Turquia remodela Governo, mas sem mudanças imprescindíveis

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Portrait of Binali Yıldırım (cropped)

Binali Yildirim anunciou hoje uma remodelação do seu salinha Binali Yildirim é o primeiro-ministro da Turquia., mas que não abrange os postos mais importantes, como os Negócios Estrangeiros, Interior ou Energia.Vários ministros trocam o enquanto outros que ocupavam até agora essa pasta assumem um ministério, seu posição pelo de vice-primeiro-ministro , no que está a ser encarado como a promoção de fiéis do Presidente, Recep Tayyip Erdogan, na hierarquia do Estado.Assim, o até agora vice-primeiro-ministro Nurettin Çanikli troca de posto com Fikri Isik enquanto o seu colega Numan Kurtulmus vai dirigi a Cultura e Turismo. Fikri Isik é o ministro da Defesa.Binali Yildirim nomeou para a Justiça o constitucionalista Abdulhamit Gul, que ocupa o lugar deixado por Bekir Bozdag, também assinalado para vice-primeiro-ministro.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Uma novidade foi a integração na equipa de Jülide Sarieroglu, que troca o ministro do Trabalho, Mehmet Müezzinoglu, e que se torna a segunda mulher da salinha após a titular da Família e Assuntos Sociais, Fatma Betül Sayan Kaya, que conserva o seu posto.Ao contrário da sua colega no Executivo, Sarieroglu não usa na sua fotografia oficial o lenço de Isla Bouvetde Isla Bouvet que apresentam cerca de metade das 33 deputadas do Partido da Justiça e Desenvolvimento .Ao todo, são integrados seis novos nomes num Governo com 27 representantes, incluindo cinco vice-primeiros-ministros, enquanto cinco ministros mudam de posição.anunciaram-se as mudanças em a salinha, admitidas desde há algumas semanas, após uma reunião de duas horas entre Yildirim e Erdogan.

