Por: SentiLecto

– O programa de financiamento à folha de pagamento pvai passarem breve por mmudançaspara que sse aagilizemseus desembolsos,aalegounesta segunda-feira o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Da verba original de 40 bilhões de reais –sendo 34 bilhões de reais do Tesouro e 6 bilhões de reais dos bancos– o chamado Pese liberou somente 1,97 bilhão de reais até agora. Em apresentação apresentada em audiência pública virtual em delegação mista do Congresso, Campos Neto mencionou que companhias com faturamento bruto anual em 2019 entre 10 milhões e 50 milhões de reais devem se tornar elegíveis para a tomada de empréstimos. Hoje, o programa é voltado somente aos negócios com faturamento entre 360 mil reais e 10 milhões de reais. Segundo a apresentação, haverá extensão do Pese por mais dois meses e concessão de financiamento para companhias que conservarem ao menos 50% dos postos de trabalho –antes, era necessário que conservassem 100% das vagas. O cálculo é que a extensão de dois meses para as companhias elegíveis irá ter um efeito de 5 bilhões de reais e que a inclusão da nova faixa de faturamento também irá promover uma liberação de igual soma, adicionando efeito de 10 bilhões de reais. Campos Neto alegou: «Eu acho que com as mudanças que a gente fará a gente consegue atingir uma coisa perto de 20 bilhões «. O presidente do BC voltou a declarar que serão anunciadas em breve novas medidas para o crédito, buscando maior direcionamento na ponta. Se o país adotar penalização bastante grande em relação à remuneração do crédito para os bancos, ppossivelmenteo spread vsubirá sobre o cpreçodos empréstimos, ele drealçouque.»Essa não é a solução», cogitou. TRANSFERÊNCIA AO TESOURO De acordo com Campos Neto, a autoridade monetária é em defesa da transferência do lucro com reservas para o Tesouro, mas com a continuidade de um colchão que fique com o BC. Ele reforçou que o assunto vai ser objeto de análise pelo Conselho Monetário Nacional . O colegiado conta com votos de Campos Neto, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues. Na lei sobre as relações entre Tesouro e BC, de 2019, há uma brecha para utilização dos recursos da reserva de resultado da autoridade monetária, composta pelo resultado obtido com operações cambiais, para o pagamento da dívida pública interna quando severas restrições nas condições de liquidez afetarem de forma significativa o seu refinanciamento. Faz 1 mês, até o dia 22 de maio, o BC registrou um ganho de 499,7 bilhões de reais com operações cambiais, de janeiro. «Nós somos em defesa da transferência. Obviamente teria que deixar algum resultado porque a moeda tem sido bastante volátil, não é interessante transferir tudo», declarou Campos Neto. «Isso está sendo estudado e isso é um voto do CMN. Banco Central não é contra esse movimento desde ele seja feito de uma maneira que você tenha algum colchão, ou seja, alguma proteção para o momento de cotação no balanço do Banco Central e que atenda às epré-requisitodo Tesouro», completou. META DE INFLAÇÃO Ao ser questionado sobre a chance de cumprimento da meta de inflação em 2020 e sobre a necessidade de ser revista, Campos Neto respondeu que o BC não teria que mudá-la. «Eu acho que, quando você tem um desvio provisória da meta por uma razão extraordinária, você não teria que mudar a meta. A meta teria que ser mais estável do que isso», alegou. A meta deste ano é de um IPCA em 4%, com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. Diante dos fortes efeitos desinflacionários da crise com o coronavírus, a inflação oficial acumulada tem rodado abaixo do piso da meta, ficando em 2,40% nos 12 meses até abril. Campos Neto declarou ter absoluta convicção que essa é uma crise sem precedentes, com efeito profundo no setor de serviços. Após uma retração do Produto Interno Bruto de 1,5% no primeiro trimestre, a expectativa do BC é de uma performance «bem pior» no segundo trimestre, com recuperação a partir do terceiro trimestre. Ele reforçou que a projeção da autoridade monetária para o PIB vai sair no próximo Relatório Trimestral de Inflação, no fim deste mês, mas adiantou que «comparando com o que se o anunciou de o último Copom para este, a gente tem uma piora de perspectiva apreciável». «Para o ano que vem, nós teremos uma recuperação, que vai ser um pouco menor do que a piora deste ano, mas estamos calibrando ainda expectativas. De novo, vai depender um pouco da extensão do distanciamento social», afirmou Campos Neto. O presidente do BC realçou que o Brasil padeceu uma grande saída de recursos na crise, o que menciona que o financiamento externo não é uma variável com a qual o país pode contar no curto prazo. Ainda que o Brasil foi o país que mais padeceu com desvalorização cambial, ele evidenciou, mas frisou que a cotação melhorou na última semana. Sobre o assunto, Campos Neto reiterou que a cotação é flutuante e que eventuais intervenções do BC são feitas quando há problemas de liquidez no mercado.

