Por: SentiLecto

– A bolsa paulista firmava-se em queda nesta sexta-feira após o pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich, e com investidores digerindo uma bateria de resultados corporativos, incluindo perda histórica da Petrobras. Às 12:36, o Ibovespa caía 1,31%, a 77.974,63 pontos. O volume financeiro era de 11,3 bilhões de reais. Na semana, o Ibovespa acumula baixa de quase 3%. Além dos balanços, investidores acompanhavam o Índice de Atividade Econômica do Banco Central , que retraiu 5,90% em março ante o mês anterior – menos do que a expectativa em pesquisa da Reuters, de queda de 6,95%.. «Evidentemente, o indicador reflete a primeira parte da retração da economia em consequência as medidas de isolamento social implementadas desde meados de março. Esperamos permanência do movimento na próxima leitura», alegou Felipe Sichel, estrategista-chefe do modalmais. Faz 1 mês, se o assombrou, o mercado com o anúncio de o Ministério da Saúde de que Teich pediu demissão, menos de um mês após assumir a posição em 17 de abril. O Ibovespa renovou mínimas da sessão após a notícia. No exterior, o petróleo progredia, assim como bolsas na Europa adotaram um viés positivo. Em Wall Street, o S&P 500 caía, com novos ruídos nas relações comerciais entre os Estados Unidos e a China pressionando negócios. O governo Trump progrediu nesta sexta-feira no bloqueio de envios de semicondutores de fabricantes de microchip mundiais para a Huawei. A equipe da Elite Investimentos, em relatório a clientes realçou: «A extensão do banimento da companhia chinesa de telecomunicações Huawei de operar nos EUA até 2021 somou sentimento de aversão a risco no mercado de America». DESTAQUES – PETROBRAS PN subia 1,32%, apesar do perda histórico de 48,5 bilhões de reais de janeiro a março, com analistas realçando positivamente o performance operacional da empresa no fase, bem como a geração de caixa. PETROBRAS ON PETR3.SA> progredia 3,11%, puxada pela alta dos custos do petróleo no mercado externo. – CSN ON caía 4,41%, após perda líquida de 1,3 bilhão de reais no primeiro trimestre, em resultado que mostrou quedas nas vendas de aço e minério de ferro na comparação anual, impactadas pelos conseqüência da pandemia de coronavírus e chuvas do começo do ano. Faz 2 meses, a alavancagem medida por a relação dívida líquida sobre Ebitda subiu para 4,78 vezes em o final No setor de mineração e siderurgia, VALE ON subia 0,91%. – Uma vez que a forte valorização do dólar atingiu em repleto a linha financeira da empresa, jBS ON recuava 5,69% após exibi perda de 5,9 bilhões de reais no primeiro trimestre , ofuscando a ampliação da receita da fase. Em teleconferência com analistas, a companhia declarou que a procura nos EUA, sua principal geradora de receita, está bastante forte, com Estados do país diminuindo medidas de isolamento social. – B3 ON valorizava-se 4,12%, conforme a volatilidade severa dos mercados financeiros oriunda da crise do coronavírus turbinou as receitas do primeiro trimestre da empresa, que reafirmou meta de pagar aos acionistas até 150% do lucro aos acionistas em 2020. – SUZANO ON cedia 3,74%, em meio aa perda líquida de 13,4 bilhões de reais no primeiro trimestre, afetado pelo forte efeito da desvalorização do real contra o dólar na dívida em moeda estrangeira do grupo. O Ebitda adaptado, contudo, adicionou 3,03 bilhões de reais, alta de 10% e acima do que esperavam analistas, em média. Executivos da empresa afirmarma que a companhia vê motivos estruturais para aumentar custos de celulose nos EUA e Europa no final nestre trimestre, mas que a procura por papel de imprimir e escrever segue em queda. – FLEURY ON perdia 3,17%. A rede de hospitais de medicina diagnóstica teve queda no lucro do primeiro trimestre, já acusando os primeiros conseqüência da pandemia do coronavírus. – CYRELA ON recuava 6%, após divulgar lucro líquido de 28 milhões de reais no primeiro trimestre, uma queda ante os 48 milhões de reais em resultado positivo obtido no mesmo fase do ano passado. – SABESP ON, que caía 1,46%, caía 4%, após perda líquida de 657,9 milhões de reais no primeiro trimestre, revertendo lucro de 647 milhões um ano antes, com ampliação de despesas financeiras decorrente da valorização do dólar frente ao real e ampliação de provisões em meio à pandemia do Covid-19. Também no radar está o começo dos debates de revisão tarifário. – Enquanto agentes financeiros continuam monitorando potenciais medidas contra o Covid-19 com conseqüência potencialmente nocivos ao sistema financeiro, iTAÚ UNIBANCO PN tinha variação negativa de 1,95%, com BRADESCO PN em baixa de 2,55%.