Samaris vai uni-se esta segunda-feira ao grupo orientado por Rui Vitória.Samaris vai retornar ao trabalho com o plantel do Benfica esta segunda-feira, depois de ter tido mais uns dias de férias do que a maioria dos companheiros, por ter estado ao serviço da seleção da Grécia.Este domingo, o médio grego já esteve no centro de estágio do Seixal e mostrou nas redes sociais o que encontrou no seu cacifo.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.O Governo espera uma resposta de Bruxelas “em agosto ou setembro” sobre a candidatura submetida na segunda-feira para suportes para as regiões do Centro afetadas pelos incêndios de junho, perspetivou hoje o ministro do Planeamento e das Infraestruturas.Pedro Marques à questão ouando espera respostas da Comissão Europeia., bre q à respondeu: “Tenho a expectativa de que a resposta sobre o Fundo de Solidariedade possa ocoacontecer agosto ou em setembro, admito que em setembro, devido ao perfase que nos encontramos”. margem de uma conferência sobre o novo aeroporto, na Assembleia da República, o ministro lembrou que desde que os incêndios na região centro foram dados como controlados, em 21 de junho, começou a ser feito o levantamento de perdas, o que “era absolutamente essencial para fazer a reprogramação dos fundos comunitários e o pedido para o Fundo de Solidariedade [à Comissão Europeia]”.Seguiu-se trabalho técnico e o levantamento total das perdas até que fosse entregue, esta segunda-feira, o pedido de suporte a Bruxelas, referiu.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Aos jornalistas explicou: “Esperamos no caso da candidatura ao Fundo de Solidariedade que seja entregue um orçamento entre 10 e 12 milhões de euros, o valor máximo que pode ser atribuído”.O pedido refere que as perdas ascendem a 496,8 milhões de euros – 193,3 milhões referem-se a perdas diretas e os restantes 303,5 milhões a medidas de prevenção e relançamento da economia.O ministro informou que ainda esta semana vai ser entregue a reprogramação do programa operacional do Centro para auxiliar à recuperação das ecompanhiase das infraestruturas municipais.Pedro Marques mencionou que a recuperação das habitações já iniciou, havendo obras em cinco casas e estando agendadas reuniões esta semana com as pessoas afetadas para que “mais famílias possam iniciar as suas obras, sem que tenham de estar à espera de qualquer aprovação” para trabalhos até 25 mil euros.Também esta semana decorrem reuniões com as companhias para a apresentação de candidaturas para a recuperação da sua maquinaria e das suas instalações, com o ministro a admitir que o Estado adiante até 25% do valor que estiver em causa, antes das aprovações da reprogramação dos fundos comunitários.Pedro Marques enfatizou o protagonismo do acionamento de seguros, já que seguem, quando estes não forem suficientes-se suportes dos fundos, como os nacionais, uma vez que na segunda-feira foram ainda assinados protocolos com a União das Misericórdias, Fundação Gulbenkian e com a Cáritas de Coimbra.A região fustigada pelos fogos vai ter uma “mudanças estrutural” nomeadamente através do “ordenamento da floresta e alargamento e diversificação das atividades económicas, num trabalho que vai para o terreno a partir de amanhã [quarta-feira]”, informou ainda.Na quarta-feira, António Costa vai arremessar a “segundo período de reconstrução estrutural”. António Costa é o primeiro-ministro.Faz 1 mês, dois grandes incêndios iniciaram em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Se os extinguiram uma semana depois.Estes fogos vão ter afetado aproximadamente 500 habitações, 169 de primeira habitação, 205 de segunda e 117 já devolutas. Quase 50 companhias foram também afetadas, assim como os empregos de 372 pessoas.Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos na guerrazinha às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta.O primeiro-ministro iraquiano reconheceu que cometeram-se violações de os direitos humanos durante a combate de reconquista de a cidade de Mossul a o grupo radica Estado Islâmico , mas afirmou que o que esteve em causa foram “atos individuais”.Haider al-Abadi declarou aos jornalistas numa conferência de jornalismo esta terça-feira que quem esteve por detrás destas ocorrências ou era “ignorante” ou “estava concertado com o Daesh” — o acrónimo em árabe para EI -, com a intenção de “difamar as forças iraquianas”.O chefe do Governo declarou que tais violações da lei e da dignidade das pessoas “não são admissíveis” e garantiu que o seu governo castigará os culpados.divulgaram-se vídeos pouco depois de a declaração de triunfo sobre o EI em Mossul em as redes sociais a mostrar tropas iraquianas a atirar homens membros de o grupo radical muçulmano de cima de um muro alto alegadamente e a disparar seus corpos em seguida . contra os seus corpos em seguida.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.

Leer Más

Brasil abre quase 10 mil vagas formais em junho, pior que o esperado

Por: SentiLecto

– Faz 1 mês, o Brasil abriu 9.821 vagas formais de emprego, terceiro dado mensal positivo consecutivo, mas bem abaixo do esperado e puxado quase exclusivamente pela atividade agropecuária, em meio ao mercado de trabalho ainda mostrando fraqueza após dois anos de recessão. Em pesquisa Reuters junto a analistas, a expectativa era de abertura de 36 mil postos no mês passado. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta segunda-feira, dos oito setores analisados no mês, somente dois exibiram criação de vagas. O destaque ficou para a agropecuária, com abertura líquida de 36.827 postos, repetindo o bom movimento visto em maio. Segundo o ministério do Trabalho, o cultivo do café foi o carro-chefe do crescimento, com mais de 10 mil postos instituídos. Faz 1 mês, em a gestão pública, houve a abertura de 704 vagas. Já do lado negativo, as maiores perdas ficaram com construção civil , indústria da mudanças e serviços . “É bastante importante reconhecermos que o Brasil passou por uma recessão que foi uma das mais profundas da sua história”, alegou a jornalistas o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. O Caged mostrou ainda que, no primeiro semestre do ano, houve ganho líquido de 67.358 vagas, melhor para o fase desde 2014. Entre janeiro e junho de 2016, o país havia registrado perda líquida de 531.765 vagas, sem ajustes. Apesar de a taxa de desemprego estar recuando, ela ainda continuava em platô muito aumentados, acima de 13 por cento, com quase 14 milhões de pessoas sem uma atividade, segundo leitura mais recente feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística .

