R.Unido tem que compensar pessoas que padeceram abusos após a II Guerra Mundial

Por: SentiLecto

Quando eram menores, a chamada Investigação Independente dos Abusos Sexuais a Crianças pediu nesta quinta-feira ao Governo britânico que compense economicamente mais de 2 mil pessoas que emigraram do Reino Unido após a II Guerra Mundial, e padeceram abusos sexuais em seus países de destino.

Se as mandou em os 25 anos posteriores a o fim de a disputa global, milhares de crianças de até cinco anos a o exterior a instituições ou famílias situadas em países dentro do Reino da Comunidade de Nações como Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Rodésia do Sul.

As nações descentralizadas do Reino Unido não têm poder de veto sobre a legislação do Brexit, mas ignorar suas vontades arrisca piorar relações já tensas, alimentando o patriotismo na Escócia, e complicando ainda mais o já difícil processo de saída da União Europeia.David Lidington declarou na segunda-feira que a maior parte dos poderes atualmente descentralizados iria permanecer automaticamente em Edimburgo, Cardiff e Belfast, as capitais das nações descentralizadas, depois que o Reino Unido deixar a União Europeia. David Lidington é o ministro-chefe do Gabinete do Reino Unido.

Na sábado 17 de fevereiro Theresa May havia pedido um novo tratado em matéria de segurança entre a UE e o Reino Unido para após o “brexit”, já que um rompimento da atual colaboração teria “consequências ruins reais”. Theresa May é a primeira-ministra britânica.

Muitos deles suportaram situações que incluíram abusos físicos e emocionais, descuidos e em muitos casos abuso sexual, além de fases de fome e uma inadequada educação, segundo detalhes do inquérito, estabelecida em 2014 pela primeira-ministra britânica, Theresa May, quando era titular de Interior.

O relatório aponta que o Governo do Reino Unido deveria oferecer uma compensação às vítimas por uma “política defeituosa” e a soma total a receber deve ser “igual para cada pessoa afetada”, ainda que o documento não estipule um número concreto.

“A maioria destas crianças que emigraram, faleceu. Isto significa que em muitos casos o Governo perdeu a chance de oferecer uma compensação àqueles afetados por ele”, imencionaiinquérito

“De todas formas, cerca de 2 mil crianças seguem vivas hoje, por isso é imprescindível que todos os sobreviventes recebam uma compensação”, adiciona.

Uma das vítimas descreveu a experiência durante o fase migratório como “uma tortura, mais do que um abuso” e explicou que se o fechou em um local conhecido como “o calabouço”, sem água e comida durante dias.

O relatório, composto por 160 páginas menciona: “Em uma ocasião obrigaram um grupo de 15 crianças a ver como matavam um cavalo que eles tinham como mascote, como maneira de castigo”.

O inquérito pede ao Governo do Reino Unido que estabeleça um esquema compensatório “sem demora”, no qual se os espera que os pagamentos comecem a ser realizados em os próximos 12 meses.

Fonte: EfeGeneric

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: United Kingdom, Australia, Canada

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>R.Unido tem que compensar pessoas que padeceram abusos após a II Guerra Mundial
>>>>>Escócia diz que não irá concordar com projeto de lei do Brexit após oferta do Reino Unido – February 27, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>May prevê futuro “brilhante” para o Reino Unido após o “Brexit” – (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 o Governo britânico 0 8 PERSON 3 o Governo: 1, o Governo britânico: 2
2 eu 3 0 NONE 3 (tacit) eu: 3
3 o Reino_Unido 0 0 PLACE 3 o Reino_Unido: 3
4 situações 0 140 NONE 2 situações: 2
5 abusos 0 120 NONE 2 abusos físicos e emocionais: 1, abusos sexuais: 1
6 casos 0 60 NONE 2 muitos casos abuso: 1, muitos casos: 1
7 as vítimas 0 50 NONE 2 (tacit) eles/elas (referent: as vítimas): 2
8 Theresa May 0 0 PERSON 2 Theresa_May (apposition: a primeira-ministra britânica): 1, Theresa_May: 1
9 cavalo 0 0 NONE 2 um cavalo: 2
10 investigação 0 0 NONE 2 investigação: 1, A investigação: 1