PresidentaLauraChinchillafirma.jpg

Ditaduras não perdem votações, fazem fraude como em Caracas

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Assinatura de Laura Chinchilla

Os resultados das votações regionais deste domingo , segundo os números oficiais, só podem ser explicados por uma frase curta e grossa da ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla: “As ditaduras não perdem”, declarou ela, conforme recolhe o jornal “El País”.

Laura Chinchilla Miranda é uma política e cientista política da Costa Rica, tendo sido a 47ª presidente de seu país, entre maio de 2010 e maio de 2014.

El País é um jornal diário espanhol fundado em 1976, no fase de transição para a democracia, após o fim do Franquismo.

De fato, ditaduras costumam exibi resultados eleitorais ainda mais contundentes do que os 75% de governos estaduais que os chavistas anunciam ter conquistado .

Contraria a lógica mais elementar. Faz 2 anos, afinal em votações legislativas, a última chance lícita para medir o renome de o governo, o chavismo ficou com %40,8 de os votos contra %56,2 de a oposição.

O que ocorreu nos dois anos seguintes? Faz 1 ano, a economia padeceu uma contração de %16,5, em 2016. Este ano, anda para desabar mais 12%, segundo os dados divulgados há pouco pelo Fundo Monetário Internacional.

A inflação, sempre segundo o FMI, vai ficar este ano em 652,7 % e, em 2018, vai ir a estratosféricos 2.349,3 %.

Algum governo pode ganhar uma votação com uma situação catastrófica como essa? E ainda falta adicionar um desabastecimento generalizado e um índice de criminalidade infernal.

Mas talvez haja uma explicação algo mais sofisticada, dada por David Smilde, blogueiro do Washington Office on Latin America e um dos analistas mais interessantes da situação venezuelana: Nicolás Maduro e sua turma estariam tentando polir o rótulo de ditadura para transformá-lo em algo como “ditabranda”.Do outro lado, o situacionismo fica com pouco mais da metade das intenções de voto dos oponentes , e há ainda 20,7% que não sabem ou não respondem em quem votarão.

Só ganha com fraude, o que, de resto, já havia ocorrido há pouco, na votação trucada para uma Assembleia Constituinte: o governo anunciou um número de votantes bastante maior do que o que de fato houve.

Aliás, os números anunciados para a votação da constituinte são outro forte indício de que houve fraude neste domingo: segundo o governo, votaram 8 milhões de pessoas, o que dá 41,53% do eleitorado total . O governo atestou oficialmente que a maioria dos de Venezuela são contra a Assembleia Constituinte, mesmo que fosse verdade.

Como é possível que, três meses depois, o governo obtenha votos suficientes para ficar com três quartos dos governos estaduais?

Está berrando fraude de novo, mas nada mudará. A oposição é impotente. O governo é incompetente, além de abusivo. Só resta aos de Venezuela escapar, como vêm fazendo em massa nos últimos anos.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Costa Rica

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ditaduras não perdem votações, fazem fraude como em Caracas
>>>>>Com eleições regionais, ditadura da Venezuela tenta ser “ditabranda” – October 12, 2017 (FolhaGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 governo 0 220 NONE 6 o governo: 4, Algum governo: 1, O governo: 1
2 o governo 40 0 NONE 4 (tacit) ele/ela (referent: o governo): 4
3 fraude 0 120 NONE 3 fraude: 3
4 Laura Miranda Chinchilla 0 0 PERSON 3 ela (referent: Laura_Chinchilla): 1, Laura_Chinchilla_Miranda: 1, Laura_Chinchilla: 1
5 oposição 0 70 NONE 2 a oposição: 1, A oposição: 1
6 indício 160 0 NONE 2 outro forte indício: 2
7 números 80 0 NONE 2 os números oficiais: 1, os números anunciados: 1
8 ditaduras 60 0 NONE 2 As ditaduras: 1, ditaduras: 1
9 votos 20 0 NONE 2 votos suficientes: 1, os votos: 1
10 Assembleia Constituinte 0 0 ORGANIZATION 2 uma Assembleia_Constituinte: 1, a Assembleia_Constituinte: 1