Governo deseja maior diversificação de investimentos china no Brasil, declara secretário

Por: SentiLecto

– O governo brasileiro quer investimentos chineses mais diversificados e mais projetos “greenfield” dos parceiros asíaticos, declarou à Reuters o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Jorge Arbache. Projetos “greenfield” são aqueles que iniciam do zero, ou seja, que ainda demandam os investimentos começas para construir o ativo. É o caso da ferrovia conhecida como Ferrogrão, entre Sinop e Miritituba , que o governo federal pretende leiloar este ano e que tem que demandar investimentos de 12 bilhões de reais para ser construída. Os chineses, aliás, têm interesse “firme” nesse projeto, segundo o secretário. “Isso é uma coisa que a gente fala com eles oficialmente. Nós gostaríamos de mais investimentos greenfield. E a segunda coisa que a gente gostaria é de uma maior diversificação dos investimentos, incluindo manufatura e outros setores”, declarou Arbache. Ele evidenciou que concentram-se os investimentos chineses hoje são bastante concentrados em os setores de energia, mineração e agricultura. O secretário evidenciou que esse movimento de diversificação já estaria sendo começado, inclusive com o interesse chino em setores como saúde e educação. “Houve uma ampliação em outras áreas, se você olhar em número de projetos, mas são projetos relativamente pequenos, de 100, 200 milhões de dólares, enquanto os projetos na área de energia adicionam bilhões de reais”, declarou. Arbache declarou que os chineses estão interessados em iniciativas como a privatização da Eletrobras, assim como investidores europeus, mas não revelou os nomes das companhias que já consultaram o governo. Confirmaram-se investimentos segundo a edição de janeiro de o boletim bimestral de chineses em o Brasil, elaborado por o Ministério do Planejamento, entre 2003 e dezembro de 2017 de cerca de 53,5 bilhões de dólares chinos em o Brasil, relativos a 93 projetos. FERROVIA BIOCEÂNICA Arbache declarou que saiu da agenda do governo federal o projeto da chamada “ferrovia bioceânica”, iniciativa defendida há anos pelo governo chino para ligar os mares Atlântico e Pacífico e favorecer o escoamento de commodities agrícolas e minerais da América do Sul. Faz 4 anos, anunciou se o projeto ainda em o governo de a ex-presidente Dilma Rousseff, durante visita oficial de o presidente Xi Jinping a o Brasil. Segundo Arbache, os estudos assinalaram um preço bastante elevado para a construção da ferrovia, de cerca de 80 bilhões de dólares. “Esse pojeto parou, era altamente custoso e Peru não deseja, pois passaria por uma reserva natural importante do país”, declarou. Segundo ele, há conversas iniciais para se avaliar uma outra rota, mais ao Sul, que possa ter mais possibilidade de ser viabilizada. Em dezembro passado, o presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que o ambicioso projeto para construção da ferrovia sul-americana se tornou um pouco mais concreto depois que assinou um acordo de cooperação com a Suíça para um novo desenho. O empreendimento vai implicar a construção de uma linha férrea de 3.750 quilômetros desde o porto de Santos até Ilo, no Peru, cruzando a cordilheira dos Andes e ligando os mares Atlântico e Pacífico. Morales alegou na ocasião que os governos do Brasil, Paraguai, Uruguai e Peru apoiam esse projeto.

Leer Más

Com recorde de Brasil, Turismo da Austrália aumenta 7,1%

Por: SentiLecto

Faz 1 ano, a Austrália voltou a comemorar um crescimento saudável de turistas. Dados do Tourism Australia mostram que, durante o mês de novembro, 776,9 mil visitantes chegaram ao país, o que encarna uma alta de 7,6% em relação ao mesmo mês em 2016.

Leer Más

É estupidez despender tanta energia para processar bitcoins, declara expert

Por: SentiLecto

O bitcoin e outras moedas digitais têm ganhando os noticiários nos últimos anos, seja pela sua alta que chegou a mais de 1.400%, ou, mais recentemente, pela queda para mais metade do valor. Mas essa volatilidade não é a única preocupação de experts.