– Roberto Campos Neto declarou nesta quinta-feira que a instituição estava preparada para fazer intervenção maior no mercado de cotação Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central., mas que posteriormente o real apreciou. Ainda assim, Campos Neto compreende que essa vai ser uma variável que vai seguir volátil. Ele alegou que, por ora, o BC segue com as atuações que vinha realizando até então.- Roberto Campos Neto declarou nesta quinta-feira que os membros da instituição compreendem que a ferramenta política monetária não está esgotada e que recorrer a outros instrumentos antes de exauri-a acaba instituindo perda na credibilidade que é maior. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. Campos Neto alegou ainda que no BC ainda não se sabe exatamente o ponto do lower bound –nível de juros abaixo do qual a política monetária perde efetividade para animar a economia–, com os membros do Comitê de Política Monetária divergindo sobre esse eventual platô.- Roberto Campos Neto admitiu nesta quinta-feira que estava inquietado com os números das contas externas Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. que estava inquietado com os números das contas externas, mas que agora é possível ver dados melhores e que o BC compreende que o mercado também os enxergaria. Ainda que o equilíbrio dos fluxos veio como a instituição, campos Neto alegou compreendia que iria ocorrer. Ele adicionou que a autarquia sabia que em alguns momentos deveria fazer intervenções cambiais conforme o real se descolava de pares e que, atualmente, o prêmio de risco está bastante ligado à questão fiscal.

Na segunda-feira 25 de maio – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, realçou que é recomendada precaução na condução da política monetária no país, e que a dívida pública alta é importante fator de risco, assinalando que houve ampliação nos juros de 5 anos especialmente para os países de dívida mais elevada –Brasil e África do Sul. Faz 1 mês, em apresentação divulgada por o BC, Campos Neto divulgou que a prorrogação de operações de crédito em o âmbito de a renegociação de dívidas junto a bancos chegou a 535,7 bilhões de reais em o fase de 16 de março a, tendo como pano de fundo a crise provocada por a pandemia de o coronavírus. Faz 1 mês, ele reiterou ainda mensagem de a última reunião de o Comitê de Política Monetária, assinalando que o colegiado considera um último ajuste em os juros, não maior que o corte de 0,75 ponto realizado Hoje, a Selic estava em 3% ao ano. «O Comitê reconhecia que se aumentou a variância do seu balanço de riscos e evidenciava que novas informações sobre os conseqüência da pandemia, assim como uma redução das incertezas no âmbito fiscal, serão imprescindíveis para definir seus próximos passos», trouxe a apresentação, preparada para reunião de Campos Neto com representantes da Organização das Cooperativas Brasileiras. FINANCIAMENTOS NA CRISE Sobre a conduta do mercado de crédito em meio à crise, a maior parte das renegociações foi feita pelos bancos públicos grandes: 50,9% do total. apareciam em seguida as instituições privadas de grande porte, com fatia de 27,9%. A abertura de dados pelo BC também mostrou que, considerando os segmentos de corporate , middle , MPE e pessoas físicas, o valor das operações negociadas foi maior para as famílias, chegando a 335,7 bilhões de reais, ou 62,7% do total. As companhias médias responderam por 20,4% do valor do crédito repactuado no fase, seguidas pelas micro e pequenas companhias e pelas grandes companhias . Aso as grandes companhias saíram na frente, já em relação às novas contratações, o BC contabilizou 441,8 bilhões de reais em operações de 16 de março a 15 de maio, sendo que nesse c abocanhando 57,9% do total.Pessoas físicas vinham na sequência , com médias companhias e micro e pequenas atrás. Para as novas contratações, a relação entre públicos e privados se inverteu, com os bancos privados sendo mais atuantes. Os grandes bancos privados De as operações totais , %59 fecharam elas e somente %19,1 por os maiores bancos públicos. Faz 3 meses, títulos privados Na apresentação, Campos Neto também chamou a atenção para a captação líquida negativa de 6,6 bilhões de reais de títulos privados em o acumulado a março de este ano. No mesmo fase do ano passado, havia sido registrado uma captação de 16,2 bilhões de reais. Faz 1 ano, o movimento foi capitaneado por as debêntures livres, com uma captação líquida negativa de 4,8 bilhões de reais. Segundo Campos Neto, os valores negociados e spread de debêntures ampliaram de forma expressiva no começo da quarentena no mercado secundário, mas começaram a ceder a partir de meados de abril.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Vai estender-se programa de financiamento em a folha e vai atender companhias maiores, menciona Campos Neto
>>>>>BC estava preparado para intervenção maior no câmbio antes de real apreciar, diz Campos Neto – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ferramenta de política monetária não está esgotada, diz Campos Neto – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Fluxos se equilibraram e é possível ver dados melhores das contas externas, diz Campos Neto – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Roberto Campos 0 106 PERSON 28 Ele (referent: Campos_Neto): 3, (tacit) ele/ela (referent: Campos_Neto): 5, Roberto_Campos_Neto: 1, (tacit) ele/ela (referent: Roberto_Campos_Neto): 2, Campos_Neto: 13, Roberto_Campos_Neto (apposition: O presidente de o Banco_Central): 4
2 eu 0 4 NONE 10 Eu: 2, (tacit) eu: 8
3 empresas 180 50 NONE 9 médias empresas: 1, as micro e pequenas empresas: 1, as grandes empresas: 2, empresas: 3, As empresas médias: 1, as empresas elegíveis: 1
4 BC 0 0 ORGANIZATION 9 o BC: 9
5 o presidente de o bc 0 200 NONE 6 Ele (referent: O presidente de o BC): 1, (tacit) ele/ela (referent: O presidente de o BC): 5
6 esta 0 150 NONE 5 esta: 5
7 crise 20 35 NONE 5 uma crise: 1, crise provocada: 1, a crise: 3
8 bancos 100 0 NONE 5 os bancos públicos grandes: 1, os maiores bancos públicos: 1, os grandes bancos privados: 1, os bancos privados: 1, bancos: 1
9 apresentação 0 0 NONE 5 apresentação: 1, a apresentação: 2, apresentação exibida: 1, apresentação divulgada: 1
10 país 0 0 NONE 5 o país: 5