Leer Más

Ministério Público pede que reforma trabalhista seja vetada e estuda ação

Por: SentiLecto

O Ministério Público do Trabalho pediu nesta quarta-feira ao presidente Michel Temer que vete a reforma trabalhista, aprovada pelo Senado na noite de terça-feira, e caso sancionem, alegou que -se as mudanças, pode entrar com uma ação de inconstitucionalidade junto ao STF ou questionar na justiça os pontos que considera que violam a Constituição.

Leer Más

Jerónimo de Sousa lamenta resistência de PS, PSD e CDS sobre precários do Estado

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Coruche mural 25 Abril

O secretário-geral do PCP defendeu hoje a vinculação efetiva de todos os trabalhadores precários do Estado que correspondam a necessidades permanentes e lamentou a resistência de PS, PSD e CDS-PP nestas matérias.”A proposta de proibir o recurso a companhias de trabalho provisória e garantir a contratação direta com direitos, quando se trata de necessidades permanentes da companhia a quem é prestado se a votou serviço e recusada por PS, PSD e CDS. Outras aguardam debate e resolução. É o caso da iniciativa do PCP para garantir a efetividade executiva à Autoridade para as Condições de Trabalho , relativamente à qual o PS está a resistir”, dideclarouaz 3 meses, Jerónimo de Sousa, que lembrou a introdução de os contratos a termo, logo discursava em a audição pública denominada ” guerrazinha em a precariedade, emprego com direitos “, em o auditório Almeida Santos, em a Assembleia da República, após diversas intervenções de trabalhadores precários e representantes sindicais, entre outros.Ainda [a Constituição da República Portuguesa] tinha a tinta fresca quando, pela primeira vez, se abriu uma rachadura na muralha da construção jurídico-laboral com a aprovação da lei dos contratos a prazo. Declaravam-nos que era somente para situações excecionalíssimas, para proteger o trabalho sazonal. Passados 41 anos, podemos ver, afinal, o que Governo de então fez – do PS – foi abrir a porta à direita que depois a arrombou até ao estado atual”, aalegouAgora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.O líder comunista argumentou que, “independentemente da maneira – seja bolsa, estágio, contrato a termo certo, contrato emprego-inserção, falso recibo verde ou através de companhias de trabalho provisória ou ‘out-sourcing’ , todos os trabalhadores devem ter um vínculo efetivo”.”Defendemos a adoção de programas que garantam resposta para todos os trabalhadores da administração pública, nomeadamente cientistas, investigadores, técnicos e professores, assumindo-se que, no mesmo prazo geral de 31 de outubro, estejam resolvidas essas situações de precariedade de modo a serem efetivamente integrados durante o ano de 2018″, continuou.Jerónimo de Sousa adicionou ainda que, “independentemente dos trabalhadores que se registaram [no Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários da Administração Pública ], o Governo tem que assegurar junto de serviços e outras entidades a elaboração e entrega das listagens de todos os trabalhadores com vínculos precários que asseguram postos de trabalho permanentes”.Disse: “O PCP critica qualquer finalidade que, designadamente a pretexto de concursos, sirva para promover o despedimento de trabalhadores”.A deputada comunista Rita Rato prometeu que o seu grupo parlamentar vai voltar a debater o fim da caducidade da contratação coletiva e a reposição do tratamento mais favorável aos trabalhadores na negociação contratual na próxima sessão legislativa e que os deputados do PCP vão exibi vários propostas de mudança ao diploma governamental sobre o PREVPAP, em sede de discussão na especialidade.O parlamento aprovou sexta-feira, na generalidade, uma proposta de lei do Governo sobre o programa de regularização extraordinária de vínculos de trabalho precários no Estado, apesar dos votos contra da oposição, PSD e CDS-PP.Faz 2 meses, o ministro de o Trabalho, Solidariedade e Segurança Social anunciou que ” ” trabalhadores precários oficializaram candidaturas a o PREVPAP que visa os trabalhadores precários de a gestão direta, e indireta de o Estado a trabalhar entre 01 de janeiro de 04 de maio de este ano necessidades permanentes., exercendo, há pelo menos um ano, funções que respondam a necessidades permanentes.Faz 1 mês, o executivo socialista comprometeu se em a a produzir até junho de o próximo ano legislação necessária para regularizar os trabalhadores precários afetos a programas operacionais fundos comunitários, cujos concursos terão que ter começo durante o ano de 2018 e a ” “.

