Por: SentiLecto

– O presidente Jair Bolsonaro, que declarou ainda que “60% ou 70%” dos brasileiros serão infectados pelo coronavírus e que a tentativa é de atrasar a infecção para que os clínicas possam atender, alegou nesta quinta-feira que desconhece qualquer clínica no Brasil que esteja lotado por conta do coronavírus e que a epidemia “não é tudo isso que estão pintando”. , mas fez a ressalva de que não conhecia clínicas lotadas. Bolsonaro ainda voltou a criticar os governadores que adotaram medidas restritivas de isolamento social.

– O Twitter apagou duas publicações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro na rede social no domingo, nas quais ele divulgou vídeos que fez em cidades-satélites no Distrito Federal em que conversava com um vendedor ambulante e outro em que visitou um supermercado, provocando aglomerações e contrariando orientações de autoridades de saúde para conter a disseminação do coronavírus. Em nota, a rede social informou que recentemente aumentou suas normas para abranger conteúdos opostos à saúde pública. Embora os estudos sobre sua efetividade estejam em estágios iniciais, nos vídeos, Bolsonaro defende que as pessoas voltem ao trabalho e volta a mencionar o remédio hidroxicloroquina como um tratamento para o Covid-19, enfermidade provocada pelo coronavírus. «O Twitter anunciou recentemente em todo o mundo a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir Covid-19», afirmou a rede social em nota quando indagada sobre a decisão de apagar as publicações do presidente. Procurado, o Palácio do Planalto não respondeu imediatamente aos pedidos por observações. Bolsonaro tem contrariado as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde e defendido o fim do isolamento social, que tem sido utilizado para conter a propagação do coronavírus. O presidente também tem criticado medidas de limitação à circulação adotadas por governadores e prefeitos e aalegadoque os gestores locais são «exterminadores de empregos», trabalham com oacconcepçãode «terra arrasado» e estão cometendo «um crime» contra a economia do país. Ainda no domingo, após o passeio que fez pelas cidades-satélite, Bolsonaro declarou que estava «com vontade» de editar um decreto nesta segunda-feira que libera a volta das pessoas ao trabalho, medida que contraria o que tem preconizado o Ministério da Saúde e o titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta. [nL1N2BM097] Bolsonaro também tem diminuído a pandemia, referindo-se por mais de uma vez ao Covid-19 como uma «gripezinha». Segundo dados do Ministério da Saúde, a enfermidade já matou 136 pessoas até o domingo e o Brasil tem 4.256 casos confirmados de infecção pelo coronavírus. No mundo, de acordo com a OMS, o Covid-19 já matou mais de 30 mil pessoas e existem mais de 638 mil casos confirmados em 202 países. – O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta segunda-feira que confia ser possível recuperar a economia brasileira em um ano após o fim da crise do coronavírus, e declarou ter escutado do ministro da Economia, Paulo Guedes, que o pacote de medidas para mitigar os efeitos econômicos da pandemia no país vai chegar a cerca de 800 bilhões de reais. Em entrevista por telefone à Rede TV, Bolsonaro ddeclarouter conversado com Guedes nesta segunda sobre a situação econômica do país diante do coronavírus. «Conversei com ele hoje. As medidas tomadas por ele podem chegar, adicionando tudo, a por volta de 800 bilhões de reais», declarou Bolsonaro. «O que ele expôs pra mim hoje é essa chance de recuperar em um ano a economia é possível. Mais um ano, voltamos ao estágio que estávamos em janeiro, isso é possível sim», adicionou, quando acabar a crise. Bolsonaro realçou ainda que, ao ter conseguido aprovar no Congresso o decreto do estado de tragédia pública, não está faltando recursos para a saúde e para a guerrazinha ao desemprego. Mais uma vez, o presidente criticou medidas de isolamento social tomadas por governadores e prefeitos. Segundo ele, é preciso se inquietar com os 38 milhões de trabalhadores informais no país, que têm padecido as consequências das quarentenas. Ainda que a questão do emprego inquieta, o presidente alegou , ao realçar que o povo pede a ele para voltar a trabalhar. Bolsonaro, ao avaliar que a assistência mensal de 600 reais para os informais aprovada pelo Congresso auxilia declarou: «Não quarentena maior não pode ser imposta do que já está», mas não é suficiente. Bolsonaro declarou ainda que «quase todo mundo» pegará o vírus, mas o trabalho que tem sido feito é para evitar que todo mundo pegue ao mesmo tempo. Segundo ele, a curva de contaminação da doença, no entanto, não pode ser esticada a ponto de o desemprego ampliar «de maneira galopante». Bolsonaro declarou: «Pânico é uma enfermidade». Para ele, os malefícios do clima de histeria são bastante maiores do que o próprio vírus. Segundo o presidente, quem tem recursos pode ficar em casa na quarentena, mas a maioria da população não pode ficar sem trabalhar, pois precisa garantir o sustento. Se o coronavírus fosse algo, numa defesa indireta do giro que fez na véspera por cidades do Distrito Federal, Bolsonaro alegou que «horrivelmente fatal» para ele, não teria ido para a rua. O presidente declarou que tem problemas com governadores e com o Congresso que não são de agora, mas elogiou o Congresso por estar fazendo a sua parte neste momento de crise e mencionou a aprovação nesta segunda pelo Senado da proposta que calcula a ajudinha de 600 reais para os informais. – O presidente Jair Bolsonaro alegou na noite desta terça-feira que ninguém viverá sob nervosismo e frisou que Luiz Henrique Mandetta está «bem», ao ser questionado em frente ao Palácio da Alvorada se o titular do primeiro escalão está assegurado na posição. Luiz Henrique Mandetta é o ministro da Saúde. «Comigo ninguém viverá sob nervosismo. Está bem o Mandetta», declarou ele, ao ser ovacionado por apoiadores que, assim como de manhã, hostilizaram jornalistas no local. Bolsonaro e Mandetta têm protagonizado fricções sobre a atuação do governo federal na guerrazinha aa progressão do novo coronavírus no país. Enquanto o ministro defende o isolamento, o presidente tem defendido o relaxamento de medidas de distanciamento social adotada por governadores e prefeitos , sob o argumento de que tem havido excesso nas resoluções e que é preciso conservar a economia funcionando para não ampliar o desemprego e levar a nervosismos sociais. Mandetta, por sua vez, é em defesa de conservar medidas de contenção social para diminuir, ao máximo, a circulação do vírus no país e não sobrecarregar os serviços hospitalares.