– O Ibovespa futuro recuava nesta segunda-feira, sinalizando uma abertura negativa da bolsa paulista, em movimento alinhado a outras praças acionárias no exterior, conforme permanecem dúvidas relacionadas aos conseqüência da pandemia de Covid-19. Faz 11 meses, por volta de 09:40, o contrato de o Ibovespa com vencimento cedia %1,06, a 79.755 pontos. Em nota a clientes mais cedo, a Guide Investimentos realçou que, no exterior, investidores realizam parte dos ganhos acumulados na semana passada frente a um cenário que ainda reserva muitas incertezas. Enquanto a alta no número de casos em países como Coreia do Sul e Alemanha aumenta temores de uma segunda onda de contaminações, no radar, realça pressões pela reabertura econômica nos EUA e afrouxamento de medidas de isolamento social na Europa. O futuro do norte-americano S&P 500 cedia 1,2%.- O Ibovespa mostrava volatilidade na primeira etapa dos negócios nesta segunda-feira, em meio a um ambiente negativo no exterior e tombo de mais de 15% das ações do IRB, que contrabalançavam a alta das ações de bancos de varejo e salto de BRF após resultado trimestral considerado forte. Às 11:30, o Ibovespa caía 0,4%, a 79.938,95 pontos. O volume financeiro adicionava 5,45 bilhões de reais. Apesar da alta, o alento era aliviado pelo viés negativo em praças acionárias no exterior, onde pesavam preocupações sobre uma segunda onda de contaminação pelo Covid-19, com muitas regiões começando a reabrir suas economias. Nos Estados Unidos, o S&P 500 cedia 0,5%. Na visão do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, a reabertura econômica em vários países conserva mercados no campo positivo, mas novos casos de Covid-19 na China e Coreia do Sul impõem precaução. Observou: «Investidores temem que a recuperação esperada da economia mundial possa acontecer de maneira mais gradual». DESTAQUES – BRF ON progredia 13,2%, após diminuir perda líquido no primeiro trimestre de 2020 para 38 milhões de reais, comparado a uma perda de 1 bilhão de reais no mesmo fase do ano passado, graças a um ampliação no volume e no valor das vendas. No setor, MARFRIG ON tinha alta de 5,7%, MINERVA ON subia 4,1% e JBS ON ganhava 1,2%, com assistência ainda do movimento na cotação. – BANCO DO BRASIL ON tinha alta de 1,5% e puxava a valorização dos bancos no Ibovespa, com BRADESCO PN subindo 1,2% e ITAÚ UNIBANCO PN ganhando 1,6%. – VALE ON cedia 0,9%, acompanhando movimento de papéis de mineração e siderurgia na Europa, assim como outras empresas no setor no Brasil, como CSN ON, em baixa de 3,5%. – PETROBRAS PN progredia 0,4%, tendo de pano de fundo direção anômalo dos contratos futuros de petróleo no mercado internacional. A petrolífera declarou nesta segunda-feira que identificou 208 metros de reservatórios com óleo em um poço ao sudeste do campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, além de ter registrado novo descobrimento também no campo de Albacora, na Bacia de Campos. – IRB BRASIL RE despencava 14,8%, após comunicar que o órgão regulador do setor de seguros privados Susep decidiu instaurar Fiscalização Especial na empresa por esta exibi insuficiência na composição dos ativos garantidores de provisões técnicas e, consequentemente, da liquidez regulatória. O IRB declarou estar empenhado para solucionar a questão, com a maior brevidade possível. – AZUL PN caía 5,7%, Em 11 meses, após dados sobre trânsito mostrarem um tombo de %90 em a procura, refletindo conseqüência e medidas de a pandemia de Covid-19. No setor de viagens, um dos mais afetados pelo coronavírus, GOL PN recuava 5,45% e CVC ON perdia 8%. A alta do dólar em relação ao real, após trégua na sexta-feira, era mais um componente negativo para as ações.