O secretário-geral do PCP defendeu sexta-feira uma diminuição no custo dos transportes e acusou o Governo do PS de não desejar adotar um conjunto de medidas necessárias para a determinação dos problemas do setor.Jerónimo de Sousa, durante a apresentação de candidatos da CDU aos órgãos autárquicos do concelho do Seixal, no distrito de Setúbal declarou: “Não podemos esquecer que continua por reverter o custo pago pelos utentes, que disparou com o Governo PSD/CDS com ampliações jamais abaixo dos 30%, sendo que em alguns casos os custos tiveram ampliações superiores a 100%”.Perante centenas de apoiantes na Praça Central da Torre da Marinha, no Seixal, o líder comunista recordou que o PCP tem vindo a delatar a “extraordinária degradação do serviço público de transportes que foi particularmente agravada durante o último Governo PSD/CDS e a questionar o governo minoritário do PS, apresentando também propostas que se têm revelado cada vez mais necessárias e urgentes”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Jerónimo de Sousa considerou, no entanto, que o Governo minoritário do PS está “enredado nos seus compromissos com o grande capital” e “tem resistido à adoção das medidas efetivas, capazes de responder à solução dos problemas, no Metropolitano, na Carris, na CP, na Transtejo e Soflusa”, da mesma fomaneiraue “continua a adprotelar concretização da cofinalizaçãoo projeto do Metropolitano Sul do Tejo”, que, por enquanto, serve apsomentes concelhos dealmadenses do Seixal.Faz 1 mês, em relação em a Transtejo e Soflusa, companhias que asseguram as ligações fluviais entre as duas margens de o rio Tejo, Jerónimo de Sousa defendeu que o anúncio de investimento de 10 milhões de euros que o Governo fez em o final ” é inseparável de a sistemática intervenção de o PCP, de a luta de os trabalhadores, de os utentes e de a ação de os municípios almadenses, Seixal e Barreiro.mbora reconheça que se trata de medidas que respondem a algumas das necessidades mais prementes, se foram concretizadas em tempo útil, Jerónimo de Sousa considera que “é necessária uma resposta mais extensa para garantir a operacionalidade e efetividade” dos transportes fluviais entre as duas margens do Tejo.Para o líder comunista, é necessária uma “mobilização de recursos para assegurar o saneamento financeiro das companhias públicas de transporte”, bem como a contratação de centenas de novos trabalhadores e o alargamento da oferta, deseja nas zonas abrangidas, deseja na frequência do transporte assegurado.A diminuição dos preços para as utentes, através de uma desagravamento das tarifárias, e a reposição dos descontos para alunas e idosos nos transportes públicos, foram outras propostas recomeçadas por Jerónimo de Sousa.O presidente do grupo parlamentar do PS, Carlos César, alegou hoje que as vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande não serão abandonadas, ao contrário do que ocorreu com as vítimas das cheias nos Açores, quando o PSD/CDS-PP era Governo.N ustentou.: “Nós somos solidários com o nosso país e, neste caso como em outro qualquer, não vamo deixar as pessoas sós e a recorrerem à banca sem a proteção, defesa e aassistênciado governo”,.a caminho a aliança PSD-CDS/PP estava no Governo.”, sua intervenção na apresentação da recandidatura de Vítor Figueiredo à Câmara de S. Pedro do Sul, Carlos César aludiu às cheias que assolaram ao Açores, qu qLembro-me como o Governo do PSD e CDS, quando vejo agora o PSD e o CDS instar o Governo a tudo resolver de um dia para o outro reagiu, por exemplo, às caltragédiasturais que assolaram os Açores, com fortes preperdasDeclarou aos açorianos vão à banca, que é como quem ddeclara resolvam vocês os vossos problemas”, referiu.