Na quinta-feira 26 de março – Os governadores dos 26 Estados brasileiros decidiram, em reunião virtual extraordinária nesta quarta-feira, reagir à forma de atuação do presidente Jair Bolsonaro no enfretamento à pandemia do novo coronavírus no país e vão maconservaredidas mais restritivas de isolamento social para conter o avprogressãoa doenfermidadeO encontro virtual contou com a presença do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , que tem se colocado como uma espécie de contraponto de Bolsonaro nessa crise. Somente Ibaneis Rocha não participou do encontro. Ibaneis Rocha é o governador do Distrito Federal. Segundo a assessoria de jornalismo do governador de São Paulo, João Doria , todos os governadores decidiram seguir as orientações da Organização Mundial de Saúde e vão conservar o isolamento social. O Estado de São Paulo –o mais populoso do país– decretou uma quarentena que começou a vigorar na terça-feira. Doria declarou que o encontro ele não tinha nenhum viés político e ideológico nem ia se modificar numa «trincheira» contra o governo Bolsonaro. Mas ele realçou que cabia aos representan
tes dos governos estaduais, os presidentes da Câmara, do Senado, Davi Alcolumbre , e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, a tarefa de «resgatar o Brasil». Wilson Witzel defendeu as medidas de isolamento social adotadas e mencionou o colega de Goiás, Ronaldo Caiado , que também as defendeu. Wilson Witzel é o governador do Rio. Aliado desde a época da campanha de Bolsonaro, Caiado, que era médico, decidiu romper com o presidente após o pronunciamento dele na véspera em cadeia nacional de rádio e TV. Bolsonaro criticou medidas de isolamento social adotadas por governadores e defendeu um relaxamento dessas ações. Ele diminuiu a pandemia do coronavírus e evidenciou que medidas restritivas podiam prejudicar a economia do país.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Alvorada

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Epidemia do coronavírus não é tudo isso que estão pintando, declara Bolsonaro
>>>>>Twitter apaga publicações de Bolsonaro por contrariarem recomendações de saúde – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bolsonaro acredita que economia pode se recuperar em 1 ano após crise do coronavírus – March 31, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Guedes faz apelo para coronavírus não desorganizar economia brasileira – March 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Coronavírus: Bolsonaro promete pacote de R$ 85 bi de auxílio a estados e municipios – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Coronavírus: Guedes projeta retorno gradual da quarentena a partir de 7 de abril – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro acena com plano de R$85,8 bi para Estados por coronavírus – March 23, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo pode estender suspensão de pagamento da dívida para outros Estados, diz Bolsonaro – March 23, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro diz que governo federal poderá suspender dívidas de estados – March 23, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo pode considerar derrubar encargos trabalhistas, diz Guedes – March 18, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo estuda suspensão de pagamento de dívidas estaduais, mas não repassará R$15 bi–Waldery – March 20, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Bolsonaro diz que pode fazer novo pronunciamento para redirecionar ações contra coronavírus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Medidas para coronavírus somam até 5% do PIB, mas governo volta às reformas depois, diz Guedes – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Está bem o Mandetta, diz Bolsonaro sobre se ministro está assegurado no cargo – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 70 140 PERSON 31 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 1, O presidente Jair_Bolsonaro: 2, (tacit) ele/ela (referent: o governo Bolsonaro): 1, ele (referent: Bolsonaro): 4, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 8, Bolsonaro: 13, o presidente Jair_Bolsonaro: 1, ele (referent: o governo Bolsonaro): 1
2 governadores 0 120 NONE 8 todos os governadores: 1, os governadores: 2, governadores: 5
3 eu 50 85 NONE 7 (tacit) eu: 6, mim: 1
4 Congresso 0 0 ORGANIZATION 7 (tacit) ele/ela (referent: o Congresso): 3, o Congresso: 4
5 presidente 0 90 NONE 6 O presidente: 4, o presidente: 2
6 trabalho 0 60 NONE 4 o trabalho sido feito: 2, o trabalho: 2
7 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
8 isolamento 0 150 NONE 3 o isolamento social: 2, o isolamento: 1
9 país 0 150 NONE 3 o país: 3
10 João Doria 0 0 PERSON 3 João_Doria: 1, Doria: 1, ele (referent: Doria): 1