Governo de Brasil culpa Maduro por mortes em protestos na Venezuela

Por: SentiLecto

O Ministério das Relações Exteriores atribuiu nesta quinta-feira aNicolás Maduro a “responsabilidade primária” pelas três mortes nas manifestações da oposição ao chavista na quarta . Nicolás Maduro é o presidente da Venezuela.

O comunicado declara: “A responsabilidade primária pela violência cabe ao governo de Venezuela, por tratar a liberdade de expressão e de opinião como ameaça e por incentivar a ação armada contra manifestações”.

O Itamaraty condenou a repressão aos protestos, que considera ter como objetivo a “defesa da restauração das liberdades democráticas”, lamentou as mortes e prestou condolências aos familiares das vítimas.

“O Brasil reitera a exortação ao governo de Venezuela para que atue com moderação, de forma a instituir as condições para a pacificação e para o diálogo”.

Na sua vez, “Mais uma vez [Maduro] insiste em delatar combates imaginários e complôs inexistentes, com o único objetivo de tentar intimidar o povo venezuelano”, alega a união de partidos, que repudiou as declarações sobre Borges.O governo anunciou uma operação chamada plano zambiano, militares, policiais e civis para garantir o funcionamento do país, sua “segurança, ordem interna e integração social”.“Os culpados dos organismos de segurança do Estado têm que garantir o exercício do direito de manifestação pacífica, sob um apego rigoroso aos direitos humanos. Os dispositivos de negociação devem se esgotar antes do utilização da força pública”, alega um comunicado divulgado por Ortega.

Na sexta-feira 07 de abril as autoridades da Venezuela haviam confirmado que um jovem havia sido morto durante protestos contra o governo e haviam prometido investigar a morte, a primeira desde que uma polêmica envolvendo o Tribunal Supremo de Justiça havia irrompido npassada.

Michel Miguel Elias Temer Lulia é um político, advogado, professor universitário e escritor brasileiro, atual presidente brasileiro após a destituição da titular, Dilma Rousseff.

Faz 4 meses, o governo de Michel Temer também voltou a defender a convocação imediata de as votações regionais, calculadas, o agradecimento de a independência de os poderes e a libertação de os inimigos presos.

As proposições e a aceitação de assistência humanitária são os pontos do diálogo entre Maduro e seus oponentes para resolver a crise política, mediado no ano passado pelo Vaticano e por ex-dirigentes de três países.

As medidas passaram a ser pedidas por governos de países das Américas e pela União Europeia. As conversas, no entanto, não mostram disposição a voltar às negociações, se as isuspenderamem dezembro e ambos os lados.

“Há uma razão determinante: é a ascensão de um grupo de extrema direita. Voltaram as técnicas extremistas”, declarou. “A agressão dos governos da direita de Latinoamérica americana fracassada, a agressão do Departamento de Estado”.

A oposição também encampou as pré-requisito do diálogo. Já o presidente considera que seus adversários se aliaram aos Estados Unidos e países da região que se opõem a seu governo para dar um golpe de Estado.

Depois que o Tribunal Supremo de Justiça tentou tirar os poderes da Assembleia Nacional, os protestos desta quarta foram os maiores e mais abrangentes desde o começo da onda de manifestações, começada há três semanas.

A oposição voltou às ruas de Caracas nesta quinta e nse a impediu novamente de prosseguir por as forças de segurança.O número de manifestantes, porém, foi menor, assim como os locais onde eles se mobilizaram.

Fonte: FolhaGeneric

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Venezuela, United States, Brazil

Cities: Caracas

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Governo de Brasil culpa Maduro por mortes em protestos na Venezuela
>>>>>Maduro convoca militares e milicianos horas antes de protestos na Venezuela – (FolhaGeneric)
>>>>>Maduro denuncia complô militar antes de marcha da oposição – April 19, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Maduro anuncia expansão de milícias para 500 mil membros – April 17, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Procuradora-geral pede respeito ao direito de protestar pacificamente na Venezuela – April 19, 2017 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Maduro anuncia reforço em força armada e pede lealdade à população – April 18, 2017 (FolhaGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Nicolás Maduro 0 0 PERSON 6 Nicolás_Maduro (apposition: o presidente de a Venezuela): 1, (tacit) ele/ela (referent: Maduro): 3, Maduro: 2
2 governo 0 15 NONE 5 O governo: 1, seu governo: 1, o governo: 1, o governo venezuelano: 2
3 Itamaraty 110 0 ORGANIZATION 3 O Itamaraty: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Itamaraty): 2
4 protestos 50 160 NONE 2 os protestos: 1, protestos: 1
5 responsabilidade 80 0 NONE 2 A responsabilidade primária: 1, a responsabilidade primária: 1
6 Tribunal Supremo de Justiça 0 0 ORGANIZATION 2 o Tribunal_Supremo_de_Justiça: 2
7 adversários 0 0 NONE 2 seus adversários: 1, seus rivais: 1
8 as conversas 0 0 NONE 2 (tacit) elas (referent: As conversas): 1, (tacit) eles/elas (referent: As conversas): 1
9 comunicado 0 0 NONE 2 um comunicado divulgado: 1, o comunicado: 1
10 oposição 0 0 NONE 2 A oposição: 2