Por que o projeto de portabilidade de dados não vai decolará sem a Apple

Por: SentiLecto

O chamado Data Transfer Project ou Projeto de Transferência de Dados aborda um ponto problemático que todos os usuários provam em seus telefones: agitar seus dados. Embora seja certamente mais fácil ao longo dos anos compartilhar fotografias, músicas e arquivos individuais de um aplicativo para outro, transferir grandes quantidades de dados ou bibliotecas e históricos inteiros entre serviços é muitas vezes um obstáculo.

A iniciativa de transferência de dados de código aberto tem como objetivo resolver esse problema. Ela já tem quatro grandes players prometendo suporte – Google, Facebook, Twitter e Microsoft – com o objetivo final de separar os dados do serviço. O projeto vai facilitar a migração dos usuários para um novo aplicativo ou rede ou simplesmente provar um diferente sem precisar iniciar do zero, quando estiver em funcionamento.

Conforme explica o gerente de produtos da ferramenta Google Takeout, Greg Fair, a ideia para o novo projeto surgiu a partir de uma frustração com as opções disponíveis para o gerenciamento de dados após eles serem baixados. “Quando as pessoas têm dados, elas desejam poder movê-los de um lugar para outro, e elas não podem fazer isso. É um problema que não podemos realmente resolver sozinhos.”

Na segunda-feira 09 de julho o Google havia arremessado um recurso que os usuários do Android queriam há muito tempo: o Messages para web. Finalmente, usuários do Android podiam entrar em um navegador para mandar mensagens, assim como os usuários da Apple o faziam. Embora o recurso ainda esteja sendo implementado, ele já está na web e é fácil de utilizar. Para isso, siga os passos abaixo:

Mas está faltando o suporte do maior jogador, enquanto os quatro membros fundadores são certamente grandes o suficiente para fazer o projeto decolar de todos: a Apple.

O Data Transfer Project tem um objetivo bastante simples que todos os fornecedores e desenvolvedores têm que suportar: portabilidade, privacidade e interoperabilidade. No anúncio, o Google, Facebook, Twitter e a Microsoft satisfizeram essa declaração de missão: facilitar a escolha dos indivíduos entre os serviços facilita a concorrência, capacita os indivíduos a provar novos serviços e permite que eles selecionem a oferta que melhor atenda as suas necessidades.

Ou seja, o projeto é um compromisso público para liberar os dados dos usuários de qualquer serviço e respeitar o direito de movê-los entre os aplicativos. Em termos simples, as fotografias do Facebook são somente fotografias, então quando a próxima grande rede social aparecer, o usuário não vai precisar reconstruir todo o seu perfil digital.

A vantagem também se aplica a situações não sociais, como o grupo explica em seu informe oficial: “Um usuário não consente com a política de privacidade de seu serviço de música. Ele deseja parar de usá-lo imediatamente, mas não deseja perder as playlists. Utilizando esse programa de código aberto, ele poderia utilizar a funcionalidade de exportação do fornecedor original para resgatar uma cópia de suas listas de reprodução na nuvem. Isso permite que eles importem as listas de reprodução para um novo fornecedor ou para vários fornecedores, assim que decidirem por um novo serviço.”.

Mas para que um projeto como esse funcione, ele precisa do suporte dos maiores e dos menores desenvolvedores e, claro, a Apple não poderia ficar de fora. Se o Data Transfer Project funcionar com as contas do Google, e não com o iCloud; ou o Spotify, e não com o Apple Music, ele jamais vai ficar tão bom.

O objetivo do projeto é algo que concomitantemente consente e discorda das principais filosofias da Apple. Por um lado, a companhia promove facilidade de utilização e interoperabilidade entre todos os seus produtos. A companhia está constantemente trabalhando para derrubar obstáculos para que os dados possam passar sem problemas de um equipamento para outro. Mas essa colaboração raramente se estende além do próprio ecossistema da Apple.

Mas se a empresa está verdadeiramente comprometida com a privacidade – e não somente com a privacidade dos equipamentos da Apple – ela precisa se posicionar. Ter seu ecossistema fechado tem benefícios. Todos os equipamentos funcionam bem juntos e são criptografados e seguros, recebendo os mais recentes patches e atualizações de segurança. Mesmo que a Apple facilitasse o processo de apoio ao Data Transfer Project, é por isso que muitas pessoas ficariam bastante contentes em ficar.

>Siga o IDG Now! também nas redes sociais. Estamos no Facebook, Twitter e Instagram

No momento, o sistema oferece apoio para a transferência de conteúdos como fotografias, e-mails, contatos, calendários/agendas e listas de tarefas. Se retiram essas informações a partir de APIs públicas de as plataformas – a lista inicial inclui Google, Microsoft Remember the Milk e SmugMug. Microsoft é twitter.

Fonte: Idgnow-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Por que o projeto de portabilidade de dados não vai decolará sem a Apple
>>>>>Google, Facebook e Microsoft querem facilitar transferência de dados – July 21, 2018 (Idgnow-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Data Transfer Project 140 0 ORGANIZATION 6 o Data_Transfer_Project: 2, O Data_Transfer_Project: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Data_Transfer_Project): 3
2 Spotify 0 40 ORGANIZATION 4 ele (referent: o Spotify): 1, o Spotify: 1, (tacit) ele/ela (referent: o Spotify): 2
3 projeto 0 25 NONE 3 o projeto: 2, um projeto: 1
4 companhia 220 0 NONE 3 a companhia: 1, a empresa: 1, A empresa: 1
5 eu 150 0 NONE 3 (tacit) eu: 3
6 dados 40 0 NONE 3 dados: 2, os dados: 1
7 recurso 0 0 NONE 3 o recurso: 1, um recurso: 2
8 problema 0 160 NONE 2 um problema: 2
9 benefício 125 0 NONE 2 O benefício: 1, vantagens: 1
10 nós 80 0 NONE 2 (tacit) nós: 2