- Enquanto BRF saltou após balanço, o Ibovespa fechou em queda nesta segunda-feira, acompanhando o menor apetite mundial por risco, com IRB desabando quase 15% em meio a um inquérito pelo órgão regulador falta de recursos em reservas técnicas. Índice de referência do mercado acionário de Brasil, o Ibovespa cedeu 1,49%, a 79.064,60 pontos, após oscilar da mínima de 78.993,75 pontos à máxima de 80.722,75 pontos. O volume financeiro adicionou 21,4 bilhões de reais. O recuo vem após o Ibovespa progredir quase 3% na sexta-feira. No exterior, receios sobre uma segunda onda de contaminação pelo Covid-19 diminuíram o apetite a risco, com muitas regiões começando a diminuir as limitações de circulação de pessoas e funcionamento de atividades econômicas. Para a Elite Investimentos, as bolsas começaram a semana com preocupações de que o coronavírus ressurja em países como Coreia do Sul, «algo que prejudica os planos de reabertura econômica mesmo dos países que já passaram pelo pico da pandemia.» Autoridades sul-coreanas relataram 35 infecções novas no país até a meia-noite de domingo, o segundo dia consecutivo de casos novos desta magnitude e o maior número em mais de um mês. Na Alemanha, o Instituto Robert Koch para Controle de Doenças disse que o número de pessoas que cada doente infecta – taxa de transmissão – subiu a 1,1. Índice acima de 1 significa que o número de infecções está ampliando. Em Wall St, o S&P 500 fechou praticamente estável. Do cena doméstica, o estrategista para pessoa física da Santander Corretora Renato Chanes realçou a divulgação da ata da última resolução do Copom na terça-feira, e avaliou que a frente política vai continuar no radar dos investidores. Um dos principais holofotes é o esperado veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste dos servidores. Analistas da Terra Investimentos também realçaram o desenrolar do testemunho do ex-ministro Sergio Moro na semana passada «A agenda política, segue carregada e gerando forte volatilidade na bolsa de Brasil», avaliam. DESTAQUES – IRB BRASIL RE desabou 14,82%, após comunicar que o regulador do setor de seguros Susep abriu fiscalização na empresa por esta exibi insuficiência na composição dos ativos garantidores de provisões técnicas e da liquidez regulatória. O IRB declarou estar empenhado para solucionar a questão o mais breve possível. – VALE ON cedeu 2,29%, acompanhando movimento de papéis de mineração e siderurgia na Europa. CSN ON teve baixa de 5,76%. – PETROBRAS PN recuou 1,79%, refletindo fraqueza do custo internacional do petróleo, com o Brent caindo 4,4%. Em outra frente, a companhia declarou que identificou 208 metros de reservatórios com óleo em um poço a sudeste de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, além de novo descobrimento no campo de Albacora, na Bacia de Campos. – BRF ON subiu 11,26%, após diminuir perda líquido no primeiro trimestre de 2020 para 38 milhões de reais, ante perda de 1 bilhão de reais no mesmo fase do ano passado, graças ao ampliação no volume e no valor das vendas. – BANCO DO BRASIL ON teve alta de 0,63% em sessão mista para bancos, com BRADESCO PN recuando 1,51% e ITAÚ UNIBANCO PN ganhando 0,27%. – AZUL PN caiu 3,31%, após mostrarem um tombo de 90% na procura em abril, refletindo conseqüência e medidas contra a pandemia de Covid-19. No setor de viagens, um dos mais afetados pelo coronavírus, GOL PN recuou 4,18% e CVC ON perdeu 6,14%. A alta do dólar, após trégua na sexta-feira, também pesou nas ações. – LOCALIZA ON cedeu 5,23%, em meio a preocupações com os conseqüência das limitações à circulação, com a cidade de São Paulo ciniciandoum rodízio de veículos aaumentado Na semana passada, Luiz Carlos Moraes alegou que motoristas de aplicativos de transporte urbano devolveram nas locadoras cerca de 160 mil veículos em abril. Luiz Carlos Moraes é o presidente da Anfavea.- BANRISUL PNB caiu 3,24%, após a Reuters noticiar que o banco controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul está em conversas para vender seu negócio de cartões e que tem que contratar o JPMorgan como assessor nos próximos dias, segundo duas fontes com conhecimento do tema.

