Relato de jovem ‘envenenada’ por slime provoca preocupação em pais; veja cuidados

Por: SentiLecto

O alerta vermelho acendeu. A febre dos slimes — massa gosmenta que as crianças têm produzido em casa como brinquedo — virou tema nas escolas e parquinhos da cidade depois de uma mãe em São Paulo compartilhar nas redes sociais que sua filha de 12 anos ficou internada por manuseá-lo excessivamente. Experts alegam que a preocupação tem fundamento: dependendo do material usado na fabricação, pode provocar alergia e queimaduras.

De acordo com o relato sobre a menina Valentina, diagnosticada com “envenanemento por bórax”, a pequena fazia slimes em casa diariamente, tendo um contato estendido com bórax, que diluía em água para brincar. A jovem está internada há nove dias por gastroenterite. Segundo o portal da ANVISA, os sintomas de alerta para envenamento por bórax são náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia com coloração azul/esverdeada, cianose, queda de pressão sangüínea, letargia ou choque.

— Eu nem sabia que existia essa substância. Nas escolas e no parquinho fazem com espuma de barbear, não sabia que também mesclavam uma substância arriscada — Patrícia de Matos Fernandes, mãe de três.

O perigo está na fórmula usada para fabricação do brinquedo. A uso do boráx diluído em água — que tem sido vendido no Brasil especificamente para a fabricação caseira de slimes — pode provocar contrariedades na pele. No entanto, altas concentrações podem fazer mais mal.

— As crianças que ficam muito tempo fabricando o slime têm exibição maior, que pode levar a queimaduras de até segundo grau — declara Nelson Cordeiro, expert da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia .

A febre nasceu quando youtubers ensinaram a fabricação do brinquedo, há cerca de um ano. Atualmente, há canais específicos sobre o tema e até encontros. Nas escolas, no entanto, eles estão proibidos. — A gente não permite porque prende no cabelo do amigo, gruda na mochila, alguém pode escorregar com ele — conta Flávia Gomes, de 40 anos, da coordenação do Colégio Daltro, que está caindo agora, : — A febre já foi maior.

Produção

Existem diversas fórmulas para a confecção do slime e, não necessariamente, é preciso usar o boráx concentrada. Por isso, é melhor usar água boricada, que também tem a substância, mas tem uma concentração diluída, o que o deixa mais seguro.

Michele Brasil, tem dois filhos, um de 10 e outro de 5 anos. Num dia, os dois estavam fazendo slime numa pequena piscina de plástico sobre o sofá. Eles tentaram esconder a brincadeira e tudo escorreu sobre o móvel, quando ela chegou em casa. O resultado foi que a casa precisou adquiri um sofá novo.

— Mas eu não deixo eles utilizarem boráx, não adquiro. Só com água boricada que tem a quantidade liberada — conta Michele.

Outro problema é a utilização acumulada de sabão em pó e produtos de higiene pessoal, que contêm metilisotiazolinona ou khaton cg, pode também provocar reações alérgicas e até mesmo eczemas . Se usam esses produtos também em diferentes receitas de o slime.

Uma opção é o slime industrializado. Assim, a criança não faz parte do processo de reação química e nessa espécie de fabricação são usadas concentrações mínimas, o que não gera riscos para as crianças, e o Inmetro regulamenta os produtos.

As crianças tem utilizado cada vez mais produtos para colorir seus slimes: giz de ceras, sombras de maquiagem, achocolatados, ketchup, glitter, tintas etc.

Internação

A habitante de São Paulo Cris Pagano relatou, nesta semana, através das redes sociais que a filha está internada há mais de uma semana com um quadro de gastroenterite. Ela declarou que os exames exibiam resultados normais, exceto por uma inflamação nos gânglios linfáticos, que lutam infecções e quando um paciente está doente, sinalizam.

O médico, então, segundo Cris, desconfiou dos slimes que a menina continuava produzindo no quarto hospitalar e constatou que se tratava de um envenenamento por ácido bórico.

“Fiz o post para adverti os amigos, e fiquei impressionada com a quantidade de pais e mães que me mandaram mensagens sobre os filhos com os mesmos sintomas e sem diagnóstico. No Brasil, não existe teste para detectar o boro no sangue, mas meu médico está em contato com o Ceatox e soube de muitos casos como o das nossas filhas”, respondeu em uma observação.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Relato de jovem ‘envenenada’ por slime provoca preocupação em pais; veja cuidados
>>>>>Slime caseiro pode causar alergias de pele e até queimaduras de segundo grau, diz especialista – May 23, 2019 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 60 0 NONE 10 Eu: 1, (tacit) eu: 7, eu: 1, me: 1
2 crianças 0 0 NONE 5 As crianças: 3, as crianças: 2
3 Cris 0 0 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Cris): 3, Cris: 1
4 casa 0 0 NONE 4 casa: 3, a casa: 1
5 redes 0 70 NONE 3 as redes sociais: 1, redes sociais: 2
6 substância 0 70 NONE 3 essa substância: 1, uma substância perigosa: 1, a substância: 1
7 A utilização de o boráx diluído em água sido vendido em o Brasil especificamente para a fabricação caseira de slimes 0 0 PLACE 3 A utilização de o boráx diluído em água sido vendido em o Brasil especificamente para a fabricação caseira de slimes: 2, o Brasil: 1
8 Internação 0 0 ORGANIZATION 3 Ela (referent: Internação): 1, (tacit) ele/ela (referent: Internação): 1, Internação: 1
9 bórax 0 0 NONE 3 bórax: 3
10 escolas 0 0 NONE 3 as escolas: 3