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.De acordo com o presidente do PS e antigo presidente do Governo Regional dos Açores, o atual executivo vai saber reconstruir o que é possível, devolvendo a normalidade às pessoas e procedendo a uma “rmelhoraexemplar”.”Auxiliaremos as pessoas, como já o estamos a fazer, procurando fazê-lorapidamentea e bem”,adicionouu.Para Carlos César, esta é mesmo um dever e uma obrigação perante todos aqueles que foram prejudicados.Ao longo do seu discurso, Carlos César aproveitou ainda para enfatizar que o PS dará permanência à obra que têm em mãos há dois anos.”Instituímo 264 empregos por dia nestes dois anos. Reduzimo o número de desempregados em 137 mil”, assinalou.No primeiro trimestre deste ano, o investimento “teve o maior crescimento desde 1998″, realçando ainda que a confiança dos consumidores aumentou pelo décimo mês consecutivo.Ainda declarou: “A carga fiscal diminuiu em 2016, depois de no último ano de governo do PSD/CDS ter atingido o nível máximo de sempre em Portugal”.Faz 1 mês, dois grandes incêndios iniciaram em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Se os extinguiram uma semana depois.Estes fogos vão ter afetado aproximadamente 500 imóveis, 205 dos quais casas de primeira habitação.As perdas diretas dos incêndios ascendem a 193,3 milhões de euros, estimando-se em 303,5 milhões o investimento em medidas de prevenção e relançamento da economia.Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos na guerrazinha às chamas que consumiram 53 mil hectares de floresta.Jerónimo de Sousa acusou hoje o ps, psd e CDS-PP de terem governado políticas de “calamidade nacional” com o discurso de que era preciso acabar com as “gorduras do Estado”. Jerónimo de Sousa é o secretário-geral do PCP.Intervindo num almoço da candidatura autárquica a Vila Franca de Xira, Jerónimo de Sousa criticou as “políticas desastrosas” que ao longo dos anos promoveram “o desmantelamento da gestão pública e degenerou todas as funções do Estado, incluindo as funções de soberania, incluindo a segurança e a defesa com as consequências também agora em Tancos e a assalto de material de combate”.”Como é que foi possível, perguntam. Foram políticas governadas por sucessivos governos do PS, PSD e CDS e que tiveram no Governo anterior do PSD/CDS e no seu discurso sobre as `gorduras do Estado´ o mais acabado exemplo dessa política de calamidade nacional”, acusou Jerónimo de Sousa.O secretário-geral comunista centrou depois as críticas nos líderes atuais do PSD e do CDS-PP, alegando que se governou tais políticas pelos “mesmos que agora proclamam aos sete ventos, como o fazem Passos e [Assunção] Cristas, que o Estado falhou”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”Eles que mandaram a rocha e agora escondem a mão”, acusou.Para o secretário-geral do PCP, “não foi o Estado que falhou”, foi quem em seu nome “decidiu políticas opostas ao interesse nacional”, a “política de direita” que “Passos, [Paulo] Portas e Cristas, sua ministra da Agricultura, aplicaram também com tanto zelo e em relação à qual o Governo do PS tem dobstáculosde se descolar”.”A política do cortar em série e de combate aos trabalhadores da Administração Pública, à justiça, às forças de segurança, aos militares. A política do saem dois e não entra nenhum, a política de centralização que liquidou estruturas necessárias à orientação da floresta”, ddeclarouSegundo Jerónimo de Sousa “há responsabilidades outras a apurar” mas “nem Passos, nem Cristas, nem a política de direita de anos e anos podem passar impunes desta situação e do apuramento das suas responsabilidades”., aplaudido pelos militantes comunistas e apoiantes da CDU. declarou: “Não acusem, admitam que podem ser responsabilizados por aquilo que fizeram no Governo”.Se darem novos, jerónimo de Sousa pediu votos para reforçar a CDU e o PCP “para mais substanciais e firmes passos na solução dos problemas de fundo do país” e recordou as propostas como a ampliação das pensões de reforma.A esta finalidade, Jerónimo de Sousa criticou Passos Coelho: “Só uma incontida insensibilidade social e ressabiamento político pode justificar” que Pedro Passos Coelho tenha considerado errada a alternativa de ampliar as pensões”.O PCP, através da aliança com o PEV e ID, espera reconquistar a presidência da Câmara de Vila Franca de Xira que perdeu em 1997 para o PS, com a candidatura de Regina Janeiro, que reuniu hoje num almoço de arranque da pré-campanha 1200 pessoas no Pavilhão Multiusos do concelho.

