Por que Angela Merkel ainda não formou o seu governo, quase 4 meses após as votações de Alemania?

Por: SentiLecto

Os mundialíssimos leitores deste blog e desta Folha devem se recordar que em 24 de setembro alemães foram às urnas em suas evotações Mas já se passaram quatro meses desde então e a chanceler, Angela Merkel, ainda não formou seu próximo governo — arrepiando seus aliados na União Europeia, acostumados a ver na Alemanha o compasso político desse bloco econômico.

Faz 3 dias, quando conseguiu um pré-acordo com o adversário, merkel progrediu algumas casas em o tabuleiro, Martin Schulz, para uma aliança. Mas o trato não é definitivo e o governo pode estrear só em abril. Ou seja, um semestre após o pleito. “Zwischen Immer und Nie”, tomando emprestada a expressão em alemão do poeta Paul Celan . “Entre sempre e jamais.”

MAS QUANDO ESSE IMPASSE COMEÇOU?

Em 24 de setembro, quando os alemães votaram em suas votações. O partido CDU , de Merkel, obteve 32,9% dos votos em sua coalizão com a sigla bávara CSU. O segundo lugar ficou com o SPD , de Martin Schulz, com 20,5% . A formação de direita ultranacionalista AfD teve 12,6% — a surpresa do pleito.

O QUE ESSES NÚMEROS SIGNIFICAM?

Que ela precisa entrar em uma aliança para poder conduzi — o que, aliás, tem sido a praxe na Alemanha. Somente aliada a outras forças Merkel vai ter a maioria necessária no Parlamento.

Merkel conduz há 12 anos, em 8 dos quais esteve aliada ao SPD de Martin Schulz. Se conhece essa coalizão como ” grande aliança ” em a Alemanha. A coalizão com a conservadora CDU, porém, pode ter prejudicado o partido social-democrata, que teve seu pior resultado em décadas. Com isso em mente, Schulz decidiu voltar à oposição e não montar um governo com Merkel de imediato.

Merkel, há 12 anos no poder, vinha conduzindo em parceria com o SPD no que é conhecido na Alemanha como “grande aliança”. Após o pleito deste ano, no entanto, Schulz havia declarado preferir voltar à oposição e se recuperar de um resultado eleitoral insatisfatório. Com isso, a CDU tentou formar uma coalizão com os Verdes e os liberais, sem êxito. Só então voltou ao antigo aliado.

No domingo 07 de janeiro Angela Merkel tem cinco dias para tentar persuadi os Sociais-Democratas a reeditar a aliança de “bloco central” à frente dos destinos da Alemanha.

MAS ESSA ERA A ÚNICA OPÇÃO DELA?

Não. Sem Schulz, Merkel tentou fazer uma coalizão com os Verdes e com os liberais do partido FDP. Essa ideia de aliança era apelidada de “Jamaica”, porque as cores das três siglas enviam à bandeira do país. As negociações, no entanto, fracassaram. Sem a alternativa de Jamaica, Merkel se viu com três saídas: conduzi em minoria, aceitar novas votações — ou voltar a negociar com o SPD.

O QUE ELA FEZ?

Voltou a negociar com o SPD. Faz 3 dias, Merkel chegou depois de semanas, precisa agora ser aprovado em a conferência social-democrata de o dia 21 e destrinchado entre os partidos, o pré-acordo de 12 de janeiro a o qual. Apesar da pressa de Merkel, o governo pode ser inaugurado somente em abril.

POR QUE A PRESSA?

A Alemanha é a maior economia europeia. Com o fim do mandato de Barack Obama na Presidência dos EUA, Merkel tem sido vista como a líder natural de uma certa cultura política. Em anos de crescente populismo e de desafios ao sistema, é natural que seus aliados estejam ansiosos à espera de um governo estável na Alemanha. Emmanuel Macron é um deles: ele se elegeu em maio prometendo reformar a União Europeia Emmanuel Macron é o presidente francês., mas não pode fazer isso sem Berlim.

Há alguma pressa, já que a Alemanha é a principal economia europeia e tem servido de referência para a política do bloco econômico, que enfrenta anos de crise – o Reino Unido decidiu deixar o grupo em 2019 e diversos países, inclusive a Alemanha, têm registrado o crescimento de forças de extrema direita, críticas ao sistema.O acordo de princípio alcançado calcula restringi a entrada de refugiados na Alemanha a 200 mil pessoas por ano.Merkel, enfraquecida por um recuo eleitoral em setembro, precisa de recuperar a “grande aliança” do passado, com o SPD, depois de falhadas outras tentativas, em novembro. Mas a formação só vai votar a 21 de janeiro se deseja, ou não, começar negociações com a CDU.

Não. Na verdade, analistas insistem em que toda essa ansiedade é desmedida. A Constituição de Alemania calcula esses fases entre votações e a formação de um governo. A salinha anterior segue em exercício com os mesmos poderes e sem prazo. Merkel continua sendo chanceler, na coalizão com o SPD, até a formação do novo governo. O país, portanto, não está paralisado nestes meses.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: United States, Jamaica

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Por que Angela Merkel ainda não formou o seu governo, quase 4 meses após as votações de Alemania?
>>>>>Quatro meses após eleição, Merkel faz pré-acordo por coalizão na Alemanha – (FolhaGeneric)
>>>>>Alemanha a um passo de governo de grande coligaç – January 12, 2018 (Euronews-pt)
>>>>>>>>>O impasse político alemão – (Euronews-pt)
>>>>>>>>>CDU e SPD desbravam caminho para uma grande coligação – (Euronews-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Angela Merkel 125 0 PERSON 16 Angela_Merkel: 2, Merkel: 10, (tacit) ele/ela (referent: Merkel): 4
2 a Alemanha 50 0 PLACE 8 A Alemanha: 1, a Alemanha: 6, Alemanha: 1
3 eu 0 0 NONE 7 (tacit) eu: 7
4 aliança 0 0 NONE 6 a aliança: 1, uma aliança: 2, sua aliança: 1, Essa aliança: 1, uma coalizão: 1
5 Martin Schulz 0 0 PERSON 5 Martin_Schulz: 2, Schulz: 3
6 CDU 0 20 ORGANIZATION 4 O partido CDU de Merkel: 1, (tacit) ele/ela (referent: a CDU): 1, a CDU: 2
7 SPD 0 0 ORGANIZATION 4 o SPD: 4
8 sistema 0 2 NONE 3 o sistema: 3
9 eleições 50 0 NONE 3 novas eleições: 1, eleições: 2
10 governo 3 0 NONE 3 o governo: 2, seu próximo governo: 1