O escândalo sexual que põe em xeque uma das maiores ONGs do mundo

Por: SentiLecto

Estes são links externos e vão abrir numa nova janela

Acusada de encobri escândalos sexuais envolvendo seus próprios funcionários, a organização não governamental britânica Oxfam, uma das mais importantes instituições de caridade do mundo, tem sua fama colocada em xeque e corre o risco de perder orçamentos.

Emblema de esperança para uns, uma chance de cumpri as vontades sexuais para outros.O escândalo sexual que se abateu sobre a Oxfam pode colocar em risco os donativos que esta ONG recebe. O governo britânico ameaça cortar o financiamento e convidou uma reunião para esta segunda-feira com os culpados deste organismo de solidariedade, um dos mais conhecidos na guerrazinha à pobreza e na assistência em contextos de emergência.

Nesta segunda-feira, o órgão regulador de ONGs no Reino Unido anunciou que iria abrir um inquérito para analisar como a Oxfam lidou um escândalo sexual acontecido em 2011 no Haiti. O órgão declarou ainda, em comunicado publicado online, acreditar que a Oxfam não prestou todas as informações que deveria.

No mesmo dia, uma ex-chefe da entidade revelou ao canal de TV britânico Channel 4 que há indícios de que adolescentes voluntárias foram abusadas no Reino Unido e que funcionários trocaram assistência humanitária por sexo no exterior.

Segundo se o assediou em alguns países, alegou Helen Evans, que foi chefe do setor de prevenção de prejuízos da Oxfam entre 2012 e 2015 , 1 em 10 de os funcionários sexualmente ou testemunhou abusos envolvendo colegas.

As denúncias contra a ONG estão nas manchetes de todos os jornais britânicos desta terça. Mas o escândalo envolvendo a Oxfam começou a vir à tona na semana passada.

O jornal britânico The Times foi o primeiro a revelar, na sexta, que alguns dirigentes e funcionários da instituição contrataram prostitutas e coordenaram orgias em instalações financiadas pela Oxfam no Haiti, durante a missão humanitária depois do sismo que arruinou o país em 2010.

Segundo a publicação, a Oxfam tinha conhecimento de “preocupações internas” relacionadas a Roland van Hauwermeiren, diretor da ONG no Haiti, e a outro homem quando estes ainda trabalhavam no Chade, antes de assumirem postos sêniores no país de Cariacica.

À época, a Oxfam divulgou somente que sérios desvios tinham sido identificados no Haiti, mas não revelou detalhes do caso.

Mark Goldring, presidente-executivo da Oxfam no Reino Unido, pediu desculpas e admitiu que a instituição errou ao permitir que van Hauwermeiren fosse transferido depois de ter sido alvo de denúncias.

Também alegou que contratar prostitutas não é “expressamente proibido” pelo código de comportamento da Oxfam, mas se o veda sim manchar a fama de a entidade e abusar de pessoas que poderiam ter beneficiárias de assistência humanitária . sido beneficiárias de assistência humanitária.

A Oxfam alegou que pretende elucidar as denúncias com o máximo de clareza e urgência. Abdicou aa posição de diretora dos programas internacionais da Oxfam, depois que o Times noticiou que a entidade teria encoberto o escândalo no Haiti, a funcionária Penny Lawrence, que alegou que estava envergonhada e que assumia plena responsabilidade.

Faz 12 anos, Lawrence entrou em a Oxfam e, segundo o site de a ONG, liderava equipes em 60 países, entre eles o Brasil.

Se a encarregou em 2012, helen Evans, a ex-chefe do setor de prevenção de prejuízos da Oxfam, declara que de conter a cultura de abuso dentro da ONG. Um inquérito interno sobre o caso haitiano levou ao afastamento de quatro funcionários afastados e à renúncia de outros três.

No entanto, segundo Evans, o que ocorreu no Haiti “não foi um caso isolado”.

Ela declara que, à medida que cinstituiumdispositivospara recolher dacusações contabilizou 12 casos entre 2012 e 2013 e outros 39 entre 2013 e 2014, sendo que 20 deles foram comprovados por cinteiroou parcialmente. Evans, contudo, declara que enfrentou obstáculos não somente para reportar as acusações como também para conseguir mais recursos para lutar a cultura de abuso sexual em alguns escritórios da entidade.

