Anistia Internacional publica vídeo sobre os quatro meses do homicídio de Marielle

Por: SentiLecto

Neste sábado completam-se quatro meses do homicídio da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Para cobrar respostas para o crime, a Anistia Internacional publicou um vídeo com a família de Marielle.

O silêncio da não resposta à pquestão#QuemMatouMarielle #quemmandoumatarmarielle não fere só ameuaespíritoa, mas a de 46.502 eleitores de Marielle, a todas as mulheres, a população negra, LGBTI, favelada e periférica. Fere a todo de Brasilde Brasil e brasileira que acredita e sonha que esse ainda pode ser um país melhor e mais justo para todos. Fere sobre tudo a nossa democracia que não pode aceitar a brutalidade. A não resposta ao homicídio de Marielle fere o mundo que nos olha chocado com o consternação cometido na noite de 14 de março.

Na quinta-feira 05 de julho o general Richard Nunes havia alegado que o ministro da Segurança Raul Jungmann era um “amigo e um parceiro”. O general Richard Nunes é secretário estadual de Segurança do Rio. A declaração havia sido dada após o presidente Michel Temer e o interventor federal na área da segurança acertarem uma “ordem de silêncio” nos inquéritos do caso Marielle. O motivo seria uma suposta ‘verborragia do ministro da Segurança Pública’.

A mãe da parlamentar, Marienete da Silva, declarou que deseja saber o motivo da morte da filha: “O que estimulou isso, a gente deve saber. Essa dor não passará. Então, que, cada vez mais, as pessoas se engajem nesse projeto, que levem o nome da Marielle cada vez mais alto”.

Na quinta-feira, a Anistia Internacional pediu acompanhamento externo dos inquéritos sobre o crime, quando as mortes completaram 120 dias. Neste mesmo dia, manifestantes fizeram um ato na Candelária, no Centro do Rio.

CENTO E VINTE DIAS sem respostas NÃO pode ser admissível. Não há resultado de inquérito que possa ocupar o vazio da meu espírito, que traga ela de volta ou que vá tornar as madrugadas menos abomináveis. Mas não é só por ela… Não é só pela ausência dela ou pela minha dor. É pela nossa democracia e pelo sonho de um mudo melhor pelo qual sempre combatemo e pelo qual ela perdeu a vida.

Pelo Twitter, políticos se demonstraram sobre a falta de solução para o caso. O deputado estadual Carlos Minc postou “A questão que não pode calar! Há provas testemunha bomba. Provas são evidências. Há milícias, seus eleitos, seus empreendimentos clandestinos que Marielle contestava. Sempre foi+ difícil lutar milícia do que tráfico.Ela está dentro e fora do aparato da Segurança Pública! Xô Impunidade”.

Faz 4 meses, Marielle e Anderson foram mortos a tiros, dentro de um carro, em o Centro do Rio de 14 de março.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: Colombia

Cities: Candelaria

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Anistia Internacional publica vídeo sobre os quatro meses do homicídio de Marielle
>>>>>Viúva de Marielle: ‘120 dias chorando ao dormir e ao acordar quando sinto o lado direito da cama vazio’ – July 12, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Marielle 0 335 PERSON 7 a vereadora Marielle_Franco: 1, (tacit) ele/ela (referent: Marielle): 5, Marielle: 1
2 eu 0 80 NONE 4 (tacit) eu: 4
3 democracia 120 50 NONE 3 nossa democracia: 3
4 alma 0 0 NONE 3 minha alma: 3
5 resultado de investigação 0 0 NONE 3 (tacit) ele/ela (referent: resultado de investigação): 3
6 empreendimentos 0 100 NONE 2 seus empreendimentos clandestinos: 2
7 Anistia 0 0 PERSON 2 a Anistia_Internacional: 2
8 brasileiro 0 0 NONE 2 todo brasileiro: 2
9 da Marienete Silva 0 0 PERSON 2 Marienete_da_Silva: 1, (tacit) ele/ela (referent: Marienete_da_Silva): 1
10 dor 0 0 NONE 2 minha dor: 1, Essa dor: 1