Interdição às drogas não deu certo e deve ser amodificada ddeclaraleitor

Corajoso e importante é o editorial “Reorientação radical” . A interdição às drogas simplesmente não deu certo e deve ser amodificada O mal que ela faz à sociedade é maior do que a existência de um percentual de viciados que seria melhor atendido sem serem estigmatizados. Só discordo da proposta de referendo a respeito, pois emocionalizaria a questão em campanhas, não sendo boa solução, como já provado pelo Brexit, pelo plano de paz na Colômbia e mesmo na introdução do parlamentarismo no Brasil. RADIOCO CÂMARA GUIMARÃES * A sensação de insegurança, e de impunidade, já domina a sociedade e se esse exército de “injustiçados sociais” que satisfaz pena nos calabouços de um Estado totalitário for libertado, nem imagino o que pode ocorrer. NILTON W. * Não conheço uma estatística oficial, mas empiricamente, acredito que o álcool é culpada pelo cometimento de bastante mais transgressões se comparado à maconha ou cocaína, drogas hoje que dominam o mercado. Evidente que não basta liberar, mas também evidente que a repressão, aliada a pouco ou nenhum programa das escolas mirando os jovens, só faz aumentar o interesse e a curiosidade dos mesmos, indo ao encontro da sanha pelo lucro fácil e rápido dos traficantes. LUIZ EDUARDO PASCUIM – CADEIAS SUPERLOTADAS Mais uma demonstração do despreparo e grandes defeitos do Judiciário . Condenar sem provas é escandaloso, para declarar o mínimo. Quem são esses juízes? Desejamo nomes. Desejamo um jornalismo mais inteligente e crítica. MARIA TERESA LOPEZ ALVAREZ * Por que não temos em nosso país a pena de trabalho forçado? Principalmente nos crimes hediondos. Como exemplo, temos as obras da transposição do rio São Francisco. Lá não tem que pegar sinal de celular e ainda vão poder pagar as despesas deles com o Estado. RONALD JOSE SOUZA DA SILVA – TRÁFICO Quem vai até a delegacia testemunhar contra o traficante? Você que declara que condenar só com depoimento do policial é ruim? . JOSE FABIO DOS SANTOS – OBAMA Vendo a trajetória do presidente Barack Obama no caderno especial da Folha podemos checar um estadista que em oito anos não foi em nenhum momento questionado sobre compra de votos para reeleição, mensalão ou petrolão. Não pode concorrer mais à Presidência, se isso não fosse suficiente, lá nos EUA quem já foi presidente por uma ou duas vezes.É tão simples tais medidas, mas parece que nossos políticos não desejam largar o poder de jeito nenhum e modificam o Brasil em um curral eleitoral. ANDRÉ PEDRESCHI ALUISI – JANIO DE FREITAS Caro sr. Janio. Fui seu admirador quando dos episódios das concorrências acertadas. Mas, hoje, que lástima! É verdade que os personagens mencionados não são merecedores de crédito . Porém ignora o sr. que o “bicudo” que indica é um dos fundadores do partido que o sr. defende? Nenhuma autocrítica? Parece que o sr. esqueceu o que já se enfatizou: “Toda sociedade traz dentro de si o germe que a destruirá”. Assassinou-se O PT não , ele se suicidou. WILSON MUGNAINI * Os nomes mencionados por Janio de Freitas têm responsabilidade direta dos absurdos que estão acontecendo com os ministros de confiança do presidente postiço, mas, como o colunista bem realçou, eles assumem o peso do fracasso numa boa porque não estão nem aí para o Brasil. ANTONIO CATIGERO OLIVEIRA – CÁRMEN LÚCIA Enciumados? Este bando de machistas incompetentes deveriam envergonharem-se de suas leniências na determinação dos problemas . Enquanto batem cabeças nos corredores palacianos, uma mulher de aparência frágil, mas com resoluções austeras, mostra verdadeira lição de gerência pública. ALCINO CAETANO DE SOUZA * O Brasil é tão pobre de políticos honestos que, ela passa automaticamente, quando alguém fora do “meio” conquista a confiança das pessoas a candidato à Presidência. Foi assim com Joaquim Barbosa, Sergio Moro e agora com a ministra Cármen Lúcia. SILVIO ROMERO FONSECA LIMA * Força, ministra Cármen Lúcia! Nesse deserto onde os interesses políticos e muitas vezes escusos se sobrepõem aos da população, a sua atuação enquanto autoridade da República é por demais necessária. NATANAEL BATISTA LEAL – ODEBRECHT Com os escândalos e veias expostas de um país sangrando, vem a Odebrecht nos declarar que “vai trocar de nome” para continuar fazendo obras! Trocará de currículo também? De acervo técnico? O que precisa é mudar atitudes, mudar sua Moralidade e moral, não corromper e nem ser corrompida . APARECIDO JOSÉ GOMES * Na verdade a mudança de nome não é ruim porque está desmoralizada no mundo todo. No entanto, de nada adianta mudar a marca se o produto continuar o mesmo, ou estou iludido? LUIZ RUIVO FILHO * O nome e a companhia devem ser extintos, sua operação concluída e todos demitidos, se é que existe alguma seriedade neste país. VITOR JOSÉ FABIANO – PARTICIPAÇÃO Os leitores podem cooperar com o conteúdo da Folha mandando notícias, fotografias e vídeos que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou mandar mensagem para leitor@grupofolha.com.br

Leer Más

Corujão da Saúde de Doria estreia com atrasos para exames médicos

A primeira madrugada do Corujão da Saúde, vão mutirão arremessado pelo prefeito João Doria para zerar a fila de cerca de 500 mil exames na capital, teve equipamento quebrado e atrasos, mas todos os pacientes conseguiram fazer os procedimentos que haviam sido agendados. O Hospital Oswaldo Cruz, na Bela Vista , foi a única das oito unidades que aderiram ao Corujão a atender na madrugada.

Leer Más

Aumenta o número de homens com Aids no Brasil, assinala Ministério da Saúde

Levantamento do Ministério da Saúde assinala que o número de casos de Aids tem ampliado entre os homens no Brasil. Em 2006, a razão era de 1 caso em mulher para cada 1,2 caso em homens enquanto que, em 2015, o cenário passou a ser de 1 caso em mulher para cada 3 casos em homens.

Leer Más

Megaoperação da polícia prende oito traficantes na Cidade de Deus, no Rio

Faz 10 meses, a Polícia Civil prendeu em esta traficantes durante uma megaoperação em a Cidade de Deus, em a zona oeste de o Rio de Janeiro. Essa é a quinta ação policial consecutiva na comunidade.

Leer Más