Por: SentiLecto

– A Petrobras decidiu suspender «preventivamente» o abastecimento de um lote de gasolina de aviação importado após detectar mudanças no combustível, o que levou BR Distribuidora, Raízen e BP a interromperem provisoriamente a comercialização do produto na sequência. A Petrobras informou no sábado ter identificado um lote do produto, usado principalmente em aeronaves de menor porte, com «teor de compostos aromáticos diferente dos lotes até então importados», embora dentro dos exigências de característica exigidos pela reguladora ANP. A companhia, embora com a ressalva de que ainda não há diagnóstico inteiro que permita assegurar essa relação de causa e conseqüência. alegou: «A Petrobras estuda a suposição da variação da composição química ter impactado os materiais de vedação e revestimento de tanques de combustíveis de aviõezinhos de pequeno porte». Uma fonte da companhia informou à Reuters nesta segunda-feira que a estatal tem outros lotes de gasolina de aviação para ofertar ao mercado, o que evitaria qualquer problema de afornecimento A fonte, sem dar mais detalhes alegou: «Temos GAV de outros lotes e portanto não vai faltar produto». Nesta segunda-feira, companhias abastecidas pela Petrobras também informaram que interromperam a comercialização de gasolina de aviação e recomendaram a revendedores que façam o mesmo enquanto aguardam mais detalhes sobre as apurações da estatal ou orientação de reguladores. A BR Distribuidora declarou em comunicado ao mercado que tomou a resolução porque tem a Petrobras como única provedora do produto, assim como a Raízen, que declarou que «está em contato constante com a Petrobras para obter mais informações sobre o caso e opções para novos suprimentos», em nota à Reuters, uma joint venture entre a brasileira Cosan e a petroleira Shell. A BR alegou que a medida é válida «até que mais informações estejam disponíveis e haja orientações específicas pelos órgãos reguladores». A BP alegou que sua unidade Air bp interrompeu as vendas do combustível e comunicou aos clientes sobre os lotes comercializados. A BP em nota, após questionamento da Reuters declarou: «Permanecemos em contato com a Petrobras para obter outras informações sobre os lotes de gasolina de aviação e diagnóstico inteiro dos testes realizados no seu centro de pesquisas , para fins de rastreabilidade e opções para suprimento deste produto ao mercado». O alerta da Petrobras sobre o combustível para aviõezinhos veio após a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e a Agência Nacional de Aviação Civil terem informado na sexta-feira a criação de um grupo de trabalho conjunto «para apurar acusações sobre a característica da gasolina de aviação usada no país». As reguladoras informaram que equipes da ANP começaram fiscalizações, incluindo no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo. A Associação Brasileira de Pilotos da Aviação Civil que falou em profissão em a Anac encaminhou em as reguladoras as acusações , em » suspeita de contaminação » de o combustível.s pilotos pediram que a agência realize um inquérito sobre as condições técnicas e de característica do combustível distribuído no Brasil nos últimos 180 dias. No comunicado divulgado no final de semana, a Petrobras declarou que um diagnóstico inteiro sobre o produto vai exigir «rastreamento em todo o território nacional». A estatal também declarou que «todos os lotes importados estão dentro dos parâmetros exigidos pela ANP e que dispõe de produto importado para comercialização imediata, conservando-se, desta forma, o abastecimento de produto ao mercado». A estatal adicionou que vai seguir colaborando com Anac e ANP sobre o assunto. Procurada, a ANP não respondeu de imediato a um pedido de observações sobre os comunicados de Petrobras, BR e Raízen. Quando paralisou, a Petrobras tem importado gasolina de aviação junto a grandes companhias norte-americanas desde 2018 -se a unidade que produzia o combustível, em sua refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão, . A produção local deve ser reiniciada em outubro de 2020, após um atraso em obras associado à pandemia de coronavírus, aadicionoua estatal. A Petrobras não informou o volume do lote cujas vendas foram suspensas. Segundo informação do site da Petrobras, entre as aeronaves que usam o combustível estão aviõezinhos empregados na aviação particular, na agricultura, em treinamento de pilotos, na aviação comercial de menor porte e nos experimentais e desportivos.

– A Raízen decidiu interromper de maneira preventiva a comercialização de gasolina de aviação , usada principalmente em aeronaves de pequeno porte, informou a companhia nesta segunda-feira. A Raízen é joint venture entre a de Brasil Cosan e a petroleira Shell. O movimento segue-se a um alerta da Petrobras sobre um lote importado do produto que teria exibido compostos aromáticos diferentes de outras remessas, ainda que dentro das especificações da reguladora ANP. A estatal não deu detalhes sobre o tamanho do lote do combustível. A Raízen, que tem a Petrobras como única provedora de AVGAS, declarou que também recomendou a todos seus revendedores a suspensão da comercialização do combustível. Mais cedo, a BR Distribuidora também informou suspensão das vendas por ter a Petrobras como única provedora. A companhia, em nota mandada após questionamentos da Reuters declarou: «A Raízen reforça que está em contato constante com a Petrobras para obter mais informações sobre o caso e opções para novos suprimentos».

Na segunda-feira 29 de junho – A BR DistribuidoraBRDT3.SA>, companhia de combustíveis que tem a Petrobras PETR4.SA> como principal acionista, informou que recebeu autorização para atuar na comercialização de gás natural e estava interessada em potenciais negócios no setor. A Agência Nacional do Petróleo para as operações de comercialização de o insumo deu o aval , Gás Natural e Biocombustíveis e já estava em forcita , declarou a BR em comunicado em esta segunda-feira. «A empresa estava atenciosa às ochancesque serão geradas pela abertura desse mercado. Esse movimento estava alinhado à gadministraçãode portfólio, que é erauma das dez iniciativas anunciadas pela cempresa logo após a sua privatização», ddeclaroua BR, ao drealçartambém que o movimento e estavaalinhado com seu plano estratégico. A BR evidenciou, no entanto, que o aval da ANP » era somente um de muitos passos necessários» para viabilizar sua efetiva atuação na comercialização de gás natural. A companhia mencionou a necessidade de regulamentação da figura do consumidor livre de gás em Estados e definições regulatórias sobre o acesso a gasodutos de transporte.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo, Cubatao

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Petrobras faz alerta sobre lote de gasolina de aviação; BR, Raízen e BP interrompem vendas
>>>>>Raízen também suspende vendas de gasolina de aviação após alerta da Petrobras – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Petrobras 50 0 ORGANIZATION 15 a Petrobras: 9, A Petrobras: 5, (tacit) ele/ela (referent: a Petrobras): 1
2 Raízen 0 0 ORGANIZATION 8 a Raízen: 2, (tacit) ele/ela (referent: A Raízen): 2, A Raízen (apposition: joint venture): 1, A Raízen: 3
3 empresa 75 0 NONE 6 a companhia: 1, A companhia: 1, a empresa: 3, A empresa: 1
4 ANP 0 0 ORGANIZATION 5 ANP: 1, a reguladora ANP: 1, a ANP: 3
5 BR 0 0 ORGANIZATION 5 a BR: 2, A BR: 3
6 combustível 0 0 NONE 5 o combustível: 4, o combustível distribuído: 1
7 estatal 0 0 NONE 5 a estatal: 2, A estatal: 3
8 BP 0 0 ORGANIZATION 4 (tacit) ele/ela (referent: A BP): 1, bp: 1, A BP: 1, a BP: 1
9 esta 0 0 NONE 4 esta: 4
10 mercado 0 0 NONE 4 o mercado: 4