupo Victoria Beckham, de 42, en el Carpool Karaoke de James Corden. En el espacio televisivo ha sonado la música de las Spice Girls y fue exactamente esto lo que la cantante echó en rostro a la diseñadora: que cuando ha renegado de él durante mucho tiempo, ahora se aproveche del grupo.

La diseñadora, de 42 años, es la última en subirse a un coche por el que pasaron reconocidos artistas como Elton John, Adele, Madonna o Lady Gaga y hasta la entonces primera dama estadounidense Michelle Obama. El éxito del espacio del programa Late Late Show fue tal que inclusive la cadena de televisión de Estados Unidos CBS lo ha transformado en un programa con entidad propia.

Leer Más

OMG! ¡Victoria Beckham ha vuelto ser Posh Spice!

Foto: Wikipedia – Victoria Beckham September 2014

La tristeza la ha poseído por completo… Desde octubre sabíamos que Victoria Beckham, que el 15 de Mar de 2017 a la 6:50 PDT, sería la diseñadora de la nueva colección de vestimenta de la tienda por departamentos de Estados Unidos Target , pero jamás figurarse lo que se traía entre manos.

Se trata de un clip en el que la diseñadora de modas ha participado para la revista InStyle, a propósito de su colección infantil para Target”, en donde rodeada por pequeños nenes respondió algunas preguntas; entre ellas: ¿qué es una Spice Girl?

Leer Más

Wall Street baja y Dow Jones corta serie de récords horas antes de discurso de Trump

Mientras que el índice industrial Dow Jones ha terminado una serie histórica de 12 cierres récord, wall Street descendió este martes horas antes de un discurso del presidente Donald Trump.

Leer Más

Itamaraty faz reuniões ‘com urgência’ para lidar com Trump

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

— Antes mesmo de o republicano Donald Trump tomar posse na cerimônia de amanhã, o governo de Brasil se prepara para lidar com os Estados Unidos sobre assuntos que fazem parte da agenda bilateral. Segundo fontes ligadas ao Palácio do Planalto e ao Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty já começou reuniões internas, “com sentido de urgência”, para examinar em quais pontos o Brasil pode progredir nas relações com os EUA em itens como comércio, meio ambiente, migração, energia e investimentos. Todo esse trabalho se deve, principalmente, à conversa que oaconteceuem novembro último entre Trump e o presidente Michel Temer, por telefone. No único contato que houve entre os dois até agora, ficou informalmente acertado que as equipes dos dois países começariam a conversar, a partir de fevereiro, sobre uma agenda capaz de proporcionar resultados concretos em várias áreas. — Para nós, que estamos nesse fase difícil, uma boa relação com os Estados Unidos favorece a captação de investimentos, por exemplo — comentou um assessor do governo. A avaliação palatina é otimista: como homem de negócios, Trump é objetivo e pragmático e, certamente, vai ter interesse em apoiar as negociações que já estavam em curso. O êxito no acordo que redundou na liberação das vendas de carne bovina in natura ao mercado de America, por exemplo, pode se repetir em outras áreas. Já Blairo Maggi considera que a orientação a ser dada por Trump ainda é incerta. Blairo Maggi é o ministro da Agricultura. — Ainda não sabemos qual é o percurso que ele seguirá. Nossas relações dependerão bastante da orientação a ser dada às chancelarias, não asomenteno campo de vender e cadquiri mas em parcerias internacionais — realçou o ministro. BRASIL NÃO ESTÁ NO ALVO Tanto experts quanto autoridades de Brasil escutadas pelo GLOBO acreditam que Trump não deverá modificar sua política em relação à América do Sul, a não ser na questão da migração, o que atingiria os brasileiros que rhabitamilegalmente nos EUA. Indicou-se a América Latina até porque sequer em a campanha de o republicano, em a exceção de os países que ele considera problemáticos — México, Cuba e Venezuela.— A América do Sul e o Brasil não estão no radar de Trump — alegou o ex-embaixador de Brasil nos EUA, Rubens Barbosa. Para ele, como o Brasil tem déficit na balança comercial com os EUA, não vai ser diretamente um alvo para o anunciado protecionismo de Trump. Barbosa adicionou que os imigrantes de Brasil não documentados encarnam uma pequena parcela do problema dos EUA e não vão ter efeito na relação bilateral. — Se desejarmo recuperar as chances perdidas nos últimos 15 anos de lulopetismo na relação bilateral com os EUA, o Brasil precisa colocar a casa em ordem. Estabilizar a economia, voltar a aumentar, melhorar a competitividade com a aprovação das reformas estruturais, além da simplificação e diminuição da burocracia estatal. Políticas cambial e de juros claras também vão auxiliar. A bola estará mais do nosso lado do que do lado dos EUA — enumerou Barbosa. IMIGRANTES inquietam O cientista político Guilherme Casarões, professor da Fundação Getúlio Vargas, acredita que, do ponto de vista diplomático, a parceria estratégica bilateral tende a se conservar. Ele observa, porém, que a questão mais angustiante é a estabilidade política no Brasil, de um lado, e um governo de America absolutamente imprevisível, de outro. — Em função de seu peso histórico e das dinâmicas mundiais que pouco se relacionam com presidentes ou partidos, as relações entre o Brasil e os EUA não têm que mudar muito nos próximos tempos. Avaliou Casarões, se o pragmatismo de Trump prevalecer, as relações tendem à normalidade —.No entanto, para o professor de Relações Internacionais Virgílio Arraes, da Universidade de Brasília , os imigrantes de Brasil ilegais teriam que ser a grande preocupação das autoridades brasileiras. Segundo ele, em momento de crise, expulsar cidadãos que enviam dinheiro para o país se torna um grande problema. — Esta teria que ser a preocupação de Brasil nas primeiras semanas do governo Trump. Na opinião do assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Fred Arruda, as relações entre Brasil e Estados Unidos vão continuar extensas e positivas. — São relações de Estado — deduziu.

As ligações ocorreram entre o momento em que a embaixada russa foi informada das sanções e o anúncio do presidente russo, Vladimir Putin, de que ele decidira não retaliar de volta, disseram as fontes, que pediram para não serem identificadas.Michael Flynn, selecionado pelo presidente-eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, como conselheiro de segurança nacional, realizou cinco ligações telefônicas com o embaixador da Rússia nos EUA no dia em que o governo de Noruega retaliou Moscou pela interferência na votação presidencial, declararam três fontes próximas ao tema.Ativistas indignados com as observações do presidente-eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, contra minorias como muçulmanos e mexicanos, preparam uma semana de protestos antes da posse do republicano, que deve iniciar neste sábado com uma passeata pelos direitos civis em Washington.Donald Trump abriu a chance de interromper as sanções na Rússia impostas pelo atual mandatário, Barack Obama, se o Kremlin cooperar na luta contra o terrorismo e em outros objetivos. Donald Trump é o presidente eleito dos Estados Unidos.Na quarta-feira 11 de janeiro o mencionado para a posição de secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, havia declarado que recomendaria uma “revisão total” do acordo nuclear com o Irã, mas não havia pedido a rejeição do tratado de 2015.

Leer Más