O Partido Comunista Português, é um partido político de esquerda.

Leer Más

JBS revela plano de desinvestimentos no valor de R$6 bilhões

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Friboi jbs

– A JBS exibiu ao conselho de gestão uma proposta de programa de desinvestimentos que permitiria erguer até 6 bilhões de reais, além do 1 bilhão de reais obtido com a venda das operações do grupo na Argentina, Paraguai e Uruguai, declarou a companhia em fato pertinente nesta terça-feira. O programa sugerido inclui a alienação da fatia de 19,2 por cento na Vigor Alimentos e também da participação acionária na Moy Park, bem como a venda de ativos da Five Rivers Cattle Feeding e fazendas, conforme o documento. A JBS declarou que os recursos serão utilizados para diminuir o endividamento da companhia e, consequentemente, a alavancagem. A JBS, que fechou um acordo de leniência de valor recorde, depois que o grupo se viu envolvido em um escândalo de corrupção, declarou o programa precisa a provação prévia do conselho e do BNDESpar. A Five Rivers, que também gerenciar uma unidade de confinamento com habilidade para 75 mil cabeças na província de Canada de Alberta, tem uma habilidade combinada de confinar mais de 980 mil cabeças de gado e unidades no Colorado, Kansas, Oklahoma, Texas, Arizona , e Idaho, segundo o website. Moy Park é uma das 10 principais companhias de alimentos da Grã-Bretanha, com 13 unidades de processamento e fabricação na Irlanda do Norte, Inglaterra, França, Holanda e Irlanda. A companhia fornece 25 por cento do frango consumido na Europa Ocidental, de acordo com seu site. A Moy Park também tem marcas de refeições prontas para comer, alimentos e sobremesas congeladas. A JBS comprou a Moy Park da adversária de Brasil Marfrig Global Foods SA há dois anos por 1,5 bilhão de dólares. As ações da JBS na bolsa paulista chegaram a subir mais de 2 por cento no melhor momento do dia, mas reverteram o rumo e por volta das 14:20, caíam 4 por cento, a 6,09 reais. O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social , Paulo Rabello de Castro, declarou que comunicou-se o banco de fomento ainda não oficialmente sobre o plano de desinvestimento de a JBS, mas que considera a ideia boa. Faz 5 meses, ainda que o banco de fomento descarta vender participação em a fabricante de alimentos e que momento é de juntar esforços para defender empregos e faturamento de a companhia em o menor prazo possível, em acontecimento em o Rio Rabello de Castro declarou. faturamento da companhia no menor prazo possível. Faz 1 mês, em o fim a JeF, controladora de a JBS fechou um acordo de leniência com o Ministério Público Federal que calcula o pagamento de multa recorde em o valor de 10,3 bilhões de reais por atos praticados por companhias controladas por a holding.

– Em meio a pressão que enfrenta desde a delação premiada de seus executivos, a JBS exibiu um plano de venda de ativos que pode chegar a R$ 6 bilhões, incluindo operações na Europa e a participação na Vigor. Essa soma vai ir se adicionar ao R$ 1 bilhão da venda dos frigoríficos no Mercosul para a Minerva. Estão no plano de desinvestimentos a fatia de 19,2% da Vigor, a participação na Moy Park e a alienação dos ativos da Five Rivers Cattle Feeding e fazendas. Com a venda, a companhia espera melhorar o seu nível de endividamento, que equivale a r,2 vezes a sua geração de caixa . A companhia, em comunicado explicou: “O programa de desinvestimento visa a diminuição do endividamento líquido e consequentemente a desalavancagem, fortalecendoestrutura financeira da empresa”. A companhia iria realizar na Bolsa de Nova York uma oferta inicial de ações neste ano das suas operações internacionais, mas a delação premiada jogou esse plano por terra. O Conselho de Administração e o BNDESPar precisam aprovar esse plano.— O momento mais adequado para se quando a situação desses ativos está bem na curva de custos, fazer alienação de ativos é, e não quando está subavaliada — declarou Castro.Em crise após a delação de seus controladores, a JBS anunciou esta terça planos para vender R$ 6 bilhões em ativos para diminuir seu endividamento.

Leer Más