Bancos mudam apostas para Selic após Copom e com dúvidas sobre reforma da Previdência

Por: SentiLecto

– Grandes bancos transformaram suas apostas para a trajetória da taxa básica de juros brasileira depois que o Banco Central diminuiu a Selic para o menor nível da história e diante das dúvidas sobre se o governo Michel Temer vai ser capaz de aprovar a reforma da Previdência neste ano na Câmara dos Deputados. Em um movimento amplamente esperado pelo mercado, o Comitê de Política Monetária do BC, que alegou que novos passos da política monetária precisam ser adotados com precaução, diminuiu a taxa básica para 7 por cento ao ano na quarta-feira, ante 7,5 por cento ao ano antes , e[nL1N1O624A] A leitura do comunicado e a conduta benigna da inflação levaram o Credit Suisse a modificar sua expectativa, passando a esperar mais uma diminuição da Selic em fevereiro contra estabilidade vista antes. No comunicado, o Copom revisou sua expectativa para a alta do IPCA neste ano a 2,9 por cento, ante 3,3 por cento anteriormente, valor que ficaria abaixo da meta oficial. A equipe econômica brasileira em comunicado declarou: “Achamos que o Copom também sinalizou que esse corte de 25 pontos básicos seria possivelmente o último corte da taxa de juros do ciclo atual de afrouxamento monetário, ao indicar “. Faz 10 meses, o BC ” telegrafou ” uma nova diminuição moderada em o ritmo de cortes em a avaliação de o BTG Pactual, a o divulgar que vai adotar ” precaução “. Se Ilan Goldfajn e sua equipe desejam desencorajar esperanças de cortes complementares além de fevereiro, ou ambas as chances, por outro lado, ainda não é possível saber se esse vocábulo menciona que o BC vai fazer um novo balanço de riscos e deixará a Selic inalterada em fevereiro declarou o BTG em comunicado. “Talvez a ata do Copom solucionará algumas dessas dúvidas de Finlandia textuais, mas por agora estamos levando em conta a parte central do comunicado e mudando nosso call para o nível final da Selic neste ciclo para 6,75 por cento, após corte de 25 pontos básicos que agora esperamos em fevereiro”, alega a nota do BTG, assinada pelo economista Eduardo Loyo. Faz 10 meses, em uma linha diferente, o Itaú Unibanco já esperava um corte antes de a resolução de o Copom, mas transformou suas projeções diante do risco de que a reforma da Previdência não seja aprovada pelo Congresso. Faz 10 meses, o banco diminuiu de 0,5 para 0,25 ponto sua expectativa para o corte de a Selic “Reconhecemos que a ausência de melhorias na agenda de reformas e de ajuste fiscal tornaria o segundo corte de 0,25 pontos porcentuais menos provável e, consequentemente, ampliaria a possibilidade do ciclo de flexibilização concluir com a taxa Selic em 6,75 por cento.” As possibilidades de eleição da reforma da Previdência na próxima semana estão menores, declarou à Reuters uma liderança governista, devido a resistências de partidos aliados como o PRB, o PR e o PSD. [nL1N1O71C3] Nesta sessão, o dólar operava com forte alta ante o real, invalidando a queda acumulada nos últimos quatro pregões e se aproximando dos 3,30 reais, diante da precaução com as possibilidades de o governo conseguir votar a reforma da Previdência em breve devido àodobstáculode conquistar asuportepolítico suficiente. [nL1N1O70XI]

