‘Implosão de Bolsonaro’, ‘alforria de Joice’ e Eduardo sem liderança: a novela que rachou o PSL

Por: SentiLecto

Estes são links externos e vão abrir numa nova janela

A crise aberta entre o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o PSL se acirrou ao longo desta semana. O PSL é o partido pelo qual ele se elegeu em 2018.

Até o encerramento desta reportagem, a celeuma tinha resultado na destituição de Joice Hasselmann como líder da sigla no Congresso; em uma tentativa mal-sucedida de de emplacar do filho Eduardo como líder na Câmara; e em uma bancada pesselista rachada ao meio.

Políticos de várias nuances — inclusive do PSL — admitem que está difícil de compreender como vai concluir a “novela” envolvendo o presidente da República, seus filhos e a sigla instituída e comandada desde 1998 pelo deputado federal Luciano Bivar .

A deputada estadual de São Paulo Janaina Paschoal no Twitter, na tarde desta quinta-feira escreveu: “Os jornalistas pedem para eu explicar o que está ocorrendo no partido a que estou filiada e só o que eu posso declarar é que não tenho a menor ideia do que se passa”.

A confusão no PSL passa pela disputa pelo controle do Diretório Nacional da legenda — o mandato de Bivar no comando da sigla se conclui em novembro — e também pelo destino da soma milionária que o partido passou a receber neste ano dos fundos Partidário e Eleitoral.

Os jornalistas pedem para eu explicar o que está ocorrendo no partido a que estou filiada e só o que eu posso declarar é que não tenho a menor ideia do que se passa. A situação é tão teratológica, que fico com a sensação de que é tudo combinado. Tanto delírio parece inimaginável!

Final de Twitter post de @JanainaDoBrasil

O clima no PSL parecia ter arrefecido no fim semana, mas quando a Polícia Federal foi às ruas numa operação contra Bivar, voltou a ficar tenso já na manhã de terça-feira .Autorizada pelo plenário do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco , no dia anterior, a PF esteve em nove endereços ligados a Bivar. Até mesmo celulares dele foram apreendidos — a operação investiga a existência de supostas candidatas “laranjas”, isto é, de frontispício, no PSL de Peru em 2018. Quando Bivar está envolvido em uma disputa com o Planalto, mesmo sem qualquer evidência concreta, deputados do ligados ao pernambucano passaram a erguer suspeitas sobre o momento selecionado para a operação — justamente que sentiu-se atingido: na quarta , pesselistas leais a Jair Bolsonaro reuniram assinaturas de deputados para destituir Waldir do posto de líder. Na noite da mesma terça-feira, Waldir orientou os deputados do PSL a obstruir a eleição de uma Medida Provisória que interessava ao governo. Mesmo que eles estejam dentro do plenário, a obstrução é um instrumento utilizado pelos partidos para permitir que seus deputados não contem para o atingimento do quórum das sessões.

A justificação de Waldir para a fato era evitar que os congressistas ausentes do PSL tomassem falta, mas A expectativa era de que o filho do presidente se tornasse o novo líder da sigla na Casa. O filho do presidente é o deputado federal Eduardo Bolsonaro .

Mas o grupo bivarista reagiu e exibiu outra lista com assinaturas suficientes para conservar o líder no posto. Nesta quinta-feira , a Mesa Diretora da Câmara validou a lista do grupo oposto ao bolsonarismo e Waldir se conservou como líder do partido na Casa.

Eduardo Bolsonaro exibiu duas listas: a primeira, entregue às 21h50 de quarta, tinha 26 assinaturas válidas. A segunda, às 22h27, tinha 24 asuportes Já a lista de Delegado Waldir, entregue às 22h18, tinha 29 assinaturas válidas — garantindo a ele o direito de continuar como líder da legenda na Câmara.

Derrotado na disputa pela liderança do partido, Eduardo Bolsonaro pode ter sido prejudicado em outra frente: o presidente da República teria desistido de mandar ao Senado a indicação dele para atuar como embaixador em Washington , pelo menos por enquanto, segundo a revista Época. Se a vai encaminhar a o Senado, pouco depois, Otávio Rêgo Barros declarou que a indicação está conservada e “oportunamente”. Otávio Rêgo Barros é o porta-voz de Bolsonaro.

O deputado federal se reuniu com o presidente da República no Palácio do Planalto na manhã desta quinta-feira.

Se os removeria o senador Flávio Bolsonaro, de o comando de o PSL em São Paulo e em o Rio, na tarde desta quinta, políticos próximos a Bivar declararam ainda que Eduardo e seu irmão respectivamente.