Na quarta-feira 06 de maio – A Gerdau GGBR4.Quando a siderúrgica também anunciou corte em investimentos para 2020, sA> teve queda de 51,3% no lucro líquido do primeiro trimestre em relação ao mesmo fase do ano anterior, para 221 milhões de reais, em performance marcada por queda em volumes e margens, conforme dados nesta quarta-feira. Faz 2 meses, a empresa declarou que a pandemia de Covid-19 impactou a performance de suas operações de negócios de março, em o que tangia em a produção e entrega de aço.O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização adaptado recuou 24,5%, para 1,177 bilhão de reais, com o preço por tonelada vendida exibiu alta de 6% contra uma alta de 2% na receita líquida por tonelada vendida. A margem Ebitda adaptada caiu a 12,8%. A média das projeções compiladas pela Refinitv assinalavam lucro líquido de 209,82 milhões de reais e Ebitda de 1,187 bilhão de reais. Enquanto os preços das vendas recuaram somente 4,4%, de janeiro a março, a receita líquida adicionou 9,228 bilhões de reais, queda de 8% ano a ano , para 8,372 bilhões de reais. Em volumes, a produção de aço bruto caiu 4,6%, para 3,188 milhões de toneladas e as vendas de aço cederam 9,8%, a 2,691 bilhões de reais. Aumento O primeiro trimestre também marcou ele em as despesas com vendas , gerais e administrativas de a empresa , de %2,5 , o que a Gerdau atribuiu a o conseqüência cambial em as operações de a empresa que eram expostas a o dólar. Quando houve uma forte diminuição de estoques, a Gerdau declarou que o fluxo de caixa livre do fase foi negativo, em 441 milhões de reais, exibindo piora ante último trimestre de 2019 , parcialmente recompostos nos primeiros três meses de 2020. Faz 1 ano, a dívida líquida em relação a o Ebitda ficou em 2,55 vezes ante 1,67 vez em 31 de dezembro de 2019, consequência, de acordo com a empres, de a variação cambial de o fase. Ao final do primeiro trimestre, 15,3% da dívida bruta era denominada em reais, 84,4% em dólar de Noruega e 0,3% em outras moedas. Ainda, 8,3% da dívida bruta era de curto prazo e 81,7% de longo prazo. Em 31 de março, 56% do caixa era denominado em dólar de Noruega. A companhia ainda ressaltou que nos últimos 12 meses registrou fluxo de caixa livre positivo superior a 4 bilhões de reais. INVESTIMENTOS A Gerdau também anunciou revisão do plano de investimentos para 2020 mencionando «incertezas do mercado». A previsão de desembolsos de capex para 2020 passou de 2,6 bilhões para 1,6 bilhão de reais. Faz 1 ano, com isso, a estimativa de 7 bilhões passou a ser de 6 bilhões de reais. Alegou: «Os desembolsos de Capex de 2020 estavam sendo cuidadosamente postergados globalmente». No primeiro trimestre, os investimentos adicionaram 472 milhões de reais, sendo 248 milhões para manutenção geral, 74 milhões para manutenção da usina de Ouro Branco e 150 milhões para expansão e atualização tecnológica. Se os destinaram de o valor total desembolsado em o ano, %43 para a operação Brasil, %20 para Aços Especiais, %33 para a ON América do Norte e %4 para a América do Sul. A Gerdau também declarou que seu conselho de gestão optou por não antecipar o pagamento dos dividendos referentes ao primeiro trimestre, em virtude das incertezas provenientes dos conseqüência da pandemia de Covid-19 no resultado do exercício de 2020. » reiterávamo que a política de dividendos da empresa permanecia em 30% do lucro líquido adaptado para o exercício, sendo facultativa a sua antecipação.»

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: United States, China

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ibovespa firma-se em queda após pedido de demissão de Teich; Petrobras sobe
>>>>>Ibovespa futuro sinaliza abertura negativa seguindo exterior – May 11, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa oscila sem viés definido com cena corporativa e exterior no radar – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa recua com menor apetite a risco no exterior; IRB desaba quase 15% – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 On Petrobras 470 75 PERSON 30 On: 4, Petrobras_On Petr3: 1, Suzano_On: 1, Cvc_On: 2, Petrobras_Pn: 2, (tacit) ele/ela (referent: On): 5, Marfrig_On: 1, Sabesp_On: 2, minerva On: 1, Fleury_On: 1, (tacit) ele/ela (referent: Petrobras_Pn): 1, Cyrela_On: 1, Jbs_On: 2, Brf_On: 1, brasil On: 2, Csn_On: 3
2 Ibovespa 25 120 ORGANIZATION 8 O Ibovespa: 3, o Ibovespa: 4, O Ibovespa futuro: 1
3 esta 0 0 NONE 8 esta: 8
4 alta 80 0 NONE 7 alta de %6: 1, alta: 1, alta de %1,5: 1, alta de %5,7: 1, alta de %0,63: 1, uma alta de %2: 1, a alta: 1
5 companhia 0 0 NONE 7 a companhia: 2, A companhia: 1, a empresa: 3, outras companhias: 1
6 exterior 0 0 NONE 6 o exterior: 6
7 queda 0 0 NONE 6 queda de %51,3: 1, queda: 5
8 meio 0 0 NONE 5 meio: 5
9 preocupações 0 240 NONE 4 preocupações: 4
10 eu 0 70 NONE 4 (tacit) eu: 4