– O dólar operava em baixa ante o real nesta terça-feira, dando permanência ao movimento da véspera, após o Banco Central anunciar nova intervenção no mercado para injetar liquidez. Os investidores, no entanto, continuavam atenciosos às negociações do governo do presidente Michel Temer para tentar garantir asuporteà reforma da Previdência. Às 12:05, o dólar recuava 0,67 por cento, a 3,2253 reais na venda, depois de cair 0,29 por cento na véspera. Na mínima da sessão, a moeda marcou 3,2204 reais. O dólar futuro recuava cerca de 0,60 por cento. O diretor da consultoria de valores mobiliários Wagner Investimentos, José Faria Júnior alegou: “O leilão auxilia a puxar para baixo o dólar ao acalmar a pressão de compra”. Ele referia-se ao leilão de venda de dólares com compromisso de recompra anunciado na noite passada e no valor de até 2 bilhões de dólares. Os leilões acontecerão nesta tarde e, segundo o BC, o leilão A tem data de liquidação em 2 de fevereiro de 2018 e o leilão B em 3 de abril de 2018. A assessoria de jornalismo do BC explicou que os leilões de linha buscam dar liquidez ao mercado no final do ano, quando costuma ficar menor, e não serão para rolar contratos já existentes. O BC também realizou novo leilão e vendeu o total de até 14 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de janeiro. Até agora, rolou o equivalente a 2,1 bilhões de dólares do total de 9,638 bilhões de dólares que vencem no mês que vem. Como pano de fundo, os investidores continuavam de olho nas negociações do governo com os partidos da base para garantir suporte para votar a reforma da Previdência neste mês na Câmara dos Deputados, onde ainda não tem votos suficientes. O governo tenta mostrar mais otimismo após a rodada de conversas que Temer capitaneou no fim de semana com o objetivo de conquistar suporte de presidentes e líderes de partidos à reforma. Nesta terça-feira, a bancada do PMDB na Câmara dos Deputados decidiu pelo encerramento de questão em defesa da reforma da e deve oficializar pedido para a Executiva Nacional, declarou à Reuters uma fonte da legenda. Para o governo, o melhor dos mundos seria que os partidos da base fechassem questão em defesa da reforma da Previdência, o que ampliaria as possibilidades de aprovação em breve. No entanto, as legendas dão sinais de que não têm que adotar essa posição, no máximo recomendando o voto favorável à matéria. A obstáculo do governo de conseguir suporte à reforma –considerada essencial para colocar as contas públicas em ordem– fez o dólar mudar de pplatôem outubro passado, quando chegou a ser negociado no pplatôde 3,15 reais mas foi próximo a 3,30 reais. No exterior, o dólar abandonou a pequena queda de mais cedo e apresentava leve alta ante uma cesta de moedas. Também subia ante rand de Sullana e o peso mexicano.- O dólar concluiu a terça-feira em queda ante o real, pela terceira sessão consecutiva, após o Banco Central anunciar nova intervenção no mercado para injetar liquidez. Os investidores também continuaram atenciosos às negociações do governo do presidente Michel Temer para tentar garantir asuporteà reforma da Previdência. O dólar recuou 0,40 por cento, a 3,2341 reais na venda, acumulando, nas três sessões, baixa de 1,15 por cento. Na mínima, a moeda foi a 3,2204 reais e, na máxima, 3,2473 reais. O dólar futuro caía 0,34 por cento. O diretor da consultoria de valores mobiliários Wagner Investimentos, José Faria Júnior alegou: “O leilão auxilia a puxar para baixo o dólar ao acalmar a pressão de compra”. Ele se referia ao leilão de venda de dólares com compromisso de recompra anunciado na noite passada e no valor de até 2 bilhões de dólares. A assessoria de jornalismo do BC explicou que os leilões de linha buscam dar liquidez ao mercado no final do ano, quando ela costuma ficar menor, e não serão utilizados para rolar contratos já existentes. O BC também realizou novo leilão e vendeu o total de até 14 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de janeiro. Até agora, rolou o equivalente a 2,1 bilhões de dólares do total de 9,638 bilhões de dólares que vencem no mês que vem. Como pano de fundo, os investidores continuaram de olho nas negociações do