RodrigoJanotsabatina.jpg

Raquel Dodge e o arriscado contraponto com Janot

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Rodrigo Janot sabatina

Há um esforço em buscar um contraponto entre a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e seu antecessor, Rodrigo Janot. Enquanto se a descreve como discreta e cautelosa, Janot agora é assinalado como midiático e atabalhoado. Não é somente o jornalismo a se arriscar em comparações nem sempre precisas. A própria equipe de Dodge anima esse paralelo ligeiro.

Sem pirotecnia Pessoas próximas à nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ddeclaramque, em seu discurso de posse, nesta segunda , ela cvai criticarvazamentos e revidenciaráos dprejuízosde condenações midiáticas. Também vai defender o respeito ao devido processo legal e erguerá a bandeira da harmonia entre os Poderes.

Na quinta-feira 14 de setembro o Supremo Tribunal Federal havia deixado o percurso livre para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot exibi nova acusação contra o presidente Michel Temer nesta semana, antes de deixar a posição no domingo. No entanto, devido aos questionamentos sobre a legalidade da delação da JBS, persistia a insegurança jurídica sobre o futuro de uma eventual acusação.

Rodrigo Janot Monteiro de Barros Orb é um jurista de Brasil.

Dodge é uma marca de automóveis e veículos comerciais pertencente ao grupo Fiat Chrysler Automobiles.

José Alfredo de Paula em sessão no Tribunal Regional Federal da 1ª Região declarou: “O MP naturalmente não deixa de ser um ator político, pelas suas atribuições, que são bastante grandes na Constituição”. José Alfredo de Paula é novo coordenador do grupo de trabalho da Lava Jato na PGR. “Nós procuraremos levar para lá o que os senhores veem aqui no dia a dia. É uma atuação firme, mas responsável, com critério, com discrição, que é o estilo da futura procuradora-geral da República. Acho que é essa espécie de trabalho que se espera do Ministério Público”, adicionou.

Dodge foi elogiada, na comparação com Janot, porque definiu que sua atuação não vai ter como foco único a Lava Jato e a guerrazinha à corrupção. Mas valeria regressar ao discurso de posse de seu antecessor em 2013. Janot contava nos dedos das mãos a quantidade de acusações criminais que havia oferecido na longa carreira no Ministério Público. Valeria igualmente regressar a 2014 e lembrar que era a força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba quem liderava os inquéritos da Lava Jato. Janot não tinha a operação como pauta de sua administração. Assim como Raquel Dodge, ele considerava que a Procuradoria-Geral da República não teria que ter a pauta criminal como ponto central de sua administração.

O MPF de 2017 é diferente do MPF de 2013. Mas o norte e os desafios são os mesmos: a luta pelo Direito e pela Justiça, de maneira infatigável, de olhos abertos e prontidão constante.No ano passado, em acontecimento na Embaixada da Espanha, ela defendeu a adoção de “algo como uma tabela, a exemplo do que já existe em Portugal e em outros países europeus, que correlacione a quantidade e a natureza da droga para diferenciar o usuário do traficante”.

Dodge não é midiática. Este é outro elogio habitualmente feito a ela por quem deseja compará-la a Janot. Parte-se, portanto, do pressuposto de que Janot era midiático. Se o era, o agora ex-procurador-geral falhou e padeceu, recentemente, um revés na disputa pela opinião pública. Janot não costumava conceder vislumbradas, mas está pagando pelos vazamentos de informações de delações premiadas – condenação justa ou injusta.

Na sua vez, em revista A colegas do Judiciário, Dodge explicou que a resolução de instituir uma estrutura para revisar delações não tem conexão com caça às bruxas. Ela deseja encontrar lacunas para novos inquéritos. Declarou ter medo que, só com os relatos, as denúncias não parem de pé.

Um ator também descreve como responsável por tornar o Ministério Público um ator de a agenda política de o país. Seria possível que a Lava Jato não fosse, por si só, um fato político capaz de embaralhar a conjuntura política do país? Cabe outra questão: Raquel Dodge seria uma personalidade apolítica? Isso existe? Dodge não foi a primeira colocada na lista tríplice de candidatos à PGR, mas foi a selecionada por Temer. Depois da escolha, os dois se encontraram à noite, fora da agenda pública, no Palácio do Jaburu. Ele teve o suporte de caciques do PMDB, como José Sarney, e do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, visto como aliado do governo Temer. Isso nada mais é do que política. E alguém poderia supor que o novo PGR seria selecionado se não tivesse suportes no Congresso e no Executivo, incluindo os também investigados presidentes do Senado e da Câmara?

Se arriscam as comparações portanto as comparações, portanto, . E injustas, ao menos neste momento, pois Enquanto Janot está de saída depois de quatro anos de um mandato sui generis, raquel Dodge está no benefício de estar começando sua administração. Janot certamente cometeu acertos e erros. Dodge também vai ter êxitos e falhas. E, com certeza, vai se aproveitar da experiência do antecessor para não repetir seus erros. Mas faz sentido pensar que ela vai ser o contraponto dele?

Por fim, é precioso recordar que, no final da administração de Roberto Gurgel, Renan Calheiros se declarou acalmado com a posse de Janot, com quem poderia ter diálogo institucional. A dinâmica da Lava Jato, a cultura institucional do MP e a pressão social pela guerrazinha à corrupção acabaram com as esperanças do senador. Dodge, como qualquer procurador, é menor que a instituição, mas ela poderá conservar-la no rumo certo.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Curitiba

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Raquel Dodge e o arriscado contraponto com Janot
>>>>>Raquel Dodge criticará vazamentos seletivos em discurso de posse nesta segunda – September 17, 2017 (FolhaGeneric)
>>>>>Janot: ‘devo ter errado, mas não fui omisso’ – (FolhaGeneric)
>>>>>Em dez pontos: como pensa a nova procuradora-geral, Raquel Dodge? – (BBCBrasil-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Rodrigo Janot 80 50 PERSON 14 Rodrigo_Janot: 1, Janot: 10, Janot_Monteiro_de_Barros_Orb: 1, seu antecessor Rodrigo_Janot: 1, ele (referent: Janot): 1
2 Dodge 40 60 PERSON 8 Dodge: 7, (tacit) ele/ela (referent: Dodge): 1
3 Raquel Dodge 0 0 PERSON 6 (tacit) ele/ela (referent: Raquel_Dodge): 1, ela (referent: Raquel_Dodge): 1, Raquel_Dodge: 4
4 eu 0 0 NONE 5 (tacit) eu: 5
5 PGR 0 0 ORGANIZATION 4 a PGR: 2, o novo PGR: 1, (tacit) ele/ela (referent: o novo PGR): 1
6 Janot 0 75 ORGANIZATION 3 (tacit) ele/ela (referent: a Janot): 2, a Janot: 1
7 acusações 0 130 NONE 2 denúncias criminais: 1, as acusações: 1
8 corrupção 0 120 NONE 2 a corrupção: 2
9 atribuições 100 0 NONE 2 atribuições: 2
10 exemplo 100 0 NONE 2 exemplo: 2