Escutou uma negativa veemente de Cunha — mentira que mais tarde lhe custaria o mandato. Cunha até então respondia a questões mornas dos colegas na CPI da Petrobrás.Cinco anos mais tarde, são quase 800 mil usuários que acompanham a página do delegado, cujas postagens se alternam entre vídeos de câmeras de segurança com roubos e homicídios e divulgação da agenda e das ações do parlamentar. Faz 4 anos, para engajar ainda mais a audiência ele chegou a abrir uma espécie de concurso em sua página de Facebook para saber 10 milhões de reais em emendas parlamentares como deveria utilizar os R a que teria direito. $ 10 milhões de reais em emendas parlamentares a que teria direito.

Na quinta-feira 10 de outubro pelo menos até o início da noite d, o presidente Jair Bolsonaro parecia ter decidido ficar, pelo menos por enquanto, no partido pelo qual se havia elegido em 2018.

A “combate de listas” também acabou respingando em outro nome em posição estratégica no PSL.

Joice Hasselmann acabou removida por Bolsonaro do posto de líder do governo no Congresso. O congressista que ocupa esta posição é o culpado por comandar a articulação do governo em sessões conjuntas de deputados e senadores — como eleições de vetos e a apreciação do Orçamento. Joice foi varanda do posto depois de assinar a lista para conservar Delegado Waldir na posição. Nos últimos dias, Joice também tem declarado que pode deixar o PSL para disputar a prefeitura de São Paulo no ano que vem.

No Twitter, a deputada comparou sua remoção da posição a uma “alforria” — o vocábulo se refere ao documento que quando conquistavam a liberdade, os escravos recebiam, no Brasil.

“Não nasci líder, não preciso disso. Trabalhei 20h por dia para resgatar o governo de crises, aprovar pautas importantes para o país, apagar incêndios durante todos esses meses. Agora ganho minha alforria e mais tempo para cuidar do meu mandato e da minha candidatura à prefeitura”, escreveu ela.

O combate de listas no PSL da Câmara veio acompanhada de uma verdadeira “combate de áudios” entre os dois lados do partido.

Na manhã desta quinta-feira , as revistas Época e Crusoé divulgaram uma gravação de áudio atribuída ao presidente Jair Bolsonaro. No trecho, o presidente pediria a um interlocutor não identificado que assinasse uma lista para remover Waldir da liderança.

“Olha só, nós estamos com 26, falta só uma assinatura pra gente tirar o líder, tá certo, e botar o outro. A gente acerta, e entrando o outro agora, em dezembro tem votações pro futuro líder a partir do ano que vem”, teria declarado o presidente.

O líder, segundo Bolsonaro, tem o poder de “mencionar pessoas, de arranjar posição no partido, é promessa pra fundo eleitoral pro caso das votações… é isso que os caras têm”, declara. “Mas você sabe que o humor desses cara muda de uma hora para a outra”, continua. Na ligação, Bolsonaro declara ainda que não é favorável aa utilização das listas para remover líderes – mas, naquele momento, não teria lhe sobrado “outra opção” para resolver a questão.

Pouco depois, o site jornalístico R7, ligado à TV Record, divulgou a gravação de uma reunião da ala “bivarista” do PSL. Num trecho, Delegado Waldir declara que vai “implodir” Bolsonaro com uma gravação.

“Eu implodirei o presidente. Aí eu mostro a gravação dele. Não tem conversa. Eu implodo ele. Eu sou o cara mais fiel. Acabou, cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo. Eu caminhei no sol em 246 cidades para defender o nome desse vagabundo”, declara ele. A hashtag #EuVouImplodirOPresidente ficou no topo dostemassde Brasils no Twitter.

Na manhã de quarta-feira, Bolsonaro declarou que não guarda “mágoa” de Luciano Bivar. Ainda que não deseja, alegou “tomar” o PSL de quem deseja que seja, mas insisitiu em cobrar “clareza” nas contas do partido. Desde aquele momento, o presidente tem declarado em suas fantasmazinhos públicos que não irá comentar a crise com o PSL — em seu tradicional fantasmazinho ao vivo no Facebook, no início da noite desta quinta-feira , Bolsonaro não tocou no assunto. Estava ao seu lado o empresário Luciano Hang, proprietário das lojas Havan. No fim da transmissão, o presidente declarou que o lojista auxilia o país “mais que bastante político”.

“Eu não tenho falado nada do PSL. Zero . O partido tá com a chance de se juntar na clareza. Não tem um lado A nem um lado B. ‘Ah, o presidente falou em clareza’. Falei sim em clareza. Mostraremos as contas”, declarou. No fim da semana passada, Karina Kufa pediu acesso nas informações financeiras da legenda. Karina Kufa é a advogada eleitoral de Bolsonaro.Com Bivar, o papo é outro. Nos últimos dias, o presidente do PSL tem declarado a seus aliados que a relação com Bolsonaro está lesada e “não tem volta”. Ele também reclama de sentir-se “traído” pelo presidente da República. A situação teria se tornado “insustentável”, segundo teriam declarado aliados dele à Globo News.