“Num determinado momento, senti que tinha exaurido todos os percursos internos disponíveis e que minha posição na organização e que minha presença não eram mais sustentáveis. Saí inquietada e frustrada por não haver um compromisso sério com mudanças”, declara o texto publicado na conta de Evans no Twitter.

A Oxfam tem cerca de 5 mil funcionários, 27 mil voluntários e 800 mil apoiadores. Segundo relatório da entidade, suas atividades auxiliam mais de 11 milhões de pessoas no mundo. No ano passado, gastou cerca de R$ 1,2 bilhão em assistência humanitária, desenvolvimento e campanhas.

Além de doações e de recursos arrecadados com a venda de produtos em lojas de caridade no Reino Unido, a ONG recebe orçamento do governo britânico e da União Europeia .

A Comissão Europeia, que encarna e defende os interesses da UE, pediu esclarecimentos e alegou exigir o máximo de clareza da Oxfam. Ameaçou, também, suspender o financiamento a qualquer parceiro que não siga diretrizes éticas.

Faz 7 anos, a Oxfam recebeu cerca de 1,7 milhões de euros em financiamento de a UE para o programa de assistência humanitária em o Haiti.

A vice-diretora da Oxfam demitiu-se após ter sido revelado que culpadas desta ONG contrataram prostitutas no Haiti em 2011, na sequência do tremor que arruinou o país.

Além das ameaças de perder dinheiro, a entidade viu sua fama ser duramente agredida.

O embaixador haitiano em Londres, Bocchit Edmond, classificou as revelações de chocantes, vergonhosas e inadmissíveis. Por sua vez, Jovenel Moise condenou a postura dos funcionários da Oxfam e declarou que “predadores sexuais buscaram pessoas carentes no momento de maior vulnerabilidade”. Jovenel Moise é o presidente haitiano.

Depois do escândalo, a Oxfam assumiu compromisso público de melhorar os sistemas de prevenção e condução de acusações de abuso e assédio sexual. Prometeu revisar os casos e adotar medidas mais estritas para recrutar funcionários.

Fonte: BBCBrasil-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: United Kingdom, Haiti, Brazil

Cities: London

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>O escândalo sexual que põe em xeque uma das maiores ONGs do mundo
>>>>>Vice-diretora da Oxfam demite-se após escândalo sexual – (Euronews-pt)
>>>>>Reputação da Oxfam abalada por escândalos sexuais – February 11, 2018 (Euronews-pt)
>>>>>Governo britânico ameaça cortar financiamento da Oxfam – February 12, 2018 (Euronews-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Oxfam 60 30 ORGANIZATION 14 a Oxfam: 7, (tacit) ele/ela (referent: a Oxfam): 2, (tacit) ele/ela (referent: A Oxfam): 1, governamental britânica Oxfam: 1, A Oxfam: 3
2 o Haiti 0 0 PLACE 8 o Haiti: 8
3 Helen Evans 0 0 PERSON 7 (tacit) ela (referent: Helen_Evans a): 1, Helen_Evans: 2, Helen_Evans a: 1, Evans: 1, (tacit) ele/ela (referent: Evans): 2
4 Comissão Europeia 0 30 ORGANIZATION 6 (tacit) ele/ela (referent: A Comissão_Europeia e e): 4, A Comissão_Europeia e e: 2
5 escândalo 0 350 NONE 5 um escândalo sexual ocorrido: 1, o escândalo: 2, O escândalo sexual: 2
6 eu 0 200 NONE 4 (tacit) eu: 4
7 Channel 0 48 ORGANIZATION 4 (tacit) ele/ela (referent: britânico Channel): 2, (tacit) ele (referent: britânico Channel): 1, britânico Channel: 1
8 Penny Lawrence 0 0 PERSON 4 a funcionária Penny_Lawrence: 2, (tacit) ele/ela (referent: a funcionária Penny_Lawrence): 2
9 funcionários 0 0 NONE 4 seus próprios funcionários: 1, funcionários: 1, 5_mil funcionários: 1, os funcionários: 1
10 país 0 100 NONE 3 o país caribenho: 1, o país: 2