‘Há milhões de problemas com o islamismo’, declara líder de sigla de Alemania anti-imigração

Por: SentiLecto

André Poggenburg, 42, vê uma Alemanha ameaçada pelo islamismo e devolve a ameaça: “O islamismo aqui não tem lugar”.

Líder do partido nacionalista Alternativa para a Alemanha na Saxônia-Anhalt, onde a legenda teve a melhor performance eleitoral até o momento em uma votação estadual , Poggenburg declara que o país vive “milhões de problemas” por causa da religião: “Há sociedades paralelas; partes de grandes cidades onde vigora a lei muçulmana”.

Leia trechos de sua entrevista à Folha.

Folha – O que é a Alternativa para a Alemanha?

André Poggenburg – Somos um partido jovem reformista, de renovação e patriótico. Achamos que a política se alijou do cidadão habitual e que os representantes do povo não o encarnam. As pessoas estão insatisfeitas, o que gera consequências políticas.

Quando a Alemanha se tornou o principal pagador dos pacotes de assistência a membros endividados da zona do euro, um caso é a União Europeia. As pessoas acham que é preciso deixar essa estrutura da UE, a zona do euro, que tem para nós preço insustentável.

Os social-democratas falam bastante sobre justiça social, mas não mudaram suas posições econômicas neoliberais desde os fabulosos anos 1990 e o começo dos 2000. Eles apoiam sem reservas as normas fiscais da UE e acreditam que os governos têm que ter verbas equilibradas na maior parte do tempo.Marietje Schaake: É claro que são votações bastante importantes para o futuro da Europa. Muitos de nós gostaríamos de ver o processo já deduzido para que possamos concentrar-nos novamente no futuro, em vez de continuarmos à espera dos resultados das evotaçõesade Alemania Na Holanda, muita gente ficou impressionada com a serena que havia nas discussões. Não houve críticas, nem agressões verbais que vemos noutros países.

Outro fator é a imigração em massa. Faz 2 anos, chanceler de a Alemanha decidiu por conta própria abrir as fronteiras e muita gente em a nossa pátria não aceitou isso bem, em 2015 a.

Claro que havia gente que de fato era refugiado e precisava de assistência, mas muitos se aproveitaram para vir para cá por uma vida melhor. Estão no direito deles, mas para nós cria problema. Fora que também vieram muitos ilícitos.

E trouxeram o islamismo. Os valores do islamismo não pertencem à Alemanha e à Europa. Na Alemanha todos temo que seguir a lei fundamental; daí vem o islamismo e declara: “não, minha lei fundamental é a sharia”. Por isso, sempre vai haver confronto.

Há tempos os partidos de esquerda combatem pela igualdade entre homens e mulheres, pela inclusão dos homossexuais. Aí vem uma religião que questiona esses valores, e os partidos de esquerda declaram que não se pode combatê-la.

Já há milhões de islâmicos que vivem na Alemanha. O que ocorreria com eles?

Sim, e existem milhões de problemas na Alemanha com os islâmicos. Há sociedades paralelas; em partes de algumas grandes cidades já não vigora a lei de Alemania, vigora somente a lei muçulmana; há vinganças; há meninas que já não vão mais à escola regular, que já não têm liberdade de sair sozinhas. Há cada vez mais ataques sexuais.

As pessoas desejam um partido que declare não ao islamismo.

Quais as prioridades da AfD no Parlamento?

A somente alguns dias para as votações, um dos principais candidatos do AfD, Alexander Gauland, provocou discordância ao declarar que a principal funcionária do governo para temas de integração, Aydan Özoguz, poderia ser “largada na Anatólia “. Özoguz é alemã de origem de Turquia.

Uma das principais vai ser segurança. Há dois aspectos: um, os prejuízos provocados pela imigração em massa e pelo islamismo; dois, o extremismo de esquerda. Não há dúvida de que há extremismo de direita na Alemanha, ao qual também somos contra. Mas há só uma iniciativa contra o extremismo de esquerda, começada aqui em Magdeburgo pela AfD.

A liderança nacional da AfD o repreendeu por suas declarações sobre “a Alemanha para os alemães”. O que declara?

Se criticou Gauland também por dizer que os alemães teriam que ser ” orgulhosos ” de seus soldados que combateram em os duas combates globais. As Forças Armadas regulares também cometeram muitos crimes de combate, enquanto a Schutzstaffel ficou conhecida pelas atrocididades cometidas na Segunda Guerra Mundial.

Com a nossa história e pelo fato de partidos realmente extremistas como o NPD terem utilizado a frase, ela provoca barulho. Mas devemos poder utilizar-la, se uma afirmação é correta. A liberdade inicia com a livre expressão.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>’Há milhões de problemas com o islamismo’, declara líder de sigla de Alemania anti-imigração
>>>>>O que quer o AfD, que deve ser 1º partido anti-imigração a chegar ao Parlamento alemão desde a 2ª Guerra – September 19, 2017 (BBCBrasil-pt)
>>>>>É hora de a centro-esquerda na Alemanha se reorganizar – September 19, 2017 (FolhaGeneric)
>>>>>Quatro perspetivas sobre o futuro da Alemanha – (Euronews-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 8 0 NONE 10 nos: 1, nós: 2, (tacit) nós: 7
2 a Alemanha 50 30 PLACE 8 uma Alemanha ameaçada: 1, a Alemanha: 7
3 islã 0 0 NONE 6 o islã: 5, O islã: 1
4 lei 160 0 NONE 5 minha lei fundamental: 1, a lei islâmica: 2, a lei alemã: 1, a lei fundamental: 1
5 Forças Armadas 80 150 ORGANIZATION 3 as Forças_Armadas: 1, (tacit) eles/elas (referent: as Forças_Armadas): 2
6 pessoas 0 75 NONE 3 As pessoas: 3
7 André Poggenburg 0 0 PERSON 3 Poggenburg: 1, (tacit) ele/ela (referent: Poggenburg): 1, André_Poggenburg 42 e: 1
8 Schutzstaffel 0 0 ORGANIZATION 3 ela (referent: a Schutzstaffel): 1, a (referent: a Schutzstaffel): 1, a Schutzstaffel: 1
9 eu 0 0 NONE 3 (tacit) eu: 3
10 religião 0 0 NONE 3 uma religião: 2, religião: 1