A “combate de listas” da noite de quarta deixou a bancada do partido dividida praticamente ao meio – 29 deputados assinaram a lista “bivarista”, para conservar Delegado Waldir no comando do partido na Câmara; enquanto 24 assinaram a segunda versão da lista de Eduardo Bolsonaro.

Além de Delegado Waldir, integra também este grupo o líder no Senado, Major Olímpio .

O grupo também conta com nomes que eram bastante próximos de Bolsonaro até recentemente. É o caso do deputado Julian Lemos , que foi o coordenador da campanha de Bolsonaro no Nordeste durante a votação de 2018. Na noite desta quarta, Lemos fez um forte discurso a favor de Bivar no Plenário da Câmara.

A ala “bivarista” conta ainda com Fernando Francischini , que é o atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara — posição estratégica dentro do processo legislativo.

Bivar de estes congressistas assinalou muitos para presidir o PSL em seus respectivos Estados : Enquanto o ex-deputado Delegado Francischini comanda o diretório paranaense, waldir preside o PSL em Goiás , por exemplo . O ex-deputado Delegado Francischini é o pai de Fernando Francischini. Nelson Barbudo , outro bivarista, é o chefe do PSL em Mato Grosso.

Segundo a deputada Alê Silva , que está rompida com o PSL e com Luciano Bivar, os deputados “bivaristas” estão interessados em conservar o comando atual da legenda para permanecer à frente da sigla nos Estados – controlando os recursos e as candidaturas nas evotaçõesmunicipais do ano que vem.

Do outro lado estão os “bolsonaristas” do PSL — deputados que caso o presidente da República o faça, ponderam sair da legenda, e que tentaram emplacar Eduardo como líder da legenda.

Além dos filhos do presidente com mandato no Congresso — Eduardo Bolsonaro na Câmara e Flávio Bolsonaro no Senado — integram esta ala pelo menos mais 24 deputados federais. O grupo assinou uma carta elaborada pelos advogados eleitorais do presidente, Kufa e Admar Gonzaga, pedindo a abertura das contas do partido.

O grupo inclui os pesselistas Hélio Lopes , apelidado por Bolsonaro de “Hélio Negão”; Carla Zambelli ; Ubiratan Sanderson ; Márcio Labre ; Bia Kicis ; Luiz Philippe de Orléans e Bragança; e também o líder do governo na Câmara, o deputado Major Vitor Hugo .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no ? Inscreva-se no nosso canal!

Final de YouTube post de BBC News Brasil

Final de YouTube post 3 de BBC News Brasil

Fonte: BBCBrasil-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil, Portugal, France, Argentina

Cities: Sao Paulo, Braganca, Parana, Orleans

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>‘Implosão de Bolsonaro’, ‘alforria de Joice’ e Eduardo sem liderança: a novela que rachou o PSL
>>>>>Quem é Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara que chamou o presidente Bolsonaro de ‘vagabundo’ – October 17, 2019 (BBCBrasil-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 300 40 NONE 27 (tacit) eu: 15, eu: 7, Eu: 5
2 Eduardo Bolsonaro 84 97 PERSON 26 Flávio_Bolsonaro: 1, Eduardo_Bolsonaro: 4, Bolsonaro de o posto de líder de o governo: 1, (tacit) ele/ela (referent: Eduardo): 1, Bolsonaro de Hélio_Negão: 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 5, Bolsonaro: 6, o senador Flávio_Bolsonaro: 1, A crise aberta entre o presidente de a República Jair_Bolsonaro: 1, Eduardo: 1, Jair_Bolsonaro: 1, o presidente Jair_Bolsonaro: 2, ele (referent: Eduardo_Bolsonaro): 1
3 PSL 0 50 ORGANIZATION 14 (tacit) ele/ela (referent: o PSL): 1, o PSL pernambucano: 1, o PSL de quem: 1, o PSL (apposition: o partido): 1, o PSL: 9, o (referent: o PSL): 1
4 Luciano Bivar 0 0 PERSON 10 (tacit) ele/ela (referent: Bivar): 1, ele (referent: Bivar): 1, Luciano_Bivar: 1, Bivar: 7
5 Waldir Delegado 0 0 PERSON 7 Delegado_Waldir: 2, Waldir: 3, (tacit) ele/ela (referent: Delegado_Waldir): 1, o ex-deputado Delegado_Francischini (apposition: o pai de Fernando_Francischini): 1
6 presidente 0 0 NONE 7 o presidente: 7
7 Senado 0 0 ORGANIZATION 6 (tacit) ele/ela (referent: o Senado): 2, o Senado: 4
8 deputados 0 0 NONE 6 24 deputados federais: 1, 29 deputados: 1, seus deputados: 1, deputados: 2, os deputados: 1
9 partido 0 0 NONE 6 o partido: 6
10 grupo 0 0 NONE 5 O grupo: 3, este grupo: 1, o grupo bivarista: 1