Leer Más

Ibovespa se sustenta perto de máximas recordes, com Embraer entre destaques positivos

Por: SentiLecto

– O principal índice acionário da B3 operava em território positivo nesta sexta-feira, conservando-se próximo de máximas históricas em meio à cininterruptaentrada de investimento estrangeiro, com as ações da Embraer entre as maiores altas. Às 11:18, o Ibovespa subia 0,35 por cento, a 81.243 pontos. O giro financeiro era de 1,36 bilhão de reais. A persistente entrada de capital externo na bolsa paulista tem evitado que o Ibovespa mostre ajustes mais fortes, tendo fechado em território negativo somente em quatro pregões até agora neste ano. Até o dia 16 de janeiro, o saldo externo na B3 era positivo em 4,5 bilhões de reais, tendo registrado entrada líquida em todos os pregões até o momento. Este fluxo reflete a forte liquidez externa, em meio às perspectivas de crescimento da economia mglobal mas sem pressão inflacionária, o que deve conservar as taxas de juros nas maiores economias do mundo ainda baixas. O pregão ainda era marcado por alguma precaução no exterior com a chance de paralisação do governo dos Estados Unidos. A legislação para impedir que isso ocorra encontrou dificuldades no Senado no final da quinta-feira, apesar da aprovação de um projeto de financiamento por um mês pela Câmara dos Deputados horas antes. Localmente, a expectativa por uma recuperação da economia também auxilia a direcionar parte dessa liquidez mundial para os mercados locais. No front político, o mercado espera o julgamento em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na próxima semana. DESTAQUES – EMBRAER ON subia 2,15 por cento, figurando entre os melhores performances do Ibovespa, com expectativa por novidades sobre o acordo com a Boeing. Na véspera, a Reuters informou que a companhia norte-americana trabalha para superar as objeções de militares brasileiros a uma coalizão com a Embraer, com opções para conservar os direitos de veto do governo a resoluções estratégicas e salvaguardas para seus programas de defesa. – FIBRIA ganhava 2,19 por cento, SUZANO ON, que progredia 0,72 por cento, em sessão de progressão nos contratos do minério de ferro na China, ganhava 2,14 por cento e KLABIN UNIT subia 1,49 por cento, também operando entre os maiores ganhos do Ibovespa, após a Fibria anunciar reajuste nos custos da celulose e com visão positiva de analistas para o setor. Nesta sessão, o noticiário das companhias envolvia ainda a aprovação do Cade da compra da Facepa Fábrica de Papel da Amazônia pela Suzano. – USIMINAS PNA tinha valorização de 0,73 por cento, em linha com os contratos futuros do minério e do aço na China e ainda amparada pela finalização do pagamento de 400 milhões de dólares em bonificações emitidas em 2008. Segundo analistas da Guide Investimentos, embora já esperado pelo mercado, o pagamento “é mais uma medida fundamental no processo de revitalização da empresa”. – PETROBRAS PN cedia 0,88 por cento e PETROBRAS ON recuava 0,72 por cento, acompanhando os custos do petróleo no mercado internacional.

Leer Más

Projeto do Senado permite a aposentado conservar o plano de saúde empresarial

Por: SentiLecto

Desde que passe efetuar seu pagamento integral, a Comissão de Assuntos Sociais , vai analisar, de maneira terminativa, projeto que assegura aa beneficiário de plano de saúde decorrente de vínculo empregatício a manutenção do vantagem, após a aposentadoria, independentemente do fase de continuidade no emprego. O Projeto de Lei do Senado 436/2016, do senador Hélio José , modifica a Lei 9.656/1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. O texto também garante ao aposentado a permanência do direito à assistência do plano de saúde, nas mesmas condições que tinha quando da vigência do contrato de trabalho, mesmo sem ter contribuído para o plano, se assumir o seu pagamento integral.

Leer Más