governo com os partidos da base para garantir suporte para votar a reforma da Previdência neste mês na Câmara dos Deputados, onde ainda não tem votos suficientes. O governo tenta mostrar mais otimismo após a rodada de conversas que Temer capitaneou no fim de semana com o objetivo de conquistar suporte de presidentes e líderes de partidos à reforma. Nesta terça-feira, a bancada do PMDB na Câmara dos Deputados decidiu pelo encerramento de questão em defesa da reforma da e deve oficializar pedido para a Executiva Nacional, declarou à Reuters uma fonte da legenda. Senador Ciro Nogueira também declarou, em nota, que vai defender o encerramento de questão em defesa da reforma da Previdência assim que a matéria for pautada pela Câmara dos Deputados. Senador Ciro Nogueira é o presidente do PP. A obstáculo do governo de conseguir suporte à reforma –considerada essencial para o ajuste das contas públicas– fez o dólar mudar de pplatôem outubro passado, quando chegou a ser negociado no nível de 3,15 reais, mas foi próximo a 3,30 reais. No exterior, o dólar abandonou a pequena queda de mais cedo e subia alta ante uma cesta de moedas. Também progredia ante os pesos chileno e mexicano.- Ana Paula Vescovi alegou nesta quarta-feira que, o governo vai perder a confiança dos mercados financeiros, se a reforma da Previdência não for aprovada em breve. Ana Paula Vescovi é a secretária do Tesouro Nacional. Ela em entrevista à rádio CBN aalegou “Se não for aprovada , pvamo perdera confiança dos mercados”.Para os mercados financeiros, a aprovação da reforma da Previdência é essencial para colocar as contas públicas em ordem e conservar o Brasil no percurso da recuperação econômica. O governo vem frear verdadeiro combate para tentar conseguir suporte político para aprovar a reforma da Previdência na Câmara dos Deputados ainda neste ano, mas tem encontrado algumas resistências dentro da base aliada. Ainda que existem outras matérias importantes para a economia e o Orçamento de 2018 no Congresso, ana Paula declarou , como as Medidas Provisórias que instituem imposto sobre fundos de investimentos fechados e aumentam a alíquota previdenciária para servidores públicos federais. “É importante que sejam aprovadas ainda neste ano”, reforçou a secretária. Segundo ela, o Congresso tem sido um parceiro por ter aprovado importantes matérias propostas pela equipe econômica, como o telhado dos gastos públicos.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Bancos mudam apostas para Selic após Copom e com dúvidas sobre reforma da Previdência
>>>>>Dólar cai ante o real com nova atuação do BC, mas mercado continua de olho em Previdência – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Dólar tem 3ª queda seguida ante real com atuação do BC e Previdência – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Se Previdência não for aprovada, perderemos a confiança dos mercados, diz secretária do Tesouro à CBN – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 160 0 NONE 13 (tacit) eu: 13
2 BC 0 25 ORGANIZATION 8 O BC: 3, o BC: 4, (tacit) ele/ela (referent: O BC): 1
3 dólar 0 0 NONE 8 o dólar: 3, O dólar: 3, O dólar futuro: 2
4 nós 0 0 NONE 7 (tacit) nós: 7
5 por_cento 0 0 NONE 7 3,3 por_cento: 1, 6,75 por_cento: 1, 2,9 por_cento: 1, 0,40 por_cento: 1, 7 por_cento: 1, 0,34 por_cento: 1, 0,60 por_cento: 1
6 governo 0 0 NONE 5 O governo: 3, o governo: 2
7 queda 0 120 NONE 4 a queda acumulada: 1, queda: 1, a pequena queda: 2
8 Medidas Provisórias 0 80 ORGANIZATION 4 (tacit) elas (referent: as Medidas_Provisórias): 1, (tacit) eles/elas (referent: as Medidas_Provisórias): 1, as Medidas_Provisórias: 2
9 dólares 160 0 NONE 4 dólares: 4
10 investidores 25 0 NONE 4 Os investidores